Massacre de Cholula: antecedentes, causas, desenvolvimento, consequências

Massacre de Cholula: antecedentes, causas, desenvolvimento, consequências

O massacre de Cholula foi cometido por forças lideradas por Hernán Cortés durante a conquista do México. Em 18 de outubro de 1519, um exército formado pelos espanhóis e seus aliados Tlaxcala e Totonac acabou com a vida de mais de cinco mil colombecas no importante centro cerimonial de Cholula, localizado no atual estado mexicano de Puebla.

Os Cholultecas eram uma cidade tributária dos mexicas e inimigos tradicionais dos tlaxcalanos. Este último aliou-se aos espanhóis para se livrar do domínio Mexica e trouxe um grande número de guerreiros para completar a conquista de Tenochtitlán.

As tropas de Cortés foram bem recebidas em Cholula, mas, segundo os cronistas espanhóis, era uma armadilha. Essas mesmas fontes afirmam que o massacre ocorreu depois que Malinche alertou Cortés que os Mexicas haviam enviado 20.000 guerreiros para emboscar os conquistadores espanhóis.

Este massacre foi um aviso sério para o resto dos povos da Mesoamérica. Como resultado, muitos deles escolheram se juntar aos espanhóis contra os mexicas. Com pouca resistência, Cortés e sua família chegaram à capital do Império Asteca e subjugaram Moctezuma.

fundo

Após sua campanha de conquista em Tabasco, Cortés foi informado da existência de uma importante cidade cheia de riquezas. Era Tenochtitlán, capital do Império Asteca.

Em San Juan de Ulúa, Cortés recebeu uma embaixada enviada pelo tlatoani Moctezuma, o imperador Mexica. Este último enviou presentes como sinal de paz, mas rejeitou a reivindicação do conquistador espanhol de visitar sua capital.

Apesar disso, Cortés iniciou uma expedição de conquista. Ao longo do caminho, ele encontrou várias cidades subjugadas pelos Mexica e partiu para torná-las aliadas.

Alianças com povos indígenas

O conquistador espanhol recebeu o apoio dos Totonacas, uma das cidades obrigadas a prestar homenagem aos mexicas.

Mais tarde, a caminho do interior, ele teve que enfrentar os tlaxcalanos, inimigos tradicionais dos mexicas. Depois de derrotá-los, ele os convenceu a formar uma aliança para acabar com o império.

As cholultecas

Entre as cidades-estados mais importantes do vale Puebla-Tlaxcala estava Cholula, além de ser um aliado próximo dos México e sua localização o tornou um objetivo estratégico de primeira ordem para chegar a Tenochtitlán.

Cholula também foi um importante centro comercial e religioso. Havia um grande templo dedicado a Tláloc, além de ser um centro de adoração para Quetzalcóatl.

Enviando um emissário de Tlaxcalteca

Os espanhóis queriam que os líderes de Cholula se unissem à aliança contra os mexicas. Para conseguir isso, eles usaram os tlaxcalanos, apesar de serem inimigos fortes dos Cholultecas.

Relacionado:  Roupa dos Incas: Principais Características

Assim, os tlaxcalanos enviaram um embaixador chamado Patlahuatzin a Cholula com a missão de convencer seus governantes a concordar em dialogar com Cortés.

A reação dos cholultecas foi esfolar o rosto e as mãos de Patlahuatzin. Os tlaxcalanos, indignados, pediram vingança a Cortés, mas ele respondeu ao convite de Moctezuma e decidiu ir a Cholula junto com seus aliados indígenas.

Causas do assassinato

O massacre de Cholula faz parte das ações que ocorreram durante a conquista do Império Asteca. A maioria das fontes históricas vem dos espanhóis ou de seus aliados, que justificam o que aconteceu devido a uma possível emboscada preparada contra a expedição de Cortés.

A hipótese da emboscada

As crônicas escritas por Bernal Díaz del Castillo afirmam que Moctezuma havia enviado um exército de 20.000 guerreiros para preparar uma emboscada nos arredores de Cholula.

Além disso, outras fontes indicam que os próprios cholultecas tinham a intenção de capturar cerca de 20 espanhóis e sacrificá-los em homenagem a Quetzalcóatl.

Ylamateuhtli, uma velha pertencente à nobreza da cidade, informou o Malinche sobre esses planos e notificou imediatamente Cortés.

Desenvolvimento

Quando Cortés e sua família chegaram a Cholula, uma procissão da cidade saiu para cumprimentá-los, incluindo os governantes da cidade. Depois de fazer os presentes habituais, pediram desculpas ao conquistador espanhol por não terem ido a Tlaxcala, cidade com a qual mantinham uma grande rivalidade.

Os governantes de Cholula convidaram os espanhóis e os Totonacs a entrar na cidade, mas pediram que os tlaxcalanos permanecessem do lado de fora. Cortés concordou com seu pedido.

Como o próprio Cortés relatou em uma carta endereçada ao rei Carlos I da Espanha, a cidade tinha mais de 20.000 casas e cerca de 365 templos, e ele a descreveu como bonita.

Suspeitas

Os Cholultecas foram muito hospitaleiros com os espanhóis pelos próximos dois dias e ofereceram alojamento e comida. No entanto, a partir do terceiro dia eles pareciam evitar o contato com os conquistadores.

Os Totonacs avisaram a Cortés que haviam encontrado buracos escondidos nas ruas e o interpretaram como armadilhas para cavalos. Além disso, informaram ao conquistador que haviam ocorrido alguns sacrifícios de crianças aos deuses da guerra, um ritual habitual antes do início de qualquer confronto.

Cortés pôs seus homens em alerta e avisou os tlaxcalanos para lhes dar 300 soldados. Durante a noite, os espanhóis debateram se deveriam deixar a cidade para Huejotzingo ou Tlaxcala ou atacar os Cholultecas de surpresa. Finalmente, eles decidiram sobre esta última ação.

Relacionado:  Segunda Revolução Industrial: causas, consequências

O abate

Ao amanhecer, Cortés informou aos governantes da cidade que estava ciente da emboscada. Mais tarde, ele ordenou que eles fossem presos.

Depois disso, o conquistador disparou sua espingarda no ar, o sinal concordou em iniciar o ataque. Os espanhóis tinham armas muito superiores e, além disso, pegaram os Cholultecas desprevenidos.

Juntamente com seus aliados Tlaxcala e Totonac, eles atacaram os habitantes da cidade, independentemente de serem mulheres, crianças ou desarmados. O assassinato custou a vida de 5.000 a 6.000 pessoas. Além disso, centenas de Cholultecas foram capturadas.

Pedido de clemência

Os sobreviventes pediram misericórdia a Cortés e alegaram que haviam sido forçados pelos mexicas.

O conquistador ordenou parar o massacre e concordou com os líderes que permaneceram vivos a rendição. Entre as condições estavam o sacrifício humano cessar e eles se converterem ao catolicismo.

Embora a princípio muitas Cholultecas se recusassem a abandonar seus deuses, elas finalmente concordaram em se tornar aliadas dos espanhóis. Cinco dias depois, a cidade voltou ao normal.

Os 20.000 guerreiros astecas que supostamente esperavam que os espanhóis os atacassem nunca apareceram, nem perto de Cholula nem durante a jornada que os conquistadores fizeram para chegar a Tenochtitlán.

Consequências

O primeiro resultado do massacre de Cholula, além das mortes, foi a conversão ao cristianismo das Cholultecas e a assinatura de uma aliança com os espanhóis.

Apesar da justificativa de Cortés e Díaz del Castillo, vários anos depois, Bartolomé de las Casa e o irmão Toribio de Benavente condenaram o massacre, que eles descreveram como desnecessário e exagerado. Ambos os religiosos apontaram que a única razão tinha sido aterrorizar os povos indígenas para que não enfrentassem os espanhóis.

Aviso aos mexicas

O massacre serviu de alerta aos mexicas e ao resto dos povos indígenas sobre as consequências de resistir à conquista. O resultado foi que muitas das confederações indígenas se submeteram às demandas dos espanhóis.

Chegada em Tenochtitlán

Após três meses de viagem, Cortés e seu exército chegaram a Tenochtitlán praticamente sem resistência. Montezuma recebeu os conquistadores com honra e ofereceu ouro e outros presentes.

Isso, no entanto, não foi suficiente para Cortés, que continuou seus planos de conquista até que ele tomou Tenochtitlán e terminou o Império Asteca.

Personagens

Hernan Cortes

Hernán Cortés nasceu na cidade de Medellín, na Extremadura, então pertencente à Coroa de Castela. Ainda jovem, ele decidiu melhorar sua fortuna viajando para o Novo Mundo. Seus primeiros destinos foram Hispaniola e Cuba, onde foi prefeito da segunda cidade fundada pelos conquistadores.

Relacionado:  5 Ferramentas das Primeiras Pessoas da América

Apesar de o governador de Cuba, Diego Velazquez, expressamente o proibir, Cortés organizou uma expedição para conquistar o atual México. Uma vez no continente, obteve o apoio de vários povos indígenas subjugados pelos mexicas.

Em sua campanha, ele teve a ajuda de uma mulher nativa, Malinche, que serviu como intérprete e com quem teve um filho.

O governador de Cuba tentou prender Cortés, mas sem sucesso. Depois de tomar Tenochtitlán, o rei da Espanha finalmente reconheceria suas conquistas e o nomeou marquês do vale de Oaxaca, embora não fosse vice-rei.

O Malinche

Também conhecida como Malintzin ou por seu nome cristão, Dona Marina, La Malinche era uma mulher étnica nahuatl nascida no estado atual de Veracruz, por volta do ano 1500.

La Malinche foi uma das 19 mulheres dadas como escravas aos conquistadores espanhóis pelos indígenas de Tabasco. Seu papel durante a conquista foi além do intérprete, pois também atuou como conselheira e intermediária de Cortés. O filho em comum foi um dos primeiros mestiços da América.

Em Cholula, foi ele quem advertiu o conquistador da existência de um plano para emboscá-los, uma ação que levou ao massacre que acabou com a vida de cerca de 5.000 pessoas.

Ylamateuhtli

Embora sua existência tenha sido apoiada apenas pelo que está incluído no Códice de Cholula, considera-se que Ylamateuhtli, batizado como Dona María, teve um papel muito importante no massacre de Cholula.

Segundo o códice indicado, Tlamateuhtli era a esposa de Quetzalcoatzin, um cacique que governava um senhorio secundário de Cholula. Essa mulher notificou Malinche da suposta emboscada que estava sendo preparada contra os espanhóis. Além disso, ele ofereceu sua casa e a mão de seu filho para salvar sua vida.

Cortés interpretou este aviso como um gesto de boa vontade e nomeou Ylamateuhtli rainha de Cholula.

Referências

  1. Mariló TA O massacre de Cholula: O massacre perpetrado por Hernán Cortés e seus aliados a caminho de Tenochtitlán. Obtido em ancient-origins.es
  2. EcuRed. Massacre de Cholula. Obtido de ecured.cu
  3. O sol de Puebla. Esta é a história do massacre em Cholula, o massacre estrelado por Hernán Cortés. Obtido em elsoldepuebla.com.mx
  4. Minster, Christopher. O Massacre de Cholula. Obtido em thoughtco.com
  5. McCafferty, Geoffrey G. O massacre de Cholula: histórias faccionais e arqueologia da conquista espanhola. Recuperado de antharky.ucalgary.ca
  6. Queimaduras, Savanah Nicole. Hernán Cortés: Massacre de Cholula na pirâmide de Quetzalcoatl. Obtido em historicalmx.org
  7. História do Patrimônio. O Massacre de Cholula. Obtido em heritage-history.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies