José María Vargas Vila: biografia, estilo, obras, frases

José María Vargas Vila (1860-1933) foi um escritor, jornalista e político colombiano. A vida desse intelectual foi marcada por constantes perseguições por causa de suas idéias liberais e de suas contínuas intervenções nos eventos políticos de seu país.

A obra literária de Vargas Vila caracterizou-se por estar entre romantismo e modernismo. O escritor usava uma linguagem culta, fácil de entender e precisa. Embora o autor tenha desenvolvido o gênero poético, sua maior produção foi em prosa. Em seu repertório, havia mais de vinte romances.

José María Vargas Vila: biografia, estilo, obras, frases 1

José María Vargas Vila. Fonte: Delvalle [domínio público], via Wikimedia Commons

O compêndio literário deste escritor colombiano foi extenso, sendo alguns de seus títulos mais destacados: Aurora ou violetas, Os providenciais, Íbis, O divino e os humanos, Laurel vermelho, O caminho do triunfo e Salomé. Quanto ao seu trabalho jornalístico, José María Vargas Vila escreveu para várias mídias impressas e fundou várias revistas.

Biografia

Nascimento e família

José Maria da Conceição Apolinar Vargas Vila Bonilla nasceu em 23 de junho de 1860 em Bogotá, Colômbia, na época da Confederação de Granada. O escritor veio de uma família culta e de bom status socioeconômico. Seus pais eram José María Vargas Vila e Elvira Bonilla.

Estudos

Vargas Vila passou a infância em Bogotá, sua terra natal. Em relação à formação educacional do escritor, sabe-se que ele obteve aprendizado por seus próprios meios e sem frequentar formalmente uma instituição em particular. José María cultivou o hábito de ler e descobriu cedo seu talento para escrever.

Após sua boa preparação autodidata, o jovem Vargas Vila se alistou nas tropas militares do general Manuel Santos Acosta. Isso aconteceu quando o escritor tinha apenas dezesseis anos de idade.

Trabalho docente

José María Vargas Vila serviu como professor em várias instituições em seu país, de 1880 a 1884. Naquela época, o intelectual dava aulas nas cidades de Ibagué, Guasca e Anolaima.

Após esse período de ensino, o escritor retornou a Bogotá e começou a lecionar no Liceo de la Infancia, mas foi demitido após uma disputa com um padre.

Durante seu tempo como professor, Vargas Vila conheceu o escritor José Asunción Silva e iniciou uma boa amizade. Naquela época, José María consolidou e fortaleceu suas idéias liberais.

Ação militar

O pensamento radical e liberal de Vargas Vila o levou a participar como soldado na Guerra Civil de 1884. Esse conflito foi causado pelo desacordo do Partido Liberal em relação às políticas de centralização implementadas pelo presidente Rafael Núñez.

O lado dos liberais ao qual José María pertencia foi derrotado. Depois disso, o escritor teve que se refugiar em Los Llanos para proteger sua vida. Finalmente, ele teve que se exilar na Venezuela porque o presidente Núñez ordenou que ele fosse preso por suas constantes críticas.

Começos literários

José María chegou à Venezuela em 1886 e criou imediatamente a revista Eco Andino em San Cristóbal. A publicação estava sob sua direção e teve a colaboração de seus compatriotas Juan de Dios Uribe e Diogenes Arrieta.

Depois disso, o escritor mudou-se para Caracas e fundou Los Refractarios, na companhia de outros liberais radicais exigidos por Rafael Núñez. Naquele momento, Vargas Vila ganhou algum reconhecimento e publicou sua primeira obra narrativa, Aura or the Violets, em 1887.

O autor viveu na Venezuela por cerca de cinco anos, até ser forçado a deixar o país em 1891 pelo presidente Raimundo Andueza Palacio e se mudar para os Estados Unidos.

Relacionado:  Joaquín Clausell: biografia, pintura, outras contribuições

Estados Unidos tempo

O intelectual colombiano se estabeleceu na cidade de Nova York ao chegar aos Estados Unidos. Lá, ele atuou como editor da mídia impressa El Progreso, enquanto fazia amizade com o escritor e político cubano José Martí. Dessa amizade, surgiram excelentes vínculos e considerável crescimento do conhecimento literário de Vila.

Naquela época, José María Vargas Vila estabeleceu a publicação Revista Ilustrada Hispanoamérica e publicou a obra Los providenciales em 1892. O autor não perdeu nenhum momento sem produzir algo ou inovar, uma qualidade que o destacou de onde chegou.

De volta à Venezuela

Vargas Vila retornou à Venezuela em 1893, após a chegada de Joaquín Crespo ao poder. José María foi nomeado pelo Presidente Crespo como secretário e consultor político. O escritor retornou a Nova York em 1894 após a morte do governante.

Entre literatura e diplomacia

José María dedicou-se à literatura durante sua segunda estadia em Nova York. Enquanto lá o autor publicou a obra Flor de mudgo em 1895. Três anos depois, o presidente equatoriano Eloy Alfaro nomeou o escritor embaixador em Roma.

José María Vargas Vila: biografia, estilo, obras, frases 2

Vargas Vila no final do século XIX. Fonte: Banco de Cultura da República da Colômbia [CC BY 2.0], via Wikimedia Commons

Foi a partir desse momento que sua frase “Eu não dobrei o joelho antes de qualquer mortal” surgiu depois de se recusar a se ajoelhar diante do Papa Leão XIII. Essas atitudes levaram Vila a vencer o descontentamento da Igreja Católica.

O escritor continuou seu desenvolvimento literário junto com seu trabalho como embaixador. Em 1900, Vargas Vila apresentou o Ibis , um de seus trabalhos mais importantes. Pelo conteúdo do texto, o escritor foi sancionado pela Santa Sé. Na mesma data, ele também publicou Las rosas de la noche.

Sempre controverso

José María voltou a Nova York depois de ser excomungado da sede papal em Roma. Na Big Apple, o escritor retomou sua atividade jornalística e fundou a Nemesis, uma revista de ideologia liberal e conteúdo político a partir da qual atacou os governos opressivos da América.

O espírito controverso de Vargas Vila era incessante. Além de suas fortes críticas às ditaduras da América Latina, o escritor atacou as políticas do governo dos Estados Unidos com a publicação de Ante los barbaros nas páginas de Nemesis, em 1902 . O texto produziu sua partida da América do Norte.

Fique na Europa

José María Vargas Vila vive na Europa desde 1904. Nessa data, o intelectual foi nomeado representante da Nicarágua na Espanha pelo presidente José Santos Zelaya. O colombiano compartilhou o trabalho diplomático com o escritor e poeta Rubén Darío.

Um de seus principais deveres como embaixador era intervir na Comissão de Fronteiras com Honduras perante o monarca espanhol. Depois de seus escritórios diplomáticos, Vargas Vila continuou com o desenvolvimento de sua produção literária. O autor publicou as obras Red Laurels e The Seed.

Últimos anos e morte

José María viveu em Madri até 1912 e estabeleceu residência em Barcelona. O autor se afastou da política e se dedicou totalmente à escrita. Algumas de suas obras mais notórias das últimas décadas de sua vida foram: lírio vermelho, lírio branco, lírio preto e tardes serenas.

Vargas Vila morreu em 23 de maio de 1933 em Barcelona , Espanha, devido a um problema de saúde que o afligiu por um tempo. Quase cinquenta anos após sua morte, os restos mortais do escritor foram repatriados em 24 de maio de 1981 e atualmente depositados no cemitério central de Bogotá.

Relacionado:  Hugo Argüelles: biografia, obras mais destacadas

Estilo

O estilo literário de José María Vargas Vila percorreu as correntes românticas e modernistas. O escritor usou uma linguagem culta, precisa e quase sempre crítica. Seus romances foram caracterizados por não seguir os padrões acadêmicos e literários da época.

José María Vargas Vila: biografia, estilo, obras, frases 3

Desenho de Vila, realizado por Manuel Tovar em Namoradeira (1922). Fonte: Manuel Tovar Siles [Domínio público], via Wikimedia Commons

Este escritor colombiano era controverso em relação ao conteúdo de sua obra narrativa e jornalística. Os temas favoritos de Vargas Vila eram de contexto político e em oposição à Igreja Católica. Ele também escreveu sobre amor, mulheres, existência e homossexualidade.

Trabalhos

De 1987 a 1900

– Aurora ou violetas (1887).

– Apaixonados. Álbum para minha mãe morta (1887).

Emma (1888).

– O irreparável (1889).

– Os providenciais (1892).

– Flor de Lama (1895).

– Ibis (1900).

– As rosas da tarde (1900).

– Na hora do crepúsculo (1900).

De 1901 a 1915

– Red Alba (1901).

– As rosas da tarde (1901).

– Antes dos bárbaros (1902).

– Flocos de espuma (1902).

– O divino e os humanos (1904).

– louros vermelhos (1906).

– A semente (1906).

– O canto das sirenes nos mares da história (1906).

– Os Césares da Decadência (1907).

– O caminho do triunfo (1909).

– República Romana (1909).

– A conquista de Bizâncio (1910).

– A voz das horas (1910).

– Homens e crimes do Capitólio (1910).

– O ritmo da vida: razões para pensar (1911).

– Jardim agnóstico, cadernos de um solitário (1911).

– Rosa mística, mês nouvelles (1911).

– Político e histórico (1912).

– O Império Romano (1912).

– Arquipélago do som, poemas sinfônicos (1913).

– Ars-verba (1913).

– Nos arbustos do Horebe (1913).

– A alma dos lírios (1914).

– A roseira pensante (1914).

– A morte do condor, o poema de tragédia e história (1914).

– Os párias.

– Preterites (1915).

– Clepsidra vermelha (1915).

– No topo (1915).

De 1916 a 1930

– Demência de Jó (1916).

– Prosa selecionada (1916).

– Maria Magdalena (1916).

– O cisne branco, romance psicológico (1917).

Eleonora. Novela da vida artística (1917).

Os discípulos de Emaús. Novela da vida intelectual (1917).

– Maria Madalena. Romance lírico (1917).

O jardim do silêncio (1917).

– Horário reflexivo (1917).

– Estudo sobre Rubén Darío (1917).

– Os estetas de Theópolis (1918).

– Páginas selecionadas (1918).

– O úbere do lobo (1918).

– O Minotauro (1919).

– filhote de leão. Novela de almas rústicas (1920).

– Das vinhas da eternidade (1920).

– Das suas lises e suas rosas (1920).

– O fim de um sonho (1920).

– Estética livre (1920).

Salome. Novo poema (1920).

– Belona dea orbi (1921).

– O jardim do silêncio (1921).

– Prosas-Lauds (1921).

– Minhas melhores histórias (1922).

Gestos da vida (1922).

– Saudades tácitas (1922).

– Nemesis (1923).

– Antes do último sonho. Páginas de um vademecum (1924).

– Minha viagem à Argentina, odisseia romântica (1924).

– A questão religiosa no México (1926).

– Os soviéticos (1926).

– Odisséia romântica. Diário de viagem para a República da Argentina (1927).

Relacionado:  Epifanio Mejía: biografia, estilo, obras

– Crepúsculo na dieta (1928).

– A nona sinfonia (1928).

– Lírio Negro Germania (1930).

– Lírio vermelho Eleonora (1930).

– Nas vinhas mortas (1930).

– tardes serenas (1930).

De 1932 até seus últimos dias (e obras póstumas)

– Lírio branco Delia (1932).

– O professor (edição póstuma, 1935).

– O mirobolante joyel. Desfile de visões (edição póstuma, 1937).

– José Martí: apóstolo-libertador (edição póstuma, 1938).

– O caminho das almas. Romances curtos

– Pólen lírico. Conferências

Sombras de águias.

Breve descrição de algumas de suas obras

Ibis (1900)

Foi um dos romances mais conhecidos de José María Vargas Vila, que gerou polêmica sobre seu ódio por mulheres. Era uma história de amor, decepção, ciúme, vingança e assassinato. Seu protagonista foi Theodore, um amante apaixonado que vingou a traição de sua amada.

A obra foi rejeitada pela igreja devido à crueldade de seu tema e à maneira como o autor se referiu ao clero católico. Além disso, José María abordou aspectos proibidos na época, como sexo, ateísmo e hedonismo.

Fragmento

“Honre seu pai e sua mãe, porque ambos se reuniram no espasmo do prazer e impuseram o ônus da vida a você. Honre seu pai e sua mãe porque você nasceu daquele beijo de lábios impuros e corpos ardentes …

“Honre seu pai e sua mãe porque ambos fizeram de você a flor do pecado, mórbida, doente e sexual. Honre seu pai e sua mãe por condenar sua mãe à desonra, por condenar seu pai ao abandono … ”

Fragmento da Aurora ou das Violetas (1887)

“Descubra o véu trêmulo com o qual o tempo esconde em nossos olhos os lugares encantados da infância; inalar a brisa embalsamada das praias de adolescentes; viajar com a alma aquele caminho de flores, iluminado primeiro pelos olhos afetuosos da mãe e depois pelos olhares ardentes da mulher amada … ”.

Frases

– “Somente no amor o homem está de joelhos; porque o amor é a única escravidão que não desonra. ”

– “Toda obra de arte é pessoal. O artista mora nela, depois que ela viveu nele por um longo tempo. ”

– “Todos os homens estão aptos a perpetuar a espécie; a natureza molda e escolhe aqueles que são dignos de perpetuar a idéia. ”

– “Não vi um sonhador mais persistente do que aquele velho ultrapassado, que parecia não perceber que estava andando sobre as cinzas dos mortos”.

– “Apenas um grande soldado amou essa idéia (a unidade latino-americana), somente ele, teria sido digno de realizá-la, e esse grande homem é hoje um homem morto: Eloy Alfaro… Só ele tinha em suas mãos o fragmento da espada quebrada do Bolívar “.

– “Somente nas regiões de fantasia é possível criar; criar é a missão do gênio. ”

– “A corrupção da alma é mais vergonhosa do que a do corpo.”

Referências

  1. José María Vargas Vila. (2017). Colômbia: banrepcultural. Recuperado de: encyclopedia.banrepcultural.org.
  2. Tamaro, E. (2019). José María Vargas Vila. (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  3. José María Vargas Vila. (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado de: es.wikipedia.org.
  4. José María Vargas Vila. (S. f.). Cuba: EcuRed. Recuperado de: ecured.cu.
  5. Moreno, V. (2019). José María Vargas Vila. (N / a): pesquise biografias. Recuperado de: buscabiografias.com .

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies