Milênios desde a escrita na Mesopotâmia até a queda de Roma

A história da escrita na Mesopotâmia marca o início da civilização humana registrada em documentos escritos, datando de milênios atrás. A partir desse marco, a escrita se espalhou por diversas culturas e civilizações ao longo dos séculos, desempenhando um papel fundamental no desenvolvimento da sociedade e na transmissão do conhecimento. Desde a Mesopotâmia até a queda de Roma, passaram-se milênios de evolução da escrita e das sociedades que a utilizavam, refletindo mudanças políticas, culturais e sociais que moldaram o mundo antigo. Este período foi marcado por avanços significativos na comunicação escrita, que desempenharam um papel crucial na formação e na transformação das civilizações da Antiguidade.

Breve resumo sobre a civilização mesopotâmica, sua história e contribuições para a humanidade.

A civilização mesopotâmica foi uma das mais antigas e influentes da história da humanidade. Localizada entre os rios Tigre e Eufrates, na região que hoje corresponde ao Iraque, a Mesopotâmia foi berço de importantes avanços culturais, políticos e tecnológicos.

Os mesopotâmicos desenvolveram a escrita cuneiforme, um sistema de escrita em tabuletas de argila que permitiu registrar informações e conhecimentos. A escrita na Mesopotâmia foi fundamental para a transmissão de ideias, leis e registros históricos ao longo dos milênios. Além disso, os mesopotâmicos foram pioneiros na agricultura, na construção de cidades e na organização política.

Entre as principais contribuições da civilização mesopotâmica para a humanidade estão o desenvolvimento do sistema numérico sexagesimal, a invenção da roda, a criação do código de leis de Hamurabi e a construção de zigurates, templos em forma de pirâmide que simbolizavam a ligação entre a Terra e o céu.

A influência da civilização mesopotâmica perdurou por séculos e foi absorvida por outras culturas, como a egípcia, a grega e a romana. Mesmo após a queda de grandes impérios como o da Babilônia e da Assíria, o legado deixado pelos mesopotâmicos continuou a inspirar novas gerações e a moldar o curso da história da humanidade.

Resumo dos povos da Mesopotâmia: civilizações antigas, como sumérios, acádios e assírios.

A Mesopotâmia foi berço de diversas civilizações antigas, como os sumérios, acádios e assírios. Os sumérios foram os primeiros a se estabelecer na região, desenvolvendo a escrita cuneiforme e construindo cidades-estado como Ur e Uruk. Já os acádios, liderados por Sargão, conquistaram os sumérios e criaram o primeiro império da região. Por fim, os assírios se destacaram por sua organização militar e expansão territorial, dominando vastas áreas do Oriente Médio.

A escrita na Mesopotâmia foi um marco importante na história da humanidade, pois permitiu a comunicação e registro de informações de forma mais eficiente. A escrita cuneiforme era feita em tabuletas de argila, utilizando símbolos para representar palavras e conceitos. Esse sistema de escrita foi adotado por diversas civilizações da região e influenciou outras culturas ao redor do mundo.

A queda de Roma marcou o fim de um período de grande influência cultural e política na Europa, mas o legado deixado pelos povos da Mesopotâmia perdurou por milênios. Suas contribuições para a escrita, arquitetura, astronomia e matemática continuaram a ser estudadas e admiradas ao longo dos séculos, influenciando o desenvolvimento da civilização ocidental e oriental.

Relacionado:  Congresso Cúcuta: participantes, reformas e consequências

Civilização Suméria: Os pioneiros da Mesopotâmia e suas grandes contribuições para a humanidade.

Civilização Suméria: Os pioneiros da Mesopotâmia foram responsáveis por grandes contribuições para a humanidade. Eles foram os primeiros a desenvolver um sistema de escrita, aprimorando-o ao longo dos milênios até a queda de Roma.

Há mais de 5 mil anos, os sumérios criaram a escrita cuneiforme, utilizando tabuletas de argila para registrar informações e comunicações. Este avanço revolucionário permitiu a organização de registros comerciais, leis, poemas épico e até mesmo tabelas astronômicas.

Com a escrita, os sumérios puderam desenvolver sistemas matemáticos avançados, como a numeração sexagesimal e a geometria básica. Eles também foram os pioneiros na construção de cidades planejadas, com sistemas de irrigação complexos e templos monumentais.

A influência dos sumérios se estendeu por toda a região da Mesopotâmia, influenciando culturas subsequentes, como os babilônios e os assírios. Suas contribuições para a humanidade perduraram por milênios, influenciando o desenvolvimento da escrita, da matemática e da arquitetura em todo o mundo.

Apesar de terem desaparecido como civilização por volta de 2000 a.C., os sumérios deixaram um legado duradouro que continua a ser estudado e admirado até os dias atuais. Sua importância histórica é inegável, e sua influência pode ser vista em diversas áreas do conhecimento humano.

Cronologia da Idade Antiga: Principais eventos e civilizações em destaque ao longo dos séculos.

A Idade Antiga é um período extremamente importante na história da humanidade, marcado por diversos eventos e civilizações que influenciaram profundamente o desenvolvimento da sociedade. Desde a invenção da escrita na Mesopotâmia até a queda de Roma, milênios se passaram, deixando um legado duradouro que ainda é estudado e admirado nos dias de hoje.

Os primeiros registros escritos datam do terceiro milênio a.C., na Mesopotâmia, onde surgiram as primeiras civilizações urbanas, como a Suméria e a Babilônia. A escrita cuneiforme foi um dos grandes avanços desse período, permitindo a organização e registro de informações de forma mais eficiente.

Em seguida, os egípcios desenvolveram uma das mais impressionantes civilizações da Antiguidade, com suas pirâmides, faraós e avanços na medicina e na matemática. O Egito antigo deixou um legado cultural e arquitetônico que perdura até os dias atuais.

No primeiro milênio a.C., surgiram grandes impérios como o persa e o grego, que dominaram vastas áreas territoriais e estabeleceram sistemas políticos e culturais sofisticados. Alexandre, o Grande, foi um dos principais líderes gregos, conquistando um vasto império que se estendia da Grécia até o Egito e a Índia.

Relacionado:  Descolonização na Ásia: história, causas e conseqüências

A partir do século III a.C., Roma emergiu como uma potência mundial, expandindo seu domínio por toda a Europa, norte da África e parte do Oriente Médio. O Império Romano foi responsável por difundir a cultura clássica greco-romana e estabelecer um sistema jurídico que influenciou o direito moderno.

No entanto, a decadência do Império Romano levou ao seu colapso no século V d.C., marcando o fim da Idade Antiga e o início da Idade Média. As invasões bárbaras, as crises econômicas e políticas, e a divisão do império contribuíram para a queda de Roma e o surgimento de novas potências na Europa.

Em resumo, a cronologia da Idade Antiga abrange um vasto período da história da humanidade, marcado por eventos e civilizações extraordinárias que moldaram o mundo em que vivemos hoje. Da escrita na Mesopotâmia à queda de Roma, milênios de história nos legaram um rico patrimônio cultural e intelectual que merece ser estudado e preservado.

Milênios desde a escrita na Mesopotâmia até a queda de Roma

Cerca de cinco milênios passaram do desenvolvimento da escrita na Mesopotâmia até a queda de Roma. Mas é possível determinar com mais precisão a duração desse período?

Para responder a essa pergunta com a maior precisão possível, basta determinar primeiro a data em que a aparência da escrita na Mesopotâmia é estimada e a data em que ocorreu a queda de Roma.

Milênios desde a escrita na Mesopotâmia até a queda de Roma 1

Primeiros escritos

Tanto o aparecimento da escrita na Mesopotâmia quanto a queda do Império Romano do Ocidente marcam o início de dois períodos importantes na história da humanidade.

O aparecimento da escrita na Mesopotâmia marca o início da Revolução Neolítica, enquanto a queda do Império Romano do Ocidente é considerada pelos historiadores como o ponto de partida da chamada Idade Média .

Quantos milênios se passaram desde o desenvolvimento da escrita na Mesopotâmia até a queda de Roma?

Devido às escassas fontes históricas encontradas por arqueólogos e historiadores, não é fácil determinar exatamente quando a escrita aparece na Mesopotâmia.

No entanto, apesar disso, foi acordado estabelecer que a aparência de escrever na Mesopotâmia é algo entre 3.500 aC e 3.300 aC

Embora nem todos os especialistas concordem com essa data, geralmente é aceito como o mais preciso para estabelecer sua aparência.

A queda de Roma

Tendo estabelecido em que data aproximada a escrita aparece na Mesopotâmia, resta determinar a data da queda de Roma.

No ano 476 dC, ocorre a tomada do poder do chamado Império Romano Ocidental pelo líder dos bárbaros, o líder chamado Odoacro.

Naquela época, o imperador de Roma era Romulus Augustus, que mal tinha 15 anos.

Em vista de serem tão jovens e inexperientes, as responsabilidades de governar o império recaem sobre seu pai, Flavio Orestes, que, de sua posição de regente, se recusa a aceitar as intenções das tribos bárbaras germânicas dos Erulos e dos Esciros para se apropriar das territórios da Itália.

Relacionado:  As tentativas de colonização do norte do México

Essa oposição provoca a ira das tribos bárbaras, uma circunstância que Odoacro, líder dos Hérulos, aproveita, organizando uma insurreição que causa a captura e morte de Orestes em 28 de agosto do ano 476 DC

Isso força o jovem imperador Romulus Augustus a abdicar e se exilar, propiciando assim o fim do chamado Império Romano do Ocidente.

No entanto, é necessário esclarecer que a queda de Roma ou o Império Romano do Ocidente não decretou definitivamente o fim do Império Romano como tal.

Para muitos historiadores, a queda definitiva do Império Romano ocorre quase um milênio depois, com a captura de Constantinopla pelos otomanos em 29 de maio de 1.453 dC, encerrando o Império Romano do Oriente.

De lá, você pode falar sobre a queda e o fim absoluto do Império Romano.

Conclusões

Diante do exposto, podemos falar de duas opções possíveis para determinar quantos milênios passaram do desenvolvimento da escrita na Mesopotâmia até a queda do Império Romano.

Se considerarmos a posição clássica de estabelecer a queda do Império Romano do desaparecimento do Império Romano do Ocidente em 476 DC, e sabendo que os escritos na Mesopotâmia se desenvolveram aproximadamente entre 3.500 e 3.300 aC, pode-se dizer que eles têm transcorreu entre 3.476 e 3.976 anos.

Portanto, se considerarmos essa opção válida, seria correto dizer que 3,47 milênios se passaram.

Por outro lado, se a última queda do Império Romano do Leste em 1.453 DC for tomada como referência. C., teria decorrido até aquela data entre 4.753 e 4.953 anos, estabelecendo entre 4,75 e 4,93 a quantidade de milênios decorridos entre o aparecimento da escrita na Mesopotâmia e o fim absoluto do Império Romano.

Referências

  1. nationalgeographic.com.es. (21 de novembro de 2012). Trechos do artigo “O fim do Império Romano”. Recuperado de nationalgeographic.com.es.
  2. Matín G., M. (27 de agosto de 2007). Trechos do artigo “A Queda do Império Romano”. Recuperado de senderosdelahistoria.wordpress.com.
  3. defensacentral.com. (2 de julho de 2014). Trechos do artigo “Em que ano ocorreu a queda do Império Romano do Ocidente?” Recuperado de defensacentral.com.
  4. Peinado, J. (25 de agosto de 2008). Trechos do artigo “História da escrita”. Recuperado de es.wikipedia.org.
  5. Lopez Z, A. (sem data). Trechos do ensaio “APARÊNCIA DE ESCREVER. Mesopotâmia, Egito e outras regiões. ” Recuperado de andrealopezzanon.files.wordpress.com.
  6. Erice.anell (pseudônimo). (26 de junho de 2015). Trechos do artigo “Queda do Império Romano do Ocidente”. Recuperado de es.wikipedia.org.

Deixe um comentário