Os 7 sistemas montanhosos mais importantes do México

O México é um país rico em paisagens montanhosas, abrigando diversos sistemas montanhosos que são de extrema importância para sua geografia e biodiversidade. Entre esses sistemas, destacam-se sete que se destacam pela sua imponência e beleza. Cada um desses sistemas montanhosos possui características únicas que os tornam únicos e essenciais para a região em que se encontram. Neste artigo, vamos explorar os sete sistemas montanhosos mais importantes do México e suas peculiaridades.

Características do relevo mexicano: montanhas, planícies e vulcões destacam-se na geografia do país.

O México é um país com uma geografia diversificada, caracterizada por uma grande variedade de montanhas, planícies e vulcões. As montanhas são uma das características mais marcantes do relevo mexicano, com sete sistemas montanhosos que se destacam pela sua beleza e imponência.

Um dos sistemas montanhosos mais importantes do México é a Sierra Madre Ocidental, localizada na parte ocidental do país. Esta cadeia de montanhas se estende por cerca de 1.500 quilômetros e é lar de uma grande variedade de flora e fauna.

A Sierra Madre Oriental é outro sistema montanhoso importante no México, localizado na parte oriental do país. Esta cadeia de montanhas se estende por mais de 1.000 quilômetros e é lar de várias espécies endêmicas.

Outro sistema montanhoso relevante é a Sierra Madre del Sur, localizada no sul do México. Esta cadeia de montanhas se estende por cerca de 1.200 quilômetros e é lar de diversas comunidades indígenas.

Além desses sistemas montanhosos, o México também é lar de montanhas como o Pico de Orizaba, o Popocatépetl e o Iztaccíhuatl, vulcões que fazem parte da paisagem única do país.

Principais rios mexicanos: conheça os cursos d’água mais importantes do país.

Os rios mexicanos desempenham um papel fundamental na geografia e na vida do país. México possui uma grande variedade de rios, que são essenciais para a agricultura, o abastecimento de água e a navegação. Vamos conhecer alguns dos principais rios mexicanos.

O rio Grande, que faz fronteira com os Estados Unidos, é um dos rios mais importantes do país. Ele se estende por mais de 3.000 quilômetros e é vital para a agricultura e o abastecimento de água em várias regiões mexicanas. Outro rio de destaque é o rio Balsas, que é conhecido por suas corredeiras e é utilizado para a geração de energia hidrelétrica.

O rio Grijalva é outro curso d’água essencial no México, sendo um dos mais longos do país. Ele atravessa várias regiões montanhosas e é fundamental para a navegação e o transporte de mercadorias. Já o rio Panuco é conhecido por sua importância histórica e cultural, além de ser uma importante fonte de água para várias cidades mexicanas.

Além desses rios, o México também conta com o rio Yaqui, o rio Pánuco e o rio Usumacinta, cada um com sua importância e características únicas. Esses cursos d’água desempenham um papel crucial na vida do país e na sustentabilidade de suas diversas regiões.

Os pontos turísticos mais notáveis do México: o que você não pode perder!

Os 7 sistemas montanhosos mais importantes do México oferecem uma variedade de paisagens deslumbrantes e oportunidades para os amantes da natureza explorarem. No entanto, além das montanhas, o México também é conhecido por seus pontos turísticos imperdíveis que devem ser visitados durante uma viagem ao país.

Um dos destinos mais populares é Chichén Itzá, uma antiga cidade maia localizada na Península de Yucatán. Com sua famosa pirâmide de Kukulcán, este sítio arqueológico é imperdível para quem deseja conhecer mais sobre a cultura maia e a história do México.

Relacionado:  Terra Equador: características, geodésia, países, clima

A Cidade do México, a capital do país, é outro ponto turístico essencial. Com sua rica história, arquitetura impressionante e uma infinidade de museus e galerias de arte, a Cidade do México oferece uma experiência cultural inigualável.

Para os amantes de praias paradisíacas, Cancún é o lugar perfeito. Com suas águas cristalinas e areias brancas, este destino turístico é ideal para relaxar e desfrutar do clima tropical mexicano.

O México também é lar de sítios arqueológicos impressionantes, como Teotihuacán e Palenque, que oferecem aos visitantes uma visão fascinante da história antiga do país. Explorar esses locais é uma experiência única e enriquecedora.

Além disso, não se pode esquecer da gastronomia mexicana, que é reconhecida mundialmente por sua variedade e sabor. Experimentar pratos tradicionais como tacos, tamales e mole é uma parte essencial de qualquer viagem ao México.

Portanto, ao planejar sua viagem ao México, não deixe de incluir esses pontos turísticos notáveis em seu itinerário. Com uma combinação de história, cultura, natureza e gastronomia, o México oferece uma experiência única e inesquecível para todos os viajantes.

Qual é a denominação oficial do país localizado entre os Estados Unidos e a América Central?

Localizado entre os Estados Unidos e a América Central, o país é oficialmente denominado de México. Com uma extensão territorial de 1.964.375 km², o México é conhecido por sua rica diversidade geográfica, que inclui diversos sistemas montanhosos.

Os 7 sistemas montanhosos mais importantes do México

O México possui sete sistemas montanhosos de grande importância, que contribuem significativamente para a sua paisagem e ecossistema. Entre eles, destacam-se a Serra Madre Oriental, a Serra Madre Ocidental, a Serra Madre del Sur, a Serra Madre de Chiapas, a Serra Nevada, a Cordilheira Neovulcânica e a Cordilheira Mexicana.

Cada um desses sistemas montanhosos possui características únicas, proporcionando habitats diversos para uma variedade de espécies de flora e fauna. Além disso, essas cadeias de montanhas desempenham um papel vital na regulação do clima e na conservação da biodiversidade no México.

Portanto, a geografia montanhosa do México não apenas embeleza o país, mas também desempenha um papel fundamental em sua ecologia e sustentabilidade ambiental.

Os 7 sistemas montanhosos mais importantes do México

Os 7 sistemas montanhosos mais importantes do México

Os sistemas montanhosos do México incluem extensas cadeias de montanhas e cordilheiras, sistemas e corpos vulcânicos e corpos montanhosos de menor altitude. O México tem uma das maiores diversidades geográficas e geológicas do mundo.

O México tem uma série de sistemas de montanhas oficialmente categorizados ao longo dos anos, compreendendo uma sequência de corpos e relevos geológicos. A grande geodiversidade mexicana influencia outros aspectos naturais, como clima, flora e fauna.

Os corpos vulcânicos e seus sistemas internos também são considerados entre os sistemas de montanhas mexicanos, que exercem uma grande influência na geografia do México.

A posição do território mexicano e seu contato com o Oceano Pacífico em uma extremidade e o Golfo do México na outra condicionaram as qualidades naturais de suas regiões.

Acidentes e corpos geológicos mexicanos pertencentes a esses sistemas montanhosos foram considerados parte fundamental do nascimento e do desenvolvimento histórico, econômico e social do México como nação.

Os principais sistemas montanhosos incluem a Sierra Madre Oriental, a Sierra Madre Occidental e a Cordillera Neovolcánica, além da conquista de cadeias de montanhas e elevações menores.

Relacionado:  Relevo colombiano: cadeias de montanhas, montanhas, planaltos, planícies, depressões, ilhas

Os quatro sistemas montanhosos mais importantes  do México

1- Serra Madre Oriental

A Sierra Madre Oriental é considerada a espinha dorsal entre as Américas do Norte e Central, sendo uma cadeia de montanhas que se estende por mais de 1.000 quilômetros de norte a sul, do Texas ao norte; a Puebla, ao sul, onde está integrado às formações do Eixo Neovolcânico.

Faz parte do que é considerado o grande corpo da Cordilheira americana, que se estende por grande parte do continente americano.

A Sierra Madre Oriental possui diferentes características climáticas ao longo de seu comprimento, apresentando um ambiente muito mais árido ao norte e um caráter mais temperado e úmido ao sul.

As principais montanhas do território mexicano pertencentes à Sierra Madre Oriental são Cerro San Rafael, Cerro El Potosí e Sierra de la Marta; todos com uma altura aproximada superior a 3.500 metros acima do nível do mar.

A colina de San Rafael é considerada a mais alta de toda a Sierra Madre Oriental.

A extensão da Sierra Madre Oriental apresenta um alto nível de biodiversidade, incluindo espécies endêmicas da flora e fauna.

As áreas mais altas contêm florestas de pinheiros, cujas espécies são exclusivas da região. Essas florestas são geralmente o refúgio de espécies únicas de borboletas, além de pequenos animais, como raposas e pássaros.

2- Sierra Madre Occidental

O Sierra Madre Occidental se estende paralelamente ao Oriental, próximo à costa do Pacífico.

Sua formação começa no auge de Sonora e inclui a zona oeste de diferentes regiões mexicanas, como Chihuahua, Sinaloa, Durango, Guanajuato, entre outras. Tem uma extensão total de 1.250 quilômetros, terminando no cruzamento com a Sierra Madre del Sur e o Eixo Neovolcanico.

A elevação mais alta da Sierra Madre Occidental pertence ao Cerro Gordo, em Durango, com uma altura superior a 3.300 metros acima do nível do mar.

Ao contrário da Sierra Madre Oriental, a ocidental apresenta uma vegetação menos árida em sua zona norte, sendo considerada o pulmão do norte do México.

Como o oriental, o Sierra Madre Occidental possui um alto nível de biodiversidade. Estima-se que haja mais de 7.000 espécies entre fauna e flora e mais da metade tenha sido classificada como endêmica.

Da mesma forma, grande parte do solo que compõe a Sierra Madre Ocidental, em algumas de suas regiões, possui características vulcânicas.

3- Serra Madre del Sur

Considerada a menos extensa dos principais sistemas montanhosos do México, a Sierra Madre del Sur se estende paralelamente ao Eixo Neovolcânico e inclui as regiões de Michoacán, Guerrero e Oaxaca. Tem um comprimento entre 1.000 e 1.200 quilômetros.

Sua elevação mais pronunciada é a colina Quie Yelaag, nome Zapotec traduzida como “nuvem de flan”, também conhecida popularmente como colina El Nacimiento.

Está localizado ao sul de Oaxaca e tem uma altura de 3.720 metros acima do nível do mar. É mais alto que as principais colinas da Serra Madre Oriental e Ocidental. Seu isolamento não permite maior popularidade entre locais e estrangeiros.

A Sierra Madre del Sur caracteriza-se por apresentar um grande número de rios em sua extensão, além de uma maior presença de falhas e desfiladeiros. Como seus pares, possui grande biodiversidade, incluindo um alto número de espécies endêmicas.

4- Eixo neovolcânico

Também conhecido como Eixo Vulcânico Transversal, é um grande grupo de corpos vulcânicos considerados uma barreira natural entre as Américas do Norte e Central.

Relacionado:  Rio Lena: características, boca, poluição

Localizado na parte sul do México, representa o fim das Madres das serras orientais e ocidentais e corre paralelo à Sierra Madre del Sur.

O Eixo Neovolcânico tem uma extensão de aproximadamente 900 quilômetros. Os principais vulcões do México estão localizados nesta cordilheira vulcânica, com Citlaltepetl, conhecido em espanhol como Pico de Orizaba, o vulcão e montanha mais alto de todo o México.

Este vulcão tem uma altitude de 5.747 metros acima do nível do mar, está localizado entre Puebla e Veracruz, é considerado um vulcão ativo.

Os vulcões do Eixo são tão altos que nevam nos cumes por grande parte do ano.

Nas regiões de maior altitude, a constante sucessão de corpos vulcânicos pode ser vista em todo o eixo, passando pela região central do México, ao sul.

Entre os outros principais vulcões do Eixo estão o vulcão Paricutín (o mais recente a ser oficialmente reconhecido como parte do Eixo Neovolcanico), em Michoacán; o Cimatario, em Querétaro; os vulcões de Fuego e el Nevado, de Colima; El Nevado, de Toluca; o Sanguanguey, em Nayarit; Malinche e Popocatepetl. Todos esses vulcões têm uma altitude acima de 2.000 metros acima do nível do mar.

5- Serra Madre de Chiapas

Também chamada Cordilheira Central, atravessa o sul do México, Guatemala, El Salvador e uma pequena parte de Honduras. Sua formação data do final da era secundária, no final do período cretáceo tardio.

A Serra corre de norte a sul, fazendo fronteira com 600 km da costa do Pacífico. Seu nascimento ocorre no México, no rio Ostuta. A territorialidade mexicana termina na fronteira com a Guatemala.

No México, o nível mais alto está localizado no vulcão Tacaná, com 4092 msnm, no entanto, na Guatemala, encontramos o vulcão Tajumulco que excede 4220 msnm.

6- Serra Madre de Oaxaca

Cordilheira que deve seu nome ao fato de que a maior parte de seu relevo está localizada no estado de Oaxaca. No entanto, também ocupa áreas de Veracruz e Puebla. 

É uma extensão da Sierra Madre Oriental que nasce no Pico de Orizaba. Estende-se a sudeste por cerca de 300 km até chegar ao istmo de Tehuantepec. Seu ponto mais alto é Cerro Pelón, com 3270 msnm.

7- Serra da Baja California

Relevo montanhoso localizado no norte do estado da Baja California, praticamente próximo à fronteira com os Estados Unidos. Ao lado está a Serra de San Pedro Mártir.

Também conhecida como Sierra de Juárez, ela se estende por cerca de 140 quilômetros ao sul e seu pico mais alto atinge 1980 metros acima do nível do mar.

Referências

  1. Demant, A. (1978). Características do Eixo Neovolcanico Trans-Mexicano e seus problemas de interpretação. Universidade Autônoma Nacional do México, Institute of Geology, Magazine , 172-187.
  2. Díaz, GA, e Martínez, ML (2001). Caldeira Amazcala, Queretaro, México. Geologia e Geocronologia. Journal of Volcanology and Biothermal Research , 203-218.
  3. González-Elizondo, MS, González-Elizondo, M., Tena-Flores, JA, Ruacho-González, L., & López-Enríquez, L. (2012). Vegetação da Sierra Madre Ocidental, México: uma síntese. Lei Botânica Mexicana .
  4. Luna, I., Morrone, JJ e Espinosa, D. (2004). Biodiversidade da Sierra Madre Oriental. México, DF: The Science Presses, Faculdade de Ciências, UNAM.
  5. Morrone, JJ (2005). Rumo a uma síntese biogeográfica do México. Revista mexicana de biodiversidade .

Deixe um comentário