Ignacio Elizondo: Biografia

Ignacio Elizondo entrou na história do México como o homem que traiu muitos dos líderes dos primeiros anos da Guerra da Independência. Elizondo nasceu em 1766, no vale de Nossa Senhora das Salinas, em uma família rica da região.

Apesar de ser conhecido por sua carreira militar, Elizondo não entrou no exército antes de 30 anos. Antes ele havia se dedicado ao trabalho de sua fazenda, além de arrendar outro com um empréstimo concedido pelo bispo de Llanos y Valdez.

Ignacio Elizondo: Biografia 1

Captura dos insurgentes por Ignacio Elizondo

Sua primeira posição no exército realista foi como tenente de cavalaria das milícias provinciais da companhia de Pesquería Grande, no Reino de Nuevo León. Ele também foi responsável por uma prisão militar.

Em 1811, após o Grito de Dolores, Elizondo ingressou nas fileiras dos insurgentes, embora alguns historiadores acreditem que a adesão seja falsa.

A verdade é que foi ele quem preparou a emboscada na qual Miguel Hidalgo, Juan Aldama, Mariano Abasolo, Mariano Jiménez e Ignacio Allende foram presos.

Biografia

Francisco Ignacio Elizondo Villarreal, nome com o qual foi batizado, veio ao mundo em 9 de março de 1766 no vale de Nossa Senhora das Salinas. Ele passou a infância na fazenda da família, em Pesquería Grande (hoje chamada García, Nuevo León).

Ele era filho de um próspero proprietário de terras, que possuía várias propriedades. Ignacio tinha sete irmãos, fazendo dele o número cinco entre eles.

Outro de seus irmãos, Nicolás, também fez parte dos eventos pelos quais Ignacio é conhecido. Dois anos mais jovem, foi, entre toda a sua grande família, que ele ficou mais tempo com ele.

Fazenda

Não há muitos dados sobre a infância ou os estudos de Ignacio. Além da permanência na fazenda da família, os historiadores não contribuem com fatos relevantes.

Relacionado:  As 10 Consequências da Guerra dos Mil Dias Principais

Já em 1798, Elizondo arrendou a propriedade Carrizal, localizada em Lampazos. Para isso, obteve um empréstimo do bispo Fernando de Llanos e Valdez, o que implica que ele mantinha um bom relacionamento com pessoas importantes da região. O eclesiástico não apenas lhe emprestou dinheiro, mas também ganhou.

Entrada no exército

No mesmo ano de 1798, Ignacio Elizondo iniciou sua carreira militar. Ele já tinha 32 anos, idade avançada para o que era usual na época. Seu primeiro destino foi a milícia provincial de Pesquería Grande.

Em dois anos, Elizondo foi promovido ao posto de capitão dos dragões provinciais de Lampazos. Ele desenvolveu seu trabalho na prisão militar da região, uma das maiores do norte da Nova Espanha. No entanto, durou apenas um ano no cargo, pois ele preferiu retornar ao seu cargo na milícia provincial.

Alguns anos depois, em 1806, ele foi contratado para comandar a Oitava Companhia Militar dos Dragões Provinciais em Lampazos. O governador queria parar os ataques dos apaches. Estes, do norte, costumavam brincar na área, causando muitos assassinatos.

Depois de completar com sucesso a missão, Elizondo não demonstrou interesse em continuar no exército. Sua preferência era voltar para suas propriedades, mas as autoridades não lhe concederam permissão.

Ele veio solicitar a dispensa do vice-rei, afirmando que sua ocupação militar estava causando a ruína de sua propriedade.

Mudança de residência

Isso não agradou o governador, que se sentiu ignorado por Elizondo. Finalmente, Ignacio teve que mudar de endereço, mudando-se para a Fazenda de San Juan de Canoas, na província de Coahuila.

Em nível pessoal, Elizondo se casou no mesmo ano com María Romana Carrasco. Nessas datas, ele também comprou uma nova propriedade, a Hacienda del Alamo, em Monclova.

Relacionado:  As 10 principais características da monarquia

Passo para a insurgência

Elizondo havia abandonado sua carreira militar quando Miguel Hidalgo foi lançado em Grito de Dolores. Esse foi o começo da Guerra da Independência, que logo se espalhou por todo o território mexicano.

Nas chamadas Províncias Internas do Oriente, havia, em princípio, uma grande divisão. Algumas províncias permaneceram do lado realista e outras se juntaram aos rebeldes.

Embora existam muitas discrepâncias entre os historiadores, Elizondo se declara, no início, um defensor do rei Fernando VII e, portanto, das autoridades espanholas do vice-reinado.

Segundo alguns especialistas, sua incorporação nas fileiras dos insurgentes foi uma estratégia desenvolvida pelos monarquistas. Outros, por outro lado, apontam que, naquela época, ele o fez porque considerava seu lugar.

A verdade é que sua ajuda foi importante para que o Novo Reino de León, Coahuila e Nuevo Santander fossem passados ​​para o lado independente.Elizondo, em poucas semanas, alcançou a posição de tenente-coronel no exército rebelde.

A traição

Como o que acontece com a incorporação de Elizondo aos insurgentes, os historiadores não encontram uma razão unânime para explicar a traição que o fez conhecido.

Alguns apontam para sua amizade com o bispo Primo Marín de Porras ou a influência do general Ramón Díaz de Bustamante como causa de sua ação.

Parece comprovado que Elizondo se sentiu maltratado por não ter conseguido as promoções que, segundo ele, ele merecia. Allende se recusou a recompensá-lo e isso causou grande ressentimento.

Elizondo chegou a um acordo com os monarquistas e, em 17 de março de 1811, ele participou da captura de Monclova. Dois dias depois, no dia 19, partiu para Acatita de Baján, com a desculpa de prestar homenagem a Hidalgo.

Relacionado:  O que foi o Apunchic?

Em vez disso, ele preparou uma armadilha para o líder da independência, que estava com outros grandes líderes da insurgência. Em 21 de março, acompanhado por um destacamento, pegou Hidalgo, Allende, Abasolo e Aldama de surpresa, entre outros, apreendendo-os e entregando-os aos monarquistas.

Elizondo, depois disso, permaneceu no exército. Alega-se que seu tratamento dos insurgentes que ele estava aprisionando foi extremamente cruel.

Morte

Em 1812, Elizondo foi contratado para ir para o norte para lutar contra Bernardo Gutiérrez de Lara. Ele foi nomeado comandante geral das Províncias Internas do Oriente pelo próprio Calleja, alcançando sua posição máxima no exército.

Ele participou da reconquista de San Antonio de Béjar, ordenando atirar nos prisioneiros que suas forças haviam tomado.

Em 12 de setembro, durante uma expedição ao Texas, Elizondo foi reconhecido por um tenente, Miguel Serrano. Algumas fontes afirmam que ele ficou louco pelas execuções que testemunhou. Outros, por outro lado, apontam que ele fingiu ser louco para se aproximar e vingar a traição cometida.

Por qualquer uma dessas razões, Serrano esfaqueou Elizondo em 12 de setembro de 1813, causando sua morte.

Referências

  1. Carmona Dávila, Doralicia. Em Acatita de Baján, Ignacio Elizondo trai e apreende os líderes insurgentes Hidalgo, Allende, Abasolo e Jiménez. Obtido de memoriapoliticademexico.org
  2. Wikimexico A emboscada: Ignacio Elizondo. Obtido em wikimexico.com
  3. Rivers, Arturo. Quem foi o traidor, Ignacio Elizondo. Obtido de mexiconuevaera.com
  4. UKEssays. Ensaio de História do Pai da Independência Mexicana. Obtido de ukessays.com
  5. Revolvy Ignacio Elizondo. Obtido em revolvy.com
  6. Minster, Christopher. Biografia do Padre Miguel Hidalgo e Costilla. Obtido em thoughtco.com
  7. Arquivo Histórico de Monterrey. Ignacio Elizondo, o traidor. Obtido em Archivohistorico.monterrey.gob.mx

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies