Psicologia jurídica: história, que estudos, ramos, exemplos de casos

A Psicologia Jurídica é uma área interdisciplinar que se dedica ao estudo do comportamento humano em contextos legais e judiciais. Sua história remonta ao início do século XX, com o surgimento de estudos sobre testemunhos, confissões e avaliação de testemunhas em processos judiciais.

Os principais estudos da Psicologia Jurídica abrangem temas como avaliação de credibilidade, análise de perfil criminal, avaliação de riscos, mediação de conflitos, entre outros. Seus ramos incluem a Psicologia Forense, Psicologia Criminal, Psicologia da Vítima, entre outros.

Exemplos de casos em que a Psicologia Jurídica pode ser aplicada incluem avaliação da capacidade mental de um acusado, análise do impacto psicológico de um crime em uma vítima, avaliação de testemunhas em um tribunal, entre outros. Em todos esses casos, a Psicologia Jurídica busca fornecer subsídios para uma tomada de decisão mais justa e embasada nos aspectos psicológicos envolvidos.

História da Psicologia Jurídica: sua evolução e contribuições para o sistema judiciário.

A Psicologia Jurídica é uma área da Psicologia que se dedica ao estudo do comportamento humano relacionado ao sistema judiciário e ao direito. A sua história remonta ao início do século XX, quando surgiram os primeiros estudos sobre a relação entre a Psicologia e o Direito.

Desde então, a Psicologia Jurídica evoluiu e se desenvolveu, contribuindo de diversas formas para o sistema judiciário. Uma das principais contribuições da Psicologia Jurídica é a avaliação psicológica de indivíduos envolvidos em processos judiciais, como réus, vítimas e testemunhas. Essa avaliação pode fornecer informações importantes para a tomada de decisão dos juízes e advogados, ajudando a garantir uma justiça mais justa e eficaz.

Além disso, a Psicologia Jurídica também atua na prevenção e intervenção em situações de violência, abuso e negligência, oferecendo apoio psicológico às vítimas e trabalhando na reabilitação de agressores. Outro campo de atuação da Psicologia Jurídica é a mediação de conflitos, ajudando as partes envolvidas a chegar a um acordo de forma pacífica e conciliatória.

Existem diversos ramos de estudo dentro da Psicologia Jurídica, como a Psicologia Forense, a Psicologia Criminal e a Psicologia da Família. Cada um desses ramos se dedica a uma área específica do sistema judiciário, buscando compreender e intervir nos aspectos psicológicos envolvidos.

Um exemplo de caso em que a Psicologia Jurídica pode ser útil é no acompanhamento de crianças vítimas de abuso sexual. Nesses casos, os psicólogos jurídicos podem realizar avaliações psicológicas das vítimas, oferecer apoio emocional e orientação aos pais e auxiliar os profissionais do sistema judiciário na condução do processo.

Em suma, a Psicologia Jurídica desempenha um papel fundamental no sistema judiciário, contribuindo para a promoção da justiça, o bem-estar das pessoas envolvidas e a prevenção de conflitos e violências. Seu desenvolvimento ao longo dos anos tem sido essencial para o avanço da Psicologia como ciência e para a melhoria do sistema de justiça como um todo.

Áreas de atuação da Psicologia Jurídica: descubra onde essa prática é essencial.

A Psicologia Jurídica é uma área da Psicologia que se dedica a estudar o comportamento humano em questões relacionadas ao Direito. Suas áreas de atuação são diversas e abrangem desde a avaliação psicológica de indivíduos envolvidos em processos judiciais até a elaboração de políticas públicas voltadas para a prevenção da violência e da criminalidade.

Uma das áreas de atuação mais comuns da Psicologia Jurídica é a avaliação psicológica de réus, vítimas e testemunhas em processos criminais. Nesses casos, os psicólogos jurídicos são responsáveis por identificar possíveis transtornos mentais que possam influenciar o comportamento dos envolvidos no processo.

Além disso, a Psicologia Jurídica atua também na mediação de conflitos, auxiliando na resolução de disputas familiares, empresariais e comunitárias. Através de técnicas de negociação e comunicação, os psicólogos jurídicos ajudam as partes envolvidas a chegarem a um acordo de forma pacífica e consensual.

Outra área de atuação importante da Psicologia Jurídica é a elaboração de laudos psicológicos em processos de guarda de crianças e adolescentes. Nesses casos, os psicólogos são responsáveis por avaliar o ambiente familiar e o relacionamento entre os pais e os filhos, visando garantir o bem-estar e a segurança dos menores.

Relacionado:  Eu biopsicossocial: relação com o desenvolvimento humano, componentes

Conheça as áreas de atuação da Psicologia no âmbito jurídico.

A Psicologia Jurídica é uma área da Psicologia que se dedica a estudar o comportamento humano dentro do contexto legal. Seu surgimento está relacionado ao interesse em compreender as questões psicológicas presentes no sistema jurídico e em contribuir para a resolução de conflitos judiciais.

Entre as principais áreas de atuação da Psicologia Jurídica estão a avaliação psicológica de pessoas envolvidas em processos judiciais, a elaboração de laudos periciais, o acompanhamento de vítimas e agressores, a mediação de conflitos e a atuação em programas de ressocialização de detentos.

Um dos ramos mais conhecidos da Psicologia Jurídica é a Psicologia Forense, que se dedica a investigar crimes e a auxiliar na identificação de perfis criminosos. Outra área importante é a Psicologia da Família e das Relações Conjugais, que busca entender os conflitos familiares e contribuir para a resolução de questões como divórcios e disputas de guarda de filhos.

Alguns exemplos de casos em que a Psicologia Jurídica pode atuar são os de violência doméstica, abuso sexual, alienação parental, crimes passionais, violência no trânsito e crimes cibernéticos. Nestas situações, o psicólogo pode auxiliar no processo de investigação, na avaliação das partes envolvidas e na elaboração de pareceres técnicos para embasar decisões judiciais.

Quando a Psicologia Forense é utilizada no direito civil: exemplos práticos e abstratos.

A Psicologia Forense é utilizada no direito civil quando há a necessidade de avaliar questões relacionadas à saúde mental, capacidade cognitiva, comportamento e personalidade das partes envolvidas em um processo legal. Nesse contexto, os psicólogos forenses são chamados para fornecer informações e análises que possam auxiliar juízes, advogados e outras partes interessadas na tomada de decisões.

Um exemplo prático de utilização da Psicologia Forense no direito civil seria em casos de guarda de crianças, onde os psicólogos avaliam o ambiente familiar, o relacionamento dos pais com os filhos e o bem-estar das crianças para ajudar o juiz a determinar a melhor decisão para o menor. Outro exemplo seria em casos de acidentes de trânsito, onde os psicólogos podem avaliar o estado mental dos envolvidos para determinar se houve negligência ou imprudência.

Por outro lado, um exemplo abstrato de aplicação da Psicologia Forense no direito civil seria em casos de litígios envolvendo contratos comerciais, onde os psicólogos podem avaliar a capacidade mental das partes para compreender os termos do contrato e tomar decisões conscientes. Outro exemplo seria em casos de danos morais, onde os psicólogos podem avaliar o impacto psicológico de um evento traumático na vida da pessoa afetada.

Seja em casos práticos, como guarda de crianças, ou em casos abstratos, como litígios contratuais, os psicólogos forenses desempenham um papel crucial na busca pela justiça e equidade no sistema judicial.

Psicologia jurídica: história, que estudos, ramos, exemplos de casos

Psicologia jurídica: história, que estudos, ramos, exemplos de casos

psicologia jurídica  é um campo de estudo que busca aplicar o conhecimento da psicologia tradicional em instituições jurídicas e em contextos relacionados à lei. Seu objetivo é ajudar os profissionais da área jurídica a desempenhar melhor seu trabalho, fornecendo ferramentas derivadas do estudo do comportamento humano.

Assim, por exemplo, a psicologia jurídica procura atingir objetivos como entender melhor a memória para determinar como agir diante das testemunhas oculares, para que decisões mais precisas possam ser tomadas nos casos em que elas oferecem as principais evidências.

Juntamente com a psicologia forense, a psicologia jurídica faz parte do que é conhecido como “psicologia e direito”. Esse campo do conhecimento começou a ganhar importância na década de 1960, numa tentativa de advogados, juízes e profissionais de saúde mental de melhorar o sistema de justiça. Apesar de ter origem nos Estados Unidos, logo se espalhou pela Europa e pelo mundo ocidental.

Atualmente, a psicologia jurídica é um dos ramos mais importantes dessa ciência; há cada vez mais profissionais nessa área que colaboram estreitamente com juízes, advogados e outros trabalhadores do setor da justiça. Apesar de haver algumas vozes críticas em relação a essa disciplina, sua relevância não parou de crescer nos últimos anos.

História

Primeiras indicações

A psicologia jurídica é uma disciplina bastante recente, uma vez que existe oficialmente apenas desde a segunda metade do século XX. No entanto, o interesse dos profissionais de saúde mental no campo da justiça apareceu muito antes.

Considera-se que as primeiras publicações que poderiam ser enquadradas nessa disciplina ocorreram no final do século XVIII, quando vários pesquisadores começaram a escrever sobre diferentes elementos que diferenciavam criminosos de pessoas normais. Isso ocorreu durante o surgimento da psicologia das diferenças individuais.

Por exemplo, Mckeen Cattell (um dos principais expoentes da psicologia das diferenças individuais) publicou um estudo em que investigou diferentes interrogatórios judiciais para entender melhor a psicologia do testemunho.

Além disso, os especialistas dessa época começaram a reconhecer a necessidade de usar as descobertas feitas pela psicologia (que na época era uma ciência recém-nascida) para entender melhor os criminosos e ajudar no exercício da prática judicial.

Durante os séculos XIX e XX, a psicologia jurídica ainda não havia sido estabelecida como uma disciplina separada, mas cada vez mais estudos, pesquisas e publicações relacionadas a esse tópico estavam sendo realizadas.

Nascimento da psicologia jurídica

Já na década de 1940, os psicólogos começaram a intervir mais ativamente no desenvolvimento de diferentes atividades legais. No entanto, foi somente na década de 1950 que eles começaram a testemunhar como especialistas em diferentes julgamentos, que marcaram definitivamente o nascimento da psicologia jurídica como uma disciplina independente.

Durante esta década e as seguintes, além disso, houve um grande aumento de estudos relacionados à psicologia de diferentes aspectos legais. Por exemplo, na década de 1960, a psicologia social concentrava-se em investigar fenômenos como crime, violência, altruísmo ou respeito por normas.

Finalmente, nos anos 70, a psicologia jurídica foi dividida em dois campos diferentes: forense e jurídico. Atualmente, existem inúmeras escolas especializadas em cada uma dessas disciplinas, além de publicações dedicadas exclusivamente a uma delas.

O que estuda a psicologia jurídica? Objeto de estudo

Como as outras especialidades dessa ciência, a psicologia jurídica se concentra no estudo do comportamento humano e nos diferentes aspectos que dele derivam. Na prática, isso assume a forma de três campos diferentes: estudo de comportamentos relacionados ao crime, resolução ou mediação de conflitos e avaliação e aprimoramento das leis.

– Estudo de comportamentos relacionados ao crime

O primeiro escopo da psicologia jurídica é o estudo de diferentes aspectos do comportamento e da mentalidade humanos relacionados à atividade jurídica.

Assim, nesta área, podemos encontrar pesquisas sobre as características psicológicas dos criminosos, mas também sobre as testemunhas ou os próprios profissionais do direito.

Nesse caso, a psicologia jurídica se baseia amplamente em pesquisas de outros ramos relacionados ao estudo do comportamento humano, como a psicologia básica ou social. Por exemplo, para entender melhor o papel das testemunhas em um julgamento, podem ser usadas descobertas sobre memória ou pressão social.

O objetivo por trás desse campo de aplicação é entender melhor todas as peças que compõem um processo judicial. Dessa forma, psicólogos especializados poderão trabalhar com profissionais do direito para criar normas mais concretas e eficazes, além de descobrir melhores maneiras de aplicá-las e punir aqueles que as violarem.

– Resolução ou mediação de conflitos

Outro dos campos mais importantes de aplicação da psicologia jurídica é a mediação e resolução de conflitos que possam surgir nessa área. Em alguns casos, psicólogos jurídicos e forenses precisam ser testemunhas especializadas de julgamentos para determinar a veracidade de diferentes testes ou realizar estudos sobre os envolvidos em um caso.

Por exemplo, um psicólogo jurídico pode determinar que uma testemunha não está dizendo a verdade porque ele tem uma distorção da memória; portanto, o juiz pode decidir renunciar a seu testemunho como evidência.

– Avaliação e aprimoramento de leis

O último campo de aplicação da psicologia jurídica também é o mais recente. Os profissionais desse campo podem estudar as leis existentes e seu relacionamento com a mente humana, de forma que possam oferecer sugestões de aprimoramentos para aumentar sua eficácia e reduzir seus efeitos indesejados.

Relacionado:  Carl Jung: Teoria e Biografia

Por exemplo, dentro da psicologia social, diferentes mecanismos foram estudados por meio dos quais se gera maior colaboração com a autoridade e menor ocorrência de crimes.

Ao aplicar esses dados, um psicólogo jurídico pode ajudar os profissionais do direito a evitar crimes ou criar punições mais efetivas para quem infringir as regras.

Ramos da psicologia jurídica

– testemunhas especializadas

Uma das funções mais comuns dos psicólogos jurídicos é atuar como testemunhas especializadas em diferentes processos legais. Assim, esses profissionais devem opinar sobre diferentes aspectos psicológicos, como a memória das testemunhas, a confusão de identidade ou a existência de vieses cognitivos no júri.

– Aconselhamento

Psicólogos jurídicos também podem desempenhar um papel de aconselhamento nos sistemas jurídicos. Nesse sentido, eles geralmente ajudam juízes, advogados e outros profissionais a tomar decisões dentro de um caso, com base no que sabem sobre o comportamento da mente humana.

Além disso, os psicólogos jurídicos também podem educar os membros do sistema jurídico sobre diferentes aspectos da psicologia humana relevantes para um caso específico, como a existência de certas patologias mentais.

– Desenvolvimento da lei

Psicólogos jurídicos também podem participar da criação de leis por meio de pesquisas empíricas sobre um determinado fenômeno. Esses especialistas ficariam encarregados de avaliar as leis atuais e sugerir mudanças ou melhorias com base no funcionamento da natureza humana.

– Consultando

A psicologia jurídica também pode ser usada para auxiliar no processo de treinamento de profissionais do direito. Assim, um psicólogo especialista nessa área pode participar do treinamento de juízes ou advogados usando técnicas como  dramatização , dinâmica de grupo ou preparação psicológica dos mesmos.

– Investigação

A maioria dos psicólogos jurídicos trabalha em centros de pesquisa, como universidades, realizando estudos empíricos e de ensino.

Seu trabalho nesse sentido é duplo: por um lado, eles tentam entender melhor certos aspectos da mente humana relacionados ao direito e, por outro, precisam ser capazes de divulgar suas descobertas.

Exemplos de casos de psicologia jurídica

– Ted Bundy

Um dos casos mais famosos da história recente foi o de Ted Bundy, um serial killer que matou dezenas de pessoas nos Estados Unidos antes de finalmente ser preso.

Seu caso não poderia ter sido resolvido sem a ajuda de uma equipe de psicólogos forenses e legais, que recriou seu perfil com base nas evidências que estavam encontrando e na natureza de seus crimes.

Finalmente, graças às informações coletadas e à ajuda de diferentes testemunhas, especialmente um dos ex-parceiros de Bundy, os psicólogos jurídicos do caso conseguiram dar uma série de pistas cruciais à polícia e relacionar esse assassino a vários crimes. sem resolver.

– John Wayne Gacy

O “palhaço assassino” John Wayne Gacy foi preso principalmente por suspeitas e queixas de seus vizinhos, mas sem a ajuda dos psicólogos jurídicos envolvidos no seu caso, ele não teria sido condenado por todos os crimes que cometeu.

A equipe de especialistas dedicada ao seu caso descobriu as razões por trás de seu comportamento assassino e conseguiu desvendar seus planos de referência e descobrir onde ele estava escondendo os corpos de suas vítimas.

Referências

  1. “Psicologia jurídica” em: Psicologia. Retirado em: 27 de abril de 2020 em Psychology: psychology.wikia.org.
  2. “Psicologia jurídica” em: Psicologia e Mente. Retirado em: 27 de abril de 2020 de Psychology and Mind: psicologiaymente.com.
  3. “Quais são as diferenças entre psicologia jurídica e psicologia forense?” em: Guia da Escola de Psicologia. Retirado em: 27 de abril de 2020 no Psychology School Guide: psychologyschoolguide.net.
  4. “Cinco casos famosos resolvidos por psicólogos forenses” em: Online Psychology Degree. Retirado em: 27 de abril de 2020 em Online Psychology Degrees: online-psychology-degrees.org.
  5. “Psicologia jurídica” em: Wikipedia. Retirado em: 27 de abril de 2020 na Wikipedia: en.wikipedia.org.

Deixe um comentário