Pablo Pineda: biografia

Pablo Pineda tem a distinção de ser o primeiro europeu com síndrome de Down a terminar um diploma universitário. Ele também é professor, educador, escritor, apresentador de televisão e ator. Além disso, em 2009, ele foi premiado com o Silver Shell como o melhor ator no Festival Internacional de Cinema de San Sebastian.

O crítico concedeu-lhe essa distinção por seu excelente desempenho no filme “Eu também”.Neste filme, ele interpreta o papel de um universitário com síndrome de Down. Hoje, ele dá palestras, faz apresentações sobre deficiências e fala sobre suas próprias experiências para acabar com os preconceitos relacionados.

Pablo Pineda: biografia 1

Por Drivaspacheco Daniel Rivas Pacheco [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], do Wikimedia Commons

Entre 2003 e 2006, ele trabalhou na Câmara Municipal de sua cidade, preparando outras pessoas com deficiência para encontrar trabalho, entre outras responsabilidades. Ele também trabalha desde 2010 com a Fundação Adecco em questões como conscientização e treinamento para o público empresarial e a sociedade em geral.

Em datas mais recentes, ele viajou para diferentes países, como Colômbia, República Dominicana e em alguns países europeus, para sensibilizar as pessoas. Parte de seu trabalho inclui a publicação de um livro em 2013 intitulado “The Learning Challenge”. Além disso, naquele ano, ele apresentou o programa “Pense positivo” na televisão espanhola.

Biografia

Nascimento e educação

Pablo Pineda Ferrer nasceu em Málaga em 5 de agosto de 1974 em uma família valenciana. Ele era o caçula de quatro irmãos e, desde a infância, foi diagnosticado com síndrome de Down.

Tanto seu pai, Roque Pineda, quanto sua mãe, María Ferrer, decidiram tratá-lo da mesma maneira que seus irmãos e o matricularam em uma escola pública.

Na infância, ele interagiu com toda a escola e teve muitos amigos. Seus professores o trataram com amor, mas foi justamente pela boca de um deles que Pablo Pineda ouviu pela primeira vez, aos 6 anos, a palavra “síndrome de Down”.

A partir desse momento, ele percebeu por que sua aparência física chamou a atenção de alguns colegas. Pablo decidiu não se deixar intimidar e terminou a escola com boas notas. Posteriormente, ele repetiu seus sucessos no ensino médio, onde se formou com honras.

Aos 21 anos, ele entrou na universidade para continuar estudando. E ele escolheu estudar ensino em educação especial. Então, ele decidiu documentar e investigar sua condição. Lá, ele descobriu, comparando com o seu caso, que havia muitos conceitos errados sobre essa síndrome.

Para provar isso, Pablo continuou sua carreira universitária vivendo da maneira mais independente possível, conquistando o respeito e o apoio de seus colegas e professores.

Finalmente, e apesar das expectativas negativas, ele conseguiu terminar o curso e se formar, tornando-se o primeiro europeu com síndrome de Down a alcançá-lo.

Vida laboral

Depois de se formar na universidade, Pablo Pineda decidiu contar ao mundo sua experiência. Em seguida, dedicou-se a dar trabalhos e conferências para promover a compreensão e o respeito por diferentes pessoas.

Por outro lado, ele trabalhou como coach de trabalho para pessoas com alguma disfunção. Da mesma forma, ele fez várias apresentações com a Fundação “O que realmente importa”. E, por meio da Fundação Adecco, na Espanha, tenta conscientizar e treinar o ambiente de negócios sobre esse tipo de disfunção.

Em 2011, ele esteve na Colômbia, juntamente com as organizações Adecco Foundation e Global Connection . Nesta viagem, Pablo Pineda dedicou-se a atividades destinadas a sensibilizar empresários naquele país e cidadãos em geral. O objetivo era convencê-los a incluir mais pessoas disfuncionais em seus modelos de trabalho.

Ele também colabora com universidades em programas que estudam a inserção de pessoas com síndrome de Down na vida social e profissional. Pablo Pineda está convencido de que o fracasso de muitas pessoas que sofrem dessa condição se deve ao pouco estímulo que receberam em seu treinamento.

Caráter

Seus amigos e quem o trata dizem que Pablo Pineda é um homem muito positivo, de bom humor e caráter pacífico. Eles também o descrevem como uma pessoa em constante busca de seus objetivos.

Da mesma forma, eles dizem que aprenderam a ter humor em situações desconfortáveis, resultantes de preconceitos sociais devido à sua condição.

Por outro lado, Pablo comenta que, ao longo dos anos, adquiriu uma certa independência social de seu círculo familiar. Ele afirma que descobriu que tem gostos que o diferenciam deles.

Ele afirma que algum tempo antes ele próprio pensou erroneamente que os afetados por essa síndrome não tinham seus próprios gostos ou privacidade.

Em relação ao filme, ele diz que lhe permitiu saborear a emancipação física. Essa experiência, diz ele, foi muito agradável para ele e o colocou mais perto da emancipação total.

Atividade cinematográfica

Outra das grandes realizações de Pablo Pineda foi sua participação no papel principal no filme “Eu também”, juntamente com Lola Dueñas (atriz espanhola). Este é um filme de 2009 dirigido por Álvaro Pastor e Antonio Naharro.

Nele, Pablo interpreta Daniel, uma pessoa de 34 anos com síndrome de Down que se apaixona por Laura, uma colega de trabalho também sem deficiência aparente.A intenção deste filme era apresentar ao público pessoas com essa condição como seres humanos normais.

Ao longo do filme, você pode ver situações pessoais que mostram que elas também têm necessidades, se apaixonam e têm problemas de trabalho. A performance desenvolvida por Pablo no filme lhe permitiu quebrar tabus sobre sua condição.

Por sua performance, Pablo Pineda foi indicado ao prêmio Goya como melhor ator de revelação e foi premiado com a Silver Shell como melhor ator no Festival Internacional de Cinema de San Sebastián.

Em geral, o “eu” foi recebido positivamente pelos críticos. Nas avaliações feitas pelas páginas especializadas, sem chegar ao topo, permaneceu acima da média no gosto do público.

Outros agradecimentos

Em 2013, o prefeito de Málaga batizou com seu nome uma rotatória em sua cidade natal. Ao longo de sua carreira profissional, Pablo recebeu muitos prêmios, medalhas e prêmios. Entre eles, vale destacar a Medalha da Província de Málaga e a Medalha da Andaluzia, ambas concedidas em 2005.

Referências

  1. Zaid, A. (2018). Somos resilientes. Nova Jersey: Babelcube Inc.
  2. Cano Montes, S.; García Fernández, L .; Luque López, LA; Castillo, C .; Rodríguez, R. e Montealegre Guzmán, EM (s / f). Pablo Pineda: “A beleza está no diferente”. Retirado de uam.es.
  3. Fundação Adecco. (s / f). Pablo Pineda, 41 anos de exemplo. Retirado de fundacionadecco.org.
  4. A opinião de Málaga. (24 de junho de 2013). Málaga dedica um mirante a Pablo Pineda. Retirado de laopiniondemalaga.es .
  5. Pérez, FJ (02 de janeiro de 2009). “Você pode imaginar um galante com síndrome de Down?” Retirado de elpais.com.
  6. Fundação Adecco. (2018, 18 de agosto). “As empresas e a sociedade estão ganhando quando a deficiência é normalizada”. Retirado de fundacionadecco.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies