Microglia: principais funções e doenças associadas

A microglia é uma célula do sistema nervoso central responsável por diversas funções importantes, como a defesa imunológica, a regulação do ambiente neuronal e a remoção de células danificadas. Ela desempenha um papel fundamental na manutenção da saúde do cérebro e na resposta a lesões ou infecções. No entanto, disfunções na microglia têm sido associadas a diversas doenças neurodegenerativas, como Alzheimer, Parkinson e esclerose múltipla, além de distúrbios psiquiátricos como a depressão e o autismo. O estudo da microglia e suas funções é essencial para o desenvolvimento de novas terapias e tratamentos para essas doenças.

Qual a função principal da micróglia no sistema nervoso central?

A micróglia é uma célula do sistema imunológico presente no sistema nervoso central. Sua função principal é atuar na defesa do cérebro e da medula espinhal, protegendo esses órgãos de agentes infecciosos e danos. Além disso, a micróglia desempenha um papel crucial na manutenção do equilíbrio do ambiente neural, removendo detritos celulares e auxiliando na regeneração de neurônios.

Quando o sistema nervoso é agredido por lesões ou infecções, a micróglia se ativa e se transforma em uma forma mais ativa e móvel, capaz de fagocitar microrganismos invasores e células danificadas. Esse processo inflamatório, conhecido como neuroinflamação, é essencial para a proteção do sistema nervoso central.

No entanto, desregulações na ativação da micróglia podem levar a doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer e a esclerose múltipla. Em condições patológicas, a micróglia pode liberar citocinas pró-inflamatórias em excesso, causando danos aos neurônios saudáveis e contribuindo para a progressão dessas doenças.

Portanto, a micróglia desempenha um papel fundamental na proteção e na regulação do sistema nervoso central, sendo essencial para a manutenção da saúde neural e para a resposta a agressões externas. É importante entender o funcionamento dessa célula para desenvolver estratégias terapêuticas mais eficazes no tratamento de doenças associadas à sua disfunção.

Importância da Macroglia no Suporte e Proteção do Sistema Nervoso Central.

A macroglia desempenha um papel fundamental no suporte e proteção do sistema nervoso central. Composta por células como astrócitos e oligodendrócitos, a macroglia atua na manutenção do ambiente neuronal, fornecendo nutrientes, removendo resíduos e regulando a concentração de íons. Além disso, as células da macroglia formam a barreira hematoencefálica, que controla o fluxo de substâncias entre o sangue e o cérebro, evitando a entrada de agentes nocivos.

Microglia: principais funções e doenças associadas

A microglia é um tipo de célula glial do sistema nervoso central responsável pela defesa imunológica e manutenção do ambiente cerebral. Sua principal função é a fagocitose, ou seja, a eliminação de agentes infecciosos e resíduos celulares. Além disso, a microglia desempenha um papel crucial na resposta inflamatória do cérebro em caso de lesões ou infecções.

Relacionado:  Tiramina: características de este neurotransmisor de tipo monoamina

Algumas doenças estão associadas a disfunções na microglia, como a encefalite viral e a doença de Alzheimer. Em casos de desregulação da atividade microglial, pode ocorrer um processo inflamatório crônico no cérebro, levando a danos neuronais e deterioração das funções cognitivas.

Glia: o papel das células de suporte no funcionamento do cérebro.

Glia são células de suporte no cérebro que desempenham um papel fundamental no seu funcionamento. Elas desempenham diversas funções, como fornecer suporte estrutural, regular a homeostase, fornecer nutrientes e proteção, além de desempenhar um papel crucial na resposta imune do cérebro.

Existem vários tipos de glia, sendo a microglia uma das mais importantes. A microglia é responsável por monitorar o ambiente cerebral, detectar danos ou agentes patogênicos e desempenhar um papel na resposta imune do cérebro.

A microglia desempenha diversas funções importantes, como a fagocitose de células mortas ou danificadas, a liberação de citocinas para modular a resposta imune e a remoção de detritos e toxinas do cérebro. Ela desempenha um papel crucial na manutenção da saúde cerebral e na resposta a lesões ou infecções.

No entanto, quando a microglia se torna hiperativa ou disfuncional, pode levar a doenças neurodegenerativas, como a doença de Alzheimer, a esclerose múltipla e a doença de Parkinson. Por isso, compreender as funções da microglia e como ela pode contribuir para a saúde ou doença do cérebro é crucial para o desenvolvimento de novas terapias e tratamentos.

Qual é o papel da mielina na função das células micróglias e ependimárias?

A mielina desempenha um papel crucial na função das células micróglias e ependimárias no sistema nervoso. A mielina é uma substância lipídica que reveste os axônios dos neurônios, formando a chamada bainha de mielina. Esta bainha tem a função de isolamento elétrico, permitindo uma transmissão mais eficiente dos impulsos nervosos.

Nas células micróglias, a mielina desempenha um papel importante na fagocitose de detritos celulares e na resposta imune do sistema nervoso. As micróglias são as principais células do sistema imune do cérebro e atuam na defesa do sistema nervoso central. A presença de mielina nas células micróglias pode influenciar diretamente sua capacidade de resposta a estímulos inflamatórios e neurodegenerativos.

Já nas células ependimárias, a mielina também desempenha um papel significativo. As células ependimárias são responsáveis pela produção do líquido cefalorraquidiano, que protege o cérebro e a medula espinhal. A presença de mielina nessas células pode influenciar a produção e qualidade desse líquido, afetando diretamente o funcionamento do sistema nervoso central.

Relacionado:  Migração neural: é assim que as células nervosas se movem

Qualquer alteração na produção ou qualidade da mielina pode ter consequências significativas para a saúde cerebral e para o desenvolvimento de doenças neurodegenerativas.

Microglia: principais funções e doenças associadas

Microglia: principais funções e doenças associadas 1

O sistema imunológico humano é composto de muitas estruturas e processos diferentes. Essa função envolve órgãos como medula óssea, timo, baço ou linfonodos, essenciais para a produção de células imunes.

Neste artigo, descreveremos as funções e doenças relacionadas à microglia , uma dessas células.

O que é microglia?

Microglia é um tipo de célula glial que é encontrada no sistema nervoso central. O termo é usado para falar de um conjunto de células que desempenham funções semelhantes, relacionadas principalmente à defesa imunológica e fagocitização de elementos potencialmente prejudiciais para os neurônios.

O termo “microglia” foi cunhado em 1920 por Pío del Río Hortega, um discípulo do pioneiro das neurociências Santiago Ramón y Cajal. As funções imunes dessas células são conhecidas desde o momento de sua descoberta, embora o conhecimento sobre suas características tenha avançado nas últimas décadas.

É um tipo de glia muito versátil: a estrutura da microglia varia de acordo com as funções que cada célula cumpre , o local onde está localizada e os sinais químicos que recebe dos neurônios vizinhos. Falamos sobre “fenótipo” para nos referirmos à forma específica que cada microglia adota.

Eles se originam de células progenitoras da mesma linhagem que compõem o sangue, provavelmente localizadas na medula óssea ou no saco vitelino anexado ao embrião. Algumas dessas células migram para o cérebro durante o desenvolvimento intra-uterino ; Depois de atingirem essa estrutura, diferem como microglia.

Células gliais

As células gliais ou gliais estão localizadas no sistema nervoso , isto é, no cérebro, na medula espinhal e nos nervos craniano e espinhal. Eles apóiam os neurônios de diferentes maneiras: eles dão apoio físico, nutrem e eliminam patógenos, tecidos danificados e resíduos, favorecem a transmissão de impulsos neuronais através da formação de mielina …

Entre os tipos de células classificadas como glia incluem astrócitos , fundamentais para a estrutura e funcionamento da barreira hematoencefálica, oligodendrócitos , que criam as bainhas de mielina do sistema nervoso central, e células de Schwann, que o fazem em o periférico

Funções dessas células

Microglia é conhecida principalmente por seus papéis imunológicos e higiênicos ; No entanto, ele também cumpre outras funções variadas, como manter o equilíbrio do ambiente extracelular do sistema nervoso ou reparar tecidos danificados.

Relacionado:  Junção neuromuscular: a ponte entre neurônio e músculo

1. Fagocitose (disposição de resíduos)

Essas células fagocitárias (“devoram”) diferentes tipos de compostos do sistema nervoso central: células lesadas e mortas, resíduos, vírus, bactérias, emaranhados neurofibrilares , placas neuríticas … Após a fagocitização, tanto a micróglia quanto seu alvo ficam inativos, diminuindo assim o risco de que o funcionamento do sistema nervoso seja perturbado.

2. Manutenção da homeostase

A microglia envia sinais através das citocinas para outros tipos de células, como neurônios, astrócitos e linfócitos T, também envolvidos no sistema imunológico . As conseqüências dessa função incluem a regulação da homeostase do ambiente extracelular, bem como a promoção da inflamação.

3. Reparação de inflamação e danos

Quando um tecido do sistema nervoso central é danificado ou infectado , a micróglia facilita o inchaço; dessa maneira, começa o processo de reparo das células lesionadas, ao longo das quais essas células são muito importantes.

Além disso, se ocorrer dano medular, a microglia remove as ramificações neuronais afetadas, permitindo a criação de novas conexões nervosas.

4. Apresentação de antígenos

Quando um tecido fica inflamado, os linfócitos T atravessam a barreira hematoencefálica e entram no sistema nervoso central. Uma vez aqui, eles se ligam a células da microglia que possuem antígenos fagocitados (partículas das quais os anticorpos são produzidos); Isso melhora a eliminação de ameaças e a recuperação de lesões.

5. Destruição de células (citotoxicidade)

As micróglias têm a capacidade de destruir bactérias, vírus, neurônios infectados e outros tipos de células, liberando peróxido de hidrogênio e óxido nítrico. Às vezes, essa resposta é excessivamente agressiva e danifica quantidades significativas de tecidos saudáveis, causando danos ainda maiores no cérebro.

Doenças relacionadas à microglia

As disfunções na microglia estão associadas a alterações muito diversas. Essas células parecem ser relevantes em doenças neurodegenerativas como a doença de Alzheimer , nas quais placas neuríticas e emaranhados neurofibrilares se acumulam no cérebro: a citotoxicidade da micróglia ataca neurônios saudáveis ​​adjacentes ao tecido danificado.

As células de Microglia desempenham um papel semelhante no desenvolvimento de demência devido à infecção pelo HIV, o vírus da Aids. De fato, esta doença também afeta diretamente a microglia, infectando-a e promovendo a neurotoxicidade. A microglia também intervém em outras doenças infecciosas, como encefalite herpética e meningite bacteriana.

Pesquisas revelam que a glia é importante no aparecimento de dor neuropática , que se manifesta em alterações como alodinia ou síndrome do membro fantasma. Isso ocorre porque eles são ativados em resposta a danos nos nervos e favorecem a liberação crônica de compostos químicos associados à sensação de dor.

Deixe um comentário