Prados marinhos: características, fatores, flora e fauna

Os prados marinhos são ecossistemas costeiros de grande importância ecológica, que abrigam uma grande diversidade de flora e fauna. Esses prados são formados por extensas áreas de plantas aquáticas, como as angiospermas marinhas, que desempenham um papel fundamental na manutenção da biodiversidade marinha. Além disso, os prados marinhos desempenham um papel crucial na fixação de carbono, na proteção da costa contra a erosão e na promoção da reprodução de diversas espécies de peixes e invertebrados. Neste contexto, é fundamental compreender as características, fatores e a biodiversidade associada aos prados marinhos para promover sua conservação e preservação.

Vegetação predominante nas pradarias: conheça as espécies que habitam esse bioma terrestre.

As pradarias são biomas terrestres caracterizados por vastas extensões de vegetação rasteira, com poucas árvores e arbustos. São conhecidas por sua biodiversidade e pela presença de espécies adaptadas a esse ambiente único.

Na vegetação predominante das pradarias, encontramos gramíneas como o capim-das-pradarias, a grama-do-campo e o capim-gordura. Essas plantas são essenciais para a manutenção do ecossistema, fornecendo alimento e abrigo para uma variedade de animais.

Além das gramíneas, também é comum encontrar flores silvestres nas pradarias, como o girassol-das-pradarias, a margarida e a rosa-dos-ventos. Essas plantas contribuem para a beleza e diversidade do bioma, atraindo polinizadores e outros animais.

Entre as espécies que habitam as pradarias, destacam-se os coelhos, as codornas, os veados e os lobos-das-pradarias. Esses animais estão adaptados às condições desse ambiente, encontrando alimento e refúgio entre a vegetação rasteira.

Em resumo, as pradarias são biomas terrestres ricos em biodiversidade, com uma vegetação predominante composta por gramíneas e flores silvestres. Esses ecossistemas abrigam uma variedade de espécies animais adaptadas a esse ambiente único, tornando as pradarias um dos biomas mais fascinantes e importantes do nosso planeta.

Descubra as diferentes espécies de plantas vasculares encontradas nos oceanos e mares.

Prados marinhos são ecossistemas costeiros ricos em biodiversidade e de extrema importância para a saúde dos oceanos. Esses prados são compostos por plantas vasculares adaptadas para viver em ambientes aquáticos, como algas marinhas e ervas marinhas.

As algas marinhas são macroalgas que podem ser encontradas em diferentes profundidades dos oceanos, contribuindo para a produção de oxigênio e servindo de habitat para diversas espécies marinhas. Já as ervas marinhas são angiospermas aquáticas que formam densos tapetes no fundo do mar, oferecendo proteção e alimento para animais marinhos.

Além das plantas vasculares, os prados marinhos abrigam uma grande diversidade de fauna marinha, como peixes, moluscos, crustáceos e outros organismos marinhos. Esses animais dependem dos prados marinhos para se alimentar, se reproduzir e se proteger de predadores.

Relacionado:  Tecido conjuntivo denso: características e funções

Para manter a saúde dos prados marinhos, é essencial preservar a qualidade da água, evitar a poluição e proteger esses ecossistemas vulneráveis. A destruição dos prados marinhos pode ter impactos negativos em toda a cadeia alimentar dos oceanos, prejudicando a biodiversidade e a sustentabilidade dos recursos marinhos.

Prados marinhos: características, fatores, flora e fauna

O pastagens marinho ou ervas marinhas são formações de plantas (plantas com flores) que vivem completamente submersas na água do mar. Eles também são conhecidos como pradarias marinhas, um nome que se assemelha a pradarias terrestres.

Esses ambientes são considerados como um dos ecossistemas mais produtivos da Terra. Eles crescem em fundos arenosos e arenofangosos. As espécies mais comuns e abundantes pertencem ao gênero Zostera, espécies conhecidas como gramíneas eelgrass.

Prados marinhos: características, fatores, flora e fauna 1

Prado Thalassia. Tirada e editada do Dry Tortugas NPS [CC BY 2.0 (https://creativecommons.org/licenses/by/2.0)], via Wikimedia Commons

Outras espécies de ervas marinhas incluem Thalassia testudinum (Atlântico Norte), Possidonia oceanica (Mediterrâneo) ou Ruppia maritima (Atlântico Sul). As ervas marinhas abrigam uma grande diversidade de macroalgas. Algumas dessas macroalgas são sazonais, outras são residentes permanentes das pastagens.

Há também uma comunidade complexa de animais com a qual várias associações são estabelecidas. Algumas espécies vivem enterradas nos rizomas das plantas, outras vivem apegadas às folhas e outras simplesmente vagam entre as plantas.

Caracteristicas

As ervas marinhas são formadas por plantas superiores. Eles têm órgãos e tecidos semelhantes a outras plantas com flores. Em quase todos eles, uma parte superior e uma inferior podem ser distinguidas.

A parte inferior da planta é formada por raízes e rizomas e a parte superior por brotos com várias folhas. As flores são geralmente muito pequenas em tamanho.

Algumas sementes podem ter uma cobertura protetora espessa e dormência. Outros têm capas protetoras finas e não têm dormência.

Eles geralmente se desenvolvem abaixo de 10 metros de profundidade.

Aspectos taxonômicos

O termo ervas marinhas foi usado pela primeira vez na literatura científica em 1871. Este termo define um grupo ecológico e carece de validade taxonômica. Todas as plantas que fazem parte das ervas marinhas pertencem aos monocotiledôneas.

As ervas marinhas pertencem a quatro famílias. As famílias Zosteraceae, Cymodoceaceae e Posidoniaceae são representadas apenas por espécies marinhas. A família Hydrocharitaceae é composta por 17 gêneros, dos quais apenas 3 são considerados ervas marinhas.

Fatores abióticos e bióticos

Fatores abióticos

Fatores abióticos são os componentes não vivos de um ecossistema. Entre os fatores que determinam os leitos de ervas marinhas estão:

Temperatura

Os prados de ervas marinhas são distribuídos em águas quentes e quentes. Eles não são encontrados em águas polares. Eles toleram grandes variações de temperatura porque muitos deles devem suportar períodos de secagem durante as marés baixas.

As sementes de algumas espécies também podem suportar a secagem.

Light

As ervas marinhas requerem luz abundante para realizar a fotossíntese . Por isso, eles devem estar localizados em águas com baixa turbidez.

Profundidade

As ervas marinhas têm requisitos de luz mais altos que as algas. Por esse motivo, estão quase restritos a águas com profundidades inferiores a dez metros.

Apenas duas espécies podem ser encontradas em grandes profundidades, Halophila decipiens e Thalassodendron ciliatum, que podem habitar mais de 50 metros de profundidade.

Salinidade

Em geral, as ervas marinhas são Eurihalin, o que significa que toleram grandes intervalos de salinidade. No entanto, os níveis de tolerância a esse fator variam de acordo com a espécie.

As espécies do gênero Thalassia , por exemplo, vivem em ambientes com salinidades entre 35 e 45 ups (unidades práticas de salinidade). Posidonia tolera faixas mais amplas (35 – 55 ups). Ruppia , por outro lado, pode viver tanto em lagoas hipersalinas quanto em águas permanentemente frescas.

Substrato

As ervas marinhas se desenvolvem em substratos arenosos ou lamacentos. Eles exigem que esse tipo de substrato seja capaz de criar raízes. Além disso, essas gramíneas ajudam a estabilizar o substrato e formam o solo. Um único gênero ( Phyllospadix ) habita linhas costeiras rochosas.

Fatores bióticos

Fatores bióticos são os fatores vivos do ecossistema. Eles são representados pela flora, fauna (em seu sentido amplo) e microorganismos.

A flora é composta de algas, fanerógamas e até fungos. A fauna é representada por invertebrados e vertebrados .

Algas marinhas

São abundantes e diversas em camas de ervas marinhas. Eles podem crescer em pastagens, substratos ou rochas que estão sempre espalhadas nas pastagens. Entre as algas verdes, as ulváceas são comuns.

Algas dos gêneros Codium e Acetabularia também são encontradas , entre outras. Entre as algas marrons, os gêneros Padina, Dyctiota e Sargassum são comuns . Além disso, algumas espécies de algas vermelhas são comuns.

Phanerógamas

Eles são o principal componente desse tipo de ecossistema. São as pastagens que formam plantas.

Dependendo da localização geográfica, fanerógamas de diferentes espécies serão encontrados. Thalassia, Halophila, Syringodium e Halodule têm espécies no Atlântico e no Indo-Pacífico. Zostera e Posidonia , por outro lado, estão distribuídas em todas as praias temperadas do mundo.

Zostera é o gênero mais diversificado e amplamente distribuído. Possui cerca de 60 espécies descritas e é encontrada tanto no hemisfério norte quanto no hemisfério sul.

Relacionado:  Foca-monge do Caribe (Neomonachus tropicalis)

Microrganismos

Nos solos de ervas marinhas, existe uma complexa comunidade de microorganismos que decompõem a matéria orgânica nos sedimentos.

Sob condições anóxicas, predominam as bactérias que usam sulfato. No entanto, também existem espécies que usam ferro e manganês.

Invertebrados

Habitam espécies de diferentes táxons enterradas entre os rizoides de ervas marinhas. Estes compõem a chamada infauna. Entre eles estão algumas espécies de moluscos bivalves.

Nemátodos e poliquetas também são frequentes. Os crustáceos são representados por estomatoópodes e algumas espécies de caranguejos e camarões.

Outras espécies se desenvolvem nas folhas dos fanerógamas. Eles são conhecidos como epibiontes. Entre eles predominam esponjas, anêmonas, ascites e nudibrânquios.

A epifauna que vive livre no substrato e entre as folhas das pastagens é a mais diversa. Entre os moluscos predominam os gastrópodes. Os equinodermos são representados por pepinos do mar, algumas espécies de estrelas, estrelas frágeis e os ouriços do mar.

Prados marinhos: características, fatores, flora e fauna 2

Reticulatus de Oreaster da estrela do mar em pastagens da pradaria. Tirada e editada do Jstuby em en.wikipedia [Domínio público], do Wikimedia Commons.

Os crustáceos são diversos, variando de pequenos isópodes e anfípodes, a lagostas, caranguejos, ermitões e camarões.

As rochas espalhadas nos prados também são fortemente colonizadas por invertebrados, como esponjas, ascites, poliquetas, entre outros.

Vertebrados

Eles são dominados por peixes, alguns deles bênticos, como sapos e outros pelágicos que se aproximam do prado em busca de comida.

La Zostera é conhecida como grama de enguia, pois esses peixes passam parte de suas vidas nesses ambientes. O Thalassia testudinum é conhecido como capim-tartaruga, pois serve como alimento para as tartarugas marinhas.

Referências

  1. M. Díaz-Piferrer (1972). As algas superiores e ervas marinhas. In: J. Castelvi (Ed.), Ecologia Marinha. Fundação La Salle de Ciências Naturais. Dossat editorial.
  2. P. Castro e ME Huber (2003). Biologia Marinha 4ª Edição, McGraw-Hill Co.
  3. C. den Hartog e J. Kuo (2006). Taxonomia e biogeografia de ervas marinhas. In: AWD Larkum, RJ Orth e CM Duarte. Ervas marinhas: Biologia, Ecologia e Conservação. Springer
  4. J. Kuo e C. den Hartog (2006). Morfologia, anatomia e ultraestrutura de ervas marinhas. In: AWD Larkum, RJ Orth e CM Duarte. Ervas marinhas: Biologia, Ecologia e Conservação. Springer
  5. C. Lira (1997). Fauna da pradaria de Thalassia . In. MARNR. Atlas básico do estado de Nueva Esparta. Edição especial para a VII Cúpula de Chefes de Estado e de Governo. Ilha Margarita
  6. R. Bitter (1993). Estrutura e função do campo de Thalassia como um ecossistema. Ecotropic

Deixe um comentário