Mercedes Pinto: biografia, estilo e obras

Mercedes Pinto Armas da Rosa e Clos (1883-1976) foi um escritor, dramaturgo, jornalista e palestrante espanhol. Desde tenra idade, ele ganhou reconhecimento devido à publicação de seus poemas, e depois por seus pensamentos feministas e ações políticas.

O trabalho de Pinto foi caracterizado pelas preocupações sociais e preocupações que ele tinha com as mulheres. Suas idéias foram expressas com força e máxima expressividade de todos os gêneros literários que ele desenvolveu. O poeta sempre buscou sinceridade e deixou uma marca indelével.

Mercedes Pinto: biografia, estilo e obras 1

Fonte da imagem: marivi-hypatia.blogspot.com

As experiências pessoais da autora foram uma fonte de inspiração para escrever muitas de suas obras. Escritos como Ele, e a conferência Divórcio como medida higiênica, causaram alvoroço em uma sociedade que vivia com aparências e fachadas morais e religiosas.

Biografia

Nascimento e família

Mercedes nasceu em 12 de outubro de 1883 em San Cristóbal de La Laguna, Tenerife, em uma família de intelectuais. Seus pais foram o escritor Francisco Pinto de la Rosa e Ana María Armas Clos. Seu talento, em conjunto com a influência de seus pais, teve muito a ver com seu sucesso.

Educação

O fato de Mercedes Pinto nascer em uma família culta e educada, permitiu-lhe um desenvolvimento intelectual máximo. Desde muito jovem, começou a escrever versos e, aos catorze anos, já era conhecido em sua cidade natal como o “poeta das Canárias”, por suas qualidades líricas.

Primeiro casamento Mercedes

Mercedes se casou pela primeira vez em 1909, quando tinha 26 anos, com Juan de Foronda y Cubillas, capitão do mar. O casamento teve três filhos: Juan Francisco (que morreu quando adolescente), Ana María e María de las Mercedes.

A vida de casada apresentou alguns inconvenientes devido aos problemas de saúde do marido. Foronda sofria de transtornos mentais que obrigaram Pinto a interná-lo, depois foi com os filhos morar na capital espanhola, e o casal se desintegrou.

Relacionado:  Os 11 principais elementos paratextuais e suas características

Vida em Madri e primeiros empregos

A vida do escritor em Madri a conectou com os mais altos intelectuais da época; Conheceu José Ortega e Gasset, Miguel de Unamuno e Carmen de Burgos. Foi também nos anos vinte que ele conheceu quem seria seu segundo marido, Rubén Rojo.

Naqueles anos, ele começou a trabalhar em prestigiadas mídias impressas, como Prensa Gráfica e La Acción . Em 1921, ele completou a publicação de seus primeiros poemas, Brisas del Teide . Além disso, o poeta das Canárias iniciou sua temporada de conferências na Liga Internacional das Mulheres.

Uma conferência levou-a ao exílio

Em 25 de novembro de 1923, Mercedes Pinto deu uma palestra na Universidade Central de Madri. A conferência foi intitulada Divórcio como medida higiênica, causando grande descontentamento ao governo. Após os ataques, o poeta tomou a decisão de ir ao Uruguai com sua família.

Mercedes Pinto: biografia, estilo e obras 2

Universidade Central de Madri. Fonte: JL de Diego [domínio público], via Wikimedia Commons

Atividades literárias e profissionais em terras distantes

A vida de Pinto no exílio significou crescimento literário, atividades sociais e políticas. Nos países latino-americanos, ele consolidou sua luta pelos direitos das mulheres e dos menos favorecidos, e também trabalhou para alcançar um novo sistema educacional.

A atividade política de Mercedes Pinto consistia em posições importantes no governo do Uruguai. Ele também teve a iniciativa de fundar a Casa dos Estudantes, a Associação das Canárias de Montevidéu e a revista Vida Canaria , e um tempo depois ele criou uma companhia de teatro.

Últimos anos de vida

Mercedes Pinto: biografia, estilo e obras 3

Pablo Neruda, amigo da poetisa Mercedes Pinto. Fonte: Desconhecido (Mondadori Publishers) [Domínio público], via Wikimedia Commons

Mercedes viveu por um tempo no Chile, onde conheceu Pablo Neruda , que ficou impressionado com sua personalidade única. Em 1934, seu romance Ella veio à luz , no ano seguinte ele viajou para Cuba, onde morou por oito anos. Lá, ela atuou como defensora da República Espanhola e a favor dos judeus que fugiam dos nazistas.

Relacionado:  10 diferenças entre história e romance (com exemplos)

Em 1943, quando seu marido Rubén Rojo morreu, ela morava permanentemente no México. Nas terras astecas, ela incentivou seus filhos a continuarem suas carreiras como atores, enquanto viajava às vezes para a Espanha. Ele morreu, por motivos de idade avançada, em 21 de outubro de 1976 no México, aos 93 anos.

Estilo

O estilo literário de Mercedes Pinto foi caracterizado por ser franco e frontal. Sempre com uma linguagem precisa e direta, de forma que os leitores e seus diferentes públicos pudessem entendê-la, além disso, seus trabalhos expressavam seu sentimento mais pessoal devido às suas experiências.

A escrita do autor foi carregada de energia e força. Seu principal objetivo era oferecer conteúdo útil e benéfico que será multiplicado. Sinceridade, criatividade e realismo eram constantes em suas obras, e sua vitalidade, rebelião e modernismo se refletiam em sua atividade literária.

Trabalhos

Poesia

– Brisas del Teide (1921).

– Canções de muitos portos (1940).

– Mais alto que a águia (1968).

Breve descrição da obra poética mais significativa

Brisas del Teide (1921)

Foram os primeiros poemas de Pinto, os versos foram concebidos entre 1921 e 1924. Os poemas desta obra refletiam as circunstâncias pessoais do autor, em muitos deles ela sentiu amargura e angústia; mas também a felicidade de seus anos em Tenerife.

Fragmento de “seu nome”

“Pegue este livro para fechar seu nome de som,

estranho e presunçoso como o fecho de ouro

para manter o manto de um magnata oriental.

Desse nome de música e mil vezes querido

Isso ressoa incessantemente como um sino no meu ouvido

acordar minha alma do marasmo letal. ”

Novelas

Ele (1926).

Ella (1934).

– A grande alma do pequeno Juan (1950).

Relacionado:  Bernardo de Balbuena: biografia e obras

Breve descrição do romance mais representativo

Ele (1926)

Este romance de Mercedes Pinto foi concebido com nuances autobiográficas. O autor contou a história de uma mulher sujeita às atitudes violentas de um marido psicologicamente doente, que, contra qualquer opinião, decidiu se esquivar e conseguir sua liberdade.

Fragmento

“Por alguns dias, ele e eu não conversamos um com o outro. Um revés sem importância motivou uma de suas explosões de raiva, e mais tarde seu ressentimento e meus medos selaram nossos lábios”.

Nesta situação, é como éramos melhores: quieto e sombrio, o silêncio nos envolvia sombras surpreendentes, mas as estresses não aconteciam na casa desgastada pelo hiato da inquietação … ”.

Teatro

– Silêncio (1929).

– Um senhor comum (1930).

– Uma mulher, Ana Rosa (1932).

Ensaio

– A emoção de Montevidéu (1949).

Cinema

– O colecionador de cadáveres (1966).

– Dias de cor antiga (1967).

Referências

  1. Mercedes Pinto (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org.
  2. Llarena, A. (2015). Mercedes Pinto . Espanha: Arquipélago das letras. Recuperado de: academiacanarialengua.org.
  3. Breve biografia de Mercedes Pinto. (2009). (N / a): Mulheres que fazem história – breves biografias. Recuperado de: mujeresquehacenlahistoria.blogspot.com.
  4. Ele, da Mercedes Pinto. (2011). (N / a): Escaletra. Recuperado de: escaletra.blogspot.com.
  5. Biografia de Mercedes Pinto Armas, escritor, palestrante e jornalista espanhol das Ilhas Canárias. (2017). Espanha: Canárias no mundo. Recuperado de: canariosenelmundo.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies