Poesia pura: origem, características, representantes e obras

A poesia pura é um movimento artístico que surgiu no início do século XX, influenciado principalmente pela corrente simbolista e pelo modernismo. Caracterizada pelo uso de linguagem poética, metáforas e imagens sensoriais, a poesia pura busca a expressão de sentimentos, emoções e reflexões de forma mais abstrata e subjetiva. Seus representantes mais conhecidos são poetas como Mallarmé, Rimbaud, Valéry, entre outros. Suas obras são marcadas pela experimentação linguística, pela busca do desconhecido e da transcendência, e pela valorização da estética e da musicalidade das palavras.

Significado de poesia pura: a essência da arte em palavras autênticas e emocionantes.

A poesia pura é a forma mais autêntica e emocionante de expressão artística por meio das palavras. Ela busca capturar a essência da experiência humana de forma lírica e profunda, levando o leitor a refletir sobre a vida, as emoções e o mundo ao seu redor.

A origem da poesia pura remonta aos poetas românticos do século XIX, que buscavam uma forma de expressão mais livre e subjetiva. Caracteriza-se pela linguagem poética, pela musicalidade dos versos e pela intensidade emocional que transmite. Os poetas que se dedicam a essa forma de arte buscam a perfeição na escolha das palavras e na construção dos versos, criando obras que são verdadeiras joias literárias.

Alguns dos principais representantes da poesia pura são T.S. Eliot, Ezra Pound, Wallace Stevens e William Carlos Williams. Suas obras são marcadas pela originalidade, pela inovação formal e pelo impacto emocional que causam no leitor. Cada poeta traz sua própria visão de mundo e sua própria sensibilidade para a poesia, criando um universo único e inconfundível.

Entre as obras mais emblemáticas da poesia pura, destacam-se “The Waste Land” de T.S. Eliot, “Cantares” de Ezra Pound, “The Collected Poems” de Wallace Stevens e “Paterson” de William Carlos Williams. Esses livros são verdadeiros tesouros da literatura, capazes de emocionar e inspirar gerações de leitores com sua beleza e profundidade.

Em resumo, a poesia pura é a forma mais elevada de expressão artística por meio das palavras. Ela nos convida a mergulhar no mundo interior dos poetas, a explorar as fronteiras da linguagem e a descobrir novas formas de compreender a vida e a arte. É um universo de emoções e significados que nos desafia e nos enriquece, tornando-nos mais sensíveis e mais humanos.

Qual a proveniência da poesia?

A poesia é uma forma de expressão artística que tem origem na Antiguidade, sendo uma das formas mais antigas de comunicação humana. A palavra “poesia” vem do grego “poiesis”, que significa “criação” ou “fazer”. A poesia surgiu como uma forma de transmitir conhecimentos, histórias e sentimentos de forma mais emocional e estética.

A poesia pura é um estilo de poesia que busca a essência da linguagem e da emoção, muitas vezes abstraindo-se de elementos narrativos ou descritivos. Ela tem como objetivo principal a experimentação com a linguagem, explorando sons, ritmos e imagens de forma mais livre e subjetiva.

Alguns dos principais representantes da poesia pura são Mallarmé, Rimbaud, e Pound. Esses poetas buscavam uma linguagem mais hermética e simbólica, distanciando-se do estilo mais tradicional e descritivo da poesia.

Algumas obras importantes da poesia pura incluem “L’Après-midi d’un faune” de Mallarmé, “Uma estação no Inferno” de Rimbaud, e “Cantos” de Pound. Essas obras são marcadas por uma linguagem mais experimental e uma abordagem mais subjetiva e simbólica.

Principais características da poesia: o que a torna única e inspiradora.

A poesia é uma forma de arte que se destaca por suas características únicas e inspiradoras. Diferente da prosa, a poesia utiliza recursos como a métrica, a rima, a sonoridade, a musicalidade e a figura de linguagem para transmitir emoções, sentimentos e reflexões de forma mais profunda e impactante.

Uma das principais características da poesia é a sua capacidade de condensar em poucas palavras um grande significado, muitas vezes abstrato e subjetivo. A linguagem poética é carregada de simbolismo e metáforas, o que permite ao leitor mergulhar em um universo de imagens e sensações.

Além disso, a poesia também se destaca pela sua musicalidade, que se manifesta através do ritmo e da cadência das palavras. A combinação de sons e silêncios cria uma melodia que envolve o leitor e o transporta para além do racional, tocando a sua sensibilidade e despertando emoções profundas.

Relacionado:  História Literária: Origem, Características e Exemplos

Por fim, a poesia é inspiradora porque é capaz de revelar a beleza e a complexidade da vida de uma forma única e original. Os poetas conseguem enxergar o mundo com um olhar sensível e poético, transformando a realidade em versos que encantam e emocionam quem os lê.

Em resumo, a poesia é uma forma de expressão artística que transcende as palavras e alcança o âmago da alma humana. Sua capacidade de transmitir emoções, sentimentos e reflexões de forma profunda e impactante a torna uma arte única e inspiradora, capaz de tocar o coração e a mente dos leitores.

De onde surgiu o poema?

A poesia pura surgiu a partir do movimento simbolista no final do século XIX, que buscava uma forma de expressão artística mais subjetiva e sensorial. Os poetas simbolistas acreditavam que a linguagem poética deveria ser utilizada para transmitir emoções e sensações, sem se prender a uma narrativa ou mensagem clara.

Essa busca pela essência da linguagem poética levou ao surgimento da poesia pura, que se caracteriza pela valorização da sonoridade das palavras, das imagens sensoriais e das metáforas. Os poetas que se dedicam a esse estilo buscam uma linguagem mais musical e evocativa, explorando a musicalidade das palavras e a sua capacidade de criar atmosferas e sentimentos.

Poesia pura: origem, características, representantes e obras

Poesia pura é o termo dado à reação de alguns intelectuais e escritores contra o movimento cultural do romantismo, durante o período entre guerras, entre 1918 e 1939. O objetivo era definir um estilo dentro da poesia que impediria o decadentismo ou descuido na estética expressiva.

Um dos principais objetivos da poesia pura era encontrar a verdadeira natureza das palavras, deixando de lado o uso da fala. Seus representantes insistiram em manter viva a evocação e a memória que surgiram da linguagem poética e de suas formas de criação.

Poesia pura: origem, características, representantes e obras 1

Edgar Allan Poe, que se considera o precursor da pura poesia. Fonte: Oscar Halling [Domínio público], via Wikimedia Commons

A poesia pura foi a responsável por fazer uma viagem à existência humana, com a intenção de investigar e revelar através da palavra a essência do mundo. A prática dessa forma de expressão se espalhou por toda a Europa e América Latina.

Origem

A origem da poesia pura estava relacionada à arte pura ou à liberdade de arte. Seu início foi vinculado ao escritor americano Edgar Allan Poe e a seu ensaio O princípio poético, ou O princípio poético, de 1848, obra que o poeta e ensaísta francês Charles Baudelaire traduziu em 1856.

Princípio poético de Poe

Allan Poe escreveu o ensaio em linguagem simples, a fim de mostrar exemplos do que era poesia para ele. Para o escritor, a beleza era estética e, no campo poético, era feita através da palavra, desde que o receptor se sentisse sobre-humano.

Algumas teorias

Andrew Cecil Bradley e Poesia por causa da poesia

A Inglaterra foi o berço de algumas teorias sobre a poesia pura. O crítico literário Andrew Cecil Bradley desenvolveu seu trabalho Poesia por causa da poesia ou Poesia por poesia, em 1901 . Lá, o crítico argumentou que a pura poesia era a união entre conteúdo e estética.

Henri Bremond e La poésie pure

Poesia pura: origem, características, representantes e obras 2

Henri Brémond, à direita, e Alexandre Miniac, à esquerda. Fonte: Oscar Halling [Domínio público], via Wikimedia Commons

Mais tarde, em 1921, o filósofo e historiador Henri Bremond continuou na França com a teoria de Bradley, através de seu estudo La poésie pure, ou Pure Poetry. Os franceses consideraram que a poesia era uma arte mística e sagrada. Além disso, era uma nova maneira de expressar a realidade através de emoções e sensações.

Jorge Guillén e sua posição contra Henri Bremond

Algum tempo depois, o escritor espanhol Jorge Guillén disse que a teoria de Henri Bremond de associar o místico ao poema gerou confusão do ponto de vista da substância, ou seja, do conteúdo. Para Guillen, a pureza da poesia eram as próprias palavras, e não os elementos estruturais como tais.

Relacionado:  65 Exemplos de Verbos em Copretérito

Caracteristicas

A poesia pura foi caracterizada pelos seguintes aspectos:

– Ele tentou encontrar a essência da realidade das coisas, através da anulação da narrativa ou retórica.

– Seus representantes desenvolveram a tendência de especificar as palavras, ou seja, eles se expressaram com precisão e concisão. Ornamentos e retórica literária não os consideravam importantes.

– Uso constante de frases e expressões exclamatórias, bem como interrogativos. O objetivo do autor de poesia pura era expor a surpresa gerada por sua exploração do mundo e da essência da humanidade.

– Quanto à estrutura dos poemas, a poesia pura era caracterizada pelo uso de versos curtos e pela medição de estrofes. O uso do décimo foi frequente, ou seja, das estrofes com dez versos octosílabos.

– Na poesia pura, o poema era suficiente para mostrar a realidade, não precisava de mais nada.

Representantes e obras

Na Itália

Giuseppe Ungaretti (1888-1970)

Ele era um poeta italiano, nascido em Alexandria-Egito, em 10 de fevereiro de 1888. A obra de Ungaretti estava ligada ao movimento poético do hermetismo italiano da primeira metade do século XX. Seu trabalho foi caracterizado por dar à palavra um novo valor.

A poesia de Giuseppe se afastou da retórica, enquanto construía uma estreita relação com a realidade. Por meio de termos precisos e diretos, nasceu o sentimento, pois buscava recuperar o significado expressivo da palavra a partir de sua essência e autonomia.

Trabalhos

As obras mais representativas do autor italiano foram:

– O porto enterrado (1916).

– Alegria de náufragos (1919).

– Sensação de tempo (1933).

– A Terra Prometida (1939).

A dor (1947).

– II Taccuino del Vecchio (1960).

– A vida de um homem (1977).

Eugenio Montale (1896-1981)

Ele era um poeta, ensaísta e crítico italiano, nascido em Gênova em 12 de outubro de 1896. Seu trabalho estava ligado ao movimento hermético. Além disso, os escritos de Montale foram caracterizados por serem breves, ligados à realidade pela natureza dos fatos.

O trabalho de Eugene também se destacou por mostrar sua percepção do mundo e do homem. Como pura poesia explorada no ser humano, especialmente em aspectos como solidão e negatividade nas circunstâncias, que permitiram Montale ganhar o Prêmio Nobel de Literatura em 1975.

Trabalhos

As obras mais destacadas de Eugenio Montale foram:

– Ossos sépia (1925).

– As ocasiões (1939).

Finisterre (1943).

– O vendaval e outras coisas (1956).

– Dinard Butterfly (1956).

Na França

Paul Valéry (1871-1945)

Valéry foi um escritor, ensaísta, poeta e filósofo francês, nascido em Sète em 30 de outubro de 1871. Seu trabalho foi caracterizado dentro de pura poesia pela subjetividade com a qual ele percebeu o mundo moderno e a própria humanidade. O escritor deu às palavras consciência da lógica e da realidade.

Trabalhos

Aqui estão alguns dos títulos mais importantes de Paul Valéry:

– O jovem Ceifador (1917).

– A crise do espírito (1919).

– O cemitério marinho (1920).

Na Espanha

Juan Ramón Jiménez (1881-1958)

Juan Ramón Jiménez foi um escritor e poeta espanhol nascido em Moguer-Huelva, em 23 de dezembro de 1881. A maior parte de seu trabalho foi enquadrada em pura poesia; através dele, ele capturou a realidade, usando palavras precisas e concretas, sem aplicar retórica e ornamentos literários.

Poesia pura: origem, características, representantes e obras 3

Juan Ramón Jiménez, um dos principais representantes da poesia pura. Fonte: Veja a página do autor [Domínio público], via Wikimedia Commons

Para Juan Ramón Jiménez, os poetas criativos permitiram que as pessoas conhecessem o mundo graças à poesia. Nas três etapas da obra poética do escritor, sensível, intelectual e verdadeira, houve uma busca constante pela exaltação da palavra, ou seja, da pura poesia.

Trabalhos

Seus trabalhos mais importantes foram os seguintes:

– Rimas (1902).

– Jardins distantes (1904).

– Elejías puro (1908).

– Elejías intermediários (1909).

– Baladas de primavera (1910).

Relacionado:  100 Palavras Simples Sem Tilde e Con Tilde (em espanhol)

– A solidão do som (1911).

– Melancolia (1912).

– Platero e eu (1917).

– Sonetos espirituais (1917).

– Diário de um poeta recém-casado (1917).

– Beleza (1923).

– A estação total (1946).

Jorge Guillen (1893-1984)

Foi um escritor espanhol, poeta e crítico literário que pertencia à Geração dos 27 . Sua obra literária começou a se desenvolver a partir dos 35 anos de idade, dentro das diretrizes da pura poesia, por isso é considerada a mais próxima da obra de Juan Ramón Jiménez.

O trabalho de Guillén era desprovido de ornamentos líricos, sua linguagem era densa e concreta. Ele expressou suas idéias e percepções com precisão, cada palavra significava realidade, que ele expressa através de exclamações em versos curtos, compostos de substantivos.

Trabalhos

Os trabalhos mais importantes de Guillén foram:

– Cântico (1928). Composto por 75 poemas.

– Cântico (1936). Edição estendida com 125 poemas.

– Cântico (1945). Com 270 poemas.

– Cântico (1950). Foi composta de 334 poemas.

– Pomar de Melibea (1954).

Chora. Maremagnum (1957).

– Clamor … O que eles vão dar ao mar (1960).

– De acordo com as horas (1962).

– À margem (1972).

– Final (1981).

Pedro Salinas (1891-1951)

Salinas foi escritor, ensaísta e poeta espanhol, membro da Geração de 27. A primeira parte de sua obra, conhecida como inicial, de 1923 a 1931, foi imersa em pura poesia, devido à influência de Juan Ramón Jiménez.

Seu trabalho foi caracterizado por investigar profundamente a realidade; para ele, a poesia deve ser original, bonita e criativa. Em seu estágio de pura poesia, ele aperfeiçoou seus trabalhos com a limpeza das palavras, a retórica foi descartada, embora seu tema favorito fosse o amor.

Trabalhos

Entre seus trabalhos mais destacados em poesia pura estavam:

– Omen (1923).

– Seguro aleatório (1927).

– Fábula e sinal (1931).

Na américa latina

Jaime Torres Bodet (1902-1974)

Ele era escritor, poeta, ensaísta e diplomata mexicano. Torres Bodet experimentou o movimento de vanguarda e a poesia pura, como fizeram muitos intelectuais na América. Durante um período em Madri, entre 1928 e 1931, ele se relacionou com alguns escritores da Geração de 27.

A obra poética de Torres Bodet, embora não esteja intimamente ligada à poesia pura, estava relacionada do ponto de vista do clássico e do realista, considerados anacrônicos ou fora de tempo pela forma como foi estruturada.

Trabalhos

– Alguns de seus trabalhos foram:

– Poemas juvenis (1916-1917).

– Músicas (1922).

– O coração ilusório (1922).

A casa (1923).

– Tela (1925).

– Sonetos (1949).

– Sem trégua (1957).

Eduardo Carranza (1913-1985)

Ele era um poeta colombiano que fazia parte do movimento literário e poético Piedra y Cielo, inspirado em uma obra do escritor espanhol Juan Ramón Jiménez, daí sua conexão com a poesia pura. Seu trabalho era preciso e preciso em termos de uso de palavras, em simplicidade era beleza.

Trabalhos

– Alguns de seus trabalhos foram:

– Seis elegias e um hino (1939).

– A sombra das meninas (1941).

– Você Azul (1944)

– Eles, os dias e as nuvens (1945).

– Os dias que agora são sonhos (1973).

– Uma rosa em uma espada (1985).

Outros representantes hispano-americanos importantes

Outros representantes da poesia pura foram Jorge Luís Borges , Francisco Luís Bernárdez, Eduardo González Lanuza e Ricardo Molinari na Argentina. Enquanto no Peru, José María Euren e José Carlos Mariátegui se destacaram.

Referências

  1. Poesia pura (2019). Espanha: Wikipedia. Recuperado em: wikipedia.org.
  2. A geração de 27 II. Poesia pura e Las Vanguardias. (S. f.). Espanha: Hiru.eus. Recuperado de: hiru.eus.
  3. Domenech, L., Romero, A. (S. f.). A geração de 27: correntes poéticas. (N / a): Materiais, Linguagem e Literatura. Recuperado de: materialsdelengua.org.
  4. Cardona, S. (2013). O que é pura poesia? (N / a): Documentos do curso. Recuperado de: papedelcurso.blogspot.com.
  5. Simbolismo e poesia pura. (2013). (N / a): Littera. Recuperado de: letras-littera.blogspot.com.

Deixe um comentário