Pesquisa diagnóstica: características, técnicas, tipos, exemplos

Pesquisa diagnóstica: características, técnicas, tipos, exemplos

A investigação diagnóstica é um método de estudo pelo qual é possível saber o que acontece em uma situação específica. Ou seja, é a análise de uma série de eventos com o objetivo de identificar os fatores que promoveram o surgimento de um fenômeno.

Por exemplo, uma investigação diagnóstica pode ser o estudo das características de uma infecção que surgiu em alguma população. Através desta pesquisa, as ações necessárias podem ser tomadas para interromper a doença.

Uma das principais características da pesquisa diagnóstica é que ela analisa como os sujeitos do estudo são afetados por sua relação com o meio ambiente e com outros sujeitos.

Por exemplo, se você deseja estudar um fenômeno da migração de aves (neste caso, o objeto de estudo), é necessário analisar o comportamento, a dieta, os fatores climáticos e a relação com outras espécies.

As características mais relevantes de uma investigação diagnóstica

Levantar um problema

Como todos os processos investigativos, a pesquisa diagnóstica surge como resposta a um problema ou situação que justifica uma solução.

Esse problema deve ser relevante; Espera-se que, após identificar as características do cenário e determinar as ações a serem seguidas para encontrar a solução para o referido problema, muitas pessoas se beneficiem.

Uma vez realizada a investigação diagnóstica, o resultado determinará se, de fato, o problema proposto existe, quais são os fatores que interferem e em que medida os atores são afetados, entre outros aspectos.

Estude as características de um estágio

O principal objetivo da pesquisa diagnóstica é analisar uma situação específica com base na observação do cenário e de todo o seu contexto.

Para estudar uma situação em profundidade, é necessário identificar todas as suas características, detalhá-las e descobrir suas implicações. Portanto, uma parte fundamental de uma investigação diagnóstica é observar o problema do estudo como um fenômeno complexo.

A pesquisa diagnóstica identifica as características específicas da situação a ser estudada e de todo o seu contexto, classifica-as de acordo com suas implicações e as examina em detalhes.

Identifique os fatores envolvidos

Ao realizar uma investigação de diagnóstico, é muito importante reconhecer os principais elementos que têm impacto no problema.

Como a pesquisa diagnóstica busca estudar uma situação e seu contexto de maneira exaustiva, é necessário conhecer todos os fatores envolvidos nela.

Relacionado:  Quais são as diferenças entre corrente alternada e corrente contínua?

Leve em conta assuntos, contextos e ações

Em uma investigação diagnóstica, por se tratar de uma exploração profunda, devem ser levados em conta não apenas os sujeitos que fazem parte do problema a ser estudado, mas também suas ações e contextos.

Os problemas em geral são complexos e admitem a participação de diferentes fatores. É errado basear uma investigação diagnóstica na observação de um único elemento.

As situações são o produto de diferentes componentes e as investigações diagnósticas buscam analisar todos os fatores participantes, sejam eles sujeitos, contextos ou ações.

Técnicas de investigação diagnóstica

Para atingir seus objetivos, a pesquisa diagnóstica segue uma série de etapas e técnicas. Uma das etapas iniciais da pesquisa diagnóstica é a seleção da população e da amostra.

População e amostra

A população refere-se à entidade em que o estudo será realizado. Pode ser constituído por indivíduos, eventos ou outros elementos. Embora a amostra faça parte da população selecionada, representando todos os sujeitos do estudo.

Por exemplo, para realizar estudos sobre uma população de aves, seria impossível estudar todas elas; é necessário selecionar um grupo deles que representará todos os outros durante a investigação.

É essencial escolher cuidadosamente a amostra, para que os resultados e as descobertas obtidas com ela possam ser aplicados a toda a população. Continuando com o exemplo das aves, deve-se escolher um grupo composto por animais saudáveis, de uma única espécie, com a mesma dieta, entre outros aspectos.

Como expressar os dados

Os dados compõem as variáveis ​​da investigação, entendendo como variável uma característica ou propriedade específica do objeto em estudo. Por exemplo: a cor dos pássaros ou o peso dos pássaros. Variáveis ​​são observadas e contabilizadas na investigação. Portanto, eles são expressos qualitativamente e / ou quantitativamente:

– Dados qualitativos: são aqueles expressos através de símbolos verbais, evitando quantificação (ou seja, os números). Por exemplo: as cores dos objetos, o sexo das pessoas, o nível socioeconômico, entre outros.

– Dados quantitativos: são expressos em números e são originários de um cálculo ou medição. Por exemplo: idade das pessoas em uma população indígena, peso, altura, altura, entre outras.

Técnicas de coleta de dados

As técnicas de coleta de dados são os meios utilizados pelo pesquisador para coletar informações sobre seu trabalho, incluindo:

Relacionado:  Antropologia Aplicada: Quais Estudos e Campos de Aplicação

– Observação: é o registro visual de uma situação. Essa técnica coleta informações de acordo com os tipos de dados que você deseja obter. Em outras palavras, uma metodologia é seguida.

– A pesquisa: nesta técnica, as informações dos sujeitos do estudo são fornecidas por eles mesmos. Ou seja, questionários ou pesquisas são usados ​​para coletar os dados.

– Entrevista: consiste em uma comunicação verbal entre o sujeito e o pesquisador. Como nas pesquisas, esse método é baseado em uma série de perguntas.

Tipos de investigação diagnóstica

– Pesquisa comparativa

Nestas investigações, duas categorias de uma variável são comparadas na mesma amostra. Por exemplo: a comparação das características de uma doença de acordo com o sexo (feminino / masculino) ou com o estado nutricional (desnutrido / nutrido).

A partir de uma investigação comparativa, pode ser estabelecido se as diferentes características de uma variável são diferentes ou semelhantes. Isso permite descrever os elementos que explicam a presença do fenômeno em uma determinada situação.

– Investigações de correlação

Estudos de correlação são usados ​​para estabelecer como as variáveis ​​se relacionam. Em outras palavras, essas investigações avaliam como as características de uma variável correspondem às de outras variáveis.

Por exemplo, se você deseja diagnosticar o desenvolvimento de uma determinada planta, pode analisar como as diferentes condições de luz, umidade e acidez do solo interagem entre si; Todos esses elementos são variáveis ​​que se correlacionam.

– Pesquisa de desenvolvimento

A pesquisa de desenvolvimento é usada quando você precisa avaliar as alterações que ocorrem ao longo do tempo. Ou seja, como os sujeitos do estudo se desenvolvem durante períodos que podem ser meses ou anos.

Por exemplo: uma investigação sobre a alteração da localização geográfica de um rebanho de golfinhos ao longo de um ano.

Vantagens e desvantagens

Vantagem

Através da pesquisa diagnóstica, é alcançado um conhecimento certo e comprovado que leva a uma melhor compreensão da realidade. Isso se deve à sua metodologia, caracterizada por ser bem estruturada, incluindo uma análise rigorosa dos dados e o uso de instrumentos validados.

Relacionado:  Quais são os movimentos da lua e da terra?

Essas propriedades são a grande vantagem da pesquisa diagnóstica e, graças ao seu rigor, é o tipo de pesquisa escolhida em estudos médicos e epidemiológicos (ou seja, estudos sobre epidemias e doenças).

Desvantagens

Para desenvolver esses estudos, é necessário conhecer o método científico em profundidade; estágios, a formulação correta do problema e a análise dos dados.

Todos esses fatores tornam a pesquisa diagnóstica um procedimento que não é muito acessível ao público em geral, o que representa sua maior fraqueza, pois nem todos podem aplicá-lo; Em conclusão, requer uma metodologia específica para poder realizá-la.

Exemplos

Aqui estão alguns exemplos simples de investigações de diagnóstico:

– A análise das características de uma população (idade, sexo, sintomas) afetada por uma doença em uma determinada região.

– A descrição das características de uma população escolar.

– O estudo comparativo do desempenho de estudantes de matemática nas modalidades virtual e presencial (ou seja, aulas digitais comparadas às aulas presenciais tradicionais).

– Estabelecer a relação entre tabagismo e o desenvolvimento de câncer de pulmão.

Exemplo de uma investigação de diagnóstico de desenvolvimento

– O estudo da tendência ao longo do tempo de uma infecção viral em uma população. Esta pesquisa periodicamente (diariamente, semanalmente ou mensalmente) avalia a frequência de uma infecção em uma determinada população.

Assuntos de interesse

Pesquisa básica .

Pesquisa de campo .

Pesquisa aplicada .

Pesquisa pura .

Pesquisa explicativa .

Pesquisa descritiva .

Estudo observacional .

Referências

  1. Lijmer, J., Evers, J., Bossuyt, P (2003). Características de bons estudos diagnósticos. Retirado em 14 de fevereiro de 2020 em: researchgate.net
  2. Coldit, G. (2002). Melhoria dos padrões de pesquisa médica e de saúde pública . Recuperado em 15 de fevereiro de 2020 em: jech.bmj.com
  3. Glasser, (2008). Metodologia de Pesquisa para Estudos de Testes Diagnósticos. Retirado em 15 de fevereiro de: researchgate.net
  4. Oostenbrink, R., Moons, KG., Bleeker, S., Moll, H., Grobbe, D. (2003). Pesquisa diagnóstica sobre dados de cuidados de rotina: perspectivas e problemas . Retirado em 14 de fevereiro de: nlm.nih.gov
  5. Biesheuvel, C., Vergouwe, Y., Oudega, R., Hoes, A., Grobbee, D., Moons K. (2008). Vantagens do projeto caso-controle aninhado na pesquisa diagnóstica. Retirado em 16 de fevereiro de: link.sp.ringer.com

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies