O que são as trincheiras oceânicas?

As trincheiras oceânicas são estruturas geológicas localizadas no fundo dos oceanos, caracterizadas por serem profundas fendas estreitas e longas que se formam devido à convergência de placas tectônicas. Essas trincheiras são consideradas os pontos mais profundos dos oceanos e podem atingir profundidades superiores a 10.000 metros. Elas são locais de grande atividade sísmica e vulcânica, onde ocorrem terremotos, erupções vulcânicas e formação de arcos de ilhas. As trincheiras oceânicas desempenham um papel crucial na dinâmica geológica e na formação de novas terras.

Entenda o significado da trincheira do mar e sua importância para o ecossistema marinho.

As trincheiras oceânicas são formações geológicas profundas localizadas no fundo do mar, caracterizadas por serem as partes mais profundas dos oceanos. Essas trincheiras são muitas vezes formadas pela colisão de placas tectônicas, resultando em grandes fossas marinhas que podem chegar a milhares de metros de profundidade.

Um exemplo famoso de trincheira oceânica é a Fossa das Marianas, localizada no Oceano Pacífico. Com mais de 11 mil metros de profundidade, essa trincheira é o ponto mais profundo dos oceanos conhecido atualmente.

Apesar de sua extrema profundidade, as trincheiras oceânicas desempenham um papel crucial no ecossistema marinho. Essas formações geológicas oferecem um habitat único para uma variedade de organismos marinhos, muitos dos quais são adaptados às condições extremas encontradas nessas regiões.

Além disso, as trincheiras oceânicas também desempenham um papel importante na ciclagem de nutrientes no oceano. Os sedimentos acumulados nessas regiões podem conter uma grande quantidade de matéria orgânica, que serve como alimento para organismos bentônicos e contribui para a biodiversidade marinha.

Portanto, as trincheiras oceânicas são locais de grande importância para o equilíbrio do ecossistema marinho, fornecendo habitat e recursos para uma variedade de espécies marinhas. Preservar essas formações geológicas é essencial para a conservação da vida marinha e para a sustentabilidade dos oceanos.

O que são as trincheiras oceânicas?

As fossas oceânicas são profundidades no fundo do mar, que são formadas como um resultado da actividade das placas tectônicas da Terra que eles convergem é empurrado um sob o outro.

Essas depressões longas e estreitas em forma de V são as partes mais profundas do oceano e são encontradas em todo o mundo atingindo profundidades de cerca de 10 quilômetros abaixo do nível do mar.

O que são as trincheiras oceânicas? 1

No Oceano Pacífico, estão as sepulturas mais profundas e fazem parte do chamado “Anel de Fogo”, que também inclui vulcões ativos e zonas de terremotos.

A trincheira oceânica mais profunda é a Fossa das Marianas, localizada perto das Ilhas Marinhas, com um comprimento de mais de 1.580 milhas ou 2.542 quilômetros, 5 vezes mais que o Grand Canyon no Colorado, Estados Unidos e, em média, é de apenas 43 milhas ( 69 quilômetros) de largura.

Lá está localizado o Challenger Abyss, que a 10.911 metros é a parte mais profunda do oceano. Além disso, os túmulos de Tonga, Kuriles, Kermadec e Filipinas têm mais de 10.000 metros de profundidade.

Em comparação, o Monte Everest tem uma altura de 8.848 metros acima do nível do mar, o que significa que a Fossa das Marianas, na sua parte mais profunda, tem mais de 2.000 metros de profundidade.

O que são as trincheiras oceânicas? 2

As trincheiras oceânicas ocupam a camada mais profunda do oceano. A pressão intensa, a falta de luz solar e as temperaturas frias deste local fazem dele um dos habitats mais exclusivos do planeta.

Como as trincheiras oceânicas se formam?

Os poços são formados por subducção, um processo geofísico no qual duas ou mais placas tectônicas da Terra convergem e a mais antiga e mais densa é empurrada sob a placa mais clara, causando o fundo do mar e a crosta externa (a litosfera). Ele curva e forma uma inclinação, uma depressão em forma de V.

Relacionado:  Plantas de madeira: definição, tipos e exemplos

O que são as trincheiras oceânicas? 3

Zonas de Subdução

Em outras palavras, quando a borda de uma placa tectônica densa encontra a borda de uma placa tectônica menos densa, a placa mais densa se curva para baixo. Esse tipo de fronteira entre as camadas da litosfera é chamado convergente. O local onde a placa mais densa é subdividida é chamado de zona de subducção.

O processo de subducção torna os poços elementos geológicos dinâmicos, sendo responsáveis ​​por uma parte significativa da atividade sísmica da Terra e é frequentemente o epicentro dos grandes terremotos, incluindo alguns dos maiores terremotos registrados.

Algumas trincheiras oceânicas são formadas pela subducção entre uma placa que carrega uma crosta continental e uma placa que carrega uma crosta oceânica. A crosta continental sempre flutua mais do que a crosta oceânica e esta sempre se subduz.

As trincheiras oceânicas mais conhecidas são o resultado desse limite entre placas convergentes. A Trincheira Peru-Chile, na costa oeste da América do Sul, é formada pela crosta oceânica da placa de Nazca, subdividida sob a crosta continental da placa da América do Sul.

A Trincheira Ryukyu, que se estende do sul do Japão, é formada de tal maneira que a crosta oceânica da placa das Filipinas é subdividida sob a crosta continental da placa da Eurásia.

Raramente, as trincheiras oceânicas podem se formar quando duas placas carregando crosta continental se encontram. A Fossa das Marianas, no Oceano Pacífico Sul, é formada quando a imponente placa do Pacífico é subdividida sob a placa menor e menos densa das Filipinas.

Em uma zona de subducção, parte do material derretido, que antes era o fundo do mar, geralmente é elevada através de vulcões localizados perto do poço. Os vulcões frequentemente criam arcos vulcânicos, uma ilha montanhosa que fica paralela à cova.

A Fossa das Aleutas é formada onde a placa do Pacífico é subdividida sob a placa norte-americana na região do Ártico entre o estado do Alasca nos Estados Unidos e a região russa da Sibéria. As Ilhas Aleutas formam um arco vulcânico que sai da Península do Alasca e ao norte da Trincheira Aleutiana.

Nem todas as sepulturas oceânicas estão no Pacífico. A Trincheira de Porto Rico é uma depressão tectônica complexa, parcialmente formada pela zona de subducção das Pequenas Antilhas. Aqui, a crosta oceânica da imensa placa norte-americana é subdividida sob a crosta oceânica da menor placa do Caribe.

Por que as sepulturas oceânicas são importantes?

O conhecimento das trincheiras oceânicas é limitado devido à sua profundidade e à distância de sua localização, mas os cientistas sabem que eles desempenham um papel significativo em nossa vida no continente.

Grande parte da atividade sísmica do mundo ocorre em zonas de subducção, que podem ter um efeito devastador nas comunidades costeiras e, mais ainda, na economia global.

O terremoto no fundo do mar gerado nas zonas de subducção foi responsável pelo tsunami no Oceano Índico em 2004 e pelo terremoto e tsunami de Tohoku no Japão em 2011.

Ao estudar trincheiras oceânicas, os cientistas podem entender o processo físico de subducção e as causas desses desastres naturais devastadores.

O estudo das fossas também oferece aos pesquisadores uma compreensão das novas e diversas maneiras de adaptar os organismos das profundezas do mar ao seu entorno, o que pode conter a chave para os avanços biológicos e biomédicos.

Estudar a maneira pela qual os organismos do fundo do mar se adaptaram à vida em seus ambientes hostis pode ajudar a melhorar o entendimento em muitas áreas diferentes de pesquisa, desde tratamentos para diabetes até a melhoria de detergentes.

Os pesquisadores já descobriram micróbios que habitam fumarolas hidrotérmicas no abismo marinho que têm potencial como novas formas de antibióticos e drogas contra o câncer.

Tais adaptações também podem conter a chave para entender a origem da vida no oceano, à medida que os cientistas examinam a genética desses organismos para montar o quebra-cabeça da história de como a vida se expande entre ecossistemas isolados e, eventualmente, através Os oceanos do mundo.

Pesquisas recentes também revelaram quantidades inesperadas e grandes de material de carbono acumulado nos poços, o que pode sugerir que essas regiões desempenham um papel significativo no clima da Terra.

Esse carvão é confiscado no manto da Terra por meio de subducção ou consumido por bactérias no poço.

Esta descoberta apresenta oportunidades para uma investigação mais aprofundada do papel das sepulturas, tanto como uma fonte (através de vulcões e outros processos) quanto como um depósito no ciclo de carbono do planeta que pode influenciar a maneira como os cientistas finalmente entendem e prevêem o impacto dos gases de efeito estufa gerados pelos seres humanos e as mudanças climáticas.

O desenvolvimento de novas tecnologias desde as profundezas do mar, de submersíveis a câmeras, sensores e amostras, fornecerá grandes oportunidades para os cientistas investigarem sistematicamente os ecossistemas dos túmulos por longos períodos de tempo.

Isso acabará nos dando uma melhor compreensão dos terremotos e processos geofísicos, revisando como os cientistas entendem o ciclo global do carbono, fornecendo caminhos para a pesquisa biomédica e potencialmente contribuindo para novos conhecimentos na evolução da vida na Terra.

Esses mesmos avanços tecnológicos criarão novas capacidades para os cientistas estudarem o oceano como um todo, desde linhas costeiras remotas até o Oceano Ártico coberto de gelo.

Vida nas trincheiras do oceano

As trincheiras oceânicas são um dos habitats mais hostis do mundo. A pressão é mais de 1.000 vezes em relação à superfície e a temperatura da água está ligeiramente acima do ponto de congelamento. Talvez o mais importante seja que a luz solar não penetra nas trincheiras oceânicas mais profundas, impossibilitando a fotossíntese.

Os organismos que vivem nas trincheiras oceânicas evoluíram com adaptações incomuns para se desenvolver nesses desfiladeiros frios e escuros.

O comportamento deles é um teste da chamada “hipótese da interação visual” que diz que quanto maior a visibilidade de um organismo, maior a energia que ele precisa gastar para caçar uma presa ou repelir predadores. Em geral, a vida nas trincheiras do oceano escuro é isolada e em câmera lenta.

Pressão

A pressão no fundo do Challenger Abyss, o lugar mais profundo do mundo, é de 703 kg por metro quadrado (8 toneladas por polegada quadrada). Animais marinhos de grande porte, como tubarões e baleias, não podem viver nessa profundidade avassaladora.

O que são as trincheiras oceânicas? 4

Muitos organismos que se desenvolvem nesses ambientes de alta pressão não possuem órgãos cheios de gases, como os pulmões. Esses organismos, muitos relacionados à estrela do mar ou à água-viva, são feitos principalmente de água e material gelatinoso que não pode ser esmagado tão facilmente quanto os pulmões ou ossos.

Muitas dessas criaturas navegam pelas profundezas o suficiente para fazer uma migração vertical de mais de 1.000 metros do fundo do poço todos os dias.

Até os peixes nos poços profundos são gelatinosos. Muitas espécies de peixes-caracol, por exemplo, vivem no fundo da Fossa das Marianas. Os corpos desses peixes foram comparados com lenços descartáveis.

Escuro e profundo

Trincheiras oceânicas rasas têm menos pressão, mas ainda podem estar fora da área da luz solar, onde a luz penetra na água.

Muitos peixes se adaptaram à vida nessas trincheiras oceânicas escuras. Alguns usam bioluminescência, o que significa que eles produzem sua própria luz para viver, a fim de atrair suas presas, encontrar um companheiro ou repelir o predador.

Relacionado:  Ecodesenvolvimento: origem, impedimentos e exemplos

O que são as trincheiras oceânicas? 5

Redes alimentares

Sem fotossíntese, as comunidades marinhas dependem principalmente de duas fontes incomuns de nutrientes.

O primeiro é “neve do mar”. A neve marinha é a queda contínua de material orgânico das alturas da coluna d’água. A neve do mar é principalmente lixo, incluindo fezes e restos de organismos mortos, como peixes ou algas marinhas. Essa neve marinha rica em nutrientes alimenta animais como pepinos do mar ou lulas de vampiro.

Outra fonte de nutrientes para as redes alimentares das trincheiras oceânicas não vem da fotossíntese, mas da quimiossíntese. A quimiossíntese é o processo no qual organismos da fossa oceânica, como bactérias, convertem compostos químicos em nutrientes orgânicos.

Os compostos químicos usados ​​na quimiossíntese são metano ou dióxido de carbono expelido de fumarolas hidrotérmicas que jogam seus gases e fluidos tóxicos e quentes na água gelada do oceano. Um animal comum que depende de bactérias quimiossintéticas para obter alimento é o verme tubular gigante.

Explorando os túmulos

As trincheiras oceânicas continuam sendo um dos habitats marinhos mais esquivos e pouco conhecidos. Até 1950, muitos oceanógrafos pensavam que esses túmulos eram ambientes que não mudavam, quase sem vida. Ainda hoje, grande parte da pesquisa em trincheiras oceânicas é baseada em amostras do fundo do mar e expedições fotográficas.

Isso está mudando lentamente à medida que os exploradores cavam no fundo, literalmente. O Challenger Abyss, no fundo da Fossa das Marianas, fica no fundo do Oceano Pacífico, perto da ilha de Guam.

Apenas três pessoas visitaram o Challenger Abyss, a trincheira oceânica mais profunda do mundo: uma tripulação franco-americana (Jacques Piccard e Don Walsh) em 1960, atingindo uma profundidade de 10.916 metros, e o explorador na residência da National Geographic James Cameron em 2012 atingindo 10.984 metros (duas outras expedições não tripuladas também exploraram o Challenger Abyss).

A engenharia de submersíveis para explorar as trincheiras oceânicas apresenta um grande conjunto de desafios únicos.

Os submersíveis devem ser incrivelmente fortes e resistentes ao combate com fortes correntes oceânicas, visibilidade zero e grande pressão da Fossa das Marianas.

Desenvolver engenharia para transportar pessoas com segurança, além de equipamentos delicados, ainda é um grande desafio. O submarino que levou Piccard e Walsh ao Challenger Abyss, o extraordinário Trieste, era um navio incomum conhecido como batiscafo (submarino para explorar as profundezas do oceano).

O submersível Deepsea Challenger, de Cameron, abordou com sucesso os desafios de engenharia de maneiras inovadoras. Para combater as correntes do fundo do mar, o submarino foi projetado para girar lentamente enquanto descia.

As luzes no submarino não eram de lâmpadas incandescentes ou fluorescentes, mas arranjos de pequenos LEDS que iluminavam uma área de cerca de 30 metros.

Talvez o mais surpreendente seja que o próprio Deepsea Challenger foi projetado para comprimir. Cameron e sua equipe criaram uma espuma sintética à base de vidro que permitia ao veículo comprimir sob a pressão do oceano. O Deepsea Challenger retornou à superfície 7,6 centímetros menor do que quando desceu.

Referências

  1. ndTrenches. Instituição Oceanográfica de Woods Hole. Recuperado em 9 de janeiro de 2017.
  2. (13 de julho de 2015). Trincheira do oceano National Geographic Society Recuperado em 9 de janeiro de 2017.
  3. trincheira oceânica. ScienceDaily Recuperado em 9 de janeiro de 2017.
  4. (2016, julho). TRENCH OCEÂNICO. Earth Geologic Recuperado em 9 de janeiro de 2017.
  5. Parte mais profunda do oceano. Geology.com Recuperado em 9 de janeiro de 2017.
  6. Oskin, B. (2014, 8 de outubro). Fossa das Marianas: as profundezas mais profundas. Ciência ao vivo Recuperado em 9 de janeiro de 2017.
  7. trincheiras ndOcean. Encyclopedia.com Recuperado em 9 de janeiro de 2017.

Deixe um comentário