Necator Americanus: Características, Ciclo de Vida, Sintomas

Necator americanus é um parasita nematódeo comum em regiões tropicais e subtropicais, que causa a ancilostomose em seres humanos. Este verme parasita o intestino delgado, alimentando-se do sangue do hospedeiro e causando sintomas como anemia, fraqueza, fadiga, dores abdominais e diarreia. Seu ciclo de vida inclui estágios de larvas no solo, que penetram na pele humana e migram para o intestino, onde se desenvolvem em vermes adultos. A infecção por Necator americanus pode ser prevenida com medidas de higiene adequadas e tratada com medicamentos antiparasitários específicos.

Quais são os principais sintomas causados pelo Necator americanus?

O Necator americanus é um verme parasita que pode causar uma infecção conhecida como ancilostomose. Os principais sintomas causados por essa infecção incluem anemia, fraqueza e fadiga.

Os vermes se alimentam de sangue no intestino delgado, causando perda de ferro e proteínas essenciais para o corpo. Isso pode levar a uma diminuição dos glóbulos vermelhos e hemoglobina no sangue, resultando em anemia. A anemia pode causar sintomas como cansaço excessivo, palidez, falta de ar e tonturas.

Além da anemia, a infecção por Necator americanus também pode causar sintomas gastrointestinais, como dor abdominal, náuseas, vômitos e diarreia. Em casos mais graves, a infecção pode levar a complicações como desnutrição e problemas no desenvolvimento em crianças.

É importante buscar tratamento médico adequado se você apresentar sintomas de ancilostomose, para evitar complicações e garantir a sua saúde. A prevenção da infecção inclui medidas de higiene, como lavar as mãos regularmente e evitar o contato com solo contaminado.

Sintomas da doença amarelão: o que observar e como identificar os sinais da enfermidade.

Necator Americanus é um verme parasita que pode causar a doença conhecida como amarelão. Esta doença é caracterizada por uma série de sintomas que podem ser facilmente identificados. Os principais sinais da enfermidade incluem fraqueza, fadiga, palidez, falta de ar, tonturas e dores de cabeça. Além disso, é comum observar anemia e inchaço abdominal nos pacientes infectados.

Para identificar os sintomas da doença amarelão, é importante ficar atento a qualquer alteração na saúde e no bem-estar. Se você ou alguém que você conhece apresentar alguns dos sinais mencionados acima, é essencial procurar ajuda médica imediatamente.

O diagnóstico da doença amarelão pode ser feito por meio de exames de sangue específicos que identificam a presença do parasita Necator Americanus. O tratamento geralmente envolve a administração de medicamentos antiparasitários e suplementos de ferro para tratar a anemia.

Em resumo, os sintomas da doença amarelão são facilmente identificáveis e é fundamental buscar ajuda médica ao observar qualquer sinal da enfermidade. A prevenção da infecção por Necator Americanus é essencial para evitar complicações e garantir a saúde e o bem-estar.

Infecção pelo Necator americanus: entenda como ocorre o contágio dessa parasitose intestinal.

A infecção pelo Necator americanus é uma parasitose intestinal causada por um verme nematódeo. Esse parasita é adquirido principalmente através da penetração da pele humana por larvas infectadas presentes no solo.

Quando uma pessoa entra em contato com solo contaminado, as larvas do Necator americanus podem penetrar na pele, migrar através da corrente sanguínea e chegar aos pulmões. Uma vez nos pulmões, as larvas são expectoradas e deglutidas, chegando ao intestino delgado, onde se desenvolvem em vermes adultos.

Os vermes adultos se fixam na mucosa intestinal, se alimentam do sangue do hospedeiro e produzem ovos que são eliminados nas fezes. Os ovos se desenvolvem no solo e dão origem a novas larvas infectantes, completando o ciclo de vida do parasita.

Relacionado:  Pirimidinas: características, estrutura, funções

Os sintomas da infecção pelo Necator americanus incluem anemia, dor abdominal, diarreia, perda de peso, fadiga e fraqueza. Em casos mais graves, a infecção pode levar a complicações como desnutrição e insuficiência cardíaca.

É importante adotar medidas de higiene adequadas, como lavar as mãos regularmente e evitar o contato com solo contaminado, para prevenir a infecção pelo Necator americanus e outras parasitoses intestinais.

Entendendo o ciclo de vida do parasita ancilostomose: um guia completo para compreensão.

A ancilostomose, causada pelo parasita Necator americanus, é uma doença parasitária que afeta milhões de pessoas em todo o mundo. Para entender melhor essa infecção, é essencial conhecer o ciclo de vida do parasita.

O ciclo de vida do Necator americanus começa quando os ovos do parasita são eliminados nas fezes do hospedeiro infectado. Esses ovos se desenvolvem no solo, liberando larvas que podem penetrar na pele humana em contato direto com o solo contaminado.

No corpo humano, as larvas do Necator americanus migram para os pulmões, onde são expectoradas e engolidas. Elas chegam ao intestino delgado, onde se tornam vermes adultos e se fixam na mucosa intestinal, alimentando-se do sangue do hospedeiro.

Os sintomas da ancilostomose incluem anemia, fraqueza, fadiga, dores abdominais e diarreia. Em casos graves, a infecção por Necator americanus pode levar a complicações sérias, como desnutrição e retardo no desenvolvimento em crianças.

Para prevenir a infecção por Necator americanus, é importante manter boas práticas de higiene, como lavar as mãos regularmente e evitar o contato com solo contaminado. O tratamento da ancilostomose geralmente envolve o uso de medicamentos antiparasitários, sob orientação médica.

Em resumo, compreender o ciclo de vida do parasita Necator americanus é fundamental para a prevenção e o tratamento eficaz da ancilostomose. Ao adotar medidas preventivas e buscar ajuda médica ao primeiro sinal de sintomas, é possível controlar e combater essa infecção parasitária com sucesso.

Necator Americanus: Características, Ciclo de Vida, Sintomas

Necator americanus é uma espécie de verme parasita pertencente ao grupo dos helmintos, em que são os vermes alongados e moles que causam infecções. O habitat do parasita adulto é o intestino delgado de humanos, cães e gatos.

O termo necatoríase é usado para indicar a condição de infecção por N. americanus e é considerado um tipo de helmintíase. Este parasita está intimamente relacionado a outra espécie semelhante, chamada Ancylostoma duodenale , que pertence à mesma família (Ancylostomidae) e tem um ciclo de vida semelhante.

Necator Americanus: Características, Ciclo de Vida, Sintomas 1

De fato, as infecções causadas por ambos os parasitas são coletivamente chamadas de ancilostomíase ou anti-espaciais. Isso ocorre porque em alguns lugares eles confundem as espécies desses vermes e geralmente os conhecem como uncinários.

A ancilostomíase é a segunda infecção por helmintos mais comum em humanos, depois da ascaridíase. É também uma das infecções crônicas mais comuns no mundo, afetando bilhões de pessoas em áreas tropicais e subtropicais, principalmente na China e na África subsaariana.

A distribuição geográfica desses parasitas é global; no entanto, eles são encontrados principalmente em regiões com climas quentes e úmidos. A presença de ambas as espécies, N. americanus e A. duodenale , foi registrada nos continentes africano, asiático e americano.

As infecções por N. americanus podem ser tratadas efetivamente com medicamentos anti-helmínticos. No entanto, em áreas endêmicas, a reinfecção retorna rapidamente. As larvas de N. americanus possuem importantes propriedades físico-químicas que permitem uma infecção bem-sucedida do hospedeiro.

As infecções por ancilóstomos são tão comuns que excedem as condições causadas por diabetes e câncer de pulmão. Necator americanus é a espécie mais frequente de parasita humano e, portanto, a mais importante do ponto de vista da saúde pública.

Características biológicas

Morfologia

Necator americanus é um verme de forma cilíndrica e cor esbranquiçada. Possui uma cutícula com três camadas de colágeno e outros compostos secretados pela epiderme. A camada de cutícula protege o nematoide para que possa invadir o trato digestivo dos animais.

As fêmeas têm uma abertura vulvar na parte de trás do corpo e os machos têm uma ampliação na parte de trás do corpo, chamada copulatrix bursa.

Tanto fêmeas quanto machos têm uma estrutura bucal com dois pares de placas de corte: uma ventral e uma dorsal. Eles também têm glândulas que secretam substâncias importantes para o ciclo de vida do parasita, como enzimas protease que degradam as proteínas da pele do hospedeiro.

Seu tamanho varia entre 0,8 e 1,5 centímetros; no entanto, no estado adulto, as fêmeas são ligeiramente maiores que os machos. Por outro lado, os ovos variam em tamanho de 65 a 75 micrômetros x 36 a 40 micrômetros e são praticamente indistinguíveis dos de Ancylostoma duodenale .

A larva rabditiforme possui um bulbo grande no esôfago, separado do restante do esôfago por uma região chamada istmo. Por seu lado, a larva filariforme não possui bulbo no esôfago.

Habitat

Os adultos de N. americanus são encontrados exclusivamente em regiões tropicais e temperadas, uma vez que os ovos requerem um ambiente úmido, quente e sombreado para eclodir. As temperaturas ideais para os juvenis amadurecerem entre 23 e 30 graus Celsius.

Ovos e juvenis morrem abaixo do ponto de congelamento e também secando o solo. Chuvas fortes e temperaturas mais altas parecem ter uma alta correlação positiva com a taxa de transmissão. Necator americanus parece preferir hóspedes do sexo masculino do que feminino.

No entanto, isso pode ser devido à divisão do trabalho em áreas de alta infestação. O tipo de solo também desempenha um papel importante no habitat desses vermes. As condições ideais do solo são onde a água drena, mas não muito rápido.

Ciclo de vida

– Os ovos provêm das fezes de um hospedeiro infectado. Se as condições ambientais de luz, temperatura, umidade e nutrientes forem favoráveis, os ovos eclodem.

– Aproximadamente em dois dias as larvas rabditiformes amadurecem, medindo cerca de 275 milímetros de comprimento. Alimenta-se de bactérias e matéria orgânica do solo e dobra de tamanho em cinco dias.

– Após duas alterações, torna-se uma larva filariforme, com cutícula protetora e infecciosa. Nesse estado, a larva pode sobreviver até seis semanas.

– A infecção ocorre através do contato direto com a pele do hospedeiro, geralmente através dos folículos capilares dos pés ou pernas.

– A larva viaja pela corrente sanguínea até os pulmões, onde penetra nos alvéolos, sobe na faringe e é engolida pelo hospedeiro. Este período de migração desde a entrada do parasita dura aproximadamente 1 semana.

– Depois de engolidas, as larvas atingem a parede do intestino delgado, onde aderem e amadurecem para se tornarem vermes adultos. Eles podem viver por anos no intestino do hospedeiro, onde cada fêmea pode produzir milhares de ovos diariamente, que passam para as fezes e repetem o ciclo.

Relacionado:  Citoquímica: história, objeto de estudo, utilidade e técnicas

Sintomas

Os sintomas da necatoríase podem ser divididos em três fases. Inicialmente, a invasão da larva produz irritação, inflamação e coceira na pele do hospedeiro. Estas são reações do sistema imunológico que tenta proteger o organismo que está sendo infectado.

Durante a migração da larva da corrente sanguínea para os pulmões e garganta, ocorre sangramento e o hospedeiro tem tosse seca e dor de garganta.

Finalmente, quando a larva já está bem estabelecida no intestino do hospedeiro, podem ocorrer dor abdominal, falta de apetite e, em alguns casos, desejo de comer solo (geofagia).

Acredita-se que essa necessidade se deva à falta de minerais, principalmente ferro. Nas infecções mais graves, ocorrem anemia grave, deficiência de proteínas, pele e cabelos secos, atraso no desenvolvimento e aprendizado (em crianças) e insuficiência cardíaca.

Diagnóstico

O diagnóstico de necatoríase com base nos sintomas pode ser enganoso, pois os mesmos sintomas podem ser o resultado de deficiências nutricionais ou uma combinação de infecção e essas deficiências.

Para que o diagnóstico seja positivo, é necessária a identificação dos ovos nas fezes. Em infecções leves, são utilizadas técnicas de diagnóstico do tipo de concentração, como flotação com sulfato de zinco ou várias modificações do método éter-formalina.

No entanto, como os ovos de Necator americanus são muito semelhantes aos de Ancylostoma duodenale, é necessário fazer uma identificação meticulosa das larvas, principalmente das fezes que têm vários dias, uma vez que as larvas rabditiformes de ancilóstomos também se parecem muito.

Tratamento

O tratamento da necatoríase consiste na administração oral de benzimidazóis; por exemplo: albendazol de 400 mg em dose única ou mebendazol de 100 mg 2 vezes ao dia por 3 dias. Isto é recomendado pela Organização Mundial da Saúde.

No entanto, como os ovos de Necator americanus estão presentes em solo contaminado, a reinfecção é comum e existe a preocupação de que os parasitas possam desenvolver resistência aos medicamentos.

Esforços foram feitos para desenvolver vacinas contra a ancilostomíase para evitar reinfecções constantes. Atualmente, estão sendo testadas vacinas que contêm uma mistura de proteínas adultas e larvas infecciosas de Necator americanus .

Referências

  1. Bethony, J., Brooker, S., Albonico, M., Geiger, SM, Loukas, A., Diemert, D. e Hotez, PJ (2006). Infecções por helmintos transmitidas pelo solo: ascaridíase, tricuríase e ancilóstomo. Lancet , 367 (9521), 1521–1532.
  2. Becerril, M. (2011).Parasitologia Médica (3ª ed.). McGraw-Hill
  3. Bogitsh, B., Carter, C. e Oeltmann, T. (2013).Parasitologia Humana ( ). Elsevier, Inc.
  4. de Silva, NR, Brooker, S., Hotez, PJ, Montresso, A., Engeles, D. e Savioli, L. (2003). Infecção por helmintos transmitida pelo solo: atualizando a imagem global. Trends in Parasitology , 19 (12), 547–51.
  5. Georgiev, VS (2000). Opinião de Especialista em Necatoríase em Medicamentos em Investigação: tratamento e terapêutica do desenvolvimento. Opinião de Especialista em Medicamentos em Investigação , 1065-1078.
  6. Hotez, PJ, Bethony, JM, Diemert, DJ, Pearson, M. e Loukas, A. (2010). Desenvolvimento de vacinas para combater a infecção por ancilostomíase e esquistossomose intestinal. Nature Reviews Microbiology , 8 (11), 814–826.
  7. Keiser, J. & Utzinger, J. (2009). Eficácia dos medicamentos atuais contra infecções por helmintos transmitidas pelo solo. Canto do Clínico , 293 (12), 1501–1508.
  8. Os dados foram coletados por meio de questionários, entrevistas e entrevistas com os participantes. Detecção molecular de Ancylostoma duodenale, Ancylostoma ceylanicum e Necator americanus em humanos no nordeste e sul da Tailândia. Korean Journal of Parasitology , 51 (6), 747-749.

Deixe um comentário