Núcleo lenticular: partes, funções e distúrbios associados

O núcleo lenticular é uma importante estrutura localizada no cérebro, fazendo parte do sistema límbico e sendo responsável por diversas funções cognitivas e motoras. Ele é composto por duas partes principais: o putâmen e o globo pálido. O putâmen está envolvido no controle motor e na aprendizagem de movimentos, enquanto o globo pálido atua na regulação do tônus muscular e no controle dos movimentos voluntários.

Distúrbios associados ao núcleo lenticular podem resultar em problemas motores, como tremores, rigidez e dificuldade de coordenação, além de distúrbios cognitivos e emocionais. Alguns exemplos de doenças que afetam o núcleo lenticular incluem a doença de Parkinson, a coreia de Huntington e a distonia.

Portanto, compreender a anatomia e as funções do núcleo lenticular é essencial para o diagnóstico e tratamento adequado de distúrbios neurológicos que afetam essa região do cérebro.

Principais núcleos da base e suas funções no organismo humano.

O núcleo lenticular é uma das estruturas mais importantes dos principais núcleos da base no organismo humano. Ele é composto por duas partes: o putâmen e o globo pálido. O putâmen está envolvido no controle motor, enquanto o globo pálido desempenha um papel crucial na regulação do movimento.

As funções do núcleo lenticular incluem a coordenação dos movimentos voluntários, a inibição de movimentos indesejados e a regulação do tônus muscular. Ele atua em conjunto com outras estruturas cerebrais, como o córtex cerebral e o cerebelo, para garantir um funcionamento motor adequado.

Distúrbios associados ao núcleo lenticular podem resultar em problemas como a doença de Parkinson, distonia e discinesia. Essas condições afetam a capacidade do indivíduo de controlar seus movimentos de forma adequada, levando a sintomas como tremores, rigidez e movimentos involuntários.

Seu bom funcionamento é essencial para uma coordenação motora adequada e para a prevenção de distúrbios neurológicos relacionados ao movimento.

Qual a importância do núcleo nas células?

O núcleo é uma parte fundamental das células e desempenha um papel essencial em diversas funções do organismo. Ele é responsável por controlar o metabolismo celular, armazenar e transmitir informações genéticas, além de regular a expressão dos genes. É no núcleo que se encontra o material genético das células, o DNA, que contém as instruções necessárias para o funcionamento e desenvolvimento do organismo.

Além disso, o núcleo também é responsável pela produção de RNA, que é essencial para a síntese de proteínas no citoplasma das células. A síntese de proteínas é fundamental para o funcionamento adequado das células e do organismo como um todo. Portanto, sem um núcleo funcional, as células não seriam capazes de realizar suas funções vitais.

Relacionado:  Fórix (ou trígono cerebral): anatomia e funções

Por fim, o núcleo também desempenha um papel importante na divisão celular, garantindo que as células filhas recebam uma cópia exata do material genético. Assim, o núcleo é essencial para a reprodução e manutenção da vida no organismo.

Núcleo lenticular: partes, funções e distúrbios associados

O núcleo lenticular é uma região do cérebro que desempenha um papel crucial na regulação do movimento e na coordenação motora. Ele é composto por duas partes principais: o núcleo caudado e o putâmen. Essas estruturas trabalham em conjunto para controlar os movimentos voluntários do corpo.

Distúrbios associados ao núcleo lenticular, como a doença de Parkinson e a doença de Huntington, podem afetar significativamente a capacidade de uma pessoa de realizar movimentos coordenados. Essas condições podem resultar em tremores, rigidez muscular e dificuldade de locomoção, impactando negativamente a qualidade de vida dos pacientes.

Já o núcleo lenticular é essencial para a regulação do movimento e coordenação motora, sendo afetado por distúrbios neurológicos que podem comprometer a função motora do organismo.

Funções do núcleo caudado: o que ele faz no organismo humano?

O núcleo caudado é uma estrutura localizada no cérebro, sendo uma das partes do núcleo lenticular. Ele desempenha diversas funções no organismo humano, sendo essencial para a coordenação dos movimentos e a regulação de diversas atividades cerebrais.

Uma das principais funções do núcleo caudado é integrar informações sensoriais e motoras, auxiliando na realização de movimentos precisos e coordenados. Além disso, ele também está envolvido no controle do comportamento, da memória e das emoções.

Outra função importante do núcleo caudado é atuar como parte do sistema de recompensa do cérebro, estando envolvido na sensação de prazer e motivação. Ele desempenha um papel fundamental no processo de aprendizagem e na formação de hábitos.

Em relação aos distúrbios associados ao núcleo caudado, algumas condições como a doença de Parkinson e o transtorno obsessivo-compulsivo podem estar relacionadas a disfunções nessa região do cérebro. Alterações no núcleo caudado também podem estar presentes em casos de esquizofrenia e transtornos do espectro autista.

Suas funções abrangem desde o controle motor até a regulação das emoções, sendo fundamental para a nossa capacidade de aprendizado, memória e comportamento.

Quais são os núcleos que compõem o núcleo lentiforme?

O núcleo lentiforme é uma estrutura localizada no cérebro que faz parte do sistema límbico. Ele é formado por dois núcleos principais: o núcleo lentiforme externo, também conhecido como globo pálido externo, e o núcleo lentiforme interno, que é composto pelo globo pálido interno e pelo núcleo subtalâmico.

O núcleo lentiforme desempenha um papel fundamental no controle do movimento e na regulação das emoções. O globo pálido externo está envolvido na inibição do movimento, enquanto o globo pálido interno e o núcleo subtalâmico estão relacionados à regulação do tônus muscular.

Distúrbios associados ao núcleo lentiforme incluem a doença de Parkinson, a discinesia e a distonia. Estes distúrbios podem causar alterações no controle motor e na coordenação, afetando significativamente a qualidade de vida dos indivíduos afetados.

Núcleo lenticular: partes, funções e distúrbios associados

Núcleo lenticular: partes, funções e distúrbios associados 1

Os gânglios da base são uma série de partes do cérebro localizadas nas profundezas do cérebro que são de grande importância para o desempenho de várias funções. É um conjunto de várias estruturas e subestruturas, que podem ser agrupadas de acordo com as conexões entre elas.

Uma dessas estruturas, ou melhor, um conjunto delas, é o chamado núcleo lenticular , que é especialmente relevante no gerenciamento de habilidades motoras, bem como no aprendizado e motivação.

O núcleo lenticular: partes e características

O núcleo lenticular é uma estrutura subcortical do cérebro, localizada na parte interna dele. Esse núcleo faz parte dos gânglios da base, um conjunto de estruturas configuradas pela substância cinzenta (ou seja, são somas e dendritos neuronais).

Também chamado núcleo extraventricular do estriado , o núcleo lenticular é formado por três segmentos, embora esses três segmentos possam ser divididos principalmente em duas estruturas;putamen (que seria o segmento mais externo) e balão pálido (que captou os segmentos médio e interno).

Assim, pode-se considerar que o núcleo lenticular é a união de duas outras estruturas dos gânglios da base, putâmen e globo pálido .

Essa estrutura cuneiforme está em contato com a cápsula interna, que a separa do tálamo e do caudado, e com a cápsula externa que a separa do claustro e da ínsula. Ele se conecta ao tálamo, ao córtex cerebral e ao conjunto de estruturas que compõem o tronco cerebral .

Funções associadas a esta estrutura subcortical

O núcleo lenticular, como o conjunto de estruturas que compõem os gânglios da base, é uma estrutura ou conjunto de estruturas de grande importância para o bom funcionamento vital do ser humano. Especificamente, foi observado que ele tem grande importância nas seguintes áreas.

Habilidades motoras

Um dos aspectos em que mais pesquisas foram realizadas e que são conhecidas há mais tempo é a grande importância do núcleo lenticular nas habilidades motoras e no gerenciamento e coordenação do movimento . Sua principal tarefa nesse sentido é adaptar o movimento às situações que estão sendo vivenciadas e ajustar-se às demandas situacionais.

Relacionado:  O alto custo de ser muito inteligente

Manutenção da postura

O núcleo lenticular participa não apenas da realização dos movimentos do concreto, mas também está relacionado à manutenção da postura. O dano ao núcleo lenticular pode levar à marcha , descoordenação ou tremor incontrolável.

Automação de Movimento

A automação dos movimentos também é afetada pelo núcleo lenticular, permitindo a aquisição da habituação.

Aprendizagem

O núcleo lenticular influencia os processos de aprendizagem . Especificamente, ajuda a gerar aprendizado processual. Além disso, através de suas várias conexões, o núcleo lenticular contribui para a criação de categorias ao organizar e estruturar o mundo.

Motivação

Como outras áreas, como o núcleo caudado, o núcleo lenticular também contribui muito para vincular o racional ao emocional , permitindo que ambos os tipos de informações sejam integrados. Isso significa que, graças às suas conexões, podemos vincular um conhecimento ou estímulo a uma emoção, o que pode motivar ou desmotivar-nos.

Distúrbios ligados ao núcleo lenticular

A presença de alterações e lesões nos gânglios da base pode ter repercussões devastadoras na saúde do organismo, além de diminuir suas capacidades mais básicas. Algumas das alterações relacionadas a danos ao núcleo lenticular são as seguintes.

Demências subcorticais

A degeneração progressiva causada por esse tipo de demência tende a começar em diferentes estruturas subcorticais, sendo uma das mais frequentes os gânglios da base. As demências produzidas pela Coreia de Parkinson ou Huntington são duas das mais conhecidas, que levam à marcha descoordenada, realizando diferentes movimentos bruscos, tanto em repouso quanto durante movimentos e perda de memória e habilidades executivas. .

Distúrbios psicomotores

Distúrbios como tiques ou Gilles de la Tourette, ou a própria doença de Parkinson sem causar demência, também são influenciados pela alteração dos gânglios da base.

TOC

O TOC também tem sido associado, em parte, à hiperativação dos gânglios da base, especialmente o núcleo caudado e o putâmen (formando a última parte do núcleo lenticular).

TDAH

A ADHD é mais distúrbios é influenciada pela presença de danos para o núcleo lenticular, o que dificulta a manutenção de motivação e melhorar a aparência de tiques e agitação.

Referências bibliográficas:

  • Carlson, NR (2014). Fisiologia do Comportamento (11ª Edição). Madri: Pearson Education.
  • Kandel, ER; Schwartz, JH e Jessell, TM (2001). Princípios de neurociência. Quarta edição McGraw-Hill Interamerican. Madrid

Deixe um comentário