Pés de lótus: história, processo de bandagem, consequências

A prática de pés de lótus ou pés enfaixados era uma tradição chinesa que começou no século 10 durante o período das Cinco Dinastias e dos Dez Reinos, e ganhou popularidade nos últimos tempos. Consistia em amarrar os pés das mulheres desde a infância, com o objetivo de mudar de forma, até chegarem a uma que fosse considerada mais estética.

O fato de uma mulher ter “pés de lótus” era tradicionalmente considerado um símbolo de status e beleza entre todas as classes da sociedade chinesa, embora essa prática fosse realizada principalmente entre as elites sociais. No entanto, o processo foi muito doloroso e limitou severamente a mobilidade das mulheres, a ponto de o resultado poder ser considerado uma deficiência.

Pés de lótus: história, processo de bandagem, consequências 1

Pés enfaixados de raios-X

A bandagem para os pés foi praticada até o início do século XX, embora em várias ocasiões tenha tentado ser proibida. Os historiadores acreditam que no século XIX, cerca de metade das mulheres chinesas haviam sofrido essa prática, e quase 100% da classe alta passou por ela. No entanto, a porcentagem também variou dependendo da parte do país.

Na segunda metade do século XIX, alguns reformadores chineses tentaram enfrentar a prática, mas ela só começou a diminuir até o início do século XX, principalmente devido à má publicidade que havia adquirido. Já no século XIX, há apenas um punhado de mulheres muito idosas que sofreram essa prática de crianças.

História

Pés de lótus: história, processo de bandagem, consequências 2

Mulher com pés enfaixados, 1870

Não se sabe exatamente como surgiu a prática da bandagem nos pés. No entanto, existem algumas teorias que podem ajudar a esclarecer o assunto. Um dos mais conhecidos é o que tem a ver com o imperador de South Tang, Li Yu. Este líder construiu uma estátua de lótus dourada decorada com pedras preciosas e pérolas, com quase dois metros de altura.

Li Yu pediu à concubina Yao Niang para amarrar os pés em forma de lua crescente, usando seda branca. Então, ele teve que dançar no lótus usando apenas as pontas dos dedos. Dizem que a dança de Yao Niang era tão bonita que outras mulheres começaram a imitá-la, especialmente a classe alta.

Mesmo assim, as primeiras referências escritas à prática de enfaixar os pés para dar-lhes uma forma concreta apareceram no início do século XII, na forma de uma série de poemas que pareciam falar sobre esse assunto. Mais tarde, o estudioso Zhang Bangji escreveu em 1148 diretamente sobre o processo e o descreveu como “uma invenção recente”.

Desde o início desta prática, surgiram as primeiras críticas. Por exemplo, o estudioso Che Ruoshui mencionou em seus escritos que ele não entendia por que era necessário que meninas jovens, com quatro ou cinco anos de idade, passassem pela imensa dor que o processo implicava para que seus pés tivessem uma certa forma.

Os pés de lótus nos séculos posteriores

Pés de lótus: história, processo de bandagem, consequências 3

Sapato chinês para pé de lótus, século XVIII. Musées du château des Rohan, Museu Louise Weiss, Saverne, França. Vassil [CC0]
Relacionado:  Teoria da comunicação: princípios, componentes e história

A prática do curativo dos pés continuou a se espalhar por toda a China durante os séculos seguintes, a ponto de vários exploradores ocidentais falarem sobre isso ou mencionarem em seus escritos.

Por exemplo, o missionário italiano Odorico de Pordenone ou o famoso Marco Polo foram alguns dos que realizaram essa tradição. No entanto, parece que ainda não era generalizado.

Entre os séculos XIV e XVII, o curativo começou a se espalhar muito mais rápido, principalmente porque os invasores mongóis o apoiavam incondicionalmente. Durante esse período, o tamanho ideal para o pé de uma mulher era de aproximadamente dez centímetros.

Além disso, ao longo desses séculos, a prática deixou de ser exclusiva da nobreza e das classes altas e foi realizada mesmo entre os plebeus. Claro, ainda parecia uma marca de status.

Tentativa de proibição

Alguns governantes do século XVII tentaram banir o que viam como abuso de mulheres e meninas. Por exemplo, o líder Hong Taiji, criador da dinastia Qing, criou um decreto condenando a prática em 1636; e o mesmo aconteceu duas vezes mais nas décadas seguintes, em 1638 e 1664. No entanto, pouquíssimos habitantes do país prestaram atenção à nova lei, e a tentativa acabou fracassando.

Os pés de lótus atingiram sua popularidade máxima no século 19, quando quase metade da população feminina do país havia sofrido essa prática. Ter pés pequenos era um requisito para uma mulher se casar com alguém de classe alta, e muitas famílias pobres enfaixavam suas filhas como uma tentativa de melhorar sua posição econômica.

Tanto as mulheres que sofreram essa prática quanto suas famílias mostraram grande orgulho em relação a esse fato. Isso aconteceu mesmo apesar das consequências negativas causadas pelo pé de lótus, entre as quais a mais importante foi a dificuldade de caminhar sem a ajuda de sapatos especialmente projetados.

Abandono da prática

A oposição às ataduras para criar pés de lótus continuou a crescer nos séculos 18 e 19, embora ainda não fosse generalizada. No entanto, cada vez mais políticos, escritores, ativistas e membros das classes altas começaram a discordar do que consideravam um ataque aos direitos humanos fundamentais.

Por exemplo, em 1883, Kang Youwei fundou a Anti-Bandaged Foot Society perto de Canton para combater o costume. Muitas dessas associações apareceram durante o período, e estima-se que algumas delas alcançaram mais de 300.000 membros.

No entanto, os argumentos apresentados por esses movimentos para interromper o curativo eram principalmente práticos, considerando que impedir que as mulheres se movessem corretamente enfraqueceu o país; e que a abolição do costume faria a força de trabalho da China melhorar muito.

Muitos outros movimentos surgiram nos anos seguintes para tentar interromper a prática; mas não foi até 1912 quando o governo da República da China proibiu formalmente o curativo. Em meados do século XX, o costume foi quase completamente extinto, embora ainda hoje algumas mulheres idosas tenham pés de lótus.

Relacionado:  O que é Socialismo Científico?

Processo enfaixado

Pés de lótus: história, processo de bandagem, consequências 4

Pé de lótus

O processo tradicional de bandagem teve que começar antes que os arcos dos pés das meninas tivessem se desenvolvido completamente, então geralmente começava entre 4 e 9 anos de idade. Como o processo era muito doloroso, geralmente começava nos meses de inverno, de modo que o frio entorpecia as extremidades.

Primeiro, os pés da menina estavam embebidos em uma preparação de ervas e sangue de animais. A idéia era que esse processo anterior ajudasse a suavizar a pele e os músculos e, assim, tornasse o curativo mais fácil. Em seguida, as unhas dos pés foram cortadas o mais curto possível, pois os dedos tiveram que ser pressionados contra o chão e ficar parados.

Feito isso, os dedos se curvaram sob as plantas e pressionaram com força suficiente para quebrá-las e apertá-las ali. Posteriormente, enquanto estavam em posição, houve pressão na perna e o arco do pé foi quebrado pela força. Finalmente, foram colocadas as bandagens, que podiam medir até três metros de comprimento e haviam sido previamente embebidas na mesma preparação à base de plantas.

A colocação do curativo era feita de tal maneira que a garota não conseguia mexer os dedos nem esticar o pé, para que os membros se adaptassem à nova posição. Para evitar que o tecido se soltasse, as extremidades foram costuradas. A colocação do curativo também fez com que o pé fosse permanentemente dobrado em um arco.

Cuidados com os pés

Até que o processo estivesse completo, os pés da menina tinham que ser submetidos a todos os tipos de cuidados, de modo que os curativos tinham que ser removidos regularmente. Cada vez que os curativos eram removidos, os membros eram lavados, as unhas aparadas e os dedos verificados para ver se havia alguma ferida anormal.

Além disso, os dedos também costumavam ser massageados para se tornarem mais flexíveis, e a sola do pé era batida para impedir que os ossos fossem soldados e fazendo com que se dobrassem mais facilmente.

Imediatamente após a realização desse processo, os dedos foram novamente colocados sob as plantas e as ataduras foram atadas novamente, com um pano novo e apertando cada vez mais. O ritual era repetido o mais rápido possível: pelo menos uma vez por dia para os mais ricos e várias vezes por semana para as pessoas de classe baixa.

Normalmente, a família da menina era responsável por realizar esse processo. Na maioria das vezes, uma das avós fazia isso, já que se considerava que a mãe podia sentir muita compaixão por sua filha e não apertar o suficiente. Ocasionalmente, no entanto, a tarefa era delegada a um vendedor profissional de pé.

Consequências

Pés de lótus: história, processo de bandagem, consequências 5

Radiografia de lótus e pé normal

A conclusão do processo para obter pés de lótus poderia levar anos e, muitas vezes, não terminava até que a menina passasse da adolescência. No entanto, após um tempo relativamente curto, os pés ficaram dormentes e pararam de doer, embora se você tentasse devolvê-los à sua forma natural, seria necessário sofrer a mesma dor novamente.

Relacionado:  5 Tradições e costumes da Coréia do Sul

Mesmo assim, embora a dor tenha sido apenas parte dos estágios iniciais do processo, o curativo do pé de lótus teve muitas conseqüências negativas que acabaram causando seu desaparecimento. A seguir, veremos alguns dos mais importantes.

Problemas de saúde

Os problemas mais comuns relacionados aos pés de lótus estavam relacionados à saúde física das mulheres afetadas. O mais comum de todos foi a infecção, que apareceu muito facilmente devido à falta de circulação nos membros causada pelo curativo.

Qualquer pequeno ferimento nos pés, mesmo aqueles que apareciam se as unhas cresciam mais do que o normal e grudavam na carne, podiam ficar seriamente infectados e eram muito difíceis de curar. Normalmente, isso fazia a pele apodrecer, o que fazia com que os pés cheirassem muito mal e poderia criar sérias complicações.

Às vezes, se a infecção atingisse os ossos, isso poderia causar a queda dos dedos; mas muitas famílias viam isso como uma coisa boa, pois assim os curativos podiam ser ainda mais apertados. De fato, algumas pessoas causaram infecções de maneira premeditada.

Por outro lado, durante os primeiros anos do curativo, muitos ossos dos pés foram permanentemente quebrados. Mesmo depois de se recuperarem, ainda tendiam a se quebrar novamente, principalmente durante a infância e a adolescência.

Finalmente, devido à falta de equilíbrio e às dificuldades de caminhar corretamente, as mulheres com pés de lótus eram mais propensas a cair, quebrar ossos como o quadril e sofrer todos os tipos de atrofia muscular.

Consequências sociais

Mas nem todos os problemas sofridos devido aos pés de lótus estavam relacionados à saúde. Embora essa prática tenha tornado as mulheres consideradas mais atraentes pela sociedade da época, a verdade é que isso também limitou muito o estilo de vida e as tornou dependentes de outras pessoas.

Por exemplo, incapazes de suportar o peso na frente dos pés, as mulheres que haviam passado por essa prática tiveram que andar em uma postura muito forçada, na qual tiveram que se esforçar continuamente para manter o equilíbrio. Alguns, de fato, não conseguiam andar sem ajuda.

Nos casos mais graves, as mulheres afetadas eram incapazes de se levantar sozinhas; e eles mal podiam se mover sem sentir uma dor terrível.

Conclusão

A tradição dos pés de lótus durou centenas de anos na China, mas felizmente foi eliminada com a chegada do século XX e as idéias igualitárias que ele trouxe. Atualmente, mesmo dentro da própria sociedade do país, a maioria das pessoas considera essa tradição algo horrível e que não pode pagar em um território civilizado.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies