Pastagem dos pampas: características, flora, fauna, clima

As pastagens dos pampas são um ecossistema característico da região sul do Brasil, Argentina e Uruguai. Composta por extensas planícies e campos abertos, essa região é conhecida por sua rica biodiversidade e paisagens deslumbrantes. As pastagens dos pampas são dominadas por gramíneas como o capim-barba-de-bode, capim-annoni, capim-annoni-2, capim-annoni, capim-barba-de-bode e capim-sola. A fauna dessas pastagens inclui espécies como o veado-campeiro, o tatu-bola, o quero-quero e o lobo-guará. O clima dos pampas é subtropical, com verões quentes e invernos frios, o que favorece o desenvolvimento das pastagens e a diversidade de espécies que habitam a região.

Descubra a diversidade da fauna e flora presente no ecossistema do Pampas.

O ecossistema dos Pampas, localizado na região sul do Brasil, é conhecido por sua rica biodiversidade. Neste vasto território de pastagem, é possível encontrar uma grande variedade de espécies de plantas e animais, que se adaptaram às condições únicas desse ambiente.

A flora dos Pampas é composta por gramíneas, arbustos e árvores de porte baixo, que se adaptaram às condições de solo fértil e clima temperado. Entre as espécies mais comuns estão o capim-mimoso, a grama-forquilha e o arbusto espinhoso. Essas plantas são essenciais para a alimentação e abrigo de uma grande diversidade de animais.

Quanto à fauna, os Pampas abrigam uma grande diversidade de espécies, incluindo mamíferos, aves, répteis e insetos. Entre os mamíferos mais comuns estão o veado-campeiro, o lobo-guará e o tatu-bola. Já as aves são representadas por espécies como o quero-quero, o tico-tico e o carcará. Além disso, é possível encontrar répteis como o lagarto-teiú e o jacaré-do-papo-amarelo.

O clima dos Pampas é caracterizado por estações bem definidas, com verões quentes e invernos frios. Essas condições climáticas favorecem o desenvolvimento da vegetação típica do ecossistema, proporcionando alimento e abrigo para a diversificada fauna presente na região.

Em resumo, os Pampas são um verdadeiro tesouro natural, onde a diversidade da fauna e flora se destaca. É importante preservar esse ecossistema único, garantindo a sobrevivência das espécies que nele habitam.

Qual é a característica climática predominante do bioma Pampa?

O bioma Pampa é caracterizado por um clima subtropical, com estações bem definidas ao longo do ano. As temperaturas costumam ser amenas, com verões quentes e invernos frios. A precipitação é bem distribuída ao longo do ano, tornando o ambiente propício para o desenvolvimento de uma vegetação rica e diversificada.

A pastagem dos pampas, conhecida pela sua exuberante biodiversidade, abriga uma grande variedade de espécies de plantas e animais. A flora é composta por gramíneas, como o capim-mimoso e o capim-annoni, que são adaptadas às condições climáticas do bioma. Já a fauna inclui espécies como o veado-campeiro, o lobo-guará e o tatu-bola.

Além disso, o clima do bioma Pampa influencia diretamente a forma como a vegetação se desenvolve e se adapta ao ambiente. As variações de temperatura e umidade ao longo do ano contribuem para a diversidade de habitats presentes na região, proporcionando um equilíbrio ecológico único.

Principais características do solo na região do Pampa: um estudo detalhado e informativo.

Pastagem dos pampas é uma região caracterizada por um solo fértil e rico em nutrientes, ideal para a criação de gado. As principais características do solo na região do Pampa incluem a presença de solos profundos e firme, com boa drenagem e textura argilosa. Esse tipo de solo favorece o desenvolvimento de uma vegetação exuberante, que serve de alimento para a fauna local.

Relacionado:  Rochas Ígneas: Classificação e Principais Características

Além disso, o solo na região do Pampa é conhecido por sua alta fertilidade natural, o que contribui para a produtividade das pastagens e para a criação de animais saudáveis. A presença de minerais como potássio, fósforo e cálcio no solo também é um fator importante para o crescimento das plantas e para a saúde dos animais que se alimentam delas.

Outra característica marcante do solo na região do Pampa é a sua capacidade de armazenar água, o que é essencial para garantir a sobrevivência das plantas durante os períodos de seca. Essa capacidade de retenção de água também contribui para a formação de rios e lagos na região, que são fundamentais para a fauna local.

Em resumo, as principais características do solo na região do Pampa, como a profundidade, a drenagem, a textura, a fertilidade e a capacidade de armazenar água, são fundamentais para a manutenção de um ecossistema saudável e equilibrado, que sustenta a vida vegetal e animal na região.

Características do clima na região da Caatinga: descubra o tipo predominante.

Na região da Caatinga, o clima é predominantemente semiárido, caracterizado por altas temperaturas e baixa umidade. As chuvas são escassas e irregulares, concentradas em um curto período do ano, o que torna a região uma das mais secas do Brasil.

As temperaturas na Caatinga costumam ser elevadas durante o dia e podem cair bruscamente à noite. A vegetação adaptou-se a essas condições adversas, com plantas resistentes à seca e ao calor, como os cactos e as plantas xerófitas.

Além disso, a Caatinga abriga uma fauna diversificada, com espécies adaptadas às condições extremas do clima. Entre os animais encontrados na região estão o tatu-bola, o gavião-real e a jiboia.

Em resumo, o clima na região da Caatinga é marcado pela aridez, com poucas chuvas, altas temperaturas e uma vegetação adaptada à escassez de água. Essas características fazem da Caatinga um dos biomas mais únicos e desafiadores do Brasil.

Pastagem dos pampas: características, flora, fauna, clima

A pastagem dos Pampas é uma ecorregião que abrange várias áreas do Uruguai, sul do Brasil e parte do Paraguai. No entanto, a maioria dessas pastagens dos Pampas está na Argentina.

As ecorregiões são vastas áreas da superfície da Terra geograficamente diferentes, mas com fauna e flora características adaptadas a esse ambiente. Essas regiões também são definidas por fatores como clima, relevo, geologia, solos e vegetação.

Pastagem dos pampas: características, flora, fauna, clima 1

Toay, La Pampa, Argentina.

Por outro lado, o termo pampa tem sua origem em quíchua e significa planície , especificamente planície entre montanhas . Esta planície foi descoberta pelos espanhóis no século XVI. A descoberta foi feita durante uma expedição que veio da região andina. No que diz respeito ao termo pradaria, refere-se a qualquer tipo de ecossistema em que a vegetação herbácea predomina.

No século XVII, os primeiros imigrantes europeus começaram a usar pradarias naturais para criar gado. Devido à grande extensão desses territórios, nenhum impacto ambiental foi causado nos primeiros anos.

Contudo, nas últimas décadas, o ecossistema foi ameaçado pela introdução de espécies forrageiras exóticas. Essas espécies não pertencem ao ecossistema, o que resultou em um desequilíbrio ambiental.

Localização

A pastagem dos Pampas começa no centro da Argentina (costa atlântica) e é orientada para a cordilheira dos Andes (Uruguai). É limitado no norte por Gran Chaco e no sul com a Patagônia.

A maior extensão dessas pastagens, que corresponde à Argentina, está localizada ao sul da cidade de Buenos Aires, entre 34 ° e 30 ° de latitude sul e entre 57 ° e 63 ° de latitude oeste.

Principais características da pastagem dos Pampas

Fertilidade

A pastagem dos Pampas é uma das áreas mais férteis do mundo. A composição da terra não é uniforme nos Pampas. Mas há um predomínio de terras negras, muito ricas quimicamente e com intensa atividade biológica.

Essas terras são misturadas com finas partículas minerais, o que favoreceu a formação de uma espessa camada de húmus.

Pendente

Por outro lado, o pampa tem uma inclinação gradual de noroeste a sudeste. Passa de 500 m snm a 20 m snm. Isso cria uma inclinação que facilita a drenagem de águas estagnadas e favorece a agricultura.

Deserto e áreas úmidas

A zona seca ocidental é em grande parte árida, com campos de sal, desertos arenosos e riachos salobras. A leste, em uma área menor, estão as seções úmidas dos pampas.

Inclui parte da província de Buenos Aires, centro econômico da Argentina e a área mais populosa do país.

Flora

Nesta região, plantas herbáceas nativas são abundantes. Algumas dessas variedades incluem cebadilla crioulo, palha voadora, flechilla preta, alecrim branco, carqueja e grama de ovelha.

Da mesma forma, totoras, juncos e juncos fazem parte de sua flora. No total, são encontrados aproximadamente 450 tipos de gramíneas, 200 leguminosas forrageiras e mais de 370 espécies diferentes de gramíneas nas pastagens dos Pampas.

As árvores são raras nos pampas e os frequentes incêndios espontâneos na floresta permitem apenas o florescimento das pastagens.

No entanto, eucalipto, pinheiro, freixo e outros similares começaram a ser introduzidos. Isso está sendo feito com a finalidade de colher madeira e para fins ornamentais.

Vida selvagem

As espécies animais nativas das pastagens dos Pampas são escassas. Entre eles, você pode encontrar gambás e pequenos bandos de guanacos. Entre os carnívoros estão pumas, gatos Geoffrey e pampas-raposas.

Outros mamíferos incluem vizcachas, pampas, lontras e gambás. No grupo de aves destacam-se o ñandú, o chajá, chimangos, falcões e corujas. Além disso, uma grande variedade de aves migratórias faz sua parada anual nos Pampas durante sua viagem sazonal.

Além disso, as atividades pecuárias promoveram a introdução de gado na fauna ativa dos Pampas. O gado com o qual os primeiros colonizadores encontraram era selvagem e caçado para tirar proveito de sua carne e pele.

Relacionado:  Alívio de Antioquia: características mais relevantes

Posteriormente, devido à riqueza do pasto, foram iniciados assentamentos permanentes para fins econômicos de exploração pecuária.

Atualmente, as raças de gado trazidas da Inglaterra e da Escócia compartilham o ecossistema com variedades originárias dos pampas. Por fim, estima-se que, como resultado da atividade econômica, ovelhas, porcos e cavalos vivam nessas pastagens.

Tempo

O prado dos Pampas está incluído nas zonas climáticas temperadas. A temperatura média anual de 15 ° C. No entanto, no inverno, ondas frias são muito comuns, com temperaturas abaixo de 0 ° C.

A precipitação anual varia entre 900 e 1000 mm por ano no noroeste. Para o oeste e sul, estes são cerca de 400 mm.

Além disso, os mimos são característicos da região. São tempestades causadas quando ventos frios do sul colidem com o ar quente do norte tropical.

Isso resulta em ventos violentos acompanhados por fortes chuvas. Outros ventos predominantes são os do sudeste e os do empate. Os primeiros golpes do Atlântico, são acompanhados de chuva e originam tempestades. Por outro lado, os ventos do norte chegam da zona tropical e trazem calor e umidade.

Economia da pastagem dos Pampas

A região dos Pampas e suas pastagens tiveram grande importância na economia da Argentina . A princípio, essa atividade econômica estava limitada à venda de peles de gado selvagem.

Progressivamente, essa atividade aumentou com a importação de variedades bovinas, fazendas do agronegócio e a delimitação de espaços. Atualmente, a carne bovina é um dos dois principais produtos da planície dos Pampas.

Da mesma forma, outros fatores que impulsionaram o gado são melhorias nas estradas e rodovias, juntamente com o desenvolvimento de redes ferroviárias.

Por outro lado, os cereais são outro produto economicamente importante dos pampas. Sementes de soja , trigo, cevada, centeio, milho e linho são cultivadas em 60% do território dos Pampas . Outros itens que vêm dos pampas são frutas, vegetais e oleaginosas anuais (como o girassol).

Referências

  1. Vargas, RS et al. (2015). Qualidade microbiana do solo do bioma Pampa em resposta a diferentes pressões de pastejo. Genetics and Molecular Biology , 38 (2), pp. 205-212.
  2. Fundação dos animais selvagens. (s / f). Pampa Recuperado em 8 de fevereiro de 2018, de vidailvestre.org.ar.
  3. Encyclopædia Britannica (20 de fevereiro de 2015). Os Pampas Recuperado em 8 de fevereiro de 2018, de britannica.com.
  4. Claire, L. (2002). Os Pampas Retirado em 8 de fevereiro de 2018, de blueplanetbiomes.org.
  5. Atlas Mundial (s / f). Região Dos Pampas Da América Do Sul. Recuperado em 8 de fevereiro de 2018, de worldatlas.com.
  6. Universidade Nacional da Costa. (s / f). Flora e fauna. Recuperado em 8 de fevereiro de 2018, de unl.edu.ar.
  7. Martínez-Ghersa, MA e Ghersa, C. (s / f). Consequências das recentes mudanças agrícolas. Recuperado em 8 de fevereiro de 2018, de agroparlamento.com.

Deixe um comentário