Maciço de Brasília: composição, topografia e relevo

O maciço de Brasília , também conhecido como maciço brasileiro ou planalto brasileiro, é uma região geográfica localizada na República Federativa do Brasil, um país pertencente à América do Sul. Como o nome indica, é uma grande área de terra, principalmente plana, que abrange grande parte do Brasil.

Esta região geográfica é conhecida no idioma português como Planalto Brasileiro. O maciço de Brasília ocupa quase metade do território do Brasil. Especialmente, esta região está localizada nas regiões sul, sudeste e leste central do país, que por sua vez são as que têm os centros mais populosos.

Maciço de Brasília: composição, topografia e relevo 1

Imagem via: emaze.com

A área ocupada por essa região é de aproximadamente cinco milhões de quilômetros quadrados. A maioria da população brasileira vive nas montanhas da região ou na zona costeira, com cidades como São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. Além de possuir uma população grande, essas regiões estão na vanguarda do desenvolvimento tecnológico e industrial do Brasil.

Essa região diminui e termina em outros ecossistemas de países vizinhos, como Argentina, Paraguai, Uruguai, além do Oceano Atlântico. Limita ao norte com a planície que precede a floresta amazônica e ao sul com a zona dos Pampas. Ao leste, ao contrário, faz fronteira com o pântano do estado brasileiro de Mato Grosso, uma planície que se alimenta de água da chuva e é a maior zona úmida do mundo.

O maciço de Brasília não é o único nas Américas. Próximo a ele está o Maciço da Guiana, que ocupa toda a região das Guayanas na Venezuela, Guiana, Suriname, França e, claro, Brasil. Também na América do Sul é o maciço da Patagônia na parte sul. Tanto o maciço de Brasília quanto a Guiana são as formações terrestres mais antigas do planeta.

Relacionado:  Clima polar: localização, características, tipos, fauna, flora

O maciço de Brasília tem uma origem muito antiga, com rochas que constituem uma camada de basalto, um produto de lava. Esta pedra é corroída pela quantidade de anos que tem estado na área. Atualmente, o escudo impede a formação de terremotos de grande magnitude e também não possui atividade vulcânica.

Localização

A área ocupada pelo planalto brasileiro é maior que a da maioria dos países do globo. Com aproximadamente cinco milhões de quilômetros quadrados, é mais da metade do território brasileiro, que mede 8.515.770 quilômetros quadrados.

O maciço possui território em vários estados da federação brasileira. São eles: Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso do Sul, Sergipe, Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte, Ceará e Piauí.

O maciço traça suas fronteiras com a aparência das bacias hidrográficas do rio Amazonas e do Rio da Prata. No leste, a fronteira é visível com o surgimento de áreas costeiras cercadas por morros, como pode ser visto na cidade do Rio de Janeiro, protegida pelo Morro do Corcovado e pelo Pão de Açúcar (Núñez, 1994).

Essa fronteira costeira também pode ser vista em cidades como Fortaleza e Bahia. No sul, o maciço tem como limite geográfico o ponto trifinio no qual Argentina, Brasil e Uruguai limitam com as Cataratas do Iguaçu. (Núñez, 1994).

Maciço de Brasília: composição, topografia e relevo 2

A leste, a fronteira é delimitada quando o maciço diminui para atingir o Pantanal localizado no estado de Mato Grosso, que recebe água da chuva e inunda a maior parte do ano. Esta região constitui o maior pantanal do planeta Terra.

Origem

Para entender a origem do maciço de Brasília, é necessário voltar ao éon proterozóico, no qual surgiram as primeiras células eucarióticas.

Relacionado:  Correntes de convecção: definição, estudos e réplicas

Sua origem, no entanto, não é anterior à do escudo da Guiana, onde podem ser encontradas rochas do éon arcaico. Durante o Paleozóico, o escudo foi firmemente constituído no continente de Gondwana, produto da partição de Pangea (Borsdoff, Dávila, Hoffert e Tinoco, s / f).

Composição:

O maciço de Brasília é composto principalmente por uma camada de roupas cristalinas que constituem um manto de pedras basálticas. Este platô pode ser considerado um platô de basalto.

Nele, predominam rochas metamórficas, como mica-xisto, quartzitos e gnais. O maciço, composto por rochas extrusivas, é constituído por estratos escalonados que às vezes se sobrepõem (Borsdoff, Dávila, Hoffert e Tinoco, s / f).

Após o surgimento da costa atlântica no mesozóico, o maciço foi formado com sedimentos jovens, que também são encontrados na encosta ocidental que faz fronteira. O maciço é caracterizado por possuir um tipo de paisagem com estrato escalonado, formando solos secos como resultado das rochas que foram corroídas violentamente (Borsdoff, Dávila, Hoffert e Tinoco, s / f).

Topografia e relevo

No que diz respeito à altitude do maciço, varia de acordo com o local onde está localizado. Ela pode variar entre 305 e 915 metros acima do nível do mar. Na região dos vales e em um tipo específico de bioma chamado fechado, especialmente na região Centro-Oeste, que são planícies cheias de florestas.

Uma série de elevações de magnitude considerável pode ser elucidada no maciço. Um dos grupos de montanhas mais importantes é a Serra do Mar, que se estende por 1200 quilômetros do estado da Bahia a Santa Catarina. O ponto mais alto é o pico de Freiburg, com 2310 metros acima do nível do mar (Cordeiro, do Nascimento, Salamuni, 2016).

Relacionado:  Friedrich Ratzel: Biografia, Tese e Trabalho

Outra das cadeias montanhosas importantes da região é a serra da Mantiqueira, que se estende pelos estados da região sudeste: São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais. A formação montanhosa data do arcaico e é formada por rochas cristalinas (Buckup e Ingenito, 2007). O ponto mais alto desta cordilheira é a Pedra da Mina, com 2798,39 metros acima do nível do mar.

Essa cordilheira é comumente visitada por turistas que são atraídos por suas formações rochosas, além de espécies de animais e diferentes plantas que vêm da costa atlântica brasileira.

Referências

  1. Borsdoff, A., Dávila C., Hoffert H. e Tinoco, C. (s / f). Áreas naturais da América Latina: da Terra do Fogo ao Caribe. Institut for Geographie der Universität Innsbruck.
  2. Buckup, P. e Ingenito, L. (2007). A Serra da Mantiqueira, sudeste do Brasil, como barreira biogeográfica para peixes. Journal Of Biogeography, 34 (7), 1173-1182. doi: 10.1111 / j.1365-2699.2007.01686.
  3. Cordeiro, L., do Nascimento, E. e Salamuni, E. (2016). Morfo-estrutura da Serra do Mar, Paraná, Brasil. Jornal dos mapas, 1263-70. doi: 10.1080 / 17445647.2016.1158130.
  4. Dowdle, J. (2009). Como você sobrevive a ficar preso no meio do planalto brasileiro? Revista Texas, 21.
  5. Hoffmann, D., Martins, R. e Vasconcelos, M. (2015). Como as mudanças climáticas podem afetar a faixa de distribuição e o status de conservação de uma ave endêmica das terras altas do leste do Brasil: o caso do Tachuri-cinzento, Polystictus superciliaris (Birds, Tyrannidae). Biota neotrópica, 15 (2), e20130075. Recuperado de dx.doi.org.
  6. Núñez, A. (1994). Um mundo à parte: abordagem da história da América Latina e do Caribe. Madri: Edições da torre.
  7. Minas Tourism (8 de setembro de 2016). Serra da Mantiqueira: 7 cidadeszinhas charmosas para você tan tan region. Turismo de Minas. Recuperado em blog.turismodeminas.com.br.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies