Maximilian of Habsburg: biografia

Maximilian of Habsburg foi um arquiduque da Áustria, nascido em 22 de março de 1459. Ele foi um dos membros mais proeminentes da Casa de Habsburgo e tornou-se o Imperador Romano-Germânico em 1493. Maximilian foi conhecido por suas habilidades políticas, militares e diplomáticas, além de ser um patrono das artes e da cultura. Sua biografia é marcada por sua tentativa de fortalecer o poder dos Habsburgos na Europa, bem como por suas conquistas militares e alianças estratégicas. Ao longo de sua vida, Maximilian desempenhou um papel fundamental na política europeia do século XVI e deixou um legado duradouro como um dos líderes mais influentes de sua época.

O destino de Maximiliano, irmão de Francisco, imperador, é revelado em detalhes surpreendentes.

Maximilian of Habsburg foi um membro proeminente da família real austríaca, irmão do imperador Francisco. Sua vida foi marcada por eventos surpreendentes e seu destino final é ainda mais impressionante.

Nascido em 1832, Maximilian era conhecido por sua personalidade carismática e sua paixão pela arte e cultura. Ele se destacou como um líder habilidoso e visionário, conquistando o respeito de muitos ao seu redor.

No entanto, sua vida tomou um rumo inesperado quando ele foi convidado para se tornar o imperador do México em 1864. Maximilian aceitou o desafio com entusiasmo, mas logo se viu envolvido em uma série de conflitos e intrigas políticas.

Em 1867, Maximilian foi capturado e condenado à morte por um tribunal mexicano. Sua execução chocou o mundo e marcou o fim trágico de um homem que buscava trazer mudanças positivas para o México.

O legado de Maximilian de Habsburg vive até hoje, lembrando-nos da fragilidade do poder e da importância de lutar por aquilo em que acreditamos. Sua história é um lembrete poderoso de como o destino pode ser cruel e imprevisível.

O destino do irmão do imperador Francisco da Áustria: uma história intrigante e misteriosa.

Maximilian of Habsburg, irmão do imperador Francisco da Áustria, teve um destino intrigante e misterioso que deixou muitas questões sem resposta. Nascido em 1832, Maximilian era conhecido por sua personalidade carismática e sua paixão por aventuras. Apesar de sua vida agitada, ele sempre manteve um forte vínculo com sua família e seu país.

Em 1864, Maximilian foi convidado a se tornar o imperador do México, um convite que ele aceitou com entusiasmo. No entanto, sua decisão foi controversa e acabou levando a consequências trágicas. Durante seu reinado no México, Maximilian enfrentou uma série de desafios políticos e militares, o que o levou a ser capturado e executado em 1867.

Apesar de sua morte prematura, o legado de Maximilian permanece vivo até hoje. Sua coragem e determinação em face da adversidade o tornaram uma figura lendária na história da Áustria e do México. Sua morte ainda é envolta em mistério, com teorias conspiratórias e rumores sobre sua verdadeira causa.

Relacionado:  Bandeira de Villavicencio: História e Significado

Em resumo, Maximilian of Habsburg foi um homem cujo destino foi marcado por escolhas controversas e eventos trágicos. Sua vida e morte continuam a intrigar e inspirar aqueles que estudam sua história e seu legado.

Quem foi Maximiliano, o príncipe?

Maximiliano, o príncipe, foi um membro da família real dos Habsburgos, nascido em 1459 na Áustria. Ele era filho do imperador Frederico III e de Leonor de Portugal. Desde jovem, Maximiliano mostrou grande interesse em questões militares e políticas, tornando-se um líder respeitado em seu tempo.

Em 1477, Maximiliano casou-se com Maria, herdeira dos Países Baixos, consolidando assim sua posição como um dos principais governantes da Europa. Durante seu reinado, ele expandiu os territórios dos Habsburgos e fortaleceu suas alianças com outras potências europeias.

Maximiliano também ficou conhecido por sua paixão pela arte e pela cultura, sendo um patrono de diversos artistas e intelectuais de sua época. Ele foi um dos responsáveis pela expansão do Renascimento na Europa Central, deixando um legado duradouro no campo das artes e das ciências.

Apesar de sua morte prematura em 1519, Maximiliano deixou uma marca indelével na história europeia, sendo lembrado como um dos grandes líderes da Renascença. Sua influência política e cultural perdurou por séculos, moldando o curso da história da Europa.

Maximilian of Habsburg: biografia

Michael Graves (1934 – 2015) foi um arquiteto americano, professor universitário e designer. Sua fama surgiu, principalmente, por sua destacada participação no movimento conhecido como pós-modernismo.

Graves foi professor na Universidade de Princeton por quase 40 anos. Algumas de suas obras mais importantes tornaram-se exemplos icônicos da arquitetura pós-moderna. Exemplos disso são o prédio de serviços públicos de Portland ou o Edifício de Escritórios Humana, em Kentucky.

Maximilian of Habsburg: biografia 1

Michael Graves, desenho de Pablo Riestra Pablo Riestra [CC BY-SA 3.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0)], do Wikimedia Commons

Outros exemplos notáveis ​​de seu trabalho estão na expansão da livraria pública em Denver e em vários prédios da The Walt Disney Company.

Graves também foi um representante das correntes do Novo Urbanismo e da Nova Arquitetura Clássica, movimentos que mantêm a essência da arquitetura popular.

O reconhecimento da Graves aumentou consideravelmente com a associação com as lojas Target e JC Penney, nos Estados Unidos, e com a marca italiana Alessi, para a produção de utensílios domésticos.

Biografia

Começos

Michael Graves nasceu em 9 de julho de 1934 em Indianapolis, Indiana. Seus pais eram Thomas B. Graves e Erma Lowe. Em 1952, ele se formou como solteiro quando tinha 18 anos.

Então, Graves obteve seu diploma de bacharel pela Universidade de Cincinnati School of Design em 1958 e um mestrado em arquitetura pela Harvard University em 1959.

De 1960 a 1962, ele se concentrou no estudo de grandes edifícios romanos depois de ganhar o prêmio da Academia Americana em Roma. Sua exposição a essas estruturas arquitetônicas se tornou o primeiro impulso para sua separação do modernismo, e também se tornou evidente em seus mais recentes projetos pós-modernos.

Carreira profissional

Ao retornar da Europa para os Estados Unidos em 1962, Michael Graves aceitou uma posição como professor na Escola de Arquitetura da Universidade de Princeton. Lá ele ensinou por quase quatro décadas.

Nos anos 1960, ele deu seus primeiros passos na arquitetura e estes corresponderam ao movimento modernista: volumes geométricos, sem ornamentação e predominantemente brancos, compostos por linhas limpas e dispersas.

Sua adesão aos princípios do modernismo ajudou a identificá-lo no final dos anos 1960 como um dos New York Five , um grupo de arquitetos influentes da costa leste americana, que adotaram incondicionalmente o movimento modernista.

No final da década de 1970, Graves começou a se separar do modernismo. Então ele começou a busca por um repertório arquitetônico mais diversificado. Ele se concentrou em projetos mais acessíveis ao público. A deserção de Graves do modernismo se tornou aparente com seu projeto da Casa Plocek (1977) em Warren, Nova Jersey.

Pós-modernismo e design

No final da década de 1980, Graves se consolidou como uma das figuras mais originais da linguagem pós-moderna. Ele executou projetos de arquitetura e design para clientes de todo o mundo.

Seu design de edifícios turísticos para a Disney em Orlando, Flórida, e um hotel para a Disneyland Paris ajudaram a fortalecer sua reputação.

Graves iniciou uma parceria longa e bem-sucedida com a empresa italiana de utensílios de cozinha Alessi. A famosa chaleira de aço inoxidável que o arquiteto projetou em 1985 para esta marca tornou-se o produto mais vendido da empresa e ainda está em produção.

No início dos anos 90, Graves fez uma parceria com o famoso grupo de designers Memphis, que buscava levar o pós-modernismo ao design de produtos e móveis.

Então, em 1997, Michael Graves juntou-se à empresa de varejo Target para desenvolver uma linha de produtos de cozinha que variava de torradeiras a espátulas. Seus designs atraentes e acessíveis ajudaram a tornar Graves um nome mundialmente famoso.

Morte

Michael Graves morreu em 12 de março de 2015, em sua casa em Princeton, Nova Jersey. Ele foi enterrado no cemitério de Princeton.

Ele foi um dos arquitetos americanos mais prolíficos e proeminentes de meados da década de 1960 até o final do século XX.

Juntamente com sua equipe, ele projetou mais de 350 edifícios para projetos em várias partes do mundo. Seu trabalho foi reconhecido como uma influência nos estilos da Nova Arquitetura Clássica, do Novo Urbanismo e do Pós-Modernismo.

Trabalhos

No início dos anos 80, Graves atraiu grande atenção com o design de importantes projetos públicos, incluindo o Edifício de Serviços Públicos de Portland (também chamado de Edifício de Portland) no Oregon, que foi concluído em 1982.

Relacionado:  Reforma liberal de 1833: características e leis

Apesar de seu alto status, o prédio de Portland tinha vários detratores, especialmente na própria cidade. Muitos pediram sua destruição e reivindicaram muitos problemas, desde seus interiores escuros e sujos, pequenas janelas ou reparos até vazamentos de água na estrutura.

Graves também se destacou em 1985 pela criação do Humana Building, conhecido como Human Tower, em Louisville, Kentucky. Este se tornou um de seus projetos mais famosos, frequentemente citado como um exemplo perfeito da arquitetura pós-moderna.

Essas e outras estruturas projetadas por Graves na época se tornaram famosas por suas enormes fachadas e por sua interpretação cubista de elementos clássicos, como colunatas e lojas.

Embora algumas vezes fossem marcadas como peculiares, essas estruturas eram aclamadas por sua presença poderosa e enérgica nas cidades.

Entre seus trabalhos mais representativos estão:

– Casa Benacerraf. Princeton, Estados Unidos (1969).

– Centro de Educação Ambiental. Jersey City, Estados Unidos (1982).

Edifício Portland. Portland, Estados Unidos (1982).

– Biblioteca San Juan Capistrano. San Juan Capistrano, Estados Unidos (1983).

– edifício humano. Louisville, Estados Unidos (1985).

– O Walt Disney World Dolphin Resort. Orlando, Estados Unidos (1987).

– Equipe Disney Buildind. Burbank, Estados Unidos (1991).

– Livraria Central de Denver. Denver, Estados Unidos (1995).

– Steigenberger Hotel. El Gouna, Egito (1997).

– Salão dos Campeões da NCAA. Indianápolis, Estados Unidos (1997).

– 425 Quinta Avenida. Nova York, Estados Unidos (2001).

– Ardente Residencial e Post Properties Town Lake. Austin, Estados Unidos (2009).

Prêmios e reconhecimentos

Suas contribuições para arquitetura e design foram reconhecidas várias vezes. Alguns dos prêmios mais notáveis ​​que Michael Graves recebeu foram:

– Medalha Nacional das Artes, em 1999.

– Medalha de ouro do Instituto Americano de Arquitetos, em 2001.

– Prêmio Richard H. Driehaus de Arquitetura Clássica, em 2012.

Também em 2014, a Escola de Arquitetura Michael Graves foi fundada na Universidade Kean em Union, Nova Jersey.

Referências

  1. In.wikipedia.org. (2018).Michael Graves . [online] Disponível em: en.wikipedia.org [Acesso em 10 dez. 2018].
  2. Anderson, C. (2018).Michael Graves Arquiteto e designer americano . [online] Enciclopédia Britânica. Disponível em: britannica.com [Acesso em 11 dez. 2018].
  3. Pogrebin, R. (2018). Michael Graves, 80, morre; Torres pós-modernistas projetadas e chaleiras .The New York Times . [online] Disponível em: nytimes.com [Acessado em 11 dez. 2018].
  4. HAWTHORNE, C. (2018). Michael Graves morre aos 80 anos; figura pioneira na arquitetura pós-moderna .Los Angeles Times . [online] Disponível em: latimes.com [Acesso em 11 dez. 2018].
  5. Michael Graves (2018).Michael Graves Arquitetura e Design . [online] Disponível em: michaelgraves [Acesso em 11 dez. 2018].

Deixe um comentário