Persuadir: significado, métodos, exemplos

Persuadir é tentar influenciar o comportamento ou os pensamentos de outra pessoa. É um esforço intencional para influenciar o estado mental de outra pessoa através da comunicação. O termo vem do latim persuādeō , cujo significado é convencer. Por exemplo, uma pessoa pode tentar convencer outra a comprar uma televisão ou estudar uma certa carreira.

A influência dessa influência foi tão grande na história da humanidade que até o filósofo Alfred North Whitehead acredita que “a civilização é a vitória da persuasão sobre a força”.

Persuadir: significado, métodos, exemplos 1

Deste ponto de vista, pode-se considerar, em sentido figurado, que as peles bárbaras vestidas pelo homem há milhares de anos foram substituídas pelas roupas do homem civilizado, à medida que introduziam cada vez mais elementos de persuasão . Ou seja, os impulsos do uso da força bruta em favor da consecução da ordem social e de uma vida individual estável mudaram.

Seu uso está intimamente ligado ao domínio da expressão lingüística, ou seja, à capacidade de expressar idéias verbalmente, particularmente a partir de sua forma retórica.

A prática dessa disciplina era comum nos gregos antigos, que gostavam de falar, gostavam de sentir a força de suas próprias palavras e seu efeito sobre quem as ouvia. Dizem que no segundo quarto do século V aC foi quando foi dada maior importância, depois que Tibias e Corax, ou possivelmente ambos, se comprometeram a ensinar uma técnica de retórica judicial.

Por outro lado, também os romanos antigos deram grande peso social àqueles que com suas palavras conseguiram convencer os outros sobre questões relacionadas à política e têm em Marco Tulio Cícero, um dos principais representantes da retórica, que escreveu um tratado inteiro “ sobre o motivo de dizer “.

Você pode estar interessado em 9 chaves para convencer alguém de qualquer coisa .

Uso atual de persuasão

Persuadir: significado, métodos, exemplos 2

Entre os muitos usos dados, sua prática é frequentemente mencionada em campanhas publicitárias, discursos políticos ou conferências de negócios.

No entanto, seu escopo e validade foram aumentados devido aos novos mecanismos de difusão, conseguindo atingir um número maior de audiências do que as alcançadas no passado e até influenciando o pensamento de sujeitos cuja situação geográfica é distante.

Relacionado:  Qual é o Elegua? Características principais

Diferença entre persuadir e coagir

É essencial que a pessoa que você quer convencer esteja de alguma forma livre para escolher se quer ou não mudar seu estado mental, a fim de ser considerada uma verdadeira persuasão. Você não deve ser forçado pela violência a dizer ou agir de uma certa maneira.

Exemplo:

Um ladrão ameaça a vítima com um disparo, se ele não receber o dinheiro que possui. Não se pode considerar que persuadir a ação executada pelo sujeito com a arma.

Por outro lado, uma pessoa que foi exposta a um anúncio de televisão, que o convida a doar dinheiro para uma instituição de caridade, onde subsequentemente concorda em entregar um valor à causa. Nesta ocasião, se você puder falar sobre um caso de persuasão.

Classificação da persuasão

Uma vez esclarecidas as características fundamentais, a classificação da persuasão pode ser aprovada. Isso pode ser separado em dois tipos principais, de acordo com o assunto final no qual se deseja causar uma alteração:

Persuasão Cognitiva

Toda pessoa, depois de coletar informações sobre seu ambiente, analisando conseqüências e benefícios, toma decisões permitindo a si própria fazer um julgamento por condenação para escolher as resoluções apropriadas que lhes permitirão controlar sua situação emocional, social ou física.

Essa persuasão, realizada de maneira pessoal, é conhecida como persuasão cognitiva. O indivíduo “convence” a si mesmo de que está fazendo a coisa certa.

Persuasão ideológica ou propaganda

Quando se propõe gerar uma mudança nas opiniões ou sentimentos fora do indivíduo, diz-se que uma persuasão ou propaganda ideológica é aplicada. Exemplos desse tipo de persuasão são discursos políticos, campanhas de marketing, comerciais de televisão.

Em relação a esse tipo, considera-se que essa convicção alcançada por mecanismos racionais dura mais e influencia os pensamentos e comportamentos subsequentes em maior medida do que a persuasão por mecanismos não racionais.

Relacionado:  As 5 áreas arqueológicas mais importantes de Veracruz

Métodos de persuasão

Existem diferentes mecanismos através dos quais a convicção de um indivíduo pode ser alcançada. Alguns são mencionados abaixo:

Balanço cognitivo

Procura conhecer as crenças irracionais de um sujeito, aqueles sem fundamento e podem ser demolidos de maneira relativamente simples, causando o fenômeno da hesitação. Depois de reconhecer a vulnerabilidade de seus motivos para permanecer em uma determinada atitude, você pode escolher uma nova.

Esse momento de crise é o usado pelo persuasor, que introduz uma nova idéia, que é apresentada com motivos suficientes para demonstrar sua adequação ou veracidade.O persuadido adota a idéia, fazendo mudanças em seu modo de pensar e, portanto, mudando de atitude.

Medição de atitude

Entendendo que o efeito de persuadir culmina com uma mudança de atitude, medindo as atitudes iniciais nos permite saber o quão perto ou longe o assunto da persuasão está da atitude desejada.

Exemplo:

Você quer convencer uma criança a fugir do fogo, porque é perigoso. Uma medida da escala de atitude para o caso pode ser a seguinte:

Persuadir: significado, métodos, exemplos 3

Na escala de medição anterior, podemos observar que, se a criança teme o fogo, será relativamente simples convencê-la a ficar longe, apenas reforçando sua atitude, provavelmente explicando as possíveis consequências de se aproximar demais.

Pelo contrário, se a criança é atraída pelo fogo, isso envolverá um esforço maior para convencê-la a ficar longe.

Gerenciamento de Resistência

Um elemento que acompanha qualquer processo de persuasão é a resistência, que pode ser entendida como a capacidade de um indivíduo permanecer firme em suas convicções diante de um ataque persuasivo.

Conseguir a redução é um dos métodos mais eficazes para obter condenação. Pode ser classificado em quatro tipos:

Resistência reativa

Refere-se a quando o indivíduo expressa deliberadamente sua repulsa pela atitude esperada com frases como “eu não gosto!” Ou “eu nunca iria!”

Desconfiança

É quando o indivíduo é cauteloso com o comportamento sugerido, não confia nas razões por trás de quem tenta convencê-lo.

Relacionado:  Georges Cuvier: biografia e teorias

Escrutínio

Refere-se a quando o indivíduo se conscientiza de que é o objetivo de uma influência e sua reação natural é pensar com mais cuidado sobre cada ponto, questionando cada proposta com mais profundidade.

Inércia

Antes de uma mensagem claramente carregada de intenções de dissuadi-lo, um indivíduo permanece em suas convicções, e não resiste precisamente, permanece estático.

Como anular a persuasão

Assim como os métodos usados ​​para persuadir evoluíram, por outro lado, também foram desenvolvidos métodos cujo objetivo é controlá-lo.

Algumas abordagens contemporâneas se concentram em induzir atitudes mais resilientes em áreas de importância crucial, como saúde, educação ou religião.Para que um ataque persuasivo contra essas convicções não atinja o resultado esperado.

Isso é particularmente importante devido a estudos que mostram quão vulneráveis ​​são os ideais e crenças fundamentais mais apreciados.

A razão é baseada no fato de que tais convicções foram simplesmente endossadas e raramente defendidas, portanto acredita-se que, com melhor educação, o indivíduo se torne mais resistente à persuasão.

Referências

1. Silber, JR (1963). Prefeito, LII (III), 43.
2. of, VM (1808). Dicionário Universal Latino-Espanhol. Madrid p.553.
3. Dillard, JP & Pfau, M. (2002). O manual da persuasão: desenvolvimentos na teoria e na prática. Publicações prudentes. p. 17.
4. Española, RA (2017). Dicionário da língua espanhola. Recuperado em 7 de abril de 2017, de rae.es.
5. Kennedy, GA (2015). History of Thetoric, Volume I: a Arte da Persuasão na Grécia (Vol. 1). Imprensa da Universidade de Princeton. p.26.
6. Knowles, ES, e Linn, JA (2004). Resistência e Persuasão. Nova York: Lawrence Erlbaum Associates, Inc. p.7.
12. Roiz Miquel Técnicas modernas de persuasão Recuperado em 7 de abril de 2017, em imagenes.mailxmail.com.

Conteúdo relacionado:

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies