O que são bens econômicos? Características principais

Bens econômicos são aqueles objetos e serviços que são úteis para quem os possui ou acessa. A natureza econômica é dada pelo valor monetário que eles têm e sua existência é limitada ou escassa.

Os ativos podem ser materiais e intangíveis, e seu valor econômico final é o resultado de uma série de variáveis ​​anteriores que incluem o custo de produção e a materialização desse bem.

O que são bens econômicos? Características principais 1

A análise e concepção deste tipo de bens em termos monetários também é dada pelo objetivo de seus usos e pela valorização da sociedade que os consome.

Bens são todos os bens e serviços oferecidos e demandados em um contexto de mercado, cujos valores também respondem a fatores externos e efeitos flutuantes.

Existem diferentes abordagens para a classificação de bens, algumas das formas mais eficazes são de acordo com seu potencial utilitário e econômico ou de mercado, de acordo com sua forma de consumo e sua relação com outros bens, entre outros.

Bens e economia econômicos

A economia pode ser considerada como a administração e a troca de recursos necessários, mas escassos em todo o mundo, que devem ser submetidos a uma avaliação monetária que limita seu acesso.

A partir desse conceito, pode-se dizer que bens econômicos são todos aqueles elementos que são transferidos dentro das grandes máquinas econômicas mundiais.

São considerados bens econômicos todos aqueles que possuem qualidades contrárias aos chamados bens livres.

Bens gratuitos são recursos de quantidade e acesso ilimitados, que também podem ser considerados necessários para o homem, mas que não estão sujeitos a uma restrição social ou institucional para acesso e consumo.

As notícias econômicas levaram várias nações a executar regulamentos sobre alguns tipos de bens econômicos.

Embora a regulação de preços na economia possa parecer uma solução para certos problemas, ela apenas perverte o mercado, limitando o acesso a certos bens e criando rotas de aquisição paralelas.

A limitação do acesso a bens econômicos pode responder principalmente a deficiências estruturais e funcionais no aparato produtivo e econômico de uma nação.

Na economia, as medidas responsáveis ​​pela resolução de estados de crise nem sempre beneficiam o cidadão comum no curto prazo. Isso também se aplica quando se fala de bens econômicos.

Relacionado:  Marie-Antoine Carême: Biografia, Obras e Contribuições

A avaliação de certos tipos de bens econômicos do tipo material foi transmutada nos mercados globais de hoje para a natureza inovadora e de reinvenção que pode possuir esse bem, e não sua funcionalidade.

A aceleração da economia global gerou uma produção excessiva de bens, consequência da geração de comportamentos de consumismo que anulam ou encurtam todo o potencial de consumo que um bem pode oferecer.

Os 8 principais tipos de bens econômicos

Todo bem econômico pode ser classificado por suas características físicas, suas qualidades de uso e consumo, bem como seu impacto e influência no mercado em que é apresentado como mercadoria.

1- Propriedade móvel

Propriedade móvel é qualquer objeto físico e tangível que pode ser negociado, sem limitações espaciais ou temporais.

Esses tipos de objetos recebem um valor econômico antecipadamente e, posteriormente, são modificados pelas condições, embora esse valor nunca desapareça completamente.

Todo bem móvel tem um valor no mercado e sua forma física pode ser comercializada em qualquer latitude do planeta, limitada apenas pelas regulamentações legais do território em que está localizado.

2- Imóveis

São os bens que, por suas qualidades de origem, apresentam uma impossibilidade de transferência e comercialização fora do ambiente em que foram concebidos.

Casas, prédios e departamentos são considerados os imóveis mais populares, pois atendem à demanda do local onde foram construídos.

Os imóveis não podem ser exportados, dadas as condições. Os serviços necessários para manter a operação de uma propriedade também são considerados bens não comercializáveis.

A principal diferença com bens móveis é a limitação que representa a transferência e sua comercialização em outros espaços.

3- Bens de consumo

Bens de consumo são todos aqueles destinados a satisfazer uma necessidade específica, quase sempre imediatamente. Eles são geralmente classificados de acordo com sua função específica.

Outra maneira de classificar os bens de consumo é de acordo com a sua durabilidade quando usados ​​ou consumidos.

Os alimentos são o maior exemplo de um bem de consumo não durável: ele atende a uma necessidade específica, mas sua existência e abundância são diminuídas com o consumo, a ponto de levar o consumidor a adquirir mais pagando seu custo econômico .

Relacionado:  As teorias populacionais mais importantes da América

As roupas, por outro lado, podem ser consideradas um bem de consumo durável; seu uso é garantido, pois cobre uma necessidade, mas seu limite de uso é incalculável, pois está sujeito a várias variáveis.

Existe uma terceira categoria de durabilidade para bens de consumo, e isso se aplica aos bens ou objetos conhecidos como perecíveis, que podem ser derrotados e inutilizados, independentemente de terem sido usados ​​pela primeira vez ou não.

4- Bens complementares

Geralmente, são bens materiais que requerem uso conjunto para garantir a satisfação de uma necessidade específica.

Geralmente são mercadorias cuja operação e finalidade são condicionadas pela presença de outro bem. Por exemplo, o uso de um dispositivo eletrônico requer acesso à eletricidade, assim como um carro precisa de gasolina para operar.

Muitos desses ativos encontram seu complemento em outros que são considerados básicos para o sustento das sociedades atualmente, como água, eletricidade, gás, entre outros.

Outros bens, no entanto, devem ser adquiridos separadamente para serem usados ​​juntos.

5- Bens substitutos

São todos os bens que representam uma substituição ou substituição por outro bem que pode encontrar qualidades semelhantes, mas cujo preço de mercado dificulta a aquisição.

A denominação de bem substituto decorre da valorização do consumidor. Quando não pode adquirir um determinado bem, deve recorrer a outras opções oferecidas pelo mercado e que possam satisfazer sua necessidade.

Essa necessidade pode ser satisfeita com uma eficácia diferente, mas está muito mais próxima do poder de compra do consumidor que a adquire.

6- Bens de capital

São os bens materiais e móveis necessários para influenciar a produção de outros bens, nos campos comercial e industrial.

Eles também são conhecidos como bens de produção. Não se trata da matéria-prima para a produção de outros bens, mas de elementos necessários cuja ausência dificultaria a materialização de mais bens.

Como exemplo, o caso de um jornal pode funcionar: seus bens de capital ou de produção são todos os equipamentos que o jornal possui como bens e necessários para a fabricação de seu material, também considerado um bem de consumo.

Relacionado:  As 10 características de um roteiro de rádio mais importante

Existe uma categoria intermediária chamada bens intermediários, que se refere aos bens materiais que compõem a estrutura dos bens de capital.

7- Bens privados

É uma das formas mais comuns de manifestação e categorização de um bem. Bens privados são aqueles que pertencem a um indivíduo em particular por regulamentos e estatutos legais.

A troca ou comercialização de um bem privado não requer apenas o consentimento do proprietário, mas também sua vontade de deixar de ser necessário.

Um bem privado pertence a um único indivíduo ou a um grupo específico de indivíduos previamente estabelecidos. Seu caráter de uso é considerado socialmente exclusivo e limitado.

As concepções e aplicações práticas e legais de direitos de propriedade e propriedade privada nascem da existência de bens privados.

8- Bens públicos

São todos os objetos e serviços, materiais ou imateriais, que têm uma qualidade de acesso disponível para cada indivíduo. Não tendo exclusividade, o uso e consumo desses bens não prejudica terceiros.

Esses produtos são geralmente considerados inclusivos e de uso gratuito. Seu financiamento e materialização, bem como sua manutenção subsequente, geralmente estão ligados a um órgão de maior hierarquia e poder dentro de uma sociedade.

Esse órgão tem a capacidade de fornecer a seus cidadãos serviços acessíveis, não se limitando à capacidade de compra ou monetária de indivíduos.

Como categorias intermediárias entre bens públicos e privados, também são considerados os chamados bens pagos para uso ou empresas públicas, que cumprem uma função exclusiva em um contexto condicionado.

Também se destacam bens comuns, cuja acessibilidade não é estritamente limitada, mas também não apresenta uma estrutura de controle sobre seus recursos de acesso e uso.

Referências

  1. ABC Color (20 de abril de 2007). Ciências sociais e suas tecnologias – bens econômicos . Obtido do ABC: abc.com.py
  2. Groot, RS, Wilson, MA, & Boumans, RM (2002). Uma tipologia para a classificação, descrição e avaliação de funções, bens e serviços do ecossistema. Ecological Economics , 393-408.
  3. Hill, TP (1977). Sobre Bens e Serviços. The Review of Income and Wealth , 315-338.
  4. Laczniak, G., Lusch, R., & Strang, W. (1981). Marketing Ético: Percepções de Bens Econômicos e Problemas Sociais. Journal of Macromarketing .

Deixe um comentário