Juan Manuel de Rosas: biografia, primeiro governo e segundo

Juan Manuel de Rosas (1793-1877) foi um militar e político argentino que se tornou o principal líder da Confederação Argentina na primeira metade do século XIX. Ele ocupou duas vezes a liderança do governo, com um segundo mandato no qual concentrou em sua figura todos os poderes do Estado.

Membro de uma família importante de Buenos Aires, o futuro presidente teve seu primeiro contato com a milícia aos 13 anos, quando participou da reconquista de sua cidade natal. Depois disso, ele passou vários anos administrando vários negócios que relataram uma fortuna considerável.

Juan Manuel de Rosas: biografia, primeiro governo e segundo 1

Juan Manuel de Rosas – Fonte: Autor desconhecido, anônimo [Domínio público]

Como proprietário de terras, organizou um pequeno destacamento militar, que entrou em ação durante o levante unitário. Essa participação na guerra civil acabou sendo nomeada Governadora da Província de Buenos Aires em 1829.

Juan Manuel de Rosas permaneceu no cargo até 1832, depois retomou suas atividades militares. Além disso, sua influência no novo governo foi absoluta. Em 1835, ele retomou o poder, desta vez com poderes absolutos. Após vários anos de ditadura, ele foi derrubado em 1852, tendo que se exilar.

Biografia

Juan Manuel de Rosas veio ao mundo em Buenos Aires em 30 de março de 1793, durante o tempo do vice-reinado do Rio da Prata. O menino foi batizado como Juan Manuel José Domingo Ortiz de Rozas e López de Osornio.

Nascido em uma família de destaque na região, a severidade de sua mãe, que não hesitou em açoitar seus filhos como punição, e a vida no campo marcou sua infância.

Estudos

Rosas não foi educado até os oito anos de idade e teve que aprender as primeiras letras em sua própria casa. Seu primeiro centro de estudos privado foi um dos mais prestigiados da região. O jovem Juan Manuel, no entanto, só ficou um ano naquela escola.

Depois disso, ele voltou para a casa da família, onde começou a se familiarizar com sua administração, trabalho em que se destacou muito em breve. Da mesma forma, ele assimilou rapidamente a cultura gaúcha.

Primeiro contato com o exército

A invasão inglesa de Buenos Aires, quando Rosas tinha apenas 13 anos, representou sua primeira incursão na vida militar.

As autoridades do vice-reinado fugiram deixando a população indefesa contra os ingleses. Santiago de Liniers reagiu organizando um exército de voluntários para enfrentar os invasores.

Rosas se juntou a essa milícia e, mais tarde, no Regimento Migueletes, formado por crianças, durante a Defesa de Buenos Aires em 1807. Sua missão foi reconhecida pelo próprio Liniers, que o parabenizou por sua coragem.

Depois que as hostilidades terminaram, Rosas retornou à fazenda da família, sem se envolver na Revolução de Maio de 1810 ou na Guerra da Independência.

Casamento

Juan Manuel de Rosas casou-se em 1813 com a Encarnación Ezcurra. Para isso, ele teve que mentir para sua mãe, que se opunha à união, fazendo-o acreditar que a jovem estava grávida.

Rosas decidiu deixar a administração das terras de seus pais e iniciar seus próprios negócios. Da mesma forma, ele encurtou seu sobrenome original até ficar sozinho em Rosas, mostrando o rompimento com sua família.

Negócios

Rosas então assumiu o campo de dois de seus primos. Além disso, juntamente com Juan Nepomuceno e Luis Dorrego, irmão de Manuel Dorrego, ele começou sua vida como empresário, fundando um saladero. Os relacionamentos que ele adquiriu graças aos seus negócios seriam decisivos em sua vida política futura.

Em 1819, graças aos grandes lucros obtidos com seus negócios, ele adquiriu a fazenda Los Cerrillos, em San Miguel del Monte. Para lutar com os nativos, ele organizou um regimento de cavalaria chamado Colorados del Monte, que se tornou seu exército pessoal. O governo de Rodriguez o nomeou comandante da campanha.

Entrada de política

Durante esse período, Rosas viveu alheio a eventos políticos. No entanto, a situação mudou completamente no início dos anos 20.

No final do período conhecido como Diretório, a região mergulhou no que foi chamado de Anarquia do Ano XX. Quando o líder Estanislao López tentou invadir Buenos Aires, Rosas interveio com seus Colorados del Monte para defender a cidade.

Dessa forma, ele interveio na luta de Pavón, que terminou com a vitória de Dorrego. No entanto, a derrota que Dorrego sofreu em Santa Fe não estava presente, pois ele se recusou a segui-lo até aquela cidade.

Depois disso, Rosas e outros proprietários de estadias importantes promoveram a nomeação de seu colega Martín Rodríguez como governador da província de Buenos Aires. Quando Manuel Pagola estrelou uma revolta contra o líder, Rosas enviou seu exército para defender Rodriguez.

Campanhas na fronteira sul

Os anos seguintes foram uma importante atividade militar para Rosas. Primeiro, no sul do país, onde os malones haviam aumentado. O futuro governante acompanhou Martín Rodríguez em suas três campanhas no deserto para combater os nativos.

Mais tarde, durante a guerra no Brasil, o presidente Rivadavia o colocou no comando das tropas encarregadas de pacificar a fronteira, uma missão que lhe foi transferida durante o governo provincial de Dorrego.

Em 1827, um ano antes do início da guerra civil, Rosas havia adquirido grande prestígio como líder militar. Politicamente, ele se tornou um representante dos proprietários rurais, da ideologia conservadora. Por outro lado, apoiou a causa federalista protecionista, ao contrário das iniciativas liberalizantes do partido unitário.

A Revolução de Dezembro

Quando os unitaristas derrubaram Dorrego em 1828, Juan Manuel de Rosas reagiu liderando uma revolta na capital, conseguindo prevalecer tanto em Buenos Aires quanto na costa. Por um tempo, o interior permaneceu em mãos unitárias até a derrota de José María Paz, chefe militar unitário, permitiu sua reconquista.

Governador da província de Buenos Aires

Juan Manuel de Rosas foi nomeado em 1829 governador da província de Buenos Aires. Este primeiro mandato durou 3 anos, até 1832.

Quando ele assumiu o cargo, a região estava passando por momentos de grande instabilidade política e social. Rosas solicitou, em 1833, que lhe fossem concedidos poderes ditatoriais para poder pacificar toda a Confederação Argentina.

Entre dois mandatos

No entanto, o Congresso se recusou a conceder esses poderes extraordinários, por isso decidiu deixar o cargo. Seu sucessor foi Juan Ramón Balcarce.

Rosas, então, organizou uma campanha militar no deserto, em uma área controlada por tribos indígenas no sul de Buenos Aires. Seu destacamento chegou ao Rio Negro, conquistando uma grande área de terra para o gado.

Essa ação militar conquistou a simpatia do exército, dos fazendeiros e da opinião pública. Além disso, recebeu agradecimentos das províncias de Córdoba, Santa Fé, San Luis e Mendoza, objetivos freqüentes de saques pelos indígenas.

Guerra civil no norte e assassinato de Quiroga

As províncias de Tucumán e Salta entraram em conflito após a formação da província de Jujuy. Dada a situação criada, o governador de Salta pediu ajuda ao governo de Buenos Aires. Embora formalmente Rosas não fosse membro desse governo, sua influência foi notável, por isso ele foi consultado antes de tomar qualquer decisão.

Rosas enviou Facundo Quiroga para mediar entre os dois governos a depor suas armas, mas, antes que Quiroga pudesse chegar ao seu destino, a guerra terminou com o triunfo de Tucumán e o governador de Salta foi morto.

Ao retornar de sua missão, em 16 de fevereiro de 1835, Quiroga foi atacado e morto por um partido da milícia. Ficou claro para todos que se tratava de um crime político cometido pelos irmãos Reinafé.

Quando a notícia da morte de Quiroga chegou a Buenos Aires, causou um terremoto político. O governador Maza renunciou e, temendo que a anarquia irromper, o Salão dos Representantes nomeou Rosas para substituí-lo. Assim, ele ofereceu um mandato de cinco anos e concedeu-lhe poder absoluto.

De volta ao poder

Rosas acumulou todo o poder do Estado durante este segundo mandato. Mesmo assim, durante os primeiros anos, ele teve que enfrentar um exército organizado por Juan Lavalle, o líder unitário, e que tinha apoio francês.

Rosas, logo depois, chegou a um acordo com a França e recuperou as províncias do interior controladas pelos unitaristas. Dessa maneira, em 1842, ele tinha o controle de todo o território nacional. Em suas próprias palavras, ele se tornou um “tirano ungido por Deus para salvar o país”.

Entre outras medidas, Rosas eliminou a Câmara dos Deputados e fundou o Partido Restaurador Apostólico. Durante esse período, ele lutou incansavelmente contra os unitaristas, também reprimindo qualquer um que ousasse se opor às suas políticas.

Do lado positivo, Rosas estabilizou politicamente o país e conseguiu manter a unidade nacional. Da mesma forma, suas políticas promoveram uma melhoria na economia, embora isso não atinja muitos setores.

Em meados dos anos quarenta do século XIX, franceses e britânicos estabeleceram um bloqueio em Buenos Aires em resposta ao local de Montevidéu imposto por Rosas. Ambos os países europeus tentaram enviar tropas pelo Paraná.

Perda de energia

Embora Rosas tenha conseguido impedir que franceses e britânicos conquistassem Buenos Aires, cinco anos depois a história seria diferente.

Em 1850, o governador de Entre Ríos, com a ajuda dos unitaristas e dos governos de Montevidéu e Brasil, se rebelou contra Rosas. Suas tropas invadiram Santa Fé, conseguindo chegar a Buenos Aires.

A batalha de Caseros, em 1852, marcou o fim do governo de Juan Manuel Rosas. Com muito apoio popular diminuído, ele não teve escolha a não ser se exilar na Grã-Bretanha. Lá, na cidade de Southampton, ele morreu em 14 de março de 1877.

Primeiro governo

Juan Manuel Rosas foi nomeado governador da província de Buenos Aires em 8 de dezembro de 1829. Segundo os historiadores, a nomeação teve grande apoio popular.

Nesse primeiro mandato, embora ele não tenha chegado aos extremos do segundo, Rosas recebeu poderes extraordinários.

Durante esse período, não havia um governo nacional adequado, pois a Argentina não havia sido estabelecida como nação. Portanto, a posição de Rosas não tinha caráter nacional. No entanto, o restante das províncias decidiu delegar a política externa à sua pessoa.

Desde o primeiro momento, Rosas declarou-se inimigo do partido unitário. Um de seus slogans mais famosos, “quem não está comigo, está contra mim”, era freqüentemente usado para atacar membros desse partido. Isso o levou a ganhar apoio entre conservadores (moderados ou radicais), burgueses, indígenas e parte da população rural.

A guerra civil dentro

O general unitário, José María Paz, organizou com sucesso uma expedição para ocupar Córdoba, derrotando Facundo Quiroga. Ele se aposentou em Buenos Aires e Paz aproveitou a oportunidade para invadir outras províncias governadas pelos federais.

Dessa maneira, as quatro províncias da costa estavam em mãos federais, enquanto as nove no interior, aliadas na chamada Liga Unitária, estavam nas mãos de seus rivais. Em janeiro de 1831, Rosas e Estanislao López promoveram um acordo entre Buenos Aires, Entre Rios e Santa Fe, chamado Pacto Federal.

Foi López quem iniciou um contra-ataque contra os unitaristas enquanto tentava recuperar Córdoba, seguido pelo exército de Buenos Aires sob o comando de Juan Ramón Balcarce.

Quiroga, por outro lado, pediu a Rosas um batalhão para retornar à luta, mas o governador apenas ofereceu a ele prisioneiros das prisões. Quiroga conseguiu treiná-los e seguiu para Córdoba. Ao longo do caminho, com alguns reforços, ele conquistou La Rioja e Cuyo. Depois, ele continuou a se mover sem parar para o norte.

A captura de Paz, em 10 de maio de 1831, forçou os unitaristas a mudar de chefe militar. O escolhido foi Gregorio Aráoz de Lamadrid. Isso foi derrotado por Quiroga em 4 de novembro, o que levou à dissolução da Liga Interior.

Convenção de Santa Fe

Durante os meses seguintes, o restante das províncias aderiu ao Pacto Federal. Isso foi considerado por muitos como a oportunidade de organizar administrativamente o país por meio de uma Constituição. No entanto, Rosas se opôs a esse plano.

Para o líder, as próprias províncias tiveram que ser organizadas primeiro e depois o país. Dadas as discrepâncias que surgiram sobre esse assunto, Rosas decidiu dissolver a convenção que reunia os representantes provinciais.

O governo da província

Quanto ao governo de Juan Manuel Rosas, na província de Buenos Aires, a maioria dos historiadores considera que era bastante autoritário, mas sem se tornar uma ditadura, como aconteceria durante o segundo mandato.

Do lado negativo, muitos atribuem a responsabilidade pela ocupação britânica das Malvinas, embora, na época da invasão, o governador fosse Balcarce.

Algumas das medidas tomadas durante esse mandato foram a reforma do Código Comercial e da Disciplina Militar, a regulamentação da autoridade dos juízes de paz nas cidades do interior e a assinatura de alguns tratados de paz com os chefes.

Segundo governo

A guerra civil no norte, relatada acima, levou à renúncia de Manuel Vicente Maza como governador de Buenos Aires. Especificamente, foi o assassinato de Quiroga que criou um clima de instabilidade tão grande que o Legislativo de Buenos Aires decidiu ligar para Rosas para lhe oferecer o cargo.

Ele aceitou com uma condição: assumir todos os poderes do Estado, sem ter que prestar contas por suas ações.

Ditadura

Rosas convocou um referendo, apenas na cidade, para a população aprovar a acumulação de tanta quantidade de energia. O resultado foi esmagador a seu favor: apenas 7 votos contra os 9720 votos expressos.

Com esse apoio, Rosas tornou-se uma espécie de ditador legal e apoiado pelo povo. O Salão de Representantes continuou a se reunir, embora suas prerrogativas fossem muito escassas.

De tempos em tempos, recebiam relatórios do governador sobre suas ações e, anualmente, seus membros eram escolhidos de uma lista de candidatos proposta pelo próprio Rosas. Depois de cada eleição, Rosas apresentou sua renúncia e a Câmara o reeleitou automaticamente.

Os opositores sofreram grande repressão e muitos tiveram que se exilar, especialmente para Montevidéu. Por outro lado, o governo de Rosas demitiu muitos juízes, pois o judiciário não era independente.

Naquela época, Rosas contava com o apoio de amplos setores da população, dos proprietários de terras às classes médias, através dos comerciantes e militares.

O slogan “Federação ou morte” tornou-se obrigatório em todos os documentos públicos, embora com o tempo tenha sido substituído por “Os selvagens unitários!”.

Politica economica

Em termos econômicos, Rosas ouviu a proposta do governador de Corrientes sobre a implementação de medidas protecionistas para produtos locais. Buenos Aires optou pelo livre comércio e isso estava causando a deterioração da produção em outras províncias.

Em resposta, em 18 de dezembro de 1835, a Lei Aduaneira foi promulgada. Isso proibia a importação de alguns produtos, bem como a imposição de tarifas para outros. Por outro lado, máquinas e minerais que não foram produzidos no país mantiveram os impostos de importação muito baixos.

Foi uma medida que procurou favorecer as províncias e aumentar a produção dentro do país. No entanto, Buenos Aires manteve seu status de cidade principal. Embora as importações tenham caído, a queda foi compensada pelo aumento no mercado interno.

Em geral, o governo manteve uma política econômica conservadora, reduzindo os gastos públicos. A dívida externa permaneceu praticamente nos mesmos níveis, uma vez que apenas uma pequena soma do total foi paga.

Finalmente, Rosas eliminou o Banco Central que Rivadavia havia fundado e era controlado pelos ingleses. Em vez disso, ele decretou a criação de um banco estatal, chamado Casa da Moeda.

Política externa

Na política externa, Rosas teve que enfrentar vários conflitos com nações vizinhas, além da hostilidade da França e da Grã-Bretanha.

Um desses conflitos foi a guerra contra a Confederação Peru-Bolívia, cujo presidente, Santa Cruz, tentou invadir Jujuy e Salta com a ajuda de alguns unitários emigrados.

Com o Brasil, o governo de Rosas manteve relações muito estreitas, embora não levassem a uma guerra aberta até a crise que levou à Batalha de Caseros.

Por outro lado, Rosas se recusou a reconhecer a independência do Paraguai, pois sempre abrigava a intenção de anexar seu território à Confederação Argentina. Por esse motivo, ele organizou um bloqueio dos rios do interior para forçar os paraguaios a negociar. A resposta foi que o Paraguai se alinhou com os inimigos de Rosas.

Finalmente, no Uruguai houve a chegada de um novo presidente, Manuel Oribe. Seu antecessor, Fructuoso Rivera, conseguiu exilar em Montevidéu, entre eles Lavalle, para ajudá-lo a iniciar uma revolução.

Oribe, em 1838, foi forçado a deixar o cargo, pois seu rival também contava com o apoio de franceses e brasileiros. Em outubro daquele ano, ele foi para o exílio, aposentando-se em Buenos Aires.

Falta de liberdade de imprensa

Desde seu primeiro mandato, Rosas havia eliminado quase completamente a liberdade de expressão na imprensa. Assim, desde 1829, era impossível publicar jornais que mostrassem simpatia pelos unitaristas. Toda a mídia teve que defender as políticas do governo.

Mais tarde, entre 1833 e 1835, a maioria dos jornais da cidade desapareceu. Os rosistas se dedicaram a fundar novas publicações, todas dedicadas a defender e exaltar a figura de seu líder.

Primeiras revoltas contra Rosas

No final da década de 1930, Rosas teve que enfrentar vários problemas que surgiram nas províncias. Durante esse período, a França havia estabelecido um bloqueio aos portos da Confederação, o que estava prejudicando seriamente o comércio.

Entre Ríos estava sofrendo uma crise séria, em parte por esse motivo. Assim, o governador Estanislao López enviou um emissário para negociar diretamente com os franceses, o que incomodou profundamente Rosas. A morte de Lopez obrigou seu enviado a retornar sem poder cumprir sua missão.

Em vez disso, ele entrou em contato com o governador de Corrientes para organizar algum tipo de manobra contra Rosas. Isso, no entanto, conseguiu resolver a situação pressionando o Legislativo de San Fe a interromper as tentativas de arrebatar o controle sobre a política externa da província.

Os Livres do Sul

Também em Buenos Aires, houve uma tentativa de derrubar Rosas. À frente deste levante estava o coronel Ramón Maza, filho do presidente do Legislativo.

Ao mesmo tempo, no sul da província, apareceu outro grupo de oposição, batizado de Livre do Sul, formado pelos agricultores. O motivo foi a queda nas exportações e algumas decisões tomadas por Rosas sobre o direito de propriedade da terra.

A Ascensão dos Livres do Sul se espalhou por toda a parte sul da Província. Além disso, eles tiveram o apoio de Lavalle, que estava programado para desembarcar com tropas em Samborombón.

O plano finalmente terminou em fracasso. Lavalle, em vez de continuar com o plano, preferiu ir a Entre Ríos para invadi-lo. Sem esses reforços, eles foram derrotados na batalha de Chascomús. Por outro lado, o grupo de Maza foi traído e seus líderes baleados.

Campanhas Lavalle

Enquanto isso, Lavalle conseguiu invadir Entre Ríos, embora ele tenha se retirado para a costa sul da província devido à pressão de Echagüe. Lá, a unidade embarcou na frota francesa e chegou ao norte da província de Buenos Aires.

Perto da capital, Lavalle esperava que a cidade se elevasse a seu favor, algo que não aconteceu. Rosas, enquanto isso, organizou suas tropas para cortar a passagem de Lavalle, enquanto outro destacamento o cercava do norte.

Dada a inferioridade militar e a falta de apoio do cidadão, Lavalle teve que se retirar. Isso levou os franceses a assinar a paz com Rosas e suspender o bloqueio.

Terror

Embora Buenos Aires não tenha se levantado para apoiar Lavalle, ele ainda tinha seguidores suficientes na cidade. Sabendo que ele havia se aposentado, seus apoiadores foram severamente reprimidos pelo Cob, braço armado de Rosas.

O governador não impediu vários assassinatos entre os residentes da cidade.

A economia na década de 1840

A década dos 40 foi bastante positiva para a economia da província. A principal causa foi que o governo manteve o controle dos rios do interior, além de concentrar todo o comércio portuário e aduaneiro na capital.

Esse crescimento econômico, com grande contribuição da pecuária, levou à diversificação das atividades industriais, embora sempre baseada na produção rural.

Rosas distinguiu-se exercendo um controle estrito sobre as despesas públicas. Isso permitiu manter as contas da província equilibradas, mesmo quando ocorreram os bloqueios navais.

Cultura e educação

Cultura e educação não eram, de forma alguma, prioridades para Rosas. De fato, eliminou quase todo o orçamento dedicado à última área para eliminar os gastos públicos. Além disso, também aboliu, em 1838, a educação gratuita e os salários dos professores universitários.

No entanto, a Universidade de Buenos Aires conseguiu continuar funcionando, mesmo que fosse através do pagamento obrigatório de taxas pelos estudantes. Dessa instituição, junto com o Colégio Nacional, os membros da elite da cidade foram embora. A maioria se posicionou contra Rosas.

Política religiosa

Embora o político fosse crente e tradicionalista, as relações com a Igreja eram bastante tensas. Em 1836, ele permitiu que os jesuítas retornassem ao país, embora logo se posicionassem contra ele. Assim, quatro anos depois, eles tiveram que se exilar novamente, desta vez para Montevidéu.

Como nos jornais, Rosas obrigou todos os padres a defendê-lo publicamente. Deveriam, dessa forma, elogiá-lo nas massas e agradecê-lo por seu trabalho.

Montevidéu e o Grande Bloqueio

Com a Confederação Argentina sob controle, Rosas ordenou que seu exército marchasse para Montevidéu. Aquela cidade havia se tornado refúgio dos unitaristas e de outros oponentes. Oribe, que ainda se considerava o legítimo presidente do Uruguai, ocupou o interior do país sem encontrar resistência.

Então, ele foi para a capital para tentar pegá-lo. No entanto, graças ao apoio das frotas francesa e britânica, além de voluntários estrangeiros, Montevidéu resistiu à ofensiva.

Em março de 1845, o exército uruguaio derrotou Olabe, que teve que se refugiar no Brasil. Rosas, antes do fracasso da ofensiva, enviou uma frota a Montevidéu para estabelecer um bloqueio naval, em julho daquele ano.

A resposta britânica e francesa foi fulminante, capturando toda a frota de Buenos Aires. Além disso, decretaram o bloqueio do Rio da Prata. Mais tarde, tentaram escalar o Paraná para assumir o controle dos rios, o que lhes permitiria negociar diretamente com os portos do interior.

Esse movimento das frotas européias terminou em fracasso, então eles decidiram se retirar.

Correntes

Com o exército no exterior, revoltas armadas em algumas províncias ocorreram novamente. Em mais importante, a de Corrientes, sob a direção dos irmãos Madariaga.

O Paraguai, que ainda sofria do bloqueio interno do rio decretado por Rosas, assinou um acordo comercial com o governo de Corrientes. Este foi considerado um ataque de Rosas, pois, em teoria, ele era responsável pela política externa daquela província.

Isso, juntamente com o fato de Rosas continuar se recusando a reconhecer a independência do Paraguai, levou o país a assinar uma aliança militar com Corrientes para derrubar o governador de Buenos Aires.

Apesar desse acordo, o governador de Entre Ríos, Justo José de Urquiza, conseguiu invadir Corrientes e chegou a um acordo com os Madariaga. Rosas, no entanto, desaprovou o tratado e forçou Urquiza a atacar, novamente Corrientes. Em 27 de novembro de 1847, ele havia conseguido tomar toda a província.

Dessa maneira, Rosas manteve todo o país sob seu controle. Seus inimigos estavam concentrados em Montevidéu.

Mudança lateral de Urquiza

Um dos grandes triunfos de Rosas foi assinar um tratado com a França e a Grã-Bretanha que, na prática, deixou Montevidéu praticamente sem aliados. Somente o Império Brasileiro poderia ajudar.

Rosas, diante disso, achou inevitável entrar em guerra com os brasileiros e colocar Urquiza no comando das tropas. Pela primeira vez, essa decisão encontrou resistência entre alguns membros do partido federal, que mostraram discordância com a medida.

Por outro lado, seus oponentes começaram a procurar apoio para vencer Rosas. Naquela época, ficou claro que apenas com os unitaristas era impossível, então eles começaram a sentir alguns de seus homens de confiança. Entre eles, para Urquiza.

Isso não era, ideologicamente, muito diferente de Rosas, embora ele tivesse outro estilo de governo. Os eventos que finalmente convenceram Urquiza de que ele deveria lutar com Rosas foram ordens de acabar com o contrabando de e para Montevidéu. Embora ilegal, era uma atividade que havia sido muito útil para Entre Ríos.

Urquiza começou a busca por aliados. Primeiro, ele assinou um tratado secreto com Corrientes e outro com o Brasil. Este último país concordou em financiar suas campanhas, além de oferecer transporte para suas tropas.

Fim do rosismo

A revolta de Urquiza começou em 1º de maio de 1851. Primeiro, ele atacou Oribe no Uruguai, forçando-o a se render e a guardar todas as armas (e tropas) que acumulou.

Depois disso, Urquiza levou seus homens a Santa Fé, onde derrotou Echagüe. Depois de eliminar dois dos grandes apoiadores de Rosas, ele iniciou um ataque direto.

Rosas foi derrotado na batalha de Caseros, em 3 de fevereiro de 1852. Após essa derrota, ele deixou o campo de batalha e assinou sua renúncia:

“Acho que cumpri meu dever com meus concidadãos e colegas. Se não fizemos mais em apoio à nossa independência, identidade e honra, é porque não conseguimos fazer mais. ”

Exílio

Juan Manuel de Rosas solicitou asilo no consulado britânico e, no dia seguinte, partiu para a Inglaterra. Seus últimos anos foram em Southampton, em uma fazenda que ele havia alugado.

Referências

  1. Pigna, Felipe. Juan Manuel de Rosas. Obtido em elhistoriador.com.ar
  2. Editora da Universidade do Exército. Rosas, Juan Manuel. Obtido de iese.edu.ar
  3. História e Biografia Juan Manuel de Rosas. Obtido em historia-biografia.com
  4. Os editores da Encyclopaedia Britannica. Juan Manuel de Rosas. Obtido em britannica.com
  5. Enciclopédia da Biografia Mundial. Juan Manuel De Rosas. Obtido em encyclopedia.com
  6. A Biografia Biografia de Juan Manuel de Rosas (1793-1877). Obtido em thebiography.us
  7. Soft Schools Juan Manuel de Rosas Fatos. Obtido de softschools.com
  8. Segurança global A ditadura de Rosas, 1829-52. Obtido em globalsecurity.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies