Krokodil: características, efeitos, tratamento, prevenção

Krokodil: características, efeitos, tratamento, prevenção

O Krokodil é uma droga ilegal que apareceu recentemente com efeitos graves na saúde física e mental. É a mesma substância que a desomorfina, um análogo de opiáceo inventado na Rússia em 1932.  Portanto, enquanto o krokodil como substância de abuso é uma droga emergente recentemente, a própria substância já foi projetada várias décadas atrás para o terapêutico

O Krokodil é um derivado da morfina, no qual o grupo 6-hidroxil é removido e a ligação dupla da substância é reduzida. Seu consumo fornece efeitos sedativos e analgésicos muito altos. Especificamente, considera-se que seus efeitos sedativos podem ser entre 8 e 10 vezes mais potentes que os da morfina.

Assim, o krokodil é um medicamento depressivo que foi inicialmente projetado como uma ferramenta analgésica contra a dor. No entanto, seu uso medicinal foi desaprovado anos após sua síntese e foi recentemente reformulado para fins recreativos. Seus efeitos no nível físico e mental podem ser devastadores.

Consumo

Atualmente, é usado como substância alternativa à heroína por duas razões principais: porque é um medicamento facilmente disponível e porque seu preço de mercado é notavelmente baixo.

De fato, a maioria dos usuários que usam o krokodil “fabrica” ​​a droga em suas próprias casas. Os comprimidos de codeína são substâncias facilmente disponíveis sem receita médica, e a síntese do medicamento é simples, e é por isso que é tão barato.

Hoje não existem grandes empresas ilegais dedicadas ao design e à comercialização desta droga. No entanto, o consumo de krokodil registrou um aumento notável nos últimos 15 anos.

Seu consumo é especialmente alto na Rússia, onde se estima que 5% dos viciados em drogas usem o krokodil como sua substância principal. Da mesma forma, seu consumo tem se espalhado por diferentes regiões da Europa.

Características do Krokodil

Krokodil é uma droga sintética feita de opiáceos. É uma substância altamente semelhante à heroína, embora tenha sido estabelecido que possui efeitos até dez vezes mais intensos que isso.

Da mesma forma, a documentação sobre este medicamento indica que os efeitos causados ​​por seu consumo são terríveis e irreversíveis. De fato, alguns estudos indicam que poderia ser a substância mais viciante e prejudicial que foi conotada em todo o mundo até agora.

Seu consumo se espalha em várias regiões da Europa e seu uso é realizado principalmente como substituto da heroína.

Dados de estudos retrospectivos sobre o krokodil indicam que a dependência de drogas não é muito duradoura, uma vez que os usuários habituais dessa substância geralmente não vivem mais de dois anos.

Portanto, o krokodil é uma substância opiáceo sintética que atua como um depressor no nível do cérebro. Tem um alto potencial viciante e efeitos devastadores no corpo.

Síntese de krokodil

Apesar de o krokodil e a desomorfina se referirem à mesma substância, fabricada em diferentes momentos e para diferentes fins, os dois medicamentos não apresentam exatamente as mesmas características farmacológicas.

Esse fato é explicado principalmente pelo escopo de produção das duas substâncias. Enquanto a desomorfina foi produzida em laboratórios científicos controlados, o krokodil é sintetizado em ambientes com pouco controle.

O Krokodil é geralmente produzido em ambientes cotidianos e amadores, portanto, além dos elementos contidos na desomorfina, também costuma ter um grande número de impurezas.

É comum que o krokodil contenha resíduos de codeína, bem como partículas de outros opióides sintéticos produzidos acidentalmente.

Da mesma forma, grande parte do krokodil produzido também contém outros medicamentos obtidos como subprodutos indesejados da reação gerada nos excipientes ou nas substâncias acompanhantes do produto usado como matéria- prima (comprimidos de codeína).

Efeitos do krokodil

O consumo de krokodil produz altos efeitos depressores no sistema nervoso central . De fato, vários estudos indicam que essa substância seria a que conseguiria produzir um efeito depressivo mais alto.

Como consequência do efeito depressor da substância, o krokodil pode causar um grande número de sintomas. Os mais típicos são geralmente:

  1. Função cerebral lenta.
  2. Pulso e respiração lenta.
  3. Diminuição da pressão arterial.
  4. Pobre concentração.
  5. Confusão.
  6. Incoordenação da fala.
  7. Distúrbios visuais.
  8. Dilatação pupilar.
  9. Desorientaçao.
  10. Dificuldade em urinar.
  11. Vício.
  12. Sedação.
  13. Pode causar gangrena e sangramento.

No entanto, os efeitos diretos da droga não constituem as consequências mais devastadoras do krokodil. Nesse sentido, uma grande variedade de distúrbios físicos e mentais originados pelo consumo dessa substância foram documentados. De fato, os principais efeitos do krokodil têm a ver com as propriedades tóxicas da substância.

Apesar de os efeitos depressores serem ainda mais altos que os da morfina ou heroína, eles ficam em segundo plano devido ao aparecimento imediato de reações adversas motivadas pela toxicidade do medicamento.

Mudança da cor da pele 

A ingestão de krokodil faz com que a pele mude de cor e se torne escamosa. As regiões da pele dos consumidores são cobertas com úlceras e vasos sanguíneos quebrados devido à toxicidade causada nessa área através da injeção.

Esses efeitos na região da pele motivam o nome da droga (krokodil), pois seu consumo faz com que a pele adote uma forma escamosa semelhante à dos crocodilos. No entanto, esses sintomas volumosos também não são os efeitos mais graves da substância.

A pele do consumidor não apenas lasca, mas também apodrece, afetando também a carne até atingir o osso. O medicamento produz danos sérios no tecido, causando fibite e gangrena.

Possíveis amputações

É comum as pessoas que consomem krokodil frequentemente exigirem amputação de diferentes regiões do corpo. Da mesma forma, o medicamento pode causar infecções nos ossos, osteomielite na mandíbula e no rosto e feridas e úlceras na testa e no crânio.

Necrose

A droga também pode causar necrose nos ouvidos, nariz e lábios, além de problemas no fígado e nos rins. Por outro lado, o krokodil consumido se acumula nas veias, pois não consegue se dissolver completamente no sangue.

Essas acumulações nos vasos sanguíneos necrotizam os tecidos e se espalham para diferentes regiões do corpo, expandindo assim os danos causados.

Efeitos psicológicos

Finalmente, o efeito psicológico do krokodil geralmente dura pouco, durando várias horas a menos que o da heroína.

Por esse motivo, os dependentes dessa droga geralmente requerem consumo constante e, portanto, experimentam um número crescente de consequências negativas.

Isso pode causar a morte?

Os altos efeitos tóxicos causados ​​pelo consumo de krokodil causam extensa deterioração do corpo. De fato, vários estudos indicam que as pessoas que consomem krokodil regularmente não vivem mais de dois anos após o início do consumo.

Segundo o Dr. Haro, da CEU Cardenal Herrera University de Castellón, “a manifestação inicial dos primeiros efeitos ocorre alguns dias após o início do consumo e inclui mais frequentemente pneumonia, meningites, periodontites e osteomilites”.

Esses danos causam uma deterioração física progressiva no consumidor, o que acaba causando a morte em um grande número de casos.

Os primeiros efeitos são geralmente percebidos nas regiões da pele. Posteriormente, estes se espalharam gradualmente para todos os órgãos do corpo.

Krokodil é reivindicado ser uma droga altamente prejudicial que causa a morte rápida em seus usuários. Embora ainda não existam estudos conclusivos, existem autores que postulam que esse poderia ser o medicamento mais viciante e prejudicial do mundo.

Prevenção do consumo de krokodil

Dado o aumento do consumo desta droga devastadora, o Centro Nacional de Prevenção e Controle de Dependências do Ministério da Saúde emitiu informações precisas sobre Krokodil.

O objetivo do referido programa de prevenção é alarmar os efeitos e conseqüências da substância. Além de impedir que os jovens consumam krokodil como substância de abuso.

Nesse sentido, e levando em consideração o alto potencial aditivo da droga, o conhecimento das características do krokodil e a conscientização das consequências de seu uso, é um elemento essencial para a prevenção de seu uso.

Devido aos efeitos irreversíveis e danos causados ​​pelo consumo de krokodil, é essencial que a sociedade seja informada sobre suas características.

Por esse motivo, muitos países da Europa já iniciaram programas de prevenção, com base em informações e conscientização das conseqüências devastadoras de consumi-los.

Tratamento da dependência de Krokodil

Devido ao recente surgimento desta droga, atualmente não há intervenções para desintoxicação e tratamento da dependência de krokodil.

Além disso, levando em conta as múltiplas conseqüências físicas do consumo dessa substância, muitos dos esforços terapêuticos se concentram na recuperação e regeneração física dos pacientes.

O tratamento de complicações médicas decorrentes do consumo de krokodil requer, na grande maioria dos casos, intervenções cirúrgicas extremamente complexas. Da mesma forma, essas intervenções geralmente terminam com resultados sérios, como a remoção ou amputação de regiões do corpo.

Por outro lado, muitos consumidores de krokodil apresentam pneumonia, meningite ou periodontite nos poucos dias após o consumo; portanto, as intervenções médicas também concentram grande parte de seus esforços no tratamento dessas patologias complexas causadas pela droga.

Referências

  1. Casy, Alan F.; Parfitt, Robert T. (1986). Analgésicos opióides: química e receptores . Nova York: Plenum Press. p. 32) 
  2. Eddy, Nathan B.; Howes, Homer A. (1935). “Estudos de Morfina, Codeína e seus Derivados X. Desoximorfina-C, Desoxycodeine-C e seus Derivados Hidrogenados”. Journal of Pharmacology and Experimental Therapeutics  55 (3): 257-67.
  3. “Uma nova droga dos pobres, mais letal que o paco” [Uma nova droga barata, mais perigosa que o “paco]]. Os Três (Rosario)
  4. “Consumo de krokodil oral na Espanha: sobre um caso”, Revista Addictions.
  5. Walker, Shaun (22 de junho de 2011) “Krokodil: a droga que come drogados”. O Independente .

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies