Nível de organização dos tecidos: características e exemplos

O nível de organização dos tecidos é uma estrutura fundamental para compreender a complexidade do corpo humano e de outros organismos. Os tecidos são formados por células especializadas que desempenham funções específicas e se agrupam de acordo com suas características e necessidades. Neste contexto, os tecidos podem ser classificados em quatro níveis de organização: tecidos simples, tecidos compostos, tecidos epiteliais e tecidos conjuntivos. Cada um desses níveis apresenta características distintas e exemplos de tecidos que os representam, contribuindo para a compreensão da fisiologia e da anatomia dos seres vivos.

Tipos de tecidos e suas características: conheça as variedades e propriedades de cada um.

Os tecidos são conjuntos de células que desempenham funções específicas no organismo. Existem diferentes tipos de tecidos com características distintas, que podem ser classificados de acordo com suas propriedades e funções. Vamos conhecer alguns exemplos:

Tecido epitelial: é formado por células justapostas, revestindo superfícies internas e externas do corpo. Ele é responsável pela proteção e absorção de substâncias. Exemplos incluem epitélio escamoso, cuboidal e colunar.

Tecido conjuntivo: é composto por células dispersas em uma matriz extracelular. Ele tem a função de sustentação e preenchimento de espaços. Exemplos incluem tecido adiposo, cartilaginoso e ósseo.

Tecido muscular: é formado por células alongadas e contráteis, responsáveis pelo movimento do corpo. Existem três tipos de tecido muscular: estriado esquelético, estriado cardíaco e liso.

Tecido nervoso: é composto por neurônios e células da glia, sendo responsável pela transmissão de impulsos nervosos. Ele é encontrado no cérebro, medula espinhal e nervos periféricos.

Esses são apenas alguns exemplos dos tipos de tecidos presentes no corpo humano. Cada um deles possui características únicas e desempenha funções específicas que são essenciais para o funcionamento adequado do organismo.

Qual é o grau de organização do tecido em questão?

O grau de organização do tecido em questão é considerado um dos mais complexos no corpo humano. Este tecido é composto por células especializadas que desempenham funções específicas e estão organizadas de forma altamente estruturada. As células deste tecido estão unidas por diversas substâncias intercelulares que garantem a coesão e integridade do tecido.

Um exemplo de tecido com alto grau de organização são os tecidos nervosos, que são compostos por neurônios e células da glia. Os neurônios são responsáveis pela transmissão de impulsos nervosos, enquanto as células da glia desempenham funções de suporte e proteção para os neurônios. A organização precisa dessas células e suas interações complexas garantem o correto funcionamento do sistema nervoso.

Em contraste, tecidos como o tecido conjuntivo possuem um grau de organização menor. Este tecido é composto por células dispersas em uma matriz extracelular, conferindo-lhe uma estrutura menos organizada se comparada ao tecido nervoso. No entanto, isso não significa que o tecido conjuntivo seja menos importante, uma vez que desempenha funções essenciais de suporte e sustentação para outros tecidos do corpo.

A organização precisa das células e suas interações determinam as funções desempenhadas pelo tecido no organismo.

Conheça os 4 níveis de organização presentes na estrutura dos seres vivos.

O nível de organização dos tecidos é um dos aspectos fundamentais para compreender a estrutura dos seres vivos. Existem quatro níveis de organização presentes nessa estrutura: células, tecidos, órgãos e sistemas.

Relacionado:  Fosfatidilserina: estrutura, síntese, funções, localização

No nível celular, as células são as unidades básicas da vida, responsáveis por realizar diversas funções essenciais para a sobrevivência do organismo. Elas podem se organizar em grupos para formar os tecidos, que são conjuntos de células especializadas em desempenhar funções específicas.

Os órgãos são estruturas formadas por diferentes tipos de tecidos, que trabalham juntos para realizar funções mais complexas. Por fim, os sistemas são conjuntos de órgãos que atuam de forma integrada para manter o equilíbrio do organismo.

Um exemplo claro dessa organização é o sistema respiratório, composto por órgãos como pulmões, traqueia e brônquios, formados por tecidos especializados em realizar a troca gasosa. Esses órgãos funcionam de forma integrada para garantir a oxigenação do organismo.

Portanto, compreender os quatro níveis de organização dos tecidos é essencial para entender como os seres vivos são estruturados e como suas diferentes partes trabalham em conjunto para manter a vida.

Os níveis organizacionais do corpo humano e suas funções específicas em detalhes.

O corpo humano é organizado em diferentes níveis, que vão desde o nível celular até o nível do organismo como um todo. Cada nível tem suas próprias características e funções específicas que contribuem para o funcionamento adequado do corpo.

No nível celular, as células são as unidades básicas que formam os tecidos do corpo. Elas desempenham funções específicas de acordo com o tipo de tecido em que estão presentes, como as células musculares que são responsáveis pela contração muscular. Cada célula tem suas próprias estruturas internas, como o núcleo e as organelas, que realizam diversas funções essenciais para a sobrevivência da célula.

Os tecidos são formados por um grupo de células semelhantes que desempenham uma função específica em conjunto. Existem quatro tipos principais de tecidos no corpo humano: tecido epitelial, tecido conjuntivo, tecido muscular e tecido nervoso. Cada tipo de tecido tem características únicas que o tornam adequado para sua função específica, como a capacidade de se contrair no caso do tecido muscular.

Os órgãos são estruturas formadas por diferentes tipos de tecidos que trabalham juntos para realizar funções específicas no corpo. Por exemplo, o coração é um órgão composto por tecido muscular, tecido nervoso e tecido conjuntivo, que trabalham juntos para bombear o sangue pelo corpo. Cada órgão desempenha uma função vital para a manutenção da vida.

Por fim, o organismo é o nível mais alto de organização do corpo humano, onde todos os sistemas e órgãos trabalham juntos para manter a homeostase e garantir o funcionamento adequado do corpo como um todo. Cada sistema, como o sistema nervoso ou o sistema cardiovascular, desempenha funções específicas que são essenciais para a sobrevivência do organismo.

Cada nível tem suas próprias características e funções específicas que contribuem para a complexidade e a eficiência do corpo humano.

Nível de organização dos tecidos: características e exemplos

O nível de organização tecidual refere-se a um dos níveis de organização hierárquica observados nos seres vivos que tem a ver com a ordenação de células com funções diferentes para a formação de tecidos em organismos multicelulares.

Relacionado:  Evolução do homem: estágios e suas características

Assim como o nível de organização química é composto de átomos e moléculas, e no nível celular diferentes moléculas são formadas para formar as células, o nível do tecido consiste no arranjo ordenado de várias células com propriedades semelhantes e em estreita conexão entre si.

Nível de organização dos tecidos: características e exemplos 1

Tecido colenquimatoso nas plantas (Fonte: Snowman gelado na Wikipedia em inglês [Domínio público] via Wikimedia Commons).

Como qualquer nível de organização, o nível de tecido possui propriedades emergentes que o caracterizam, que são inerentes a ele e que não são encontradas em nenhuma das partes individuais que o compõem.

Plantas e animais são compostos de tecidos, esses tecidos funcionam na formação de órgãos e, por sua vez, constituem os sistemas funcionais dos organismos, cujas associações podem ser mais identificadas nos diferentes sistemas ecológicos que foram descritos (populações, comunidades , entre outros).

Caracteristicas

Todos os tecidos conhecidos são armados por uma complexa combinação de células com funções específicas específicas que mantêm sua identidade, apesar de compartilharem um ambiente comum com outras células.

Cada tecido é constituído por um grande número de células com um certo tamanho, disposição e forma. O tipo de célula da qual é feita confere ao tecido sua função, que pode ser transportar materiais e substâncias, regular processos, fornecer rigidez, estabilidade e até movimento e proteção.

Em todos os tecidos, uma das características fundamentais é a estreita associação e comunicação que suas células têm, que geralmente estão em contato físico entre si, enviando e recebendo sinais umas das outras e de células pertencentes a outros tecidos.

Características dos tecidos animais

Os tipos de tecidos mais comumente encontrados em animais são tecido epitelial, tecido conjuntivo ou conjuntivo, tecido muscular e tecido nervoso.

Os tecidos epiteliais cobrem o corpo e as cavidades internas, os tecidos conjuntivos são responsáveis ​​por gerar um continuum entre outros tecidos e os sustentam, o tecido muscular é responsável pela contração e o tecido nervoso participa de várias tarefas, incluindo a condução de impulsos elétricos em resposta a sinais ou estímulos externos e internos.

Nível de organização dos tecidos: características e exemplos 2

Tecido dérmico em animais (Fonte: Normal_Epidermis_and_Dermis_with_Intradermal_Nevus_10x.JPG: KilbadCropped e rotulado por Fama Clamosa () e Mikael Häggström, respectivamente [Domínio público] via Wikimedia Commons)

Nos tecidos adultos de animais e plantas, mas principalmente nos animais, as células morrem e são renovadas permanentemente e durante esse processo a integridade do tecido deve ser mantida, fato possível graças a três elementos: comunicação celular, adesão intercelular e memória .

– Comunicação celular

Cada célula presente em um tecido controla seu ambiente e está em uma busca contínua por sinais extracelulares enviados pelas células que o rodeiam, isso garante a sobrevivência e a formação de novas células quando necessárias.

– Adesão intercelular específica

Como as células animais têm apenas uma membrana plasmática que as rodeia, no exterior elas possuem proteínas específicas que mediam os processos de adesão com as células vizinhas. Esse processo parece ser altamente específico entre as células de um determinado tecido.

– Memória celular

Quando um tipo de célula pertencente a um tecido é dividido, dá origem a uma célula da mesma classe e isso é determinado geneticamente graças a padrões particulares de expressão gênica em cada célula especializada.

Relacionado:  O que são células de cálice? Características principais

Existem tecidos animais que possuem células tão especializadas e diferenciadas que não conseguem se dividir para formar uma nova célula idêntica; nesses casos, células especiais conhecidas como ” células-tronco” são responsáveis ​​por reabastecê-las continuamente.

Características dos tecidos vegetais

As plantas multicelulares também são organizadas em tecidos, responsáveis ​​pela formação de órgãos como folhas, caules e raízes, flores, frutos, entre outros.

Nos tecidos vegetais, as paredes celulares formam um continuum conhecido como apoplasto, através do qual ocorre uma parte importante do transporte rápido de moléculas ao redor dos citoplasmas, sem entrar em contato temporário com as membranas dos filtros plasmáticos.

Uma diferença com os animais é que dois tipos de tecidos são reconhecidos nas plantas: tecidos simples ( formados por um único tipo de célula) e tecidos complexos (constituídos por dois ou mais tipos de células).

As plantas vasculares organizam ambos os tipos de tecidos nos chamados sistemas de tecidos, que se estendem por todo o corpo da planta e são o sistema dérmico, o sistema vascular e o sistema fundamental de tecidos.

– Sistema de tecido dérmico

Esse sistema, análogo ao sistema dérmico de alguns animais, é responsável pela formação da cobertura externa de toda a planta e, portanto, é um dos primeiros sistemas de contato entre o ambiente e a estrutura corporal da planta.

– Sistema de tecido vascular

É composto por dois tecidos complexos: o xilema e o floema. Este sistema é essencial para o transporte de água e nutrientes por toda a planta.

As células do xilema não se dividem, pois estão mortas e são responsáveis ​​pelo transporte de água. As células floema, por outro lado, são responsáveis ​​pelo transporte de açúcar e nutrientes orgânicos resultantes da fotossíntese.

– Sistema fundamental de tecidos

Representa todos os tecidos que não são dérmicos nem vasculares. Consiste em parênquima, colênquima e esclerênquima, três tecidos simples, cada um caracterizado pela composição das paredes de suas células. Esses tecidos são especializados em suporte estrutural, onde cada um fornece propriedades específicas.

Exemplos

Existem muitos e numerosos exemplos que podem ser citados sobre o nível de organização dos tecidos, tanto em plantas quanto em animais.

Nos animais, o sangue é um tecido conjuntivo especializado na distribuição e troca de substâncias com o meio ambiente. Tecidos nervosos e endócrinos contribuem para a coordenação e regulação de diferentes funções orgânicas.

Nas plantas, o tecido parenquimatoso (incluído no sistema fundamental do tecido) contém principalmente as células responsáveis ​​pelos processos fotossintéticos e pela assimilação de nutrientes, o que o torna essencial para o crescimento e desenvolvimento das outras células circundantes.

Referências

  1. Alberts, B., Johnson, A., Lewis, J., Morgan, D., Raff, M., Roberts, K. e Walter, P. (2015). Biologia Molecular da Célula (6a ed.). Nova York: Garland Science.
  2. Dudek, RW (1950). Histologia de Alto Rendimento (2ª ed.). Filadélfia, Pensilvânia: Lippincott Williams & Wilkins.
  3. Johnson, K. (1991). Histologia e Biologia Celular (2ª ed.). Baltimore, Maryland: A série médica nacional para estudo independente.
  4. Nabors, M. (2004). Introdução à Botânica (1ª ed.). Pearson Education
  5. Solomon, E., Berg, L., e Martin, D. (1999). Biology (5ª ed.). Filadélfia, Pensilvânia: Saunders College Publishing.

Deixe um comentário