O que é sensibilidade social?

A sensibilidade social refere-se à capacidade de uma pessoa em reconhecer, compreender e se importar com as necessidades, emoções e realidades dos outros. É a habilidade de se colocar no lugar do outro, de perceber as injustiças e desigualdades ao seu redor e de agir de forma empática e solidária. A sensibilidade social envolve a consciência de questões sociais, como a pobreza, a discriminação, a desigualdade de gênero e a injustiça, e a disposição de contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e inclusiva. É uma qualidade essencial para promover a empatia, a compaixão e a mudança positiva no mundo.

Como desenvolver a habilidade de perceber e compreender as emoções dos outros?

A sensibilidade social é a capacidade de perceber e compreender as emoções dos outros, sendo fundamental para estabelecer conexões significativas e desenvolver relacionamentos saudáveis. Para desenvolver essa habilidade, é importante praticar a empatia e a escuta ativa.

Um dos primeiros passos para melhorar a sensibilidade social é estar presente no momento, prestando atenção às expressões faciais, linguagem corporal e tom de voz das pessoas ao seu redor. Isso ajuda a captar pistas emocionais e a compreender o que elas estão sentindo.

Além disso, é essencial praticar a empatia, colocando-se no lugar do outro e tentando compreender suas experiências, sentimentos e perspectivas. Isso ajuda a criar conexões mais profundas e a fortalecer os laços interpessoais.

A escuta ativa também desempenha um papel crucial no desenvolvimento da sensibilidade social. Isso envolve não apenas ouvir o que a outra pessoa está dizendo, mas também demonstrar interesse genuíno, fazer perguntas para esclarecer pontos e validar as emoções do interlocutor.

Em resumo, para desenvolver a habilidade de perceber e compreender as emoções dos outros, é fundamental praticar a empatia, estar presente no momento e praticar a escuta ativa. Ao cultivar essas habilidades, é possível melhorar significativamente a sensibilidade social e fortalecer os relacionamentos interpessoais.

O que é sensibilidade social?

A sensibilidade social é a capacidade de um indivíduo para identificar, perceber e compreender os sinais e contextos em interações sociais. Significa até que ponto você entende os sentimentos e pensamentos dos outros e até que ponto você conhece o conhecimento geral das normas sociais.

Relacionado:  Práticas sociais: tipos e práticas de linguagem

Através da aplicação do conceito de sensibilidade social, as pessoas são capazes de conhecer os sentimentos umas das outras. O princípio fundamental da sensibilidade social reside no amplo conhecimento das normas sociais .

O que é sensibilidade social? 1

Por exemplo, uma pessoa com sensibilidade social entende os sinais da conversa e para de falar para ouvir a outra. O oposto seria um indivíduo que apenas fala sobre si mesmo, interrompe ou fala sobre os outros, ignorando os sinais sociais para parar de falar.

A sensibilidade social tornou-se parte da inteligência social e eles compartilham algumas características semelhantes. É considerada uma habilidade social importante, porque desempenha um papel importante no desempenho do grupo.

Pesquisas mostram que a sensibilidade social em um grupo se correlaciona intimamente com o nível de inteligência coletiva, que é definido como uma capacidade geral do grupo (não apenas um membro do grupo) de executar uma ampla gama de tarefas. Em outras palavras, se as pessoas são socialmente sensíveis em um grupo, elas obtêm um bom desempenho coletivamente no trabalho.

Características das pessoas com sensibilidade social

-Eles têm uma grande imaginação (são criativos).

Eles são perceptivos dos sentimentos dos outros.

-Eles são bons ouvintes e tendem a ser calorosos e cuidadosos em seus relacionamentos.

-Eles são bons em lidar com relações sociais e se adaptar bem em situações sociais.

-Eles aceitam as pessoas pelo que são, com suas diferenças.

-Têm amplo conhecimento de regras e normas sociais.

Expressam profunda preocupação com a adequação de seu comportamento e o comportamento dos outros.

-Eles trabalham com muita paixão.

-Eles são conscientes e compassivos.

-Eles são intuitivos, cuidadosos e espirituais.

-Tenha sensações profundas e intensas.

-Eles respeitam e apreciam a natureza, a arte e a música.

-Eles são objetivos e podem ver além do que os outros veem.

Relacionado:  10 Dinâmica de Resolução de Conflitos

-Eles assumem a responsabilidade por problemas sociais.

-Eles estão interessados ​​em assuntos mundiais.

-Eles procuram melhorar o humor dos outros.

-Por outro lado, como característica dos grupos de trabalho, as pessoas socialmente sensíveis tendem a abrir novas idéias, perceber corretamente e responder às necessidades dos membros da equipe, criando um ambiente positivo para produzir novas idéias, questionar o trabalho e compartilhar responsabilidades

Maneiras de gerenciar habilidades de sensibilidade social

De acordo com o Guia de Sobrevivência para a pessoa altamente sensível (Guia de sobrevivência da pessoa altamente sensível) por Elaine Aron, as pessoas com sensibilidade social deve desenvolver a capacidade de gerenciar suas habilidades. Os motivos estão descritos abaixo.

Emocionalmente, indivíduos altamente sensíveis são facilmente estimulados a um ponto em que podem sentir muita dor ou grande alegria. Eles podem ter a combinação de um introvertido e um extrovertido, porque em seus traços de personalidade precisam se concentrar, mas também gostam de se conectar com outras pessoas e seus arredores.

Pessoas altamente sensíveis precisam de tempo e espaço para ficar sozinhas para processar o que absorvem. Quando se trata de sensações, elas podem ter baixa tolerância a ruídos ou qualquer coisa muito forte; portanto, é conveniente que elas se conectem com a natureza e realizem exercícios regulares, relaxamento, meditação e outras atividades que acompanham sua natureza para se acalmar após a sobre estimulação.

– Além disso, eles precisam aprender a encontrar um equilíbrio para dar e receber amor. É importante perceber que o auto-sacrifício que leva à privação emocional não é saudável.

– E por último, mas não menos importante, esses indivíduos precisam encontrar significado em suas vidas. Toda a humanidade deseja isso, mas essas pessoas são uma necessidade real. Seu desejo mais profundo é ajudar os outros a serem felizes, e eles podem usar suas habilidades para obter seu lado criativo e tornar este mundo um lugar melhor para todos, mesmo a partir de um pequeno passo.

Relacionado:  10 Dinâmica de Confiança para Crianças, Adolescentes e Adultos

Estudos sobre sensibilidade social

De acordo com Baldwin M. Camino (2010), os genes que afetam a função cerebral podem influenciar a adoção e a formação de normas culturais e, por sua vez, a cultura também pode moldar a expressão e a seleção de genes.

-De acordo com os estudos de Caspi (2002) e Kim-Cohen (2006), na interação entre genes e meio ambiente, observou-se que a exposição a abusos ou outros maus-tratos na infância aumenta significativamente a probabilidade de participação em comportamentos Anti-sociais na idade adulta.

De acordo com Fiske (1998), nas culturas coletivistas, os relacionamentos são duradouros devido a laços sociais que são materializados por obrigações mútuas entre membros da família, o clã ou a religião. Esses relacionamentos são tão notáveis ​​que o eu é definido por eles.

-Adams e Plaut (2003), garantem em seu estudo que nas culturas individualistas, onde há um alto grau de foco na autonomia pessoal, as necessidades individuais frequentemente substituem as necessidades do grupo. Portanto, os relacionamentos são mais transitórios, o que pode levar à percepção de que o indivíduo não faz parte de uma rede social.

-De acordo com a investigação de Yamaguchi (1994), uma maior sensibilidade aos sinais de rejeição e uma maior preocupação com as conseqüências disso, poderiam levar à submissão de interesse no grupo interno, uma característica do coletivismo. Isso pode incentivar a reificação das relações sociais, a fim de reduzir o risco de perda da rede social.

Referências

  1. Karen Combs (2010). Sensibilidade social: é o que torna os grupos inteligentes. Blogs do CEB. Recuperado de: cebglobal.com.
  2. Baldwin M. Camino e Matthew D. Lieberman (2010). Coletivismo, individualismo e marcadores genéticos de sensibilidade social. Neurociência Cognitiva e Afetiva Social. Recuperado de: ncbi.nlm.nih.gov.
  3. Dmitry Sokolov (2016). O que é sensibilidade social. Pb Works. Recuperado de: confocal-manawatu.pbworks.com.
  4. Michelle Roya Rad (2012). Características das pessoas altamente sensíveis. O Huffington Post. Recuperado de: huffingtonpost.com.

Deixe um comentário