Patinadores (Tribo Urbana): Características e História

Os patinadores são uma tribo urbana que se destaca pelo seu estilo de vida e pela prática do skate, patins ou roller. Com um visual marcante e atitude descolada, os patinadores se identificam com a liberdade e a adrenalina que essas práticas esportivas proporcionam. Sua história remonta ao surgimento do skate nos anos 60, nos Estados Unidos, e desde então os patinadores vêm ganhando cada vez mais espaço e visibilidade nas ruas e parques de diversas cidades ao redor do mundo. Além disso, a cultura dos patinadores também está presente na música, moda e arte, influenciando diversas tendências e movimentos urbanos.

Características das tribos urbanas: conheça os principais aspectos que as definem.

As tribos urbanas são grupos sociais que se identificam por meio de características culturais, comportamentais e estéticas específicas. Entre esses grupos, os patinadores se destacam por sua paixão pelos esportes radicais e pela cultura do skate. Conheça as principais características que definem essa tribo urbana.

Os patinadores são conhecidos por sua liberdade de expressão através do skate, que é mais do que um esporte, é um estilo de vida. Eles valorizam a criatividade e a originalidade em suas manobras e no modo como se vestem. Além disso, os patinadores têm uma forte ligação com a cidade e seus espaços urbanos, transformando ruas, praças e parques em pistas de skate improvisadas.

A história dos patinadores como tribo urbana remonta às décadas de 1950 e 1960, quando o skate começou a se popularizar nos Estados Unidos. A partir daí, os praticantes desse esporte passaram a se organizar em grupos, criando uma comunidade unida pela paixão pelo skate e pela cultura alternativa. Com o tempo, os patinadores se espalharam pelo mundo, influenciando a moda, a música e a arte urbana.

Em resumo, os patinadores são uma tribo urbana que se destaca pela sua autenticidade, criatividade e conexão com a cidade. Eles representam a busca pela liberdade e pela expressão individual em meio ao caos urbano, deixando sua marca por onde passam.

Origem das tribos urbanas: quando e como surgiram esses grupos sociais na cidade.

As tribos urbanas são grupos sociais que surgiram nas cidades e se caracterizam por compartilharem interesses, estilo de vida e identidade cultural. Esses grupos se formaram a partir da segunda metade do século XX, com o crescimento das cidades e a diversificação da cultura urbana.

Uma das tribos urbanas mais conhecidas são os patinadores, que se destacam pela sua paixão pelo skate e pela cultura do streetwear. Os patinadores surgiram nos anos 70, nos Estados Unidos, como uma forma de expressão artística e de resistência à sociedade conservadora da época.

Características

Os patinadores são conhecidos por sua habilidade em manobras radicais, pela sua atitude descolada e pelo seu estilo único. Eles utilizam roupas largas, tênis confortáveis e bonés de aba reta. Além disso, os patinadores valorizam a liberdade, a criatividade e a amizade, formando verdadeiras comunidades em torno do skate.

História

A história dos patinadores está intrinsecamente ligada ao surgimento do skate, que teve origem na Califórnia, nos Estados Unidos, como uma forma de imitar o surf nas ruas. Com o passar dos anos, o skate se tornou uma prática esportiva e cultural, influenciando toda uma geração de jovens rebeldes e criativos.

Relacionado:  Gerry Bertier: Biografia

Em resumo, os patinadores são uma tribo urbana que surgiu nos anos 70, nos Estados Unidos, e se destacam pelo seu amor pelo skate, sua atitude descolada e seu estilo único. Eles representam a busca pela liberdade, pela criatividade e pela expressão artística, formando uma comunidade unida em torno do skate.

Quais eram os integrantes dos grupos urbanos?

Os patinadores eram os integrantes dos grupos urbanos que se destacavam por suas habilidades em patins e pela sua paixão por esse esporte. Muitas vezes, eram jovens apaixonados pela liberdade e pela adrenalina que a patinação proporcionava. Eles podiam ser vistos em parques, pistas de skate e ruas, demonstrando suas acrobacias e manobras impressionantes.

Os patinadores urbanos eram conhecidos por seu estilo único e sua atitude descolada. Eles se vestiam de forma despojada, com roupas confortáveis e tênis adequados para a prática da patinação. Além disso, costumavam carregar seus patins para todos os lugares, prontos para aproveitar qualquer oportunidade de se aventurar sobre rodas.

Em sua maioria, os patinadores urbanos eram jovens apaixonados pela cultura urbana e pela música. Eles podiam ser vistos frequentando eventos e festivais relacionados à patinação, onde podiam compartilhar suas experiências e conhecer novas pessoas que compartilhavam a mesma paixão.

Os patinadores urbanos formavam uma comunidade unida e solidária, onde o respeito e a amizade eram valores fundamentais. Eles incentivavam uns aos outros a melhorar suas habilidades e a se superar a cada dia, criando laços duradouros e memórias inesquecíveis.

Origem e desenvolvimento das tribos de skate ao longo da história do esporte radical.

A origem das tribos de skate remonta aos anos 60, quando o surf começou a ganhar popularidade na Califórnia. Os surfistas, em busca de novas formas de diversão, adaptaram pranchas de madeira para deslizarem nas ruas, dando início ao skate como conhecemos hoje. Com o passar do tempo, o esporte evoluiu e atraiu pessoas de diferentes idades e backgrounds, formando assim as tribos de skatistas.

O desenvolvimento das tribos de skate ao longo da história do esporte radical foi marcado por momentos de resistência e superação. Inicialmente visto com desconfiança pela sociedade, os skatistas enfrentaram preconceitos e restrições, mas encontraram nas pistas e nas ruas um espaço de liberdade e expressão. Com o surgimento de competições e marcas especializadas, o skate se profissionalizou e ganhou ainda mais adeptos, fortalecendo as diferentes tribos que o compõem.

Patinadores (Tribo Urbana): Características e História

Os patinadores, integrantes de uma das tribos mais icônicas do universo do skate, são conhecidos por sua paixão pelo esporte, seu estilo único e sua atitude desafiadora. Com um vocabulário próprio e um código de conduta informal, os skatistas se destacam pela criatividade e pela capacidade de reinventar constantemente o cenário urbano.

Além disso, os patinadores são reconhecidos por sua habilidade em dominar diferentes tipos de obstáculos, como escadas, corrimãos e rampas, mostrando um domínio técnico impressionante. Com o passar dos anos, essa tribo urbana se tornou uma verdadeira comunidade, unida pela paixão pelo skate e pela busca constante por novos desafios.

Patinadores (Tribo Urbana): Características e História

Os skatistas são uma tribo urbana nascido na década de 70 do século XX, na Califórnia, Estados Unidos, respondendo à o desejo de praticar surf em terra.

São jovens, entre 8 e 30 anos, que praticam movimentos característicos em uma mesa de roda e escorregam no asfalto ou em obstáculos naturais nas ruas, como paredes ou escadas.

Patinadores (Tribo Urbana): Características e História 1

Eles ocupam o espaço público movido por um sentimento de rebelião que os leva a realizar os princípios de liberdade, autorrealização e cooperação.

Eles praticam uma prática cultural alternativa de resistência ou contra-hegemonia, desafiando os valores capitalistas e esportivos que reafirmam esse sistema.

Os skatistas trabalham sob uma hierarquia, os levantadores são os mais antigos e, é claro, os mais conhecedores e conhecedores da prática.

Eles usam roupas largas, sapatos confortáveis ​​e desgastados, acessórios como bonés e cintos com fivelas grandes e criaram seu próprio idioma.

Estima-se que existam 13,5 milhões de skatistas no mundo; 80% têm menos de 18 anos e 74% são homens.

Origem dos skatistas

Na década de 50 do século XX, a prática de surfar no mundo se tornou popular. Durante as competições, o clima às vezes era inadequado e os atletas aproveitavam o tempo praticando em locais como piscinas desocupadas.

No final dos anos 50, foi criada a primeira prancha que permitia reproduzir no solo os movimentos que eram feitos nas ondas durante o surf e foi assim que nasceu o skate, conhecido como surf na calçada.

A Califórnia viveu durante esses anos uma liberalização de seus costumes; os modelos conservadores estavam em declínio e os valores hedonistas e de consumismo foram impostos.

Essas novas idéias foram imediatamente associadas à prática do skate e, por esse motivo, o novo esporte obteve, desde o início, uma característica marcante da irreverência.

Durante o ano de 1973, as rodas de uretano modernizaram o esporte, permitindo um passeio mais suave e seguro; as mesas de prática foram estendidas de 16 a 23 centímetros, proporcionando maior estabilidade.

Os novos skatistas

O skate evoluiu para incluir o skate totalmente vertical entre suas disciplinas de slalom, downhill, estilo livre e salto em distância e milhares de jovens foram às ruas para praticá-lo.

O afluxo nas ruas fez com que os governos ficassem alarmados com a insegurança que essa prática poderia trazer aos adolescentes e criou regras para limitá-la, mas o resultado foi o aumento de fãs que reverteram as leis.

No final dos anos 70, a cultura do skate se fundiu com o punk e a música da nova era; Seus seguidores também gostaram de arte em ilustrações.

Nos anos 80, e para encerrar as medidas que tentavam restringir sua prática, inventou-se uma rampa de madeira compensada que foi às ruas, revitalizando o skate como esporte.

A frase “faça você mesmo” tornou-se famosa e os fãs começaram a criar suas próprias rampas de madeira nos quintais de suas casas ou estacionamentos, criando novos espaços feitos sob medida.

Os anos 90 vieram com uma grande difusão desse esporte e, conhecendo mais as características de seus seguidores como tribo urbana, criaram publicidade e eventos que popularizaram ainda mais sua prática.

Recursos para skatistas

Os skatistas são rebeldes por natureza, os truques que desenvolvem com habilidade nas ruas os servem para afirmar sua capacidade e autonomia.

Consideram que as ruas devem ser usadas e desgastadas porque os cidadãos pagam para encontrá-las em boas condições e fazer uso delas. Nesse sentido, eles não estão preocupados com plataformas, escadas ou paredes prejudiciais.

Relacionado:  Bandeira da Albânia: História e Significado

Eles gostam de estar na rua porque é uma maneira de se sentir valorizado, mas não se relacionam com quem os admira. Eles representam os princípios de liberdade, auto-realização e cooperação.

São principalmente homens, mas não reproduzem valores tradicionais como força, poder ou supremacia, mas, pelo contrário, mostram-se muito solidários.

Os skatistas são itinerantes, percorrem as cidades escolhendo espaços públicos com declives que lhes permitem viver aventuras intensas, sendo levados pelo instinto de querer desenvolver saltos e movimentos como os cinquenta e cinquenta, impossíveis ou os lábios.

Eles usam roupas alternativas, com designs particulares e acessórios marcantes, como cintos, bonés e correntes; Calças de cintura baixa com bolsos grandes e perna larga, e é comum ver as roupas íntimas porque elas as vestem.

Entre os skatistas, foi criada uma linguagem que usa, entre outras, frases como “patinar ou morrer” para se referir a nunca se cansar de tentar; “Skate and destroy”, com características subversivas típicas dos anos 80; “Skate não é crime”, em defesa de uma prática legal; ou é espanhol como “caçar um truque”, o que significa pular e que os pés não saem da mesa até fazer contato com o chão.

Hierarquia em skatistas

Eles operam sob uma hierarquia que coloca os Posers no lugar mais baixo de uma pirâmide; Estes são os praticantes mais pequenos, têm entre 8 e 12 anos de idade. Eles não entendem muito sobre a prática, mas ela os atrai.

Em segundo lugar estão os Iniciantes, que têm entre 12 e 16 anos. Eles sabem muito mais sobre esporte, mas não estão imersos na cultura do skatista.

Em terceiro lugar, estão os adolescentes skatistas, com idades entre 17 e 20 anos; Eles conhecem e praticam os princípios do skate, usam roupas características e participam regularmente das atividades de exibição.

E no topo da pirâmide estão os Lifers, conhecidos como “Espíritos do Skate”. Eles têm entre 20 e 30 anos e não apenas conhecem completamente o esporte e sua cultura, mas também o promovem e vivem para ele e para ele.

Onde estão os skatistas?

Pode-se dizer que essa tribo urbana vive basicamente nas ruas das grandes e intermediárias cidades do mundo.

Dos anos 70 até o início do século 20, os skatistas estavam nas grandes cidades dos Estados Unidos, mas ao longo dos anos a prática se espalhou pelo mundo.

Referências

  1. Márquez, I. (2015). Cultura do skate nas sociedades contemporâneas: uma abordagem etnográfica da cidade de Madri.EMPIRIA. Jornal de Metodologia das Ciências Sociais , (30).
  2. Abade amoroso, GS (2016).Análise do estilo de vida de jovens patinadores que freqüentam a pista de patinação no La Carolina Park em 2014-2015 (tese de bacharel, Quito: Universidade das Américas, 2016).
  3. De La Haye, A., Tobin, S. e Dingwall, C. (1996).Surfistas, soulies, skinheads e skatistas: estilo subcultural dos anos quarenta aos anos noventa . Livros do Overlook
  4. Buckingham, D. (2009). Percepção do skate: auto-representação, identidade e estilo visual em uma subcultura jovem.Culturas Vídeo , 133-151.
  5. Slee, T. (2011). Skate para toda a vida: uma análise da subcultura do skate.

Deixe um comentário