Manuel Candamo Iriarte: biografia e vida política

Manuel Candamo Iriarte foi um político peruano que ocupou o cargo de Presidente do Peru por um curto período em 1903, durante a chamada “República Aristocrática”. Nascido em 1841, Candamo estudou direito na Universidade Nacional Maior de São Marcos e iniciou sua carreira política como deputado. Ele também se destacou como diplomata, representando o Peru em várias missões internacionais. Candamo foi eleito presidente em 1903, mas infelizmente faleceu apenas alguns meses depois, em decorrência de uma doença grave. Sua vida política foi marcada por uma postura progressista e defensora da modernização do país.

Na República Aristocrática, os latifundiários dominaram o grupo de poder.

Na República Aristocrática, os latifundiários dominaram o grupo de poder. Nesse contexto, surgiu Manuel Candamo Iriarte, um importante político peruano que exerceu grande influência durante esse período. Nascido em Lima em 1841, Candamo era membro de uma família tradicional da elite peruana e desde cedo demonstrou interesse pela política.

Em sua vida política, Manuel Candamo ocupou diversos cargos, incluindo o de deputado, senador e ministro. Sua atuação era pautada pela defesa dos interesses dos latifundiários e da oligarquia, o que lhe rendeu o apoio desses setores da sociedade. Candamo também foi presidente do Peru entre 1903 e 1904, período em que consolidou ainda mais seu poder e influência.

Apesar de sua trajetória marcada pelo apoio aos latifundiários, Manuel Candamo também foi responsável por algumas medidas progressistas, como a modernização da infraestrutura do país e a promoção de políticas de desenvolvimento econômico. No entanto, seu governo foi criticado por sua postura autoritária e pela repressão a movimentos sociais.

Manuel Candamo faleceu em 1904, deixando um legado controverso na história do Peru. Sua vida política foi marcada pela defesa dos interesses da elite dominante, em um período em que os latifundiários exerciam um forte controle sobre o poder político. Mesmo com suas contradições, Candamo é lembrado como uma figura importante na política peruana do século XIX.

Explorando a Reserva Nacional de Candamo: Belezas Naturais e Aventuras no Peru.

Manuel Candamo Iriarte foi um político peruano que teve um papel importante na história do país. Nascido em 1841, Candamo foi presidente do Peru de 1903 a 1904, durante um período de grande instabilidade política. Antes de se tornar presidente, ele ocupou diversos cargos públicos, incluindo o de ministro das Relações Exteriores.

Além de sua vida política, Candamo também era um amante da natureza e um defensor da preservação do meio ambiente. Foi durante seu mandato que a Reserva Nacional de Candamo foi criada, em homenagem ao seu compromisso com a conservação da fauna e flora peruana. Localizada na região amazônica do Peru, a reserva é um verdadeiro paraíso para os amantes da natureza, com uma grande diversidade de espécies de animais e plantas.

Explorar a Reserva Nacional de Candamo é uma experiência única, que combina belezas naturais com aventuras emocionantes. Os visitantes podem fazer trilhas pela floresta, observar pássaros exóticos, nadar em rios cristalinos e até mesmo fazer rafting em corredeiras emocionantes. A reserva também oferece a oportunidade de aprender sobre a cultura indígena local e a importância da preservação ambiental.

Em resumo, a vida de Manuel Candamo Iriarte foi marcada por sua dedicação à política e à preservação da natureza. Sua influência ainda é sentida no Peru, especialmente na Reserva Nacional de Candamo, que continua a ser um dos destinos mais populares para os amantes da natureza e aventureiros de todo o mundo.

Relacionado:  Civilizações agrícolas: características e contribuições

Manuel Candamo Iriarte: biografia e vida política

Manuel Candamo Iriarte (1841-1904) foi um jurista, professor, político e industrial peruano, que participou dos eventos políticos mais importantes do final do século XIX no Peru.Ele nasceu em Lima, de uma família rica. Ele recebeu uma educação cuidadosa em escolas da cidade de Lima, estudos que concluiu na Europa e em vários países da Ásia.

Ele era um homem pacífico e equilibrado, com fortes valores éticos, um amante da leitura, que gostava de compartilhar tempo com a família e os amigos. Ressuscitado e trabalhador, ele foi membro de vários movimentos sociais e políticos de sua época que desempenharam um papel de liderança na história do Peru.

Manuel Candamo Iriarte: biografia e vida política 1

Pintor não identificado [Domínio público], via Wikimedia Commons

Ele teve uma curta carreira no jornalismo, que não pôde continuar por muito tempo devido à sua posição crítica contra fatores de poder.Lutador de ferro contra os governos opressivos, ele esteve várias vezes no exílio, embora sempre voltasse ao Peru para continuar sua luta social.

Apesar de ter fortuna e privilégios, ele lutou pessoalmente contra invasões estrangeiras, como a do Chile em 1876. Além de estar envolvido em muitos conflitos populares que pretendiam lutar contra governos autoritários ou ditatoriais.

Ele se tornou presidente da República em duas ocasiões, ambas por curtos períodos. A primeira vez em um conselho provisório do governo em 1895. Na segunda vez, por decisão popular em 1903.

No entanto, sua saúde frágil impediu o culminar de seu mandato, morrendo em 1904 aos 62 anos de idade, oito meses depois de iniciar sua administração do governo.

Biografia

Manuel González de Candamo e Iriarte, nasceu em Lima em 14 de dezembro de 1841, em uma família rica. Para vários historiadores, era a família mais rica do Peru da época.

Ele era filho de Pedro González de Candamo e Astorga, de origem chilena, e María de las Mercedes Iriarte Odría, descendente de uma família que possuía muitas terras no planalto central do Peru.

Seu pai chegou ao país para cumprir uma missão diplomática representando o Chile, juntamente com o general San Martín.

Embora seu pai se dedicasse mais às atividades comerciais do que à diplomacia, ele se envolveu na importação de trigo e mercadorias do Chile, bem como na indústria ferroviária. Ele fez uma grande fortuna e permaneceu em Lima com sua família até sua morte.

Estudos

Manuel Candamo estudou no Colégio Nacional de Nossa Senhora de Guadalupe, onde ingressou em 1855. Avançou nos estudos no Convictorio de San Carlos e depois na Universidade Nacional de San Marcos, onde obteve seu diploma de Jurisprudência em 1862.

Inicialmente, dedicou-se ao ensino na mesma escola em que treinou, ministrando cursos de aritmética, literatura e religião.

Ele também trabalhou como jornalista em 1865 no jornal “El Comercio”. Desde aquela tribuna, Candamo foi um crítico duro das posições do governo. Em particular, de um tratado polêmico chamado Vivanco-Pareja, que para muitos favoreceu a Espanha às custas dos interesses peruanos.

Por esse motivo, o Presidente Pezet decidiu deportá-lo para o Chile.Sua permanência no exílio naquela ocasião foi curta, embora ele continuasse apoiando a revolução que finalmente ganhou poder em Lima em 1866.

Após seu retorno, foi nomeado secretário da delegação peruana no Chile em 1867. Nesse mesmo ano, partiu para a Europa e Ásia, devido a estudos. Essa viagem sempre o lembrava com muita nostalgia, pois ele ficara impressionado com o império dos czares da Rússia e as culturas da China e do Japão.

Ele retornou ao Peru em 1872. Ingressou no Partido Civil, que promoveu a candidatura à presidência de Manuel Pardo y Lavelle, que finalmente venceu as eleições.

Vida familiar

Em 23 de outubro de 1873, casou-se com Teresa Álvarez Calderón Roldán, com quem teve sete filhos. Sua vida familiar sempre foi primordial. Foi publicado um livro com mais de 400 cartas enviadas durante o exílio para sua esposa, família e amigos, onde ele expressou sua preocupação com a família e sua grande vocação como marido e pai.

Duas de suas filhas tornaram-se religiosas. Uma delas, Teresa Candamo Álvarez-Calderón, que viveu entre 1875 e 1953, está atualmente em processo de canonização pela Igreja Católica.

Durante seu tempo livre em Lima, ele freqüentou a famosa casa na Rua Coca, ao lado da Plaza de Armas, do Clube Nacional e do Club de la Unión, lugares onde grande parte da sociedade de Lima se encontrava, e compartilhou longos momentos com muitos amizades

Ele também gostava de “rocambor”, um popular jogo de cartas da época.

Ele era um indivíduo sério, com uma visão de negócios. Além de sua vida política ativa, ele desenvolveu atividades comerciais e financeiras.

Foi diretor do Anglo Peruvian Bank e do Mercantile Bank of Peru. Além disso, ele foi presidente da Câmara de Comércio de Lima.

Vida política

No governo de Pardo, ele permaneceu um colaborador próximo. Ele foi enviado a Paris em 1875, em missão oficial, para fazer acordos sobre dívida externa, que ele conseguiu executar com grande sucesso.

Entre outubro e dezembro de 1876, ele atuou como prefeito de Lima, durante o governo de Juan Ignacio de Osma.Tornou-se membro da Sociedade de Benefício Público de Lima em 1877, da qual foi presidente de 1889 a 1892.

O Chile declarou guerra ao Peru em 5 de abril de 1876, um conflito que durou até 1883. Poucos dias após o início da guerra, em 9 de abril, ele foi nomeado membro da Junta Administrativa Geral de Doações de Guerra.

Ele participou ativamente como reservista da famosa batalha de Miraflores em 15 de janeiro de 1881, após a qual foi deportado para o sul do Peru.

Em 1882, ele fazia parte da equipe que tinha a tarefa de manter o diálogo para encerrar a guerra com o Chile, cujo Tratado de Paz foi assinado no ano seguinte.

Em 1884, ele foi deportado novamente, por seus inimigos políticos que estavam no comando do país.No ano seguinte, foram realizadas eleições presidenciais, onde ele ganhou seu aliado político Cáceres, retornando à arena pública.

Ele foi eleito senador em 1886 e reeleito em 1990. Durante esse período, ele colaborou na fundação do Partido Constitucional.Foi presidente do Senado em 3 ocasiões: 1888, 1890 e 1892.

A instabilidade política prevalecente e a administração impopular de acordos para a renegociação da dívida externa causaram muitos tumultos e manifestações populares, que terminaram com a renúncia do Presidente da República Andrés Avelino Cáceres, em 1894.

Relacionado:  Qual era o plano Molotov?

Trabalha em suas presidências

Primeira Presidência

Pouco depois, Candamo assumiu a Presidência da República em caráter transitório, de 20 de março a 8 de setembro de 1895.

O principal objetivo era pacificar o país e conduzi-lo a um novo processo de eleições livres.Em 5 meses, o Presidente Candamo recebeu várias conquistas importantes:

  • Ele restaurou a liberdade de imprensa.
  • Ele convocou novas eleições.
  • Iniciou o reparo de docas e estradas.
  • Ele reorganizou a polícia.
  • Ele restaurou o correio e o telégrafo.

Nas eleições, Nicolás de Piérola venceu, que também era seu aliado político, pertencente ao Partido Civil.Em 1896, foi eleito senador por Lima, onde participou do estabelecimento da Corporação de Cobrança de Impostos.

Ele foi eleito novamente senador de 1899 a 1902.

Segunda Presidência

Em 1903, ele realizou sua indicação presidencial, embora fosse um candidato único.Em 8 de setembro de 1903, ele iniciou seu mandato presidencial que durou apenas 8 meses.

Entre as obras importantes de seu curto governo estavam:

  • Doação de institutos e equipamentos militares.
  • Ele criou o Departamento de Saúde Pública.
  • Ele fundou o Instituto de Ensino de Artes e Ofícios.
  • Ele promoveu uma nova política ferroviária.
  • Ele inaugurou o primeiro bonde elétrico em Lima, com 14 km de extensão total.
  • Impostos estabelecidos para certos produtos comerciais, como açúcar.
  • Ele criou bolsas para estudos universitários e enviou muitos peruanos ao exterior para continuar sua formação acadêmica.
  • Ele alterou as leis eleitorais e de impressão.
  • O jornal “La Prensa” foi fundado em 23 de setembro de 1903, que trabalhou por 81 anos.

Morte

Sua saúde foi afetada desde sua agitada campanha eleitoral, apesar da recomendação médica que ele sugeriu que permanecesse em repouso. Mas rapidamente se enfraqueceu com os compromissos presidenciais e seu horário de trabalho ocupado.

Em 12 de abril de 1904, ele viajou para Arequipa, acompanhado por sua família, seguindo o conselho de seu médico para continuar o tratamento em uma cidade com fontes termais, perto daquela cidade peruana.

Sua recuperação nunca foi alcançada; Após 21 dias de estadia em Arequipa, ele morreu na manhã de 7 de maio de 1904.

A causa da morte, segundo os dados da autópsia, foi “dilatação gástrica” ​​e “estenose pilórica”, provavelmente causada por câncer.

De Arequipa, seus restos mortais foram transferidos para Lima, onde foram enterrados após vários atos protocolares e a declaração de luto nacional por 3 dias.

Sua imagem e seu nome sempre inspiraram respeito e admiração em seus concidadãos, por sua dedicação à liberdade e ao espírito altruísta para fortalecer o país.

Referências

  1. Congresso do Governo do Peru. Fernando Manuel González de Candamo Iriarte. Museu do Congresso e Inquisição.
  2. Eguiguren Escudero. (1909). Luis Antonio: Lembrando Manuel Candamo. O homem, o estadista. Lima
  3. Basadre, Jorge. (1998). História da República do Peru. 1822 – 1933, oitava edição, corrigida e aumentada. Volumes 9 e 10. Editado pelo jornal “A República” de Lima e pela Universidade “Ricardo Palma”. Impresso em Santiago do Chile.
  4. Contribuidores da Wikipedia. (9 de setembro de 2018). Manuel Candamo Na Wikipedia, A Enciclopédia Livre. Recuperado 18:06, 29 de outubro de 2018.
  5. Malachowski, Ana (2017). Manuel Candamo, Sr. Presidente.
  6. Ponte Candamo, José e Ponte Brunke, José. (2008). Peru da intimidade. Epistolar de Manuel Candamo 1873-1904. Fundo editorial da PUCP.

Deixe um comentário