Juan Rulfo: biografia, estilo, trabalhos e frases completos

Juan Rulfo , nome completo Juan Nepomuceno Carlos Pérez Rulfo Vizcaíno (1917-1986), foi um escritor, fotógrafo e roteirista mexicano. Embora seu trabalho não tenha sido o mais extenso, ele foi considerado um dos autores mais importantes do século XX, devido às suas qualidades narrativas.

O trabalho de Juan Rulfo foi caracterizado por fantasia e, ao mesmo tempo, fantasia de alguns fatos associados à vida no campo e aos eventos que se seguiram à Revolução Mexicana. Portanto, seu trabalho estava ligado à “geração do meio século”.

Juan Rulfo: biografia, estilo, trabalhos e frases completos 1

Juan Rulfo Fonte: Domínio público. Retirado do Wikimedia Commons.

Ter incluído Juan Rulfo na geração média, século ou geração dos 52, estágio de transição do rural para o urbano, também significava que fazia parte do fenômeno chamado de boom latino-americano. Ou seja, seu trabalho foi divulgado em toda a Europa e no mundo inteiro.

Biografia

Nascimento e família

Juan Rulfo nasceu em 16 de maio de 1917 em Apulco, Jalisco, no seio de uma família rica. Seus pais eram Juan Nepomuceno Pérez Rulfo e María Vizcaíno Arias. O casamento teve cinco filhos, o escritor foi o terceiro. Em tenra idade, os irmãos Pérez Rulfo Vizcaíno ficaram órfãos.

Em 1924, quando Juan Rulfo tinha apenas sete anos de idade, seu pai morreu de um tiro. Segundo os historiadores, a arma foi detonada pelo filho do então presidente municipal de Toliman. O evento chocou toda a comunidade e marcou o escritor por toda a vida.

Experiência de Juan Rulfo

A educação de Juan Rulfo começou em sua cidade natal, no mesmo ano em que seu pai morreu, em 1924. No entanto, em 1929, ele foi morar no município de San Gabriel, com sua avó, após a morte inesperada de sua mãe.

Sim, como se não bastasse perder o pai, apenas cinco anos depois, o escritor perdeu a mãe. A partida prematura de seus pais foi um golpe para todos os irmãos Rulfo.

Pouco depois de chegar a San Gabriel, Juan Rulfo foi admitido no orfanato de freiras em Guadalajara, chamado Luis Silva. Durante o tempo em que esteve lá, o escritor passou por uma disciplina dura, semelhante à militar, que deixou lembranças negativas e indeléveis em sua memória.

Tentativas de formação universitária

Em 1933, aos dezesseis anos de idade, Juan Rulfo queria seguir estudos universitários. Então, ele realizou as ações necessárias para entrar na Universidade de Guadalajara. No entanto, protestos estudantis na época impediram.

No ano seguinte, ele foi para a Cidade do México, tentou estudar direito, mas não passou nos exames exigidos. Naquela época, ele frequentou o Colégio de San Idelfonso como ouvinte e aulas de história da arte na Universidade Nacional. Com isso, ele expandiu seu conhecimento sobre a história de seu país.

Algumas publicações e viagens pelo território mexicano

Juan Rulfo começou a expressar seu interesse e paixão por cartas em 1934, quando escreveu para revistas como America e Pan. Naquela época, o escritor trabalhava no Ministério do Governo, como oficial de imigração. Desempenhar essa posição lhe permitiu viajar por grande parte do México.

Durante essas viagens, Rulfo entrou em contato direto com a idiossincrasia do povo asteca, linguagem, dialetos e diferentes formas de expressão, bem como o modo de vida. Essas experiências lhe deram material suficiente para escrever suas obras.

Primeiro romance e trabalho fotográfico

Juan Rulfo: biografia, estilo, trabalhos e frases completos 2

Casa de cultura Juan Rulfo. Fonte: Vladmartinez [CC BY-SA 4.0], via Wikimedia Commons

Em 1938, Juan Rulfo soltou sua caneta literária quando começou a escrever Os Filhos do Desânimo, um romance que não veio à tona, porque o autor a descreveu como “muito ruim”. Quatro anos depois, duas de suas histórias foram publicadas na revista Pan de Guadalajara.

Desde 1946, e por seis anos, ele trabalhou como representante de viagem em uma empresa de pneus. Então, em 1947, ele se casou com Clara Angelina Aparicio Reyes, fruto do amor, quatro filhos. Em 1949, a paixão pela fotografia o levou a publicar suas composições na América.

Seu pico de trabalho

Depois de trabalhar por seis anos na empresa de pneus Goodrich-Euzkadi, Rulfo se aposentou para se dedicar totalmente à sua produção literária. Em 1952, ele obteve um subsídio, ou bolsa de estudos, do Mexican Writers Center, o que lhe permitiu publicar, um ano depois, El llano en llamas.

No entanto, o trabalho máximo de Juan Rulfo veio à luz em 1955 com o título de Pedro Páramo. Nesse romance, a realidade e o ocultismo se combinaram para dar vida a uma das obras mais destacadas da literatura hispano-americana de meados do século XX.

Honra a quem a honra merece

Da publicação de El llano en llamas, e mais ainda de Pedro Páramo, Juan Rulfo se tornou o escritor mexicano mais importante e difundido dentro e fora de seu território. Em 1958, sua obra Pedro Páramo havia sido traduzida para o alemão, rapidamente para inglês, francês, italiano, sueco e finlandês.

Por outro lado, escritores dedicados à época, como Gabriel García Márquez, Jorge Luís Borges, Günter Grass, entre outros, foram seus principais fãs. Sobre o trabalho máximo de Rulfo, o escritor argentino Borges disse: “… é um dos melhores romances de toda a literatura”.

Dedicação à antropologia mexicana

Juan Rulfo, depois de escrever El llano en llamas e Pedro Páramo, decidiu deixar de lado os textos. Isso se deve, segundo o mesmo autor, à morte de seu tio Celerino, que contou histórias infinitas e encheu sua imaginação de histórias. Essa afirmação foi feita na Universidade Central da Venezuela, em 1974.

Assim, o escritor, durante os últimos vinte anos de sua vida, dedicou-se a produzir as edições sobre a antropologia do México no Instituto Indígena Nacional de seu país. Sua sede de conhecimento ao longo da história, cultura e geografia do México era sua maior vocação e hobby.

A morte de Rulfo

Juan Rulfo morreu em 7 de janeiro de 1986 na Cidade do México, devido a enfisema pulmonar. Sua partida deixou uma ferida profunda entre sua família, amigos e fãs. Os escritos de sua morte deram origem à publicação Los murmullos, antologia jornalística em torno da morte de Juan Rulfo.

Prêmios e reconhecimento a Juan Rulfo

– Prêmio de escritores Xavier Villaurrutia para escritores (México, 1955) pelo romance Pedro Páramo.

– Prêmio Nacional de Literatura (México, 1970).

– Convidado pela Universidade de Varsóvia, Polônia, para participar do congresso estudantil em 1974.

– Membro da Academia Mexicana de Idiomas em 9 de julho de 1976. Seu lugar era a cadeira XXXV (trinta e cinco), que ele assumiu em 25 de setembro de 1980.

– Prêmio Príncipe das Astúrias (Espanha, 1983).

Estilo

O estilo literário de Juan Rulfo foi caracterizado pelo uso constante de mexicanismos, isto é, termos ou palavras típicos da cultura de seu país. A linguagem usada pelo autor saiu do culto muitas vezes, usou palavras antigas, assim como as de Nahuatl e Maya.

Juan Rulfo: biografia, estilo, trabalhos e frases completos 3

Herminio Martínez e Juan Rulfo. Fonte: Royalwrote [CC BY-SA 3.0], via Wikimedia Commons

Na literatura de Rulfo, ele também destacou o uso de substantivos e diminutivos. Além disso, o escritor imprimiu profundidade a seus trabalhos por meio de sua capacidade expressiva, onde o tema fundamental era desenvolver a realidade que vivia na área rural de seu país.

Desenvolvimento do trabalho de Rulfo

Rulfo desenvolveu suas histórias através de uma narrativa cheia de emoções, nostalgia, pensamentos e memórias, o que significava que a ação de seus personagens era quase nula. Dentro de suas tramas havia realidade, fantasia, mistério e enigma, o que causava curiosidade e incerteza nos leitores.

Juan Rulfo: biografia, estilo, trabalhos e frases completos 2

Antigo Colégio de San Idelfonso, onde Juan Rulfo participou como ouvinte. Fonte: Museu da Luz – UNAM [Domínio público], via Wikimedia Commons

Sendo um trabalho focado nos agricultores mexicanos, Juan Rulfo os universalizou por não lhes dar características físicas. No entanto, ele deixou claro a atmosfera e a época dos eventos, que foram a Revolução Mexicana e a Guerra Cristero do início do século XX.

Emoções como tratamento da realidade

Rulfo era um homem próximo e também um estudante da história de seu país, o México. É por isso que, em seu estilo literário, o sentimento de dor, desamparo e solidão da sociedade rural se refletia diante da preeminência e vantagem que os proprietários ou proprietários de terras tinham.

Da mesma forma, a experiência do escritor de ter perdido seus pais ainda criança refletiu em seu trabalho, que o tornou mais intenso e profundo. O fim da vida humana na literatura de Juan Rulfo refletiu-se de maneira sensível, com recursos literários como comparação e metáfora.

Trabalhos completos

A obra literária de Juan Rulfo foi uma das mais baixas da literatura contemporânea do século XX. No entanto, bastava que o escritor mexicano fosse considerado um dos mais importantes e universalmente conhecidos.

-Contas

– Nos foi dada a terra (1945).

– A vida não é muito séria em suas coisas (1945).

– A planície em chamas (1953).

Breve descrição do trabalho mais representativo

A planície em chamas (1953)

Este trabalho de Juan Rulfo era um conjunto de quinze histórias. Embora tenha sido publicado em 1º de setembro de 1953, o autor já havia exposto algumas das histórias em revistas como a América três anos antes. Uma segunda e terceira edição foram lançadas em 1955 e 1959, respectivamente.

Mais tarde, em 1971, mais duas histórias foram adicionadas à obra, num total de dezessete. Os títulos das duas últimas histórias foram: “O legado de Matilde Arcanjo” e “O dia do colapso” . Desde sua primeira edição, o trabalho teve uma boa receptividade da crítica e do público.

Idioma e história

Neste trabalho, Rulfo usou uma linguagem típica das regiões populares mexicanas, pronunciada através dos personagens de cada uma das histórias. O autor narrou a maior parte das histórias nas guerras revolucionárias mexicanas do século XX, na cidade de Comala-Colima.

Foi a história e a vida dos camponeses, depois das consequências dos conflitos históricos no México. A fantasia estava presente como uma forma de expressão, mas sem descurar a tristeza, o desespero, a miséria como emoções reais.

As dezessete histórias

– «Macario».

– «Eles nos deram a terra».

– «A encosta dos comadres».

– «Somos muito pobres».

– “O homem”.

– “Na madrugada”.

– «Talpa».

– «A planície em chamas».

– “Diga a eles para não me matarem!”

– “Luvina”.

– «Na noite em que o deixaram em paz».

– Lembre-se.

– «Passagem do Norte».

– «Anacleto Morones».

– “Você não ouve cães latindo.”

– «A herança de Matilde Arcanjo».

– «O dia do colapso».

«Somos muito pobres»

Nesta história, Juan Rulfo expôs a tragédia de uma família de camponeses que caiu na miséria, porque as chuvas torrenciais devastaram tudo em seu caminho. Mas Tacha sofreu o maior sofrimento, a adolescente que viu suas esperanças de se casar com um bom homem perdidas depois de perder sua vaca.

Com o desaparecimento de Serpentina, como Tacha a chamava de vaca, toda a família se preocupou com o destino da jovem. Seus pais não queriam que, após a perda de sua propriedade, ela acabasse como suas irmãs, relacionadas a homens de má reputação.

Fragmento

“Eu simplesmente não sabia por que ocorreria à serpentina atravessar o rio leste, quando sabia que não era o mesmo rio que ela conhecia diariamente. O Serpentine nunca esteve tão ocupado. Muito provavelmente, ele deve ter dormido para se deixar matar assim …

-Novelas

– Pedro Páramo (1955).

– Do filho do desânimo (1959), apenas um fragmento intitulado Um pedaço da noite sobreviveu .

– O galo de ouro (1980). Reeditado em 2010.

Breve descrição do trabalho mais representativo

Pedro Páramo (1955)

Foi o romance mais importante e emblemático de Juan Rulfo. O autor mexicano começou a escrever no final dos anos quarenta. Antes de sua publicação, em 1955, o escritor fez avanços na mídia impressa, com os títulos Los murmullos e Una estrella con la luna.

O trabalho se concentrou em duas histórias, a primeira foi a de Juan Preciado, um homem que procura seu pai, chamado Pedro Páramo para a cidade de Comala, com o objetivo de se vingar do abandono a ele e sua mãe falecida. . O outro era o de Pedro, um chefe corrupto.

Meio ambiente e misticismo

Rulfo, como em El llano en llamas, conta a história em Colima, especificamente na cidade de Comala, durante a Guerra de Cristero que ocorreu de 1926 a 1929, no México. Além disso, a realidade, o místico e o misterioso combinaram para dar magia.

O autor partiu do uso do chamado realismo mágico para expressar sentimentos e emoções do irreal e incomum. Foi assim que ele captou críticas e leitores, através de uma história em que os habitantes da cidade são mortos, que tentaram reconstruir suas histórias.

Estrutura narrativa

Outro ponto a favor de Juan Rulfo nesse trabalho foi a maneira como ele estruturou a narrativa, ou seja, a maneira como ele brincou com as histórias. Embora houvesse duas narrativas principais, também incorporou outros contos relacionados a Pedro Páramo e Juan Preciado.

Essas histórias incorporadas estavam relacionadas a: Juan Preciado e sua mãe, e os outros com Pedro Páramo e Susana, com seus homens de guerra e também com seu filho. O gênio de Rulfo o levou a fragmentar essas pequenas histórias em pedaços mais curtos e estrategicamente colocá-las nas principais.

Este romance de Rulfo deu aos leitores uma maneira diferente de ler. Ele começou com uma das histórias centrais, mas depois elementos entraram na história, e o leitor teve que reler para se localizar. Dessa forma, Pedro Páramo se tornou uma peça única da literatura universal.

fragmento

“Vim para Comala porque eles me disseram que meu pai morava aqui, um Pedro Páramo. Minha mãe me disse … “Não se esqueça de visitá-lo”, ele me recomendou … “Tenho certeza de que ele terá prazer em conhecê-lo.” Imaginei ver isso através das memórias de minha mãe; de sua nostalgia, entre pedaços de suspiros … “

– Edições póstumas

– Os cadernos de Juan Rulfo (1994).

– Ar das colinas (2000).

– O galo de ouro (2010).

Obras mais representativas de edições póstumas

O galo de ouro (1980)

Era um romance de vida curta de Rulfo, tantas vezes ele o considerou um conto ou história curta. Embora o escritor o tenha desenvolvido por dois anos, entre 1956 e 1958, foi em 1980 quando veio à luz. Então, em 2010, uma edição corrigida foi publicada.

O romance narrou a história de amor entre o biscoito Dionisio Pinzón e Bernarda Cutiño, mais conhecido como La Caponera, que cantou nas feiras. Além disso, ele contou como o protagonista alcançou riqueza e fama através de um galo que lhe haviam dado.

A história

Dionisio Pinzón era um jovem que morava na cidade de San Miguel del Milagro, ele era o pregador da cidade. Sua vida estava atolada na pobreza, e ele teve que cuidar de sua mãe doente até seus últimos dias. Enquanto fazia isso, dedicou-se a cuidar de um galo doente que lhe fora apresentado.

Quando sua mãe faleceu, Dionísio não teve um enterro decente e foi vítima de zombaria e crítica. No entanto, seu galo se recuperou e começou a dar-lhe fortuna, até que um dia ele foi ferido fatalmente. O jovem conheceu o famoso gallero Lorenzo Benavides e eles se associaram.

A história se tornou uma tragédia quando Dionísio se apaixonou pela amante de Lorenzo, La Caponera, e começou a viver uma vida confusa, entre jogos de azar e apostas. Finalmente eles se casaram e tiveram uma filha chamada Bernarda; mas o infortúnio veio quando os protagonistas tiraram suas vidas.

Trabalho mundialmente famoso

Assim como El llano en llamas e Pedro Páramo, Juan Rulfo conseguiu cruzar fronteiras com El rooster de oro . Era conhecido mundialmente porque foi traduzido para vários idiomas, incluindo português, alemão, francês e italiano. Além disso, foram feitas adaptações para o cinema.

Fragmento

“Sete drinques”, ele disse, “dois ouros”. Cinco de clubes. Rei dos clubes … e ás dos clubes – ele continuou esculpindo as cartas restantes e mencionando-as às pressas. Era seu mérito, senhor. Dionisio Pinzón viu como eles arrecadavam seu dinheiro. Ele se afastou, o montero estava dizendo: o outro é sorte!

-Rulfo no cinema

É importante notar que Juan Rulfo também teve participação no cinema como roteirista. Ele colaborou com o diretor de cinema Emilio Fernández, mais conhecido como “El Indio”. Os seguintes filmes surgiram de seu trabalho The Golden Rooster :

– O galo de ouro (1964), dirigido pelo mexicano Roberto Gavaldón.

– A fórmula secreta (1964) do também mexicano Rubén Gámez Contreras.

– O Império da Fortuna (1986), do cineasta mexicano Arturo Ripstein e Rosen.

Por outro lado, as histórias de Rulfo O dia do deslizamento de terra e Anacleto Morones , que formaram El llano en llamas, deram origem ao filme O canto das virgens, em 1972, dirigido pelo mexicano Alberto Isaac Ahumada, mais conhecido como “El Güero. “

Frases

– “Todo escritor que cria é mentiroso; a literatura é uma mentira, mas a partir dessa mentira surge uma recriação da realidade; recriar a realidade é, portanto, um dos princípios fundamentais da criação ”.

– “A imaginação é infinita, não tem limites, e você tem que quebrar onde o círculo se fecha; tem uma porta, pode haver uma porta de fuga, e por aquela porta você tem que sair, tem que sair ”.

– “Trabalhando, você come e come, você vive”.

– “Andar nas estradas ensina muito”.

– “Como todos sabem, não há escritor que escreva tudo o que pensa, é muito difícil transferir o pensamento para escrever, acho que ninguém faz, ninguém fez, mas, simplesmente, há muitas coisas que estão sendo perdidos ”.

– “Ilusão? Isso custa caro. Foi difícil para mim viver mais do que deveria.

– “As pessoas morrem em qualquer lugar. Os problemas humanos são os mesmos em todos os lugares. ”

– “… Mas é perigoso andar por onde todos andam, principalmente carregando esse peso que eu carrego.”

– “Tenho paciência e você não, então essa é a minha vantagem. Eu tenho meu coração que escorrega e gira em seu próprio sangue, e o seu está quebrado, temperado e cheio de podridão. Essa também é a minha vantagem.

– “Ela era tão bonita, então, digamos, tão fofa, foi bom amá-la.”

Referências

  1. Tamaro, E. (2019). Juan Rulfo (N / a): Biografias e Vidas. Recuperado de: biografiasyvidas.com.
  2. Juan Rulfo (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org.
  3. Juan Rulfo (S. f.). Cuba: Ecu Red. Recuperado de: ecured.cu.
  4. Juan Rulfo Vida e trabalho (2014). Espanha: Biblioteca Pública Municipal Federico García Lorca de Villanueva del Ariscal. Recuperado de: bibliotecavillanuevadelariscal.wordpress.com.
  5. Rulfo Juan. (2019). (N / a): Escritores. Recuperado de: escritores.org.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies