Os 4 elementos mais importantes da lei

Os elementos da lei são o sujeito ativo, o contribuinte, o benefício e a garantia. Esses elementos são inspirados nos postulados da justiça e segurança jurídica.

Para que a regra legal seja aplicada, esses quatro elementos devem ser reunidos, que são inseparáveis ​​porque estão intimamente relacionados.

Os 4 elementos mais importantes da lei 1

Graças à compreensão e diferenciação desses quatro elementos essenciais, o cumprimento das obrigações legais entre os sujeitos pode ser exigido no âmbito das relações jurídicas.

Os 4 principais elementos do direito

1- Assunto ativo

O sujeito ativo, também chamado de credor em direito privado, é a pessoa singular ou coletiva em quem o benefício da norma legal se enquadra, e é aquele que é obrigado a cumprir as regras e regras da lei.

Por exemplo: a Constituição da maioria dos países indica que o direito à educação é garantido. Nesse caso, os alunos passam a representar o assunto ativo.

2- Assunto passivo

É também chamado de devedor em direito privado. Como no sujeito ativo, esta deve ser uma pessoa singular ou coletiva.

O contribuinte será obrigado a cumprir as obrigações em benefício do titular do direito; isto é, do sujeito ativo.

O exemplo mais óbvio é encontrado no direito penal. O sujeito ativo passa a representar o infrator que infringe a lei, o contribuinte é a vítima, é aquele que sofre a lesão e é prejudicado pela violação da lei.

3- A provisão

Existem quatro requisitos para que o benefício ocorra. Eles devem ser capazes de ser precisos ou determinados, devem ser fisicamente possíveis, devem ser amplamente aceitos pela moral e devem ser aceitos por lei.

Os benefícios, por sua vez, são classificados em outros subtipos: provisão de doação, provisão de fazer e provisão de não fazer.

Relacionado:  Os 17 tipos de linguagem mais comuns no ser humano

Prestação de doações

São aqueles em que um indivíduo que adquire uma dívida é forçado a pagar um direito real sobre uma coisa. Isso é observado na compra e venda de contratos habitacionais.

Prestação de fazer

Refere-se às obrigações que o contribuinte contrai e que ele é obrigado a cumprir de acordo com a lei.

Por exemplo, nos contratos de locação, o inquilino deve se comprometer a manter a propriedade em boas condições.

Prestação de não fazer

Nesse caso, o sujeito ativo compromete-se a não tomar ou executar uma ação previamente estabelecida nos regulamentos legais.

Um exemplo dessa situação é quando o inquilino concorda com o arrendador para não alugar quartos.

4- Garantia

A garantia é a representação da autoridade social e legal a quem é apropriado aplicar as sanções de maneira coercitiva, para que a lei não seja violada.

Para alcançar seu objetivo, a garantia faz uso da força pública de maneira preventiva, por exemplo, quando são tomadas medidas de precaução; e repressivamente, quando o autor é privado da liberdade.

Referências

  1. Kelsen, H. (2000). Teoria pura do direito. Santiago: Editorial La Ley. Obtido em 3 de dezembro de 2017 em: dspace.utalca.cl
  2. Bidart, G. (1995). O direito da constituição. Mar de Prata: EDIAR. Recuperado em 03 de dezembro de 2017 de: aadconst.org.ar
  3. García, E. (1990). Introdução ao estudo do direito. México: Editorial Porrua. Recuperado em 03 de dezembro de 2017 de: udg.mx
  4. Aguirre, M. (sf). Elementos essenciais do direito. Retirado em 03 de dezembro de 2017 de: academia.edu
  5. Kelsen, H. (1995). Teoria geral do direito e do Estado. Recuperado em 03 de dezembro de 2017 de: books.google.es

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies