O que são soluções mistas ou parentéricas?

As soluções mistas ou parentéricas são preparações farmacêuticas que combinam diferentes substâncias em uma única solução injetável. Essas soluções são administradas por via intravenosa, intramuscular ou subcutânea, permitindo a rápida absorção e distribuição dos medicamentos no organismo. Elas são utilizadas para tratamentos que requerem a administração de múltiplos fármacos de forma simultânea, facilitando a terapia e garantindo a eficácia dos tratamentos. As soluções parentéricas são frequentemente utilizadas em ambientes hospitalares e clínicas, onde é necessário um controle preciso da dosagem e da administração dos medicamentos.

Entenda a definição e importância da solução parental na educação dos filhos.

As soluções mistas ou parentéricas são soluções que são administradas diretamente na corrente sanguínea, contornando o trato gastrointestinal. Elas são utilizadas quando o paciente não consegue receber os nutrientes necessários via oral, seja por problemas de absorção ou por impossibilidade de ingerir alimentos.

Essas soluções podem conter uma combinação de nutrientes como carboidratos, proteínas, lipídios, vitaminas e minerais, e são administradas através de uma veia com o auxílio de um cateter. Elas garantem que o paciente receba os nutrientes essenciais de forma rápida e eficaz, sem depender da absorção pelo sistema digestivo.

É importante ressaltar que a administração de soluções parentéricas deve ser feita por profissionais capacitados, pois há riscos de complicações se não forem realizadas corretamente. A dosagem dos nutrientes deve ser precisa e monitorada constantemente para evitar possíveis efeitos adversos.

Em resumo, as soluções parentéricas são uma alternativa importante para garantir a nutrição adequada de pacientes que não podem receber alimentos via oral. Elas são uma ferramenta valiosa na área da saúde, permitindo que indivíduos com dificuldades de absorção ou ingestão de alimentos recebam os nutrientes de que precisam para manter a saúde e o bem-estar.

Parenteral na enfermagem: conceito e aplicações na prática clínica hospitalar e ambulatorial.

A administração de medicamentos por via parenteral é uma prática comum na enfermagem, especialmente em ambientes hospitalares e ambulatoriais. O termo parenteral se refere à administração de medicamentos fora do trato gastrointestinal, por meio de injeções intramusculares, intravenosas, subcutâneas, entre outras formas.

As soluções parentéricas são substâncias líquidas que contêm medicamentos dissolvidos ou suspensos em um veículo apropriado, sendo administradas diretamente na corrente sanguínea ou em outras partes do corpo. Elas são utilizadas para garantir uma absorção rápida e eficaz do medicamento, sendo indicadas em situações de emergência, quando a via oral não é possível ou quando é necessário um efeito imediato.

Relacionado:  Cloreto de zinco (ZnCl2): estrutura, propriedades, produção, usos

As soluções parentéricas podem ser classificadas em simples ou mistas. As soluções simples contêm apenas um tipo de medicamento, enquanto as soluções mistas, como o próprio nome sugere, são compostas por mais de um medicamento em uma única solução. Essas soluções mistas podem ser preparadas de acordo com a prescrição médica, levando em consideração a compatibilidade dos medicamentos e a estabilidade da solução.

Na prática clínica hospitalar e ambulatorial, as soluções parentéricas são frequentemente utilizadas para administrar antibióticos, analgésicos, soluções de reposição de eletrólitos, entre outros medicamentos. A enfermagem desempenha um papel fundamental na preparação e administração dessas soluções, seguindo as orientações do médico responsável e garantindo a segurança do paciente.

Em resumo, as soluções parentéricas são uma forma eficaz de administrar medicamentos diretamente na corrente sanguínea, proporcionando um efeito rápido e preciso. Na prática clínica, a enfermagem desempenha um papel crucial na administração dessas soluções, garantindo o cuidado adequado e a segurança do paciente.

O que são soluções mistas ou parentéricas?

As soluções parenterais mistos ou são preparações estéreis, contendo um ou mais princípios activos para a administração por injecção, infusão ou implantação no corpo. Eles são armazenados em recipientes de dose única ou de doses múltiplas (soluções parentéricas (por injeção), 2017).

As preparações parentéricas podem exigir o uso de excipientes, como solventes, substâncias para melhorar a solubilidade, agentes de suspensão, agentes tamponantes, substâncias para a preparação isotônica com sangue, estabilizadores ou conservantes antimicrobianos. A adição de excipientes é mantida no mínimo.

O que são soluções mistas ou parentéricas? 1

A água para injeções é usada como veículo para injeções aquosas. A esterilização nesta fase pode ser omitida, desde que a preparação seja submetida à esterilização terminal.

Para injeções não aquosas, os óleos vegetais são usados ​​como veículos (The International Pharmacopoeia, 2016).

Quando se trata de soluções parentéricas mistas, refere-se a um tipo de solução parenteral em que o soro fisiológico é misturado com o soro glucosado.

As soluções mistas, também chamadas de solução glucosalina, consistem em glicose anidra, glicose monohidratada e cloreto de sódio.

Em geral, essas soluções são encontradas de maneira isotônica, hipertônica e hipotônica, com um uso específico de cada uma.

As soluções são preparadas dissolvendo 50 gramas de glicose e 1,8 gramas de cloreto de sódio em cada litro de solução (320 mOsm / l) no caso da solução isotônica.

Relacionado:  Espectro de absorção: absorção atômica, visível e em moléculas

A solução hipotônica é preparada dissolvendo 33 gramas de glicose e 3 gramas de cloreto de sódio em cada litro de solução.

O hipertônico é preparado com 0,9 gramas de cloreto de sódio e 5 gramas de glicose por 100 mililitros de solução (560 mOsm / l).

Importância de soluções mistas na nutrição parenteral

Todos nós precisamos de comida para viver. Às vezes, uma pessoa não pode consumir nenhum alimento ou sua ingestão é insuficiente devido a uma doença.

O estômago ou intestino pode não funcionar normalmente ou uma pessoa pode ter sido operada para remover parte ou todos esses órgãos.

O apoio nutricional em terapia intensiva representa um desafio, mas é uma sorte que seu parto e acompanhamento possam ser monitorados de perto (Pierre Singer, 2009).

Nesses casos, a nutrição deve ser fornecida de uma maneira diferente. Um método é “nutrição parenteral” (nutrição intravenosa) (Sociedade Americana de Nutrição Parenteral e Enteral (ASPEN), SF).

A nutrição parenteral continua sendo um tópico de intenso interesse na pesquisa. Foi agora demonstrado que não oferece vantagem, mas está associado a uma maior frequência de complicações, em comparação com a nutrição enteral em pacientes com câncer gastrointestinal.

O suporte nutricional administrado por via intraportal, combinado com analgesia multimodal, parece oferecer certas vantagens metabólicas e clínicas em comparação com o administrado por veias sistêmicas.

No entanto, a nutrição parenteral não impede a diminuição da capacidade antioxidante observada após grandes cirurgias, e as linhas de alimentação apresentam um fator de risco adicional para candidíase sistêmica no ambiente de terapia intensiva (Paul Kitchen, 2003).

As soluções de glucosalina fornecem ao paciente entre 132 e 200 kCal por litro de solução. Os íons sódio e cloro são os principais componentes inorgânicos do fluido extracelular, mantendo uma pressão osmótica apropriada do plasma sanguíneo e do fluido extracelular.

Solução isotônica de glucosalina preenche um déficit de fluidos corporais durante a desidratação.

A solução hipertônica de glucosalina para uma injeção intravenosa fornece uma correção da pressão osmótica do líquido extracelular e do plasma sanguíneo . Quando aplicada topicamente em oftalmologia, a glucosalina (cloreto de sódio) tem um efeito anti-edema.

Quando uma solução mista deve ser usada?

A glucosalina como solução isotônica é prescrita quando há desidratação de várias origens, para manter o volume de plasma sanguíneo durante e após a cirurgia e como solvente para vários medicamentos.

A solução é utilizada em casos pediátricos com desidratação hipertônica, coma de insulina e coma hepático

Relacionado:  Número de Avogadro: história, unidades, como é calculado, usa

A solução hipertônica é prescrita quando:

  • Há violações do metabolismo eletrolítico da água, como a falta de íons sódio e cloro.
  • Seshidratação hipoosmótica de várias origens (devido a vômitos prolongados, diarréia, queimaduras com fístula gástrica.
  • Hemorragia pulmonar
  • Sangramento intestinal.

A solução isotônica é prescrita nas terapias de liberação de líquidos e na manutenção do coma hiperosmolar de um paciente diabético com glicemia superior a 300 mg / dl.

Esta solução não contém nenhum agente bacteriostático, agente antimicrobiano ou tampão adicionado, sendo pensada apenas como uma injeção de dose única. Quando doses menores são necessárias, a porção não utilizada deve ser descartada.

Contradições e efeitos colaterais

A nutrição parenteral não deve ser usada rotineiramente em pacientes com um trato GI intacto (Thomas, 2017). Comparado à nutrição enteral, apresenta as seguintes desvantagens:

-Provoca mais complicações.

-Não preserva a estrutura e a função do trato gastrointestinal.

-É mais caro.

Entre os efeitos colaterais que as soluções mistas podem causar, podemos encontrar reações como: náusea, vômito, diarréia, cãibras no estômago, sede, lacrimejamento, sudorese, febre, taquicardia, hipertensão, disfunção renal, edema, dificuldade respiratória, espasmos e hipertonia muscular.

Os soros glicosilados são contra-indicados quando há quadros de hipernatremia, hiperidratação, ameaça de edema pulmonar , edema cerebral , hipercloremia, hiperlacticidemia, traumatismo craniano , hipervolemia e doença renal grave.

Deve-se tomar cuidado com o uso de grandes quantidades de solução de glucosalina em pacientes com insuficiência renal e função excretora e hipocalemia.

A injeção de grandes quantidades de solução pode levar à acidose por cloreto, hiperidratação, aumento da excreção de potássio do organismo.

A solução hipertônica de glucosalina não deve ser aplicada por via subcutânea e intramuscular.

Com o uso prolongado, é necessário controlar a concentração de eletrólitos no plasma e a produção diária de urina. A temperatura da solução para infusão deve ser de 38 ° C (MEDICAÇÃO: GLUCOSALINA, SF).

Referências

  1. Sociedade Americana de Nutrição Parenteral e Enteral (ASPEN). (SF). O que é nutrição parenteral. Recuperado de nutritioncare.org.
  2. MEDICAÇÃO: GLUCOSALINA. (SF). Recuperado de medicinee.com.
  3. Soluções parentéricas (por injeção). (16 de junho de 2017). Recuperado de pennstatehershey.adam.com.
  4. Paul Kitchen, AF (2003). Nutrição Parenteral Recuperado de medscape.com.
  5. Pierre Singer, PS (2009). Diretrizes da ESPEN sobre nutrição parenteral: terapia intensiva. Clinical Nutrition 28, 387-400.
  6. A Farmacopeia Internacional. (2016). Preparações parenterais. Recuperado de apps.who.int.
  7. Thomas, DR (fevereiro de 2017). Nutrição Parenteral Total (NPT). Recuperado de msdmanuals.com.

Deixe um comentário