María Luisa Bombal: biografia, estilo literário, obras

Maria Luisa Bombal (1910-1980) foi uma escritora chilena, reconhecida por ser a primeira a tratar o realismo mágico em suas obras e por sua nova maneira de expressar o papel da mulher em suas diferentes obras literárias.

Foi o precursor ao lidar com a questão da repressão que existia para as mulheres. Ela se afastou do modelo comum do papel feminino, que na época se concentrava no casamento e na submissão no nível social.

María Luisa Bombal: biografia, estilo literário, obras 1

Fonte: [Domínio público], via Wikimedia Commons.

Nesse sentido, ele foi responsável por encerrar qualquer tipo de estereótipo. Ele abordou questões como o desejo sexual ou a raiva das mulheres. Seu comportamento em um nível pessoal e suas obras transformaram a sociedade da época em igual medida.

Seu primeiro romance foi publicado quando Bombal tinha apenas 23 anos e foi divulgado graças à revista Sur.

Biografia

Infância e estudos

María Luisa Bombal nasceu em 8 de junho de 1910. Ela era originalmente do Paseo Monterrey, de Viña del Mar, no Chile. Sua mãe era Blanca Anthes Precht e seu pai morreu quando ela era muito jovem. Esse foi o evento que motivou a família a se mudar para Paris, na França, quando Bombal tinha apenas oito anos de idade.

Na capital francesa, ele completou seus estudos do ensino básico e secundário. Em 1928, ele se matriculou na Faculdade de Letras de La Sorbonne, uma histórica universidade francesa na cidade parisiense. Ele terminou sua carreira em três anos e sua tese tratou do escritor francês Prosper Mérimée.

Quando terminou sua formação na universidade, retornou ao Chile, onde conheceu Eulogio Sánchez Errázuriz, uma pessoa próxima à família do escritor.O relacionamento que ele teve com Sánchez foi intenso em seus primeiros anos, no entanto, em 1933 eles já haviam se separado.

Após esse fato, Bombal mudou-se para Buenos Aires (Argentina), graças a uma recomendação do escritor Pablo Neruda, amigo do chileno e cônsul naquele país.

Suas primeiras publicações

Já em Buenos Aires, o escritor fazia parte dos movimentos intelectuais que se desenvolveram naqueles tempos. Ele tinha um link especial com os diferentes escritores que publicavam regularmente na conhecida revista South.

Foi nessa revista que seu trabalho, The Last Mist, foi publicado em 1935 , dando início formal à literatura. Nos anos seguintes, continuou publicando outras obras e, em 1938, tornou público La Amortajada, considerado o seu trabalho mais destacado.

Para a cadeia

Em 1940, ela voltou ao Chile como escritora consagrada e com histórias como The Tree e The Newly Published New Islands .

Um ano depois, ele viveu um de seus episódios mais controversos, quando foi preso por querer matar seu ex-parceiro Eulogio Sánchez.O escritor esperou por ele em frente à entrada do hotel Crillón e atirou nele, embora ele só tenha conseguido machucá-lo em um de seus braços. Ela ficou presa apenas por alguns meses desde que Sanchez a perdoou.

Estados Unidos

Depois que as acusações foram retiradas e perdoadas pela tentativa de assassinato, Bombal mudou de local de residência novamente. Em 1944, ele se mudou para os Estados Unidos, onde viveu por cerca de 30 anos.Sua adaptação não foi simples e, de fato, ele reconheceu ter sofrido alcoolismo durante os primeiros meses que passou sozinho no território norte-americano.

Tudo mudou quando ele conheceu Fal de Saint Phalle, um empresário francês com quem se casou em 1944. O casal até teve uma filha a quem chamavam Brigitte, o mesmo nome do personagem principal do segundo romance publicado por Bombal.

Nos Estados Unidos, ele conseguiu reviver sua carreira profissional na literatura. Sua abordagem na época era mais voltada para histórias de peças teatrais, sendo The Story of María Griselda (1946) a primeira obra que publicou nos Estados Unidos. Durante esses anos, ele também veio trabalhar para a UNESCO.

Seu marido, Fal de Saint Phalle, morreu em 1969, um evento que fez Bombal mudar de residência novamente. Ele retornou a Buenos Aires, onde morou até 1973. Depois, decidiu voltar ao seu país natal, o Chile, onde se estabeleceu permanentemente.

Apesar dos 30 anos que passou fora do Chile, Bombal nunca renunciou à sua nacionalidade. Isso se tornou um impedimento em sua carreira, pois ele evitou que ele pudesse optar por prêmios por seu trabalho nos outros países.

No Chile, o álcool reapareceu em sua vida e assumiu um papel de liderança, o que acabou deteriorando sua saúde. Sua morte ocorreu em maio de 1980, estando sozinho, sem companhia de familiares ou amigos e em um hospital. Ele nunca recebeu o Prêmio Nacional de Literatura.

Estilo literário

A obra literária de Bombal foi curta, mas teve um grande impacto por causa do estilo que ele usou. Na América Latina, seus trabalhos a tornaram uma das precursoras do estilo contemporâneo. Seu trabalho e seu estilo foram comparados aos de escritores importantes, como Virginia Woolf ou William Faulkner.

No final do século XX, o nome de María Luis Bombal ressurgiu entre os críticos literários. Os estudos e novos conceitos permitiram que seu trabalho fosse analisado sob uma nova perspectiva.

Os problemas de gênero expostos pelo escritor tiveram grande relevância. Seus temas quebraram paradigmas em relação à época em que seus trabalhos foram publicados, porque ele questionou o papel que homens e mulheres deveriam desempenhar na sociedade da qual faziam parte.

Ele foi capaz de reunir elementos de fantasia, com elementos reais de uma maneira que fosse credível. Um elemento nunca ofuscou o outro, mas eles se apoiaram.

Alguns críticos garantem que Bombal modernizou ou transformou alguns elementos da literatura. Por exemplo, a prosa que ele usou tinha um estilo de poesia.

Nos seus dois primeiros trabalhos, ele resistiu que o estilo era simplesmente a narração das coisas, aprofundando-as nos estímulos ocultos que cada um dos personagens tinha.

Geração 1942

Ele fez parte da Geração de 1942 na América Latina, cujo foco principal era a narração que serviu para denunciar eventos no nível social. Foi utilizado um realismo que era mais um censor ou juiz, que passou a ser chamado de neorrealismo.

Bombal fazia parte de um grupo composto por autores como Juan Rulfo ou Arturo Uslar Pietri. A geração de 1942 tinha vários estilos, mas todos tinham o mesmo objetivo: renovar e tratar os aspectos sociais.

Bombal foi uma das primeiras pessoas a desenvolver realismo mágico. No início, ele recebeu muitas críticas por sua inovação e seus detratores garantiram que os elementos fantásticos mostravam uma clara ausência de comprometimento. No final, esse estilo foi adotado por mais escritores e o realismo mágico ganhou força como estilo ou gênero de literatura.

Trabalhos

Seus trabalhos foram poucos em termos de romances e trabalhos disseminados. A intensidade e a importância de seu trabalho foram baseadas na inovação do conteúdo e como ele foi apresentado.

Ele usou algumas de suas experiências pessoais para traduzi-las em suas histórias. Selma Lagerlöf e Virginia Woolf foram grandes influências por seu trabalho.

Um de seus trabalhos foi traduzido por ela mesma para o inglês. Além de seus romances e histórias, ele publicou três crônicas e fez algumas críticas e entrevistas.

A Última Névoa (1934)

Este trabalho é narrado pelo personagem principal da história. É sobre uma mulher que tem pouco tempo para casar. A união aconteceu com um de seus primos, que ainda tem novas lembranças de sua esposa anterior.

Pede-se ao protagonista do romance que seja uma cópia da esposa morta, a quem o marido continua a considerar perfeito. Esse relacionamento frustrante é quebrado ainda mais quando o personagem principal do sexo feminino tem um relacionamento extraconjugal. A lembrança dessa aventura é o que lhe permite tolerar o casamento.

O envolto (1938)

Quando a história começa, a personagem feminina principal morre. Depois de algumas horas, enquanto o personagem está coberto em sua cama, ele consegue observar tudo o que acontece sem que ninguém perceba. A visita das pessoas que vão se despedir dela, já morta, a faz lembrar dos acontecimentos do passado. Lembre-se de sua família, seu primeiro amor, etc.

Jorge Luis Borges, amigo pessoal do escritor, chegou a duvidar que Bombal fosse capaz de desenvolver o enredo dessa história. Mais tarde, o escritor descreveu o trabalho como “um livro que não esquecerá nossa América”.

A história de María Griselda (1946)

Maria Griselda acabou por ser a nora do protagonista em La amortajada. Os personagens dessas histórias se destacam muito. Ela era uma mulher incompreendida, cuja característica mais notável era sua grande beleza. Todos os personagens giram em torno de Maria Griselda e ela encontrou na natureza uma maneira de escapar de seus problemas.

Essa história foi publicada pela primeira vez em agosto de 1946, depois de aparecer em uma revista norte-americana chamada North . Nos anos posteriores, também foi publicado na revista Sur, da Argentina, e na revista Zig-Zag.

Referências

  1. Agosín, M., Gascón Vera, E., & Renjilian-Burgy, J. (1987). Maria Luisa Bombal . Tempe, Arizona.: Editorial Bilingü e.
  2. Areco, M. & Lizama, P. (2015). Biografia e textualidades, natureza e subjetividade . Santiago: Edições Universidade Católica do Chile.
  3. Bombal, M., e Osório, L. (1983). Maria Luisa Bombal . México: Universidade Nacional Autônoma, Direção Geral de Difusão Cultural, Unidade Editorial.
  4. Gligo, A. (1995). Maria Luisa . Santiago do Chile: Editorial sul-americano.
  5. Vidal, H. (1976). Maria Luisa Bombal . San Antonio de Calonge, Gerona: Filhos de José Bosch.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies