Projeto Nação Monárquica: Propostas, Atores, Beneficiários

O projeto da nação monarquista que ocorreu no México no século 19 foi uma proposta feita pelos espanhóis com o apoio de alguns crioulos que moravam na América, que defendiam que o Império Mexicano fosse liderado por um representante da casa Bourbon que se seguiu. as diretrizes de Fernando VII.

Monarquia é entendida como os sistemas de governo que concentram o poder absoluto de uma nação em uma pessoa. Geralmente é um rei, designado por herança. Embora hoje o sistema político que prevalece no México não seja o republicano, houve uma monarquia após a independência do Império Espanhol.

Projeto Nação Monárquica: Propostas, Atores, Beneficiários 1

Agustín de Iturbide, imperador do México

Após as lutas pela independência no México – iniciada em 1810 com o chamado “Grito de Dolores” e culminando em 27 de setembro de 1821 – uma monarquia foi o que substituiu o antigo regime espanhol no México.

Contexto econômico, social e político

Contexto econômico

Depois que a independência foi alcançada, o povo reivindicou a transformação do país em uma república. A maioria da população não possuía terras ou recursos para sua produção; as haciendas mal conseguiam gerar matéria-prima para manter ou exportar.

No meio da crise, houve uma grande inflação e a moeda foi desvalorizada. O governo foi forçado a pedir empréstimos forçados, comprometendo a segurança do país.

Contexto social

A situação era instável, principalmente para as classes mais baixas. Após 10 anos de guerra, a mineração de ouro e prata – que havia crescido no passado – ficou inativa. Algumas minas foram destruídas durante as lutas pela independência e, em outros casos, os trabalhadores decidiram lutar e abandoná-las.

No âmbito desses eventos, grande parte dos residentes espanhóis e enriquecidos em território mexicano retornou à Europa, ocupando grandes quantidades de capital mexicana. O pouco que restou no país não foi investido em atividades que pudessem gerar renda, mas costumava pagar soldados e burocratas.

A prática da agricultura diminuiu e, como conseqüência, a alimentação e a pecuária foram escassas e seus custos altos.

Durante a guerra, a destruição, a queima e até a morte de proprietários de terras eram práticas freqüentes. Nesse sentido, recuperar a produção da terra em um país devastado não foi uma tarefa fácil.

Contexto político

Na esfera política, a sociedade também estava dividida. Por um lado, havia quem quisesse abolir o sistema anterior de governo, para que as classes sociais pudessem se organizar e formar suas próprias leis, consistentes com as carências do país (liberais).

Por outro lado, havia um grupo mais poderoso que pretendia assumir o controle político e seguir o sistema tradicional das colônias européias (conservadoras).

Propostas de sistemas governamentais

As propostas para o novo sistema de governo pós-independência foram confrontadas. A classe social média e os grupos liberais eram representados principalmente por mestiços e alguns crioulos, e não concordavam com a forma de governo monárquico que seria implementado.

Suas idéias foram orientadas para a incorporação de um sistema comprometido com a justiça social e o empoderamento da economia através do trabalho.

Os mexicanos devem gozar de direitos e deveres igualmente, sem exclusões raciais. A rejeição das classes mais baixas e indígenas foi muito notável e houve uma enorme lacuna com a Igreja, que possuía grandes posses. Além disso, a Espanha ainda se recusava a reconhecer a independência do México no Vaticano.

Atores principais

Para formalizar os esforços de independência e a nova monarquia, Agustín de Iturbide e Juan O’Donojú assinaram os tratados de Córdoba no conhecido Plano de Iguala. Convocaram o rei da Espanha Fernando VII para ser coroado no nascente Império Mexicano.

Se ele não aceitou ou renunciou ao cargo, a alternativa era substituí-lo por algum outro membro da coroa espanhola. Se houve um fracasso em qualquer um dos casos, seria formada uma reunião provisória para escolher o monarca dentro do território mexicano.

Assim, em 1822, Iturbide foi coroado em um ato cerimonial na catedral metropolitana. Além disso, foi decidido que a monarquia mexicana seria hereditária; portanto, o próximo à coroa após a morte de Iturbide seria seu filho mais velho.

O México passou da monarquia espanhola para uma monarquia crioula, alheia às necessidades do povo.

Principais beneficiários

O sentimento geral mexicano antes do estabelecimento do sistema monárquico era de frustração e desesperança. Suas lutas pela independência foram em vão. Eles culminaram em negociações que favoreciam apenas as mesmas classes dominantes e poderosas do passado.

Iturbide foi influenciado pela política da Espanha e queria no México a mesma linha de governo, por isso teve o apoio dos espanhóis, do clero e da maioria dos crioulos.

Isso significou a perda de controle dos conservadores sobre o México. O Congresso e a monarquia começaram a discordar e surgiram vozes insurgentes que foram censuradas com prisão, entre elas Fray Servando Teresa de Mier e Carlos María de Bustamante. Essa ação gerou desconfiança e desconforto na população.

A irritação e os protestos do povo foram apoiados por figuras como Vicente Guerrero e Guadalupe Victoria.

Iturbide, encurralado pelas opiniões divergentes do Congresso, decide dissolvê-lo e estabelecer um Conselho Institucional Nacional.

Queda do Império Iturbide

As tentativas de Iturbide de permanecer no poder eram estéreis. Grupos rebeldes já organizados por Antonio López de Santa Anna já foram organizados em 1823.

Santa Anna foi influenciada pelas idéias republicanas de Bustamante e foi apoiada por grandes grupos armados que não simpatizavam com o império de Iturbide. Em Veracruz, ele proclamou que o México deveria ser uma república e começou a revolta. Vicente Guerrero e Guadalupe Victoria aderiram a essa causa.

Para responder ao ataque de Santa Anna, Iturbide nomeou José Antonio Echávarri para garantir a segurança do Império. No entanto, o objetivo de Echávarri era diferente; Ele se sentiu identificado com as idéias de Santa Anna, então acabou fazendo parte da rebelião.

Finalmente, Santa Anna e seus aliados assinaram o Plano Casa Mata. Nesse plano, eles exigiram, entre outras coisas, formar um novo Congresso. O conflito entre o Império e o grupo armado republicano terminou com o exílio de Iturbide do trono e do território mexicano para a Europa.

Em seu retorno subsequente, ele foi preso e fuzilado. O governo monárquico havia falhado. Pela primeira vez, o México não estaria sob o regime de uma coroa.

Referências

  1. Da Torre Villar, Ernesto (1982). Independência mexicana México Fundo de Cultura Econômica.
  2. Mayer, E. (2012). México depois da independência. E-zine da ciência social do Dr. E. Recuperado de: emayzine.com
  3. Projetos nacionais, (2013) Recuperado de: mexicoensusinicios.blogspot.com
  4. Projeto da nação monarquista, (2012) Recuperado de: proyectodenacionequipo2.blogspot.com
  5. Ramos Pérez, Demetrio e outros. América no século 19 Madrid

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies