Massa anexial: sintomas, causas e tratamentos

A massa anexial é uma protuberância que pode se formar nos ovários ou nas trompas de falópio de uma mulher. Essa condição pode ser assintomática ou causar sintomas como dor pélvica, sangramento anormal, distensão abdominal, entre outros. As causas podem variar desde cistos funcionais até tumores malignos. O tratamento depende da causa da massa anexial e pode incluir monitoramento, medicamentos ou cirurgia. É importante buscar orientação médica ao perceber qualquer alteração ou desconforto na região pélvica.

Principais causas de Massa Anexial: o que é importante saber sobre esse problema.

Massa anexial é um termo utilizado para descrever qualquer crescimento anormal que ocorre nos ovários ou nas trompas de falópio de uma mulher. Essa condição pode ser assintomática, mas em alguns casos, pode causar desconforto e complicações sérias. É importante entender as principais causas dessa condição para poder identificá-la e tratá-la adequadamente.

As principais causas de massa anexial incluem cistos ovarianos, endometriose, tumores ovarianos, infecções pélvicas e gravidez ectópica. Os cistos ovarianos são uma das causas mais comuns de massa anexial e são geralmente benignos. Já a endometriose ocorre quando o tecido que normalmente reveste o útero começa a crescer fora dele, podendo causar a formação de massas anexiais.

Os sintomas de massa anexial podem variar dependendo da causa subjacente, mas alguns dos sintomas mais comuns incluem dor pélvica, sangramento anormal, aumento do volume abdominal e alterações no ciclo menstrual. Se você estiver experimentando algum desses sintomas, é importante procurar ajuda médica para um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

O tratamento para massa anexial também varia de acordo com a causa da massa. Em muitos casos, os cistos ovarianos benignos podem ser monitorados ao longo do tempo, enquanto outros casos podem exigir cirurgia para remover a massa. É fundamental seguir as orientações do médico e realizar exames de acompanhamento para garantir uma recuperação adequada.

Com um diagnóstico precoce e um tratamento adequado, é possível lidar com esse problema de forma eficaz e garantir a saúde e bem-estar da paciente.

Significado e características do tumor Anexial: entenda mais sobre essa condição de saúde.

O tumor anexial é uma massa que se desenvolve nos anexos da pele, como os folículos pilosos e as glândulas sebáceas. Essas estruturas são conhecidas como anexos cutâneos e estão presentes em toda a pele do corpo.

As características do tumor anexial podem variar de acordo com a sua origem, podendo ser benigno (não canceroso) ou maligno (canceroso). Alguns dos sintomas comuns desse tipo de tumor incluem dor abdominal, inchaço na região pélvica, alterações no ciclo menstrual e desconforto durante relações sexuais.

As causas do tumor anexial ainda não são totalmente compreendidas, mas alguns fatores de risco podem incluir histórico familiar de câncer, idade avançada e exposição a certas substâncias químicas. O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de imagem, como ultrassonografia e ressonância magnética.

O tratamento para o tumor anexial depende do tipo e do estágio da doença. Em casos benignos, pode ser indicada a observação regular da massa, enquanto em casos malignos, pode ser necessário recorrer à cirurgia, quimioterapia ou radioterapia.

É importante estar atento aos sintomas e procurar ajuda médica caso haja suspeita de um tumor anexial. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são fundamentais para o prognóstico e a qualidade de vida do paciente.

Relacionado:  Síndrome de Treacher-Collins de Juliana Wetmore

Possíveis causas de massa no ovário: o que é importante saber sobre o assunto.

As massas no ovário, também conhecidas como massas anexiais, são frequentemente descobertas durante exames de rotina ou investigações de sintomas específicos. Existem várias possíveis causas para o desenvolvimento dessas massas, e é importante estar ciente delas para um diagnóstico preciso e um tratamento adequado.

Uma das causas mais comuns de massa no ovário é o cisto ovariano, que é um crescimento benigno cheio de líquido que pode se formar no ovário. Outra possível causa é a endometriose, uma condição em que o tecido semelhante ao revestimento do útero cresce fora do útero, incluindo nos ovários. Além disso, tumores ovarianos, que podem ser benignos ou malignos, também podem levar ao desenvolvimento de massas no ovário.

É importante ressaltar que as massas no ovário nem sempre são cancerígenas, mas é fundamental que sejam investigadas adequadamente para determinar a sua natureza e o melhor curso de tratamento. Alguns sintomas que podem estar associados a massas anexiais incluem dor abdominal, inchaço, alterações no ciclo menstrual e desconforto durante relações sexuais.

O diagnóstico de uma massa no ovário geralmente envolve exames de imagem, como ultrassonografia pélvica, ressonância magnética e tomografia computadorizada. Em alguns casos, pode ser necessária uma biópsia para determinar se a massa é benigna ou maligna.

O tratamento para massas no ovário depende da causa subjacente e da natureza da massa. Em muitos casos, as massas benignas podem ser monitoradas ao longo do tempo, enquanto as massas malignas podem exigir cirurgia e outros tratamentos, como quimioterapia.

É importante estar ciente dos possíveis sintomas e procurar assistência médica se houver preocupações. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado podem melhorar significativamente o prognóstico para as pacientes com massas anexiais.

Entendendo as lesões no Anexo uterino: o que são e como tratá-las.

Massa anexial: sintomas, causas e tratamentos.

É comum que mulheres apresentem lesões no Anexo uterino ao longo da vida. Essas lesões podem ser benignas ou malignas, e é essencial entender suas causas e como tratá-las de forma adequada.

As lesões no Anexo uterino podem se manifestar por meio de uma massa anexial, que é uma protuberância na região pélvica. Os sintomas geralmente incluem dor abdominal, desconforto durante a relação sexual, alterações no ciclo menstrual e aumento do volume abdominal.

Diversos fatores podem ser causas das lesões no Anexo uterino, como cistos ovarianos, endometriose, tumores benignos ou malignos, entre outros. É fundamental realizar exames de imagem, como ultrassonografia pélvica, para diagnosticar corretamente a origem da massa anexial.

O tratamento das lesões no Anexo uterino pode variar de acordo com a causa da massa anexial. Em casos de cistos pequenos e benignos, pode-se optar pela observação periódica. Já em situações mais graves, como tumores malignos, pode ser necessária a realização de cirurgia para remoção da massa e, em alguns casos, tratamento complementar com quimioterapia ou radioterapia.

Por isso, é fundamental estar atenta aos sintomas e buscar acompanhamento médico especializado para uma abordagem eficaz e segura.

Massa anexial: sintomas, causas e tratamentos

Uma massa anexial é um nódulo de tecido nos órgãos localizados próximos ao útero: ovários, ligamentos e trompas de falópio. Também é conhecido como massa pélvica ou massa ovariana.

Relacionado:  Cardiomegalia: sintomas, classificação, causas e tratamento

Normalmente, o ovário pode produzir cistos várias vezes durante o ano, e a maioria das massas encontradas é benigna. De fato, no caso comum, esses cistos funcionais desaparecem sem tratamento. No entanto, em algumas situações, se o cisto persistir ou aumentar, ele pode se tornar uma massa anexa patológica.

Massa anexial: sintomas, causas e tratamentos 1

A idade do paciente é um fator crucial na determinação da etiologia provável de uma massa anexial ou pélvica. Como os ovários produzem cistos fisiológicos em mulheres que menstruam, a probabilidade de um processo benigno é maior do que em mulheres em idade reprodutiva. Por outro lado, a presença de uma massa anexial em meninas pré-púberes e mulheres na pós-menopausa aumenta o risco de uma etiologia neoplásica maligna.

Você pode também estar interessado nos 9 tipos de cistos principais para conhecer um pouco mais sobre essa patologia.

Causas da massa anexial

Gravidez ectópica

Ocorre quando uma gravidez se forma fora do útero. A mais comum é uma gravidez ectópica na trompa de Falópio e pode causar dor. Se você tiver um teste de gravidez positivo e um súbito aparecimento de dor pélvica, chame seu médico imediatamente, porque essas gestações podem superar a trompa de Falópio, romper e causar sangramento grave.

Ovário policístico

Este ovário é aumentado devido ao desenvolvimento de muitos folículos pequenos, e isso geralmente é observado em mulheres com síndrome dos ovários policísticos.

Ovário torto

Se a massa ovariana for grande, pode ocorrer torção ovariana. A torção ovariana pode cortar completamente o suprimento sanguíneo, resultando em um ovário não funcional ou “morto”.

Qualquer tipo de massa anexa, benigna ou maligna, pode sofrer torção. Normalmente, uma mulher com torção tem dor pélvica, possível febre baixa e massa anexial.

Endometrioma

É um cisto ovariano que contém tecido do revestimento uterino ou endométrio. Também é conhecido como “cisto de chocolate”, porque o líquido interno é o sangue do tecido endometrial e tem a cor do chocolate.

Cistos funcionais

Durante a ovulação, um óvulo amadurece em um folículo que se desenvolve e depois quebra para liberar o óvulo. Isso indica que um corpo lúteo crescerá para ajudar a manter os hormônios se a gravidez for alcançada.

O corpo lúteo é reabsorvido se uma gravidez não for concebida. Se o folículo não se romper, ele pode continuar a se transformar em cisto folicular. Se o corpo lúteo não é reabsorvido e continua a crescer, é chamado corpo lútea.

Fibroma

É um tumor benigno sólido do ovário que pode estar associado a líquido no abdômen e pulmões (síndrome de Meigs). Isso geralmente é observado em mulheres na pós-menopausa.

Dermoid

Este cisto surge no ovário e é um tumor benigno que geralmente contém tecidos como cabelos, músculos e dentes.

Fibroid

É um tumor benigno do músculo uterino que pode crescer adjacente ao útero, ocorrendo na região anexial.

Cistadenoma

É um tumor benigno comum que pode conter líquido seroso ou mucinoso no interior do cisto.

Alguns podem produzir níveis aumentados de diferentes tipos de hormônios, como andrógenos, estrógenos (tumor de células granulares), hormônios masculinos (tumores de células de Sertoli-Leydig) ou hormônio da tireóide (Struma Ovarii).

Relacionado:  Sinal Westermark: Causas, Sinais, Falsos Positivos

Abscesso tubovírus

É uma coleção de pus nas trompas e ovários que geralmente é acompanhada por sintomas de dor abdominal, febre e corrimento vaginal. Isso é transmitido sexualmente e pode causar infertilidade. O abscesso tubovírus envolve uma infecção aguda e, portanto, requer atenção médica imediata.

Hydrosalpinx

É um processo benigno de fluido preso dentro de uma trompa de Falópio. Isso pode causar dor e diminuir as taxas de fertilidade.

Câncer

O câncer pode se desenvolver no ovário ou nas trompas de falópio. Outros cânceres, especialmente da mama e do trato gastrointestinal, também podem se espalhar para a região anexial.

Tratamento

As opções de tratamento são baseadas na idade, histórico médico, exame físico e análises e imagens laboratoriais.Abaixo estão algumas opções de tratamento para as massas anexiais mais comuns:

Gravidez ectópica

Em uma paciente assintomática, um medicamento chamado metotrexato pode ser administrado com ultra-som em série e acompanhado em laboratório até a gravidez ser reabsorvida.

Dependendo das características da gravidez ectópica e da gravidade de seus sintomas, a paciente pode ser candidata à terapia médica ou cirúrgica.

Ovário policístico

Não existem tratamentos específicos em si. No entanto, as mulheres com a síndrome podem considerar perder peso e tomar pílulas anticoncepcionais para ajudar a regular seus ciclos menstruais.

Cistos funcionais

A observação é adequada com ultra-som. Algumas mulheres são sugeridas pílulas anticoncepcionais para evitar a ovulação e a formação desses cistos. A cirurgia para preservar o ovário é recomendada se o cisto for grande o suficiente para sofrer torção.

Dermoid

A cirurgia é recomendada para evitar crescimento, torção e ruptura.

Endometrioma

Esses cistos geralmente não desaparecem espontaneamente ou respondem à medicação. Portanto, a cirurgia pode ser recomendada para remoção.

Cistadenoma

A remoção cirúrgica é recomendada para prevenir o crescimento, torção, ruptura e descartar malignidade.

Fibroma

Como esse cisto é mais comum em mulheres na pós-menopausa, recomenda-se a remoção cirúrgica desse ovário e tubo. Em alguns casos, a preservação ovariana pode ser realizada apenas com a remoção de fibróides.

Hydrosalpinx

Se a fertilidade é desejada, o tubo pode precisar ser reparado cirurgicamente.

Abscesso tubovírus

É necessário ir ao hospital para avaliar os sinais da infecção e a resposta aos antibióticos intravenosos. A drenagem do abscesso pode ser realizada, especialmente se os sintomas não melhorarem dentro de 24 a 48 horas ou se puder ser removida cirurgicamente.

Câncer

O encaminhamento a um oncologista é recomendado para uma discussão aprofundada sobre o tratamento.

Outras considerações

Se a massa ovariana é considerada benigna, é altamente recomendável a preservação do ovário, simplesmente removendo o cisto (cistectomia) do ovário. Às vezes, todo o ovário pode ser removido. Se isso for feito, a trompa de Falópio também costuma ser removida. Este procedimento é chamado de Salpingo-ooforectomia.

Qualquer massa, seja a parede do cisto ou o ovário, é enviada à patologia para confirmar se é benigna ou maligna.

Geralmente, as cirurgias são realizadas através do laparoscópio e são ambulatoriais, o que torna a recuperação mais rápida e causa menos dor.

Referências

  1. Michel E Rivlin (2017). Tumores anexiais Medscape Recuperado de: emedicine.medscape.com.
  2. Equipe da Aspire Labs. O que é a massa pélvica? Aspira Labs. Recuperado de: vermillion.com.
  3. Janet Drake (1998). Diagnóstico e manejo da massa anexa. Médico de família americano. Recuperado de: aafp.org.
  4. Os editores da Encyclopædia Britannica (2017). Hipertensão pós-parto. Encyclopædia Britannica, Inc. Recuperado de: britannica.com.

Deixe um comentário