Linguagem literária: características e elementos

Linguagem literária: características e elementos

A linguagem literária é a utilizada pelos escritores para transmitir uma ideia, mas mais bela e estética para captar a atenção do leitor. Dependendo da estrutura e do conteúdo, a linguagem literária pode ser encontrada nos gêneros lírico, narrativo, dramático e de ensaios didáticos.

Este tipo de linguagem pode ser usado em prosa ou verso. Da mesma forma, também pode ser verbal e usado na comunicação diária. A linguagem literária é uma linguagem especial, na medida em que prioriza a maneira de transmitir a mensagem e não a própria mensagem.

É óbvio que uma mensagem literária despida de sua forma perde ou muda seu significado, perde seu potencial conotativo e, com ela, seu caráter literário. Usar esse modo de expressão inexoravelmente envolve atividade criativa.

O uso desse dialeto da linguagem costumava ser muito popular na Idade Média para criar um efeito dramático. Portanto, está muito presente nas escrituras litúrgicas. Hoje em dia é frequente encontrá-lo em poesias, poemas e canções.

A linguagem literária é maleável o suficiente para interferir com outros escritos não literários, como memórias e artigos de jornal.

Características da linguagem literária

1- Originalidade

A linguagem literária é um ato de criação consciente, no qual o escritor pode ter a liberdade de escrever de maneira original e inédita, considerando o significado adequado que ele atribui às palavras e, assim, afastando-se da linguagem comum.

2- Vontade artística

A intenção final do que está escrito é criar uma obra de arte, ou seja, que através das palavras elas transmitam beleza. O estilo e a maneira de dizer a mensagem são privilegiados sobre o próprio conteúdo.

3- Intenção comunicativa especial

A linguagem é um carro de comunicação e é o que dá sentido a ela. Portanto, a linguagem literária tem uma intenção comunicativa, que é comunicar a beleza literária acima de um propósito prático.

4- Linguagem conotativa ou subjetiva

Cobrindo a originalidade e ficção característica da linguagem literária, o escritor é soberano em dar sentido às palavras que deseja e em seu discurso polivalente e em múltiplos significados (diferentemente de um texto técnico ou não literário), ou seja, em múltiplos significados. . Dessa forma, cada receptor terá uma assimilação diferente.

Relacionado:  Fernando Soto Aparicio: biografia e obras

5- Uso de ficção

A mensagem cria realidades ficcionais que não precisam corresponder à realidade externa. O escritor pode ser muito versátil e transportar o leitor para outras dimensões quase idênticas à vida real, mas, afinal, irreais.

Esse mundo ficcional é o resultado da visão particular da realidade do autor, mas, ao mesmo tempo, gera no receptor algumas de suas próprias experiências de vida que especificam o horizonte de expectativas com o qual um texto se aproxima.

5- Importância da forma

A relevância da forma na linguagem literária leva o escritor a cuidar da “textura” da linguagem como tal, como a seleção cuidadosa de palavras, sua ordem, musicalidade, construção sintática e lexical, etc.

6- função poética

Buscando um objetivo estético, a linguagem literária tira proveito de todas as possibilidades expressivas disponíveis (fônica, morfossintática e lexical) para produzir curiosidade e atenção por parte do leitor.

7- Uso de figuras retóricas ou literárias

Aqui vamos entender <<figura>>, em seu sentido mais amplo, qualquer tipo de recurso ou manipulação da linguagem para fins persuasivos, expressivos ou estéticos.

Figuras retóricas são maneiras de usar as palavras de maneira não convencional para surpreender o leitor e dar mais significado ao texto. Desses recursos, encontramos uma grande variedade em duas categorias principais: dicção e pensamento.

8- Aparência em prosa ou verso

É escolhido com base nas necessidades do autor e no gênero escolhido. A linguagem literária pode estar presente em ambas as formas de linguagem: prosa ou verso.

Na prosa, que é a estrutura natural que a linguagem assume, nós a apreciamos em fábulas, histórias e romances. Serve para enriquecer a descrição dos textos.

No caso do verso, sua composição é mais cuidadosa e exigente, porque os trabalhos líricos medem o número de sílabas (medida), os acentos rítmicos nos versos (ritmo) e a relação entre os versos e a rima (estrofes).

Relacionado:  Blas de Otero: biografia, etapas poéticas, estilo e obras

Podemos apreciar essa forma em poemas, poesias, hinos, canções, odes, elegias ou sonetos.

Elementos que participam da comunicação literária

São os aspectos que constituem o processo geral de comunicação, mas operam de maneira diferente quando se trata de comunicação literária.

1- Emissor

É o agente que tenta gerar emoções ou estimular a imaginação, uma mensagem mais sensorial em relação ao remetente da comunicação que se concentra no conteúdo.

2- Receptor

É ele quem recebe a mensagem. Ele não é uma pessoa específica, mas uma hipótese exigida pelo próprio texto.

Lembremos que a linguagem literária é uma expressão da comunicação artística e, sem a suposição de que “alguém” receberá a mensagem (mesmo que sensorial) que o autor deseja transmitir, perderia seu significado.

3- Canal

É o meio pelo qual a mensagem literária é comunicada. É normalmente escrito, embora possa ser verbal quando um poema é recitado, um monólogo é contado ou cantado.

4- Contexto

O contexto em geral refere-se às circunstâncias temporais, espaciais e socioculturais nas quais a mensagem é circunscrita, mas, no caso da linguagem literária, a liberdade do escritor de dar liberdade à sua imaginação causa o contexto da obra literária (em realidade, a de qualquer obra literária) é ela mesma.

5- Código

São os sinais que serão usados ​​para transmitir a mensagem, mas, neste caso, não são utilizados da mesma maneira, pois não há interpretação unívoca do texto, mas o significado múltiplo explicado.

Exemplos de linguagem literária

Aqui estão alguns exemplos da linguagem literária em diferentes gêneros narrativos.

Romance

Trecho da obra Sem notícias de Gurb  (1991) de Eduardo Mendoza:

A nave espacial alienígena pousa em Sardanyola. Um dos alienígenas, que se chama Gurb, assume a forma corporal de um indivíduo humano chamado Marta Sánchez. Um professor da Universidade de Bellaterra o coloca em seu carro. Gurb desaparece, enquanto o outro alienígena tenta encontrar seu parceiro e começa a se acostumar com as formas e hábitos corporais que os humanos possuem. A busca por Gurb acaba de começar, um alienígena perdido na selva urbana de Barcelona ».

Relacionado:  Qual é o narrador protagonista? Características principais

Poema

Extrato de Rhymes and Legends  (1871) de Gustavo Adolfo Becquer

“Nado no vazio do sol / tremo na estaca / palpito nas sombras / e flutuo com a névoa”.

História

Trecho de Rapunzel  (1812) pelos irmãos Grimm.

E, ao entardecer, ele pulou o muro do jardim da bruxa, arrancou apressadamente um punhado de grama verde e os levou para sua esposa. Ela imediatamente fez uma salada e comeu muito ao seu gosto; e ele gostava tanto deles que no dia seguinte seu desejo foi três vezes mais intenso. Se ela queria desfrutar da paz, o marido precisava pular de volta para o jardim. E assim ele fez, ao entardecer. Mas assim que pôs os pés no chão, teve um começo terrível, pois viu a bruxa se erguer diante dele.

Referências

  1. Dicionários ingleses da vida de Oxford. (2017, 7 e 6). Linguagem Literária. Obtido em inglês Oxford Living Dictionaries: en.oxforddictionaries.com/usage/literary-language
  2. García Barrientos, JL (2007). Apresentação. Em JL García Barrientos, As figuras retóricas. A linguagem literária (pp. 9-11). Madri: Arcos.
  3. Gómez Alonso, JC (2002). Amado Alonso: da estilística à teoria da linguagem literária. Em JC Gómez Alonso, O estilo de Amado Alonso como uma teoria da linguagem literária (pp. 105-111). Murcia: Universidade de Murcia.
  4. González-Serna Sánchez, JM (2010). Textos literários. Em JM González-Serna Sánchez, As variedades temáticas do texto (pp. 49-55). Sevilha: sala de aula de letras.
  5. Herreros, MJ, & García, E. (2017, 7 6). Unidade 2. Textos, características e características literárias. Recuperado do Instituto de Educação Secundária Dom Bosco: iesdonbosco.com.
  6. Sotomayor, MV (2000). Linguagem literária, gêneros e literatura. Em F. Alonso, X. Blanch, P. Cerillo, MV Sotomayor e V. Chapa Eulate, Presente e futuro da literatura infantil (pp. 27-65). Cuenca: Edições da Universidade de Castilla-La Mancha.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies