José Joaquín Fernández de Lizardi: Biografia e Obras

José Joaquín Fernández de Lizardi foi um escritor e jornalista mexicano, nascido em 1776 e falecido em 1827. É considerado um dos precursores do romance latino-americano, sendo conhecido principalmente pela sua obra mais famosa, “O Periquillo Sarniento”, publicada em 1816. Além disso, Lizardi foi um importante crítico social e político, utilizando suas obras para denunciar as injustiças e desigualdades da sociedade mexicana da época. Sua escrita era marcada pelo humor e sátira, o que lhe conferiu grande popularidade e influência em seu país.

Principais obras de José Joaquín Fernández de Lizardi, um importante escritor mexicano.

José Joaquín Fernández de Lizardi, também conhecido como “O Pensador Mexicano”, foi um escritor mexicano do século XIX conhecido por suas obras satíricas e críticas sociais. Nascido em 1776, em Cidade do México, Lizardi foi um dos pioneiros da literatura no México independente, lutando contra a censura e defendendo a liberdade de expressão.

Uma de suas obras mais famosas é o romance “El Periquillo Sarniento”, publicado em 1816. Esta obra é considerada o primeiro romance moderno da América Latina e conta a história de um jovem que enfrenta vários desafios e aventuras em sua vida.

Outra obra importante de Lizardi é “La Quijotita y su Prima”, publicada em 1818. Neste romance, o autor faz uma releitura da famosa obra de Miguel de Cervantes, “Dom Quixote”, adaptando-a para a realidade mexicana e abordando questões sociais e políticas da época.

Além dessas obras, Lizardi escreveu diversos jornais e folhetins, nos quais satirizava a sociedade e as autoridades da época. Sua escrita era marcada pelo humor e pela crítica mordaz, o que lhe rendeu tanto admiradores quanto inimigos.

Apesar de ter enfrentado muitas dificuldades ao longo de sua vida, José Joaquín Fernández de Lizardi deixou um legado importante para a literatura mexicana, sendo reconhecido como um dos grandes escritores do país. Suas obras continuam sendo estudadas e apreciadas até os dias de hoje, mostrando a relevância e atualidade de suas críticas e reflexões.

A morte de José Joaquín Fernández de Lizardi: causas e circunstâncias de sua partida.

José Joaquín Fernández de Lizardi foi um importante escritor e jornalista mexicano, considerado o pai do romance mexicano. Nasceu em 1776 e faleceu em 1827, deixando um legado literário que influenciou gerações posteriores. Sua obra mais conhecida é “El Periquillo Sarniento”, um dos primeiros romances latino-americanos.

Infelizmente, a vida de Fernández de Lizardi não foi fácil e ele enfrentou diversas dificuldades ao longo de sua trajetória. Além disso, sua saúde também foi fragilizada por problemas de saúde, o que acabou contribuindo para sua morte prematura. Em 1827, aos 51 anos, o escritor veio a falecer em Cidade do México, vítima de uma doença grave.

As causas exatas da morte de Fernández de Lizardi não são totalmente claras, mas sabe-se que ele sofria de problemas de saúde crônicos que se agravaram com o tempo. Sua morte foi um golpe para a literatura mexicana, que perdeu um de seus maiores expoentes. As circunstâncias de sua partida foram marcadas por tristeza e pesar entre seus contemporâneos e admiradores.

Apesar de sua morte precoce, o legado de José Joaquín Fernández de Lizardi perdura até os dias atuais, com suas obras sendo estudadas e apreciadas por amantes da literatura em todo o mundo. Sua contribuição para a cultura mexicana e latino-americana é inestimável, e sua memória vive através de suas palavras imortais.

Principais informações sobre José Joaquín Fernández de Lizardi: vida, obra e legado literário.

José Joaquín Fernández de Lizardi foi um importante escritor e jornalista mexicano do século XIX, conhecido como o “Pensador Mexicano”. Nascido em 1776, em Cidade do México, Lizardi teve uma vida marcada por lutas políticas e sociais, o que influenciou profundamente sua obra literária.

Sua obra mais famosa é o romance “El Periquillo Sarniento”, considerado o primeiro romance moderno da América Latina. Publicado em 1816, o livro critica a sociedade colonial mexicana e aborda questões como corrupção, hipocrisia e desigualdade social.

Além de romances, Lizardi também foi um prolífico autor de sátiras políticas e sociais, sendo um crítico ferrenho do governo e da igreja. Suas obras refletiam seu pensamento liberal e seu desejo de mudança e progresso para o México.

O legado literário de José Joaquín Fernández de Lizardi é de extrema importância para a literatura mexicana e latino-americana como um todo. Sua coragem em abordar temas polêmicos e sua habilidade em mesclar humor e crítica social influenciaram gerações de escritores e pensadores.

Apesar de ter enfrentado perseguições políticas e censura, Lizardi nunca se calou e continuou a escrever até o fim de sua vida. Sua contribuição para a literatura e para o pensamento crítico é inegável, e seu nome permanece vivo na memória dos que valorizam a liberdade de expressão e o poder transformador da literatura.

Relacionado:  O que é um mapa cognitivo? Características principais

Poemas de José Joaquín Fernández de Lizardi: uma obra de arte literária clássica.

José Joaquín Fernández de Lizardi, também conhecido como “O Pensador Mexicano”, foi um escritor, jornalista e poeta mexicano do século XIX. Nascido em 1776, ele é mais conhecido por suas obras literárias satíricas e críticas sociais, que o tornaram uma figura importante no movimento de independência do México.

Entre suas obras mais renomadas estão os Poemas de José Joaquín Fernández de Lizardi, que são considerados uma obra de arte literária clássica. Seus poemas abordam temas como amor, natureza e justiça social, refletindo sua visão única do mundo e sua habilidade em capturar a essência da vida em palavras.

Lizardi foi um escritor prolífico, tendo escrito não apenas poesias, mas também romances, ensaios e peças de teatro. Sua escrita era marcada por um estilo satírico e humorístico, que muitas vezes era usado para criticar as injustiças e desigualdades da sociedade mexicana da época.

Apesar de enfrentar censura e perseguição política durante sua vida, José Joaquín Fernández de Lizardi deixou um legado duradouro na literatura mexicana. Suas obras continuam a ser estudadas e apreciadas até os dias de hoje, sendo reconhecidas como exemplos de excelência literária e crítica social.

José Joaquín Fernández de Lizardi: Biografia e Obras

José Joaquín Fernández de Lizardi , mais conhecido como “Lizardi”, foi um escritor e político mexicano que foi creditado por escrever o primeiro romance latino-americano, publicado em 1816. Além de ser conhecido por ser um escritor proeminente da época, Lizardi também Ele trabalhou como editor e redator de panfletos. Seu trabalho o fez entrar na história como uma figura proeminente no aspecto literário do movimento de libertação mexicano.

A qualidade mais importante que o escritor tinha era sua capacidade de descrever com uma notável perfeição o desenvolvimento de eventos diários na Nova Espanha . Os trabalhos de Lizardi não apenas explicam com grande precisão a maneira como as pessoas falavam na época, mas também a maneira como se desenvolvem dia após dia.

José Joaquín Fernández de Lizardi: Biografia e Obras 1

Veja a página do autor [Domínio público], via Wikimedia Commons

Suas idéias ajudaram a melhorar o nível educacional de todo o continente americano, porque, na época, isso foi considerado bastante deteriorado e muito tarde em comparação com o sistema europeu.

Biografia

Primeiros anos

José Joaquín Fernández de Lizardi nasceu em 15 de novembro de 1776 na Cidade do México, quando a capital mexicana ainda pertencia ao vice-reinado da Nova Espanha, propriedade colonial da coroa espanhola.

A família de Lizardi estava, de uma maneira ou de outra, ligada ao campo literário. Seu pai era um fisioterapeuta que trabalhava na Cidade do México (ou na área circundante, se surgisse a oportunidade), mas em muitas ocasiões ele trabalhou como escritor para obter renda adicional para o lar.

Sua mãe, apesar de não pertencer a uma família de classe alta, também possuía conhecimento literário. O avô materno de Lizardi havia trabalhado como vendedor de livros.

O jovem Lizardi começou a estudar no prestigiado Colegio San Ildefonso, uma das poucas instituições educacionais de nível relativamente alto que existiam no México colonial. No entanto, após a morte de seu pai em 1798, ele teve que deixar a escola para começar a produzir renda para sua casa.

Como resultado, ele se alistou no serviço público para atuar como magistrado da região de Taxco. Lá ele conheceu sua futura esposa, com quem se casou em 1805.

Começos por escrito

Pouco depois de se tornar magistrado, Lizardi viu a necessidade de começar a produzir mais renda para sustentar sua família. A única maneira de fazê-lo era através da escrita, o mesmo meio que seu pai usava em tempos de necessidade.

Portanto, em 1808, Lizardi começou sua carreira como escritor profissional. A primeira peça escrita pelo autor destacado mais tarde foi um poema em homenagem a Fernando VII, que até então era o rei da Espanha.

Esse poema pode ter sido controverso, dada a natureza despótica do então monarca espanhol, mas havia muito pouco conhecimento de suas ações na América colonial no início do século XIX. De fato, quando Lizardi escreveu seu primeiro poema, a Espanha estava sendo invadida pelas tropas de Napoleão.

O irmão de Napoleão Bonaparte, em 1808, tornou-se o monarca provisório da Espanha durante o período da invasão francesa. Foi em consequência desse fato que Lizardi escreveu o poema em homenagem a seu rei, uma ação vista como patriótica no círculo intelectual mexicano da era colonial.

Relacionado:  20 tipos de etnias do mundo: características e origens

Papel político

O papel político mais importante desempenhado por Lizardi foi durante seu mandato na região de Taxco. Em 1810, quando foi desencadeado o início da Guerra da Independência do México, Lizardi ocupava a posição mais importante no governo da região colonial de Taxco.

Quando o exército insurgente chegou à região, Lizardi encontrou um dilema. Para resolvê-lo e após a derrota das forças do governo, o político atuou como mediador entre o lado dos insurgentes e o lado do governo.

Lizardi entregou todas as armas da cidade aos rebeldes, mas informou o vice-reinado sobre as atividades de independência.

Embora em algum momento suas ações possam parecer hipócritas, Lizardi explicou o motivo de suas ações em seus trabalhos futuros. O poeta argumentou que o movimento insurgente tinha mérito reformista, mas, por sua vez, era contra a violência.

Para ele, a entrega da região de Taxco aos rebeldes representava uma maneira de evitar a perda da vida dos moradores, uma vez que a responsabilidade pelo bem-estar da cidade estava com ele.

Quando a Espanha recuperou a cidade, ela foi tomada como prisioneira de guerra e considerada um “simpatizante dos rebeldes”. No entanto, ele usou o argumento de que ele só queria evitar a perda de vidas locais para justificar suas ações, que o vice-rei aceitou antes de libertá-lo da prisão.

Voltar a escrever

Embora Lizardi tenha sido libertado da prisão e estivesse livre, ele permaneceu na Cidade do México sem emprego ou bens, pois havia perdido tudo após a insurgência de Taxco.

A situação desesperada do autor fez dele um escritor em tempo integral, dedicando todo o seu conhecimento à produção de conteúdo literário. Em 1811, ele criou e publicou mais de 20 obras satíricas para ganhar renda e alimentar sua família.

Em 1812, foi declarada no México uma lei que permitia a liberdade de imprensa, embora um pouco limitada. Após essa lei, Lizardi estabeleceu um dos primeiros jornais criados no país, que obteve o nome de “O pensador mexicano”.

O grande mérito de Lizardi na fundação deste jornal foi que ele conseguiu fazê-lo apenas quatro dias após a permissão da liberdade de imprensa, em 9 de outubro de 1811, o dia em que a primeira edição foi publicada.

A partir desse momento, Lizardi começou a escrever principalmente obras jornalísticas. Tudo o que foi publicado em seu jornal girava em torno dos desenvolvimentos políticos do México no início do século XIX.

A vida como jornalista jornalista

Os trabalhos satíricos anteriores, escritos por Lizardi, mudaram de forma após a criação de The Mexican Thinker. Suas críticas sociais leves se tornaram críticas diretas às ações autocráticas dos políticos locais do vice-reinado. Além disso, ele usou seu jornal para apoiar as decisões dos tribunais espanhóis.

A maneira como Lizardi escreveu e as idéias que ele usou em seus textos denotaram a grande influência que o Iluminismo Europeu teve para o escritor.

As idéias de pensadores franceses como Rousseau e Voltaire só poderiam chegar ao México clandestinamente. Isso aconteceu contrabandeando livros da Europa para a América. Muitos literatos importantes da época conseguiram cópias desses livros, o que influenciou o pensamento de muitos, incluindo Lizardi.

Os escritos de Lizardi eram muito diretos para os padrões da época. Em uma de suas primeiras edições, ele escreveu um texto contra o vice-rei espanhol, que o atacou diretamente. Como consequência disso, Lizardi foi preso pela segunda vez.

O foco de seu jornal mudou um pouco durante a prisão. Ele aplicou a autocensura e, portanto, não publicou mais críticas diretas ao vice-rei ou ao sistema em que estava preso. Isso afetou negativamente a opinião de seus leitores pró-independentes.

Liberdade e continuidade no seu trabalho

Em março de 1813, um novo vice-rei foi nomeado para substituir o então atual Francisco Venegas, responsável por aprisionar Lizardi após suas críticas. O novo líder político espanhol, Félix María Calleja, libertou Lizardi depois que ele o esclareceu publicamente em uma edição de seu jornal.

Após sua libertação, suas críticas tiveram que diminuir como resultado da maior atenção que o governo do vice-reinado estava colocando nos autores da época.

Um grande problema surgiu após a expulsão dos franceses da Espanha. Os tribunais espanhóis, que Lizardi havia apoiado amplamente, foram eliminados. Além disso, a nova liderança da Coroa Espanhola neutralizou quase completamente a liberdade de imprensa.

Para combater essas novas ações de censura, Lizardi abandonou suas atividades jornalísticas em favor de uma redação mais aberta, que a partir de agora seria literária. Sob seus novos ideais como escritor, o autor passou a expressar sua crítica social de uma nova maneira.

Relacionado:  Exemplos da função de recurso Highlights

Isso o fez escrever “El Periquillo Sarniento”, o primeiro romance escrito em sua carreira e o primeiro romance escrito na América Latina.

Retornar ao jornalismo

A constituição liberal da Espanha foi restaurada em 1820, então Lizardi decidiu retomar o jornalismo. No entanto, suas novas críticas não foram bem recebidas pelo alto comando espanhol. Ele foi atacado, preso e sujeito a um regime de censura.

Seus inimigos políticos variaram ao longo do tempo, mas ele nunca esteve em paz com aqueles que criticou tanto. Os monarquistas, que apoiaram a coroa espanhola, a perseguiram e reprimiram até a eventual independência do México em 1821.

No entanto, mesmo após a independência, ele foi atacado e perseguido por um grande número de políticos centralistas, pois seus escritos tendiam a representar os ideais federalistas do México.

A Igreja Católica também agiu contra Lizardi, que durante toda a sua vida teve opiniões favoráveis ​​sobre o movimento dos maçons, inimigos da Igreja.

Últimos anos

Lizardi morreu em uma idade relativamente precoce, aos 50 anos, como resultado de uma luta mal sucedida contra a tuberculose.

Segundo o autor de sua biografia, Lizardi queria que seu túmulo tivesse uma inscrição escrita que dizia “ele fez o melhor que pôde” por seu país, mas a falta de recursos financeiros de sua família não permitiu que isso fosse possível.

Lizardi, embora tenha sido um dos escritores mais importantes da América colonial, nunca foi aclamado o suficiente para gerar fundos monetários significativos.

Trabalhos

O periquito Sarniento

Além de ter sido o primeiro romance escrito no México e na América Latina, El Periquillo Sarniento é a obra mais importante de José Joaquín Fernández de Lizardi.

Este romance é considerado o pilar na construção de uma nação latino-americana, como foi escrito no momento da transição entre a América Colonial e a América Independente.

A peça é sobre a vida de Pedro Sarmiento, um homem que seus amigos chamavam de “Periquillo Sarniento”. Sarniento era um homem com uma família semelhante à de Lizardi, que pertencia à classe crioula do México colonial.

A história da vida do homem é tão ironicamente satírica quanto complexa, pois ele tenta exercer uma série de diferentes profissões tentando ganhar a vida no México, sem muito sucesso. O homem, em um momento, se torna um ladrão, mas no final de sua vida ele decide seguir um caminho honesto.

Criticar, através deste trabalho, o status social do México e as difíceis condições a que os jornalistas estavam sujeitos, que preferiram dar uma opinião crítica do que contar fatos mundanos sem qualquer significado.

Este trabalho influenciou as criações de outros autores mexicanos posteriores, e isso é marcado na literatura latina do século XIX.

O pensador mexicano

O Mexican Thinker foi um dos primeiros jornais criados no México após a lei da liberdade de imprensa. Ele recebe seu nome pelo mesmo Lizardi, que foi apelidado da mesma maneira. Como era um jornal com tendências liberais, Lizardi foi então perseguido pelos centralistas.

O jornal tinha um grande número de publicações, alcançando 17 suplementos em 1813, ano em que parou de publicar. Além disso, o jornal passou a ter três volumes diferentes.

Sua publicação foi cheia de críticas políticas, sociais e religiosas. Através deste jornal, Lizardi atacou líderes políticos e a Igreja Católica durante a Inquisição Espanhola no mundo.

Outras obras

Além de suas duas obras principais, Lizardi criou um grande número de romances satíricos antes de se tornar editor e escritor de The Mexican Thinker .

Embora não exista um registro extenso desses trabalhos, sabe-se que ele os publicou no início para obter renda adicional no início do século XIX.

Ele também escreveu uma autobiografia em 1818, intitulada Noites tristes e dias alegres, além de quatro romances adicionais.

Referências

  1. Voltaire do México: José Joaquín Fernández de Lizardi, J. Tuck, 1999. Extraído de mexconnect.com
  2. Biografia de José Joaquín Fernández de Lizardi, Grandes Autores de Literatura Mundial – Edição Crítica, (sd). Extraído de enotes.com
  3. José Joaquín Fernández de Lizardi, Wikipedia em inglês, 2018. Retirado de Wikipedia.org
  4. The Mangy Parrott, Wikipedia em inglês, 2018. Extraído de wikipedia.org
  5. José Joaquín Fernández de Lizardi, Portal Virtual Cervantes, (s). Retirado de cervantesvirtual.com
  6. José Joaquín Fernández de Lizardi, Enciclopédia da Biografia Mundial, 2010. Extraído de yourdictionary.com

Deixe um comentário