Pintura realística: características, técnicas e autores

A pintura realista substitui as imagens idealistas da arte tradicional por reais – eventos de vida, dando prioridade para retratar a vida cotidiana. Isso se deve à sua sensibilidade social e ideológica em relação às classes mais baixas e movimentos de esquerda.

É Gustave Courbet quem prepara o cenário em 1861, quando diz que “a pintura é uma arte essencialmente concreta e só pode consistir na representação de coisas reais e existentes”.

Pintura realística: características, técnicas e autores 1

Os Quebra-pedras (1849), de Gustave Courbet

O realismo é um movimento artístico que se origina na França, em meados do século XIX, para se espalhar por toda a Grã-Bretanha e depois pelos Estados Unidos. Começa precisamente após a revolução que derrubou o monarca Luis Felipe em 1848. Ocorre durante o Segundo Império sob Napoleão III e termina no final do século XIX.

No início, esse movimento ocorre na literatura com Campfleury (Jules François Félix Husson); Balzac e Luis Edmond Duranty. E também na pintura, cujo maior expoente foi Gustave Courbet.

Características da pintura realista

Para definir suas características, deve-se levar em conta que seu principal objetivo é, como Courbet afirma, levar a realidade do mundo ao seu redor. Por isso, proclama captar costumes, idéias e aspectos da época, destacando sua visão pessoal da realidade.

Ainda mais, no preâmbulo do catálogo da exposição de 1855, ele declara que “devemos saber fazer” e que seu objetivo é produzir “arte viva”.

Foi Gustave Courbet quem cunhou o termo realismo, dando esse nome ao prédio construído para a exposição mencionada acima: “Pavilhão do Realismo”. No entanto, dentro deste movimento não há unidade completa. Existem muitos pintores considerados dentro dele, mas não é um movimento estruturado ou homogêneo.

No entanto, o seguinte pode ser mencionado como algumas de suas particularidades:

-Representação da realidade cotidiana da população da classe média e baixa da sociedade. Um exemplo disso é “The Gleaners”, de Jean-François Millet.

– Ausência de alegria, as pessoas parecem sérias e é por isso que são representadas com cores escuras. Dessa maneira, as pinturas se tornam sombrias, como forma de demonstrar a situação dos trabalhadores. Um óleo que o representa claramente é o “Transporte de Terceira Classe”, de Honoré Daumier.

-Imagem de trabalhadores urbanos, rurais e pobres mostrados em posturas curvadas, lutando para realizar trabalho manual duro. Isso pode ser visto em “The Stone Breakers”, de Gustave Courbet.

Desafio das distinções de classe social presentes, por exemplo, em “Moças da vila”. Há jovens representantes muito próximos do ambiente rural emergente e da classe dos camponeses pobres que aceitam sua caridade.

Técnicas utilizadas

Para os críticos da época, tanto a pintura de Courbet quanto a de seus contemporâneos do realismo não respeitavam as técnicas tradicionais. Para eles, era uma arte conflitante e desrespeitosa das práticas em vigor até aquele momento.

Entre as técnicas que chocaram os especialistas artísticos da época, estão:

– Reforçar muito os contornos das figuras, como acontece no primeiro trabalho de Courbet, “The Stone Breakers”, que dá uma tela “plana”.

– Olhar de perspectiva e negação de escala, como em outro trabalho de Courbet “Moças da vila” e em “Le déjeuner sur l’herbe” de Édouard Manet.

No caso da pintura de Manet, surgiram críticas indignadas em relação às obras de Marcantonio Raimondi e Giorgione. Então eles consideraram o tratamento de Manet impróprio para os Velhos Mestres.

O mesmo aconteceu com “Olimpia”, baseado em “Venus de Urbino”, de Ticiano, que eles consideraram contorneado, plano, cru e bruto.

No entanto, essas manipulações tanto em Manet, que mais tarde fundou o impressionismo, como em Courbet, deram ao realismo pintando a possibilidade de que a tela seja revelada como um suporte bidimensional que é criativamente coberto de pigmentos. E essa tem sido a possibilidade de futuros artistas se afastarem do naturalismo.

Autores e trabalhos destacados

Gustave Courbet (1819-1877)

Criador deste movimento, além de suas obras mais renomadas “The Stone Breakers” e “Young Ladies of the Village”, existe outro pioneiro chamado “Um enterro em Ornans”.

Mas quando esse trabalho e “The Painter’s Studio” foram rejeitados pelo júri da exposição Universal em Paris em 1855, ele os retirou e fundou seu Realism Pavilion.

Jean-François Millet (1814-1875)

Ele pintou cenas da vida rural, como “Ovelhas cortando debaixo de uma árvore”. Desse modo, ele prestou homenagem à população francesa que migrou das áreas rurais para as cidades industrializadas.

Outra de suas obras é “The Gleaners”, que mostra a pobreza rural daquele momento. E em “Woman with a Raike”, ele dá a suas figuras uma presença escultural semelhante à arte de Michelangelo e Nicolas Poussin.

Honoré Daumier (1808-1879)

Este pintor se destaca por ilustrar as diferenças socioeconômicas na área urbana. Isso é feito através da experiência de viajar de trem nos compartimentos de primeira, segunda e terceira classe.

Em “O transporte de primeira classe”, não há contato físico entre as quatro figuras. Enquanto isso, na “Carruagem de Terceira Classe”, há uma multidão de mulheres e homens. Destacando entre eles uma jovem mãe e seu filho adormecido, mostrando as dificuldades diárias de uma família aparentemente sem pai.

Daumier também se destacou em trabalhos gráficos para revistas como “La Caricature” e “Le Charivari”. Eles satirizaram as maneiras da burguesia e funcionários do governo.

Também é conhecida como “Rue Transnonain”, publicada em 15 de abril de 1834 na Association Mensuelle Magazine. Há uma repressão violenta de uma demonstração de trabalhadores. Embora Daumier não estivesse presente, ele consegue descrever a brutalidade do governo Louis-Philippe.

Fora da França, você pode mencionar:

Inglaterra

Tem o grupo de pintores da Irmandade Pré-Rafaelita e os de Ford Madox Brown. A escola de Newlyn também é reconhecida como realista (7).

Estados Unidos

Thomas Eakins com seu trabalho “The Gross Clinic” e Winslow Homer com “Snap the Whip” (8).

Referências

  1. Musée d’Orsay. (2006). “Realismo”. Retirado em 30 de maio de 2018 de musee-orsay.fr.
  2. Ross Finocchio. (Outubro de 2004). “Realismo francês do século XIX.” Departamento de Pinturas Europeias, Museu Metropolitano de Arte. Retirado em 30 de maio de 2018 de metmuseum.org.
  3. Musée d’Orsay. (2006). “Realismo”. Retirado em 30 de maio de 2018 de musee-orsay.fr.
  4. Identifique este Art. “Realism Art Movement” em “Art Movements & Styles”. Retirado em 30 de maio de 2018 de identitythisart.com.
  5. A História da Arte, Moderns Art Insight. “Realismo”. Retirado em 30 de maio de 2018 de theartstory.org.
  6. Joaquin Yarza Luaces. (15 de fevereiro de 2012) “Realismo inglês e pré-rafaelismo” em História da arte. Placa de Castela e Leão. Recuperado em 30 de maio de 2018 de web.archive.org.
  7. Donna Campbell (Avaliado). “Realismo (final do século XIX-início do século XX)” de “O Novo Livro do Conhecimento”. Scolastic Art. Scholastic.com.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies