Período Devoniano: características, geologia, fauna, flora

O período devoniano foi uma das cinco subdivisões da era paleozóica. Durou cerca de 56 milhões de anos, nos quais o planeta sofreu muitas mudanças no nível geológico, mas principalmente na biodiversidade.

Durante esse período, houve um amplo desenvolvimento de alguns grupos de animais, especialmente aqueles que viviam em ambientes marinhos. Houve também mudanças importantes nos habitats terrestres, aparecendo grandes plantas e os primeiros animais terrestres.

Período Devoniano: características, geologia, fauna, flora 1

Representação do meio ambiente no Devoniano. Fonte: Devonianscene.jpg: Eduard Riou (1838-1900) de O mundo antes do dilúvio 1872, trabalho derivado dos Estados Unidos: Rursus [Domínio público], via Wikimedia Commons

Apesar de ser um período em que a vida foi tão diversificada, o Devoniano também tem a reputação dúbia de ser o período em que um grande número de espécies animais se extinguiu (80%). Durante esse período, ocorreu um evento de extinção em massa que desapareceu permanentemente da face da Terra para muitas espécies.

Características gerais

Duração

O período devoniano durou aproximadamente 56 milhões de anos. Começou cerca de 416 milhões de anos atrás e culminou cerca de 359 milhões de anos atrás.

Evolução de grandes grupos de animais

Durante o período devoniano, os grupos de animais existentes experimentaram uma incrível evolução e diversificação. A vida nos mares floresceu grandemente.

Os recifes de coral se tornaram verdadeiros ecossistemas nos quais novas espécies de esponjas e corais apareceram. Apareceram animais maiores que se tornaram predadores.

O grupo de vertebrados que experimentou o maior desenvolvimento foi o dos peixes, dos quais um grande número de espécies apareceu, algumas das quais conseguiram sobreviver até hoje.

Um marco importante desse período foi o início da conquista do habitat terrestre. Nesse período, os primeiros anfíbios apareceram e os especialistas acreditam que alguns peixes começaram a se aproximar da terra para se estabelecer nela.

Divisões

O período devoniano é dividido em três grandes subdivisões:

  • Devoniano inferior ou inicial: formado por três andares ou idades (Lochkoviense, Pragiense e Emsiense).
  • Devoniano Médio: que abrange duas idades (Eifeliense e Givetiense).
  • Devoniano superior ou tardio: constituído por duas idades (Frasniense e Fameniense).

Houve um processo de extinção em massa

No final do período devoniano, houve um evento de extinção em massa em que um grande número de espécies foi perdido, principalmente aquelas que habitavam os mares da parte tropical do planeta.

Entre as espécies mais afetadas por esse evento, podemos citar: corais, peixes (principalmente agnatos), moluscos (gastrópodes, amonóides), crustáceos (principalmente ostrocódigos), entre outros.

Felizmente, as espécies que se desenvolveram nos ecossistemas terrestres não foram tão afetadas por esse fenômeno, para que a conquista do habitat terrestre pudesse seguir seu curso.

Geologia

O período devoniano foi marcado por intensa atividade das placas tectônicas. Houve um choque deles, formando novos supercontinentes. É o caso da formação da Laurasia, um fenômeno que ocorreu no início deste período em que Laurentia e Báltico colidiram.

Durante esse período, o supercontinente Gondwana também foi muito extenso, ocupando um grande espaço no polo sul do planeta. O supercontinente Laurasia também estava no polo sul.

A parte norte do planeta foi ocupada pelo supercontinente Sibéria e pelo vasto e profundo oceano Panthalassa. Este oceano cobriu quase todo o hemisfério norte.

Além do oceano Panthalassa, ainda havia outros oceanos menores, como:

  • Ural: localizado entre a Sibéria e o Báltico. Durante esse período, seu tamanho foi diminuindo até se tornar um mero canal marítimo, porque o Báltico e a Sibéria estavam em constante aproximação até que finalmente colidiram no período carbonífero.
  • Proto – Tétis: entre Laurasia e Gondwana. Durante o Devoniano, esse oceano estava se fechando gradualmente. No período seguinte, desapareceu completamente.
  • Paleo – Tethys: localizado entre Laurasia e Gondwana.
  • Rheico: também entre Gondwana e Laurasia. Durante este período, o oceano se estreitou, devido ao movimento de Gondwana em direção a Laurasia.
Relacionado:  Geologia estrutural: história e objeto de estudo

Do ponto de vista da orogenia, durante esse período começou o processo de formação de algumas cadeias de montanhas, como as Montanhas Apalaches dos Estados Unidos.

Da mesma forma, durante esse período, ocorreram os últimos eventos da orogenia caledoniana, que causaram a formação de cadeias de montanhas na área onde hoje se estabelecem a Grã-Bretanha e os países escandinavos (especificamente a Noruega).

Tempo

As condições climáticas durante o período devoniano eram relativamente estáveis. Em geral, especialistas sugerem que no Devoniano o clima era quente e úmido, com chuvas abundantes.No entanto, dentro das grandes massas continentais que estavam no planeta o clima era seco e seco.

No início deste período, a temperatura ambiental média estava em torno de 30 ° C. Com o passar do tempo, houve uma diminuição até atingir aproximadamente 25 ° C.

Posteriormente, no final do período, as temperaturas diminuíram tanto que houve glaciação ou glaciações (especialistas não concordaram com esse ponto).

Em poucas palavras, especialistas argumentaram que durante o período devoniano havia uma zona extremamente fria no Polo Sul, enquanto na zona equatorial o clima era úmido.

Vida

Durante o período devoniano, houve mudanças significativas em relação aos seres vivos que povoavam o planeta. A mais importante dessas mudanças foi a conquista definitiva de habitats terrestres.

-Flora

Durante o período anterior, as silurianas, pequenas plantas vasculares como samambaias já haviam começado a se desenvolver. Durante o período devoniano, essas pequenas samambaias adquiriram um desenvolvimento maior em vários aspectos, sendo o mais representativo o seu tamanho.

Da mesma forma, outras formas de plantas apareceram na superfície dos continentes existentes. Entre esses tipos de plantas podem ser mencionados os lycopodiófitos e outros que não sobreviveram e se extinguiram, como trimerófitos e progimnospermas.

Nesse período, começaram a surgir as primeiras florestas, graças ao fato de as plantas desenvolverem estruturas resistentes que lhes permitiam manter folhas e galhos altos. Mesmo através de registros fósseis, foi estabelecido que havia árvores que atingiam 30 metros de altura.

A proliferação de plantas em ambientes terrestres trouxe como conseqüência direta um aumento no oxigênio atmosférico, uma vez que essas plantas realizaram o processo de fotossíntese. Graças a isso, a diversificação de animais em habitats terrestres foi possível.

-Fauna

No período devoniano, a vida continuou a se diversificar nos mares de maneiras inimagináveis.

Peixe

Um dos grupos que experimentou a maior evolução foi o peixe. Tanto é assim que este período é chamado “a Era dos Peixes”.Entre os grupos de peixes que tiveram origem nesse período, podem ser mencionados:

  • Sarcopterigios: como todos os peixes, eles pertencem ao grupo de vertebrados. Eles também têm como característica distintiva a presença de uma mandíbula. Aqueles desse período tinham barbatanas e pares de lóbulos. Da mesma forma, as escamas eram principalmente placas ósseas cobertas por queratina. Embora a maioria das espécies deste grupo esteja extinta, os dipnoos e celacantos ainda persistem.
  • Actinopterigios: são chamados peixes ósseos. Eles consistem principalmente em ossos e muito pouca cartilagem. Graças aos fósseis encontrados, sabe-se que suas escamas não foram sobrepostas e tinham caudas assimétricas. Eles conseguiram sobreviver às condições adversas das diferentes épocas geológicas do planeta e hoje cobrem a maioria dos peixes existentes.
  • Ostracodermes: apesar de extintos, tiveram a honra de serem considerados os primeiros vertebrados conhecidos. Eles foram caracterizados porque seu corpo estava coberto de escamas e uma espécie de concha de osso. Eles também não tinham mandíbula. Algumas amostras podem atingir 60 cm de comprimento.
  • Selacios: é o grupo ao qual os tubarões pertencem. Havia algumas espécies pequenas. Poucos fósseis desses peixes foram encontrados, mas especialistas sugerem que eles eram uma parte importante da cadeia alimentar no mar.
Relacionado:  Quaternário: características, subdivisões, geologia, flora, fauna

Período Devoniano: características, geologia, fauna, flora 2

Coccosteus (tipo de peixe Placoderm). Fonte: I, [GFDL (http://www.gnu.org/copyleft/fdl.html), CC-BY-SA-3.0 (http://creativecommons.org/licenses/by-sa/3.0/) ou CC BY 2.5 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.5)]

Recifes

Os recifes, feitos de esponjas, corais e alguns tipos de algas, prosperavam no fundo dos mares. Apareceram esponjas siliciosas. Havia grandes recifes de coral, alguns dos quais desapareceram com o tempo.

Artrópodes

Os primeiros representantes do reino animal que começaram a colonizar o habitat terrestre foram os artrópodes.Entre os artrópodes que podem ser encontrados em ambientes terrestres podem-se mencionar centopéias, ácaros, aranhas e escorpiões.

Além disso, nos mares também havia representantes dos artrópodes filos, que também experimentaram uma grande diversificação e massificação. Eles até desenvolveram um sistema de respiração aérea

Moluscos

Durante o período devoniano, o grupo molusco também experimentou grande diversificação. Uma mudança durante esse período foi que alguns espécimes começaram a invadir habitats de água doce. Um exemplo disso foram os lamelibranchs, semelhantes aos mexilhões atuais.

Vertebrados da Terra

Acredita-se que os primeiros vertebrados que apareceram no ambiente terrestre sejam anfíbios que, embora precisassem viver perto de corpos d’água, poderiam subsistir em terra seca. Eles fizeram isso no final do Devoniano.

Da mesma forma, existem hipóteses que sugerem que alguns peixes estavam deixando o ambiente marinho para entrar no ambiente terrestre e colonizá-lo. Obviamente, para isso, eles tiveram que evoluir e desenvolver certas estruturas para se adaptar.

Extensão em massa do Devoniano

No final do período devoniano, ocorreu um processo de extinção em massa. Os cientistas ainda não concordaram totalmente se foi um grande evento ou vários pequenos eventos.

De qualquer forma, afetou bastante os seres vivos do momento, pois causou que mais de 80% das espécies vivas desapareceram.

Afetou principalmente as formas vivas dos mares. Parece que os seres vivos que estavam no continente não sofreram um grande impacto negativo.

Durante esse processo, os trilobitas, os peixes agnatos, grande quantidade de corais, entre outros, foram quase completamente perdidos.

Essa extinção durou aproximadamente 3 milhões de anos.

Causas

Existem muitas causas que tentam explicar o processo de extinção em massa dos devonianos. Entre estes podem ser mencionados:

Meteoritos

Por alguns anos, especialistas que se dedicaram ao estudo das eras geológicas afirmam que a extinção em massa do Devoniano aconteceu graças à colisão de meteoros na crosta terrestre.

Redução crítica dos níveis de oxigênio nos mares

Sabe-se que durante esse período a concentração de oxigênio nos mares diminuiu drasticamente, mesmo falando em anóxia oceânica, embora as causas sejam desconhecidas.

Certos especialistas concordam que as grandes plantas vasculares terrestres são responsáveis. Segundo eles, essas plantas tinham raízes grandes e poderosas que, quando enterradas no fundo da terra, eram capazes de remover certos nutrientes que foram para o oceano.

Relacionado:  Mineralogia: história, objeto de estudo, ramos

Isso resultou em uma proliferação incomum de algas, que foram capazes de absorver uma grande porcentagem de oxigênio na água, privando assim os animais marinhos.

Apesar de não saber a causa exata, sabe-se de maneira confiável que o nível de oxigênio nos mares diminuiu, condenando a extinção de um grande número de espécies.

Aquecimento global

Os especialistas acreditam que, na época, a atmosfera tinha um alto teor de dióxido de carbono. Isso causou um efeito estufa, que causou o aumento da temperatura da Terra.

Esse aumento de temperatura repercutiu em outros aspectos, como a diminuição de oxigênio nas águas.

Crescimento de plantas

Como mencionado acima, durante esse período, plantas vasculares muito altas (30m) foram desenvolvidas na superfície dos continentes.

Isso resultou em um desequilíbrio nas condições ambientais, pois essas plantas começaram a absorver uma grande quantidade de água e nutrientes do solo, que poderia ter sido usada por outros seres vivos.

Atividade vulcânica intensa

-Numerosos especialistas afirmaram que durante o Devoniano houve uma intensa atividade vulcânica que jogou uma grande quantidade de rochas e gases na atmosfera.

Isso resultou em um aumento da temperatura atmosférica, afetando assim os seres vivos que não estavam acostumados a altas temperaturas.

Divisões

O período devoniano foi dividido ou separado em três épocas: inferior (inicial), média e superior (tardia).

Baixo Devoniano (Início)

É a primeira vez do período devoniano. Durou aproximadamente 26 milhões de anos, uma vez que se estendeu de cerca de 419 milhões de anos atrás para cerca de 393 milhões de anos atrás.

Foi conformado por sua vez por três idades:

  • Lochkoviense: com uma duração aproximada de 9 milhões de anos.
  • Pragiano: durou em média cerca de 3 milhões de anos
  • Emsiense: foi o mais longo, durando aproximadamente 14 milhões de anos.

Devoniano Médio

Foi o período intermediário, entre o Devoniano Inferior e Superior. Estendeu-se de cerca de 393 milhões de anos atrás para cerca de 382 milhões de anos atrás, e durou aproximadamente 11 milhões de anos.

Foi integrado por duas idades:

  • Eifeliense: com duração de 6 milhões de anos.
  • Givetiense: durou aproximadamente 5 milhões de anos.

Devoniano Superior (Final)

Última época daqueles que integraram o período devoniano, imediatamente antes do período carbonífero. Teve uma duração média de 26 milhões de anos.

Estendeu-se de cerca de 385 milhões de anos atrás para cerca de 359 milhões de anos atrás. Durante esse período, ocorreu a extinção em massa dos devonianos.

Foi conformado por duas idades:

  • Frasniense: que durou aproximadamente 13 milhões de anos.
  • Fameniense: com duração de 13 milhões de anos.

Referências

  1. Campbell, NA e Reece, JB (2007). «A história evolutiva da diversidade biológica». Biologia (7ª edição). Editorial médico pan-americano. p. 1532
  2. Ellwood, BB, SL Benoist, A El Hassani, C Wheeler, RE Crick (2003), camada de ejetos de impacto do Meio Devoniano: possível conexão com extinções em massa globais. Science 300: 1734-1737.
  3. Gradstein, FM; Ogg, JG; Smith, AG (2004). Uma escala de tempo geológico 2004. Cambridge University Press
  4. Sandberg, CA, JR Morrow e W Ziegler (2002), mudanças no nível do mar do Devoniano tardio, eventos catastróficos e extinções em massa em C Koeberl & KG MacLeod [eds.], Eventos catastróficos e extinções em massa: Impactos e mais além, Geol. Soc. Amer. Spec. Artigo # 356, pp. 473-487.
  5. Vargas P., Zardoya R. (2012) A árvore da vida: sistemática e evolução dos seres vivos. 3ª Edição.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies