O que é mixedema?

O que é mixedema?

O mixedema é edema ou “inchaço” da pele sem picada, especialmente a pele do rosto, dando uma aparência áspera e acompanhando hipotireoidismo. O hipotireoidismo é uma doença caracterizada por uma diminuição dos hormônios tireoidianos circulantes.

O termo “mixedema” também é utilizado para se referir a uma condição avançada ou grave e não tratada de hipotireoidismo. A pele contém várias proteínas complexantes com polissacarídeos, ácido hialurônico e ácido condroitina sulfúrico. No hipotireoidismo, esses complexos se acumulam e promovem a retenção de sódio e água, causando um edema característico difuso e não depressível, chamado mixedema.

Esse acúmulo de mucopolissacarídeos também ocorre na laringe e é a causa da rouquidão que geralmente acompanha o hipotireoidismo. A pele é seca e fria, os cabelos quebradiços com perda de brilho e geralmente há perda de cabelos no couro cabeludo e na parte lateral das sobrancelhas.

O mixedema pretibial ou dermopatia tireotóxica é característico da doença de Graves e esses pacientes invariavelmente também apresentam oftalmopatia.

É um edema não depressível que pode ser nodular, discóide e até polipoide. A pele da área pretibial assume uma aparência de casca de laranja e fica mais espessa.

Alguns autores classificam o mixedema em vários tipos, de acordo com o tempo de aparecimento, duração e extensão. Outros o associam diretamente a problemas congênitos relacionados à glândula tireóide, hipotireoidismo e mixedema pretibial relacionados à tireotoxicose.

O chamado “coma de mixedema” ou “crise de mixedema” é a forma mais grave de hipotireoidismo, com alta taxa de mortalidade. Pode ser desencadeada pela exposição ao frio, sepse, uso de anestésicos sedativos ou narcóticos e / ou supressão da terapia de reposição com hormônios tireoidianos, entre outros.

Hipotireoidismo e mixedema

O hipotireoidismo envolve uma redução nos hormônios tireoidianos circulantes. A diminuição dos hormônios da tireoide pode ocorrer devido a falhas na síntese desses hormônios ou a falhas no eixo de estimulação da síntese ou no eixo hipotálamo- hipófise- tireóide.

Relacionado:  Venocysis: para que serve, tipos, materiais, procedimento

O hipotireoidismo pode ser de origem congênita ou adquirida. Entre os de origem adquirida estão a tireoidite de Hashimoto, grave deficiência de iodo, tireoidite linfocítica, ressecção cirúrgica e falha na reposição hormonal, radioterapia para tumores de cabeça e pescoço, entre outros.

Entre as causas adquiridas estão as de origem central, devido à alteração do hipotálamo (TRH) ou da hipófise (TSH) e drogas como iodo inorgânico, amiodarona, tioamidas e lítio.

Os sintomas do hipotireoidismo podem ser resumidos em pensamentos lentos, letargia, pele seca e fria. Às vezes, a pele adquire uma cor amarelo alaranjado, pois o hormônio da tireóide é necessário para converter os carotenos em vitamina A.

Além disso, pode haver ganho de peso, constipação, menorragia, diminuição da libido e intolerância ao frio.

Entre os sinais, podem ser descritos: fala lenta, hipocinesia, pele seca e espessa e escamosa, cabelos secos e quebradiços, unhas secas com estrias longitudinais, distúrbios funcionais cardíacos, depressão, entre outros.

Entre os distúrbios da pele está o edema, que geralmente afeta o rosto. Adquire uma aparência áspera, é inchada, edemaciada, com edema periorbital e arredondada.

O edema não deixa uma fóvea e é chamado de mixedema, sendo característico do hipotireoidismo, mas não exclusivo. Esse edema inclui os lábios, a língua e a laringe.

Com a administração de hormônios da tireóide, os complexos proteicos dos mucopolissacarídeos responsáveis ​​pelo mixedema são mobilizados, a diurese aumenta e o mixedema desaparece.

Doença de Graves e mixedema

A doença de Graves é uma das causas mais frequentes de hipertireoidismo, acompanhada de bócio simétrico com uma glândula que pode triplicar seu peso. A maioria desses pacientes possui um anticorpo contra o local do receptor de TSH nos folículos da tireóide.

Esses pacientes apresentam sintomas de hipertireoidismo, que incluem aumento do estado de alerta, instabilidade emocional, nervosismo, irritabilidade, palpitações, grande apetite e perda de peso, aumento da frequência de defecação e intolerância ao calor.

Relacionado:  12 Doenças do sistema urinário e excretor comum

Os sinais incluem hipercinesia, fraqueza muscular proximal, tremor fino, edema periorbital, exoftalmia, taquicardia, fibrilação atrial, dispnéia, entre outros achados. A tríade clássica da doença de Graves é bócio hipertireóideo, exoftalmia e mixedema pretibial.

No entanto, nem todos os pacientes com doença de Graves têm mixedema pretibial. O mixedema pretibial aparece na região da pele que cobre a tíbia ou região pretibial. Nesta área, a pele assume uma aparência de casca de laranja. Esse mixedema pode ser nodular, discóide ou polipóide.

Classicamente, do ponto de vista clínico, aparecem placas infiltradas de consistência firme ou endurecida, eritematosas, que podem adquirir uma coloração violeta. Observa-se uma dilatação dos orifícios nos folículos capilares, dando a aparência de “casca de laranja”.

O mixedema, ou “dermopatia da tireóide”, pode ter outras apresentações clínicas diferentes da forma clássica descrita anteriormente. Entre essas apresentações, pode aparecer nas extremidades inferiores como um mixedema difuso com pequenas pápulas ao redor dos folículos capilares.

Outra forma inclui nódulos bem diferenciados e simetricamente distribuídos em ambas as extremidades, com uma superfície arroxeada ou marrom brilhante, que pode ser levemente dolorosa ao toque.

Às vezes, alterações mixedematosas podem se espalhar para a superfície da pele sobre a rótula e os pés.

Referências

  1. Flores, SM, Hidalgo, LG e Topete, RO (2011). Apresentações clínicas atípicas de mixedema pretibial. Dermatología Revista Mexicana , 55 (6), 347-351.
  2. Fatourechi, V. (2005). Mixedema pretibial. American Journal of Clinical Dermatology , 6 (5), 295-309.
  3. Chen, JJ e Ladenson, PW (1987). Mixedema pretibial eutireóideo. The American journal of medicine , 82 (2), 318-320.
  4. Hammer, GD e McPhee, SJ (2014). Fisiopatologia da Doença: Uma Introdução à Medicina Clínica 7 / E . Educação McGraw-Hill.
  5. Hammer, GD e McPhee, SJ (2014). Fisiopatologia da Doença: Uma Introdução à Medicina Clínica 7 / E . Educação McGraw-Hill.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies