Os 5 mitos e lendas mais populares do Nariño

Nariño, localizado no sudoeste da Colômbia, é uma região rica em cultura e tradição, repleta de mitos e lendas que fazem parte do imaginário popular. Neste artigo, vamos explorar os cinco mitos e lendas mais populares do Nariño, que têm sido passados de geração em geração e continuam a encantar e assombrar os habitantes locais. Prepare-se para mergulhar em um mundo de mistério e fantasia, onde as histórias se misturam com a realidade e o sobrenatural se torna parte do cotidiano.

Descubra os sete mitos mais comuns que muitas pessoas acreditam erroneamente.

Os mitos e lendas fazem parte da cultura popular de muitas regiões do mundo, e o Nariño não é uma exceção. Nesta região da Colômbia, existem várias histórias que são passadas de geração em geração, algumas das quais são baseadas em fatos reais, enquanto outras são completamente fictícias. Neste artigo, vamos explorar os cinco mitos e lendas mais populares do Nariño e desmistificar algumas ideias errôneas que muitas pessoas têm sobre eles.

Um dos mitos mais famosos do Nariño é o da Yacumama, uma criatura mítica que habita as águas dos rios e lagos da região. De acordo com a lenda, a Yacumama é uma serpente gigante que pode devorar seres humanos inteiros. Embora muitos acreditem na existência dessa criatura, não há evidências concretas de sua realidade.

Outro mito popular no Nariño é o da Patetarro, um ser misterioso que se esconde nas montanhas e assombra os viajantes que se aventuram por essas áreas. Diz-se que o Patetarro é uma criatura monstruosa com olhos brilhantes e garras afiadas, mas não há relatos verificados de encontros com essa entidade sobrenatural.

Além disso, muitas pessoas acreditam no mito do Chullachaqui, um ser travesso que pode assumir a forma de qualquer pessoa. Diz-se que o Chullachaqui gosta de pregar peças nas pessoas, levando-as a se perder na floresta ou a se envolver em situações perigosas. No entanto, não há provas concretas da existência dessa criatura na vida real.

Outro mito popular do Nariño é o da Llorona, uma mulher fantasmagórica que vaga pelas estradas à noite, chorando a perda de seus filhos. Muitas pessoas afirmam ter ouvido o lamento da Llorona durante a noite, mas não há evidências concretas de sua existência.

Por fim, o mito do El Dorado também é muito difundido no Nariño, com muitas pessoas acreditando que a cidade perdida de ouro ainda existe em algum lugar nas montanhas da região. No entanto, os arqueólogos nunca encontraram evidências sólidas da existência de El Dorado, tornando essa lenda mais um conto do que uma realidade.

Principais mitos e lendas: quais são as histórias mais populares e fascinantes?

Os mitos e lendas são parte importante da cultura de muitas regiões, passando de geração em geração e marcando a identidade de um povo. No departamento de Nariño, na Colômbia, não é diferente. Conheça agora os 5 mitos e lendas mais populares desta região.

A Lenda do Mohán

Uma das histórias mais conhecidas em Nariño é a lenda do Mohán, um ser místico que habita as margens dos rios e lagos. Diz a lenda que ele é um guardião da natureza e protege os animais e plantas da região. Muitos moradores afirmam ter visto o Mohán, descrevendo-o como um homem alto, com cabelos longos e olhos vermelhos.

Relacionado:  Erupção havaiana: como ocorre e apresenta

O Duende de Las Lajas

Outra lenda famosa em Nariño é a do Duende de Las Lajas, um pequeno ser mágico que vive nas montanhas da região. Diz a lenda que ele é um guardião das cavernas e das árvores, protegendo a natureza de qualquer ameaça. Muitos acreditam que quem vê o Duende de Las Lajas é abençoado com sorte e prosperidade.

A Sirena Encantada

A lenda da Sirena Encantada também é muito popular em Nariño. Diz a lenda que uma bela sereia vive nas águas cristalinas de uma lagoa secreta, encantando todos que a veem com sua voz melodiosa. Muitos pescadores afirmam ter ouvido o canto da Sirena Encantada durante a noite, trazendo-lhes paz e tranquilidade.

O Nguno

O Nguno é outro mito muito presente na cultura de Nariño. Trata-se de um ser místico que habita as florestas da região, protegendo os animais e as plantas. Diz a lenda que o Nguno é um guardião da sabedoria ancestral e que aqueles que o encontram são abençoados com conhecimento e prosperidade.

O Tesouro Escondido

Por fim, a lenda do Tesouro Escondido é uma das mais fascinantes de Nariño. Diz a lenda que um tesouro perdido está enterrado em algum lugar das montanhas da região, guardado por espíritos misteriosos. Muitos aventureiros já tentaram encontrar o tesouro, mas até hoje ele permanece escondido, alimentando a imaginação e os sonhos dos moradores de Nariño.

Os mitos e lendas de Nariño são parte fundamental da identidade cultural desta região, transmitindo valores, crenças e tradições de geração em geração. São histórias que encantam e fascinam, tornando a cultura de Nariño ainda mais rica e diversificada.

Entenda o significado de um mito popular e sua importância na cultura contemporânea.

Os mitos populares são narrativas tradicionais que fazem parte da cultura de um povo, transmitidas oralmente de geração em geração. Eles possuem um significado simbólico que reflete aspectos da sociedade, valores, crenças e medos de uma determinada comunidade. Essas histórias contribuem para a construção da identidade cultural e são fundamentais para compreender a história e os costumes de um povo.

Na cultura contemporânea, os mitos populares continuam exercendo uma forte influência, sendo recontados e reinterpretados de diversas formas, como em filmes, livros, músicas e até mesmo em memes na internet. Eles despertam o interesse do público, alimentam a imaginação e promovem a reflexão sobre questões universais.

No departamento de Nariño, na Colômbia, existem diversos mitos e lendas que fazem parte do folclore local. Entre os mais populares, destacam-se o “El Mohán”, uma criatura mítica que habita as margens dos rios e que possui poderes sobrenaturais para proteger a natureza, e “La Llorona”, uma mulher que chora pela morte de seus filhos e assombra aqueles que cruzam seu caminho.

Outro mito famoso em Nariño é o “El Sombrerón”, um ser que seduz as mulheres com seu chapéu enfeitado e seu violão, levando-as a enlouquecer de amor. Já “El Culebrero” é uma cobra gigante que assombra os habitantes da região, enquanto “La Patasola” é uma criatura monstruosa com um pé só que aterroriza os viajantes.

Esses mitos e lendas são parte integrante da cultura de Nariño, transmitindo valores, ensinamentos e tradições que são passados de geração em geração. Eles ajudam a preservar a identidade cultural da região e a manter viva a memória do povo colombiano.

Diferença entre mito e lenda: explicação das narrativas tradicionais e suas origens culturais.

Os mitos e lendas são narrativas tradicionais que fazem parte da cultura de diferentes povos ao redor do mundo. Apesar de terem semelhanças, essas histórias possuem características que as distinguem. Os mitos são relatos que explicam a origem do mundo, dos deuses, dos seres humanos e de outros elementos da natureza. Já as lendas são narrativas populares que misturam fatos reais com elementos fantásticos, geralmente envolvendo personagens históricos ou locais específicos.

Na região de Nariño, na Colômbia, existem diversos mitos e lendas que são passados de geração em geração. Alguns dos mais populares são:

1. La Llorona: Uma lenda que conta a história de uma mulher que chora a perda de seus filhos e assombra as margens dos rios durante a noite.

2. El Mohán: Um mito que descreve um ser místico que protege as florestas e rios, mas que também pode ser perigoso para aqueles que o desrespeitam.

3. El Duende: Uma criatura pequena e travessa que habita as montanhas e florestas, pregando peças nas pessoas que se aventuram por esses lugares.

4. El Sombrerón: Um personagem que usa um chapéu grande para esconder seu rosto e seduzir mulheres, deixando-as enfeitiçadas e perdidas.

5. El Sisimiqui: Um mito que fala de uma serpente gigante que vive nas profundezas dos rios e que protege os tesouros escondidos.

Essas histórias, transmitidas oralmente ao longo dos anos, fazem parte da rica tradição cultural de Nariño e ajudam a manter viva a identidade e as crenças do povo da região. São relatos que misturam realidade e fantasia, revelando aspectos importantes da cultura e da história local.

Os 5 mitos e lendas mais populares do Nariño

Os principais mitos e lendas de Nariño são o pai decapitado, o carro, o duende, a casa e a viúva que se transforma. Essas histórias fantásticas permaneceram por décadas e até séculos no imaginário da cidade de Nariño.

Essas narrativas, transmitidas oralmente em princípio, serviram para educar e incutir medo sobre aspectos morais ou comportamentais, e até para explicar fenômenos naturais.

Os 5 mitos e lendas mais populares do Nariño 1

Nariño faz parte das regiões do Pacífico e Andina da Colômbia e sua capital é San Juan de Pasto.

As 5 lendas mais destacadas de Nariño

1- O pai sem cabeça

Representa uma das lendas mais famosas de Nariño. É um frade franciscano que aparece tarde da noite assustando quem o encontra.

Ele se mostra como uma figura demoníaca assustadora, sem cabeça, e do pescoço transborda sangue em grandes quantidades.

Relacionado:  Willis Haviland Carrier: biografia e contribuições

Segundo a lenda, esse fantasma ou espectro geralmente aparece nos arredores da igreja de Santiago, geralmente para homens alcoólatras ou que estão em maus passos.

2- O carro

Essa lenda tem raízes indígenas e narra o amor entre o chefe Pucara e a empregada doméstica Tamia. Desta união nasceu a encarnação da estrela, o vento e a estrela.

Esses cinco personagens viviam no vale atualmente ocupado por Nariño e eram responsáveis ​​por cuidar de sete grandes cidades que existiam lá.

A tragédia atinge esses personagens, quase semideuses, quando a linda princesa Tamia decide deixar seu marido Pucara, que se retira para morar longe das sete cidades no topo da montanha.

Tamia começa sem vergonha seu romance com Munami, despertando o ódio dos habitantes das sete cidades.

O desprezo por parte dos habitantes das sete cidades era tal que eles se recusaram a vender ou fornecer comida ao novo casal de amantes.

Desesperados pela fome, os amantes usam a inocência de uma criança para enganá-lo e fazem com que ele lhes dê um pedaço de pão e uma pilha de água.

Desta ação vem o infortúnio. Entregado em um ato de amor, aparece um mosquito chamado mosca, pica Munami e começa a vomitar água em níveis que inundam as sete cidades.

Isso trouxe a morte para ele, Tamia e todos os habitantes da região, que estão imersos para sempre no que hoje é conhecido como Lago Guamuez ou Lago Cocha.

3- O elfo

Os habitantes das áreas montanhosas e arborizadas de Nariño acreditam na presença de elfos que roubam crianças e adolescentes.

Eles recomendam que as crianças não tomem banho quando vão à montanha, para repelir suas más intenções.

4- A casa

Nunca perca histórias de fantasmas em casas emblemáticas. O medo da casa conta a morte fatídica de uma jovem um dia antes do casamento.

Isso parecia morto com seu vestido de noiva e, a partir desse momento, atinge os visitantes e habitantes de uma antiga casa de estilo colonial, hoje um reconhecido centro de saúde em Pasto.

5- A viúva que transforma

Geralmente parece que homens bêbados parecem uma mulher bonita. Ele geralmente os leva com seus encantos ao cemitério para colocá-los dentro de cofres.

Também os leva ao rio, tentando fazê-los cair nele, para que eles morram afogados.

Referências

  1. J. Ocampo. (2006). Mitos e lendas latino-americanas. Bogotá: Plaza e Janes. Recuperado em 17 de novembro de 2017 de: books.google.es
  2. J. Ocampo. (2006). Mitos, lendas e histórias colombianas. Bogotá: Plaza e Janes. Recuperado em 17 de novembro de 2017 de: books.google.es
  3. M, Hatch; M, Benavides; R, espinhoso. (2004). Mitos e lendas da região andina de Nariño para o imaginário infantil. Retirado em 17 de novembro de 2017 de: udenar.edu.co
  4. Ou paz. (2007). Mitos e arte indígena nos Andes. Recuperado em 17 de novembro de 2017 de: books.google.es
  5. L, Juaspuezán. (2015). Tradição oral das comunidades de Nariño. Obtido em 17 de novembro de 2017 de: umanizales.edu.co

Deixe um comentário