Psiquiatria Crítica: o que é e o que afirma?

A Psiquiatria Crítica é uma abordagem dentro da psiquiatria que questiona as práticas tradicionais e dominantes da área, buscando uma visão mais ampla e crítica sobre o sofrimento mental e as doenças psiquiátricas. Ela questiona a medicalização excessiva, a patologização de comportamentos normais, a influência da indústria farmacêutica e a falta de abordagens mais humanizadas e contextuais para o tratamento dos pacientes. A Psiquiatria Crítica defende a necessidade de uma abordagem mais multidisciplinar e holística, que leve em consideração não apenas os aspectos biológicos, mas também os sociais, culturais e políticos que influenciam a saúde mental das pessoas.

Tipos de psiquiatria: conheça as diferentes vertentes da especialidade médica da mente humana.

A psiquiatria é uma especialidade médica que se dedica ao estudo, diagnóstico e tratamento dos transtornos mentais. Dentro dessa área, encontramos diversas vertentes que buscam compreender e abordar os problemas psíquicos de diferentes maneiras. Entre os principais tipos de psiquiatria, podemos citar a psiquiatria biológica, a psiquiatria psicodinâmica, a psiquiatria comportamental, a psiquiatria social e a psiquiatria crítica.

A psiquiatria biológica, por exemplo, enfatiza a importância dos aspectos neurobiológicos e genéticos na origem dos transtornos mentais. Já a psiquiatria psicodinâmica se baseia nas teorias de Freud e outros psicanalistas, buscando compreender os conflitos inconscientes que influenciam o comportamento humano. Por sua vez, a psiquiatria comportamental foca nos comportamentos observáveis e nas interações do indivíduo com o ambiente.

A psiquiatria social, por sua vez, considera os fatores sociais, culturais e ambientais que podem contribuir para o surgimento de problemas mentais. E, por fim, a psiquiatria crítica questiona as estruturas de poder e as normas sociais que influenciam a maneira como os transtornos mentais são definidos e tratados.

A psiquiatria crítica afirma que muitas vezes os diagnósticos psiquiátricos são construções sociais que refletem interesses políticos e econômicos, em vez de serem baseados em critérios científicos objetivos. Ela critica a medicalização excessiva dos problemas mentais, a influência da indústria farmacêutica na prática psiquiátrica e a falta de abordagens mais holísticas e contextuais na avaliação e tratamento dos pacientes.

Em suma, os diferentes tipos de psiquiatria abordam os transtornos mentais de maneiras diversas, ampliando o campo de conhecimento e possibilitando uma compreensão mais abrangente da mente humana. Cada abordagem tem suas particularidades e contribuições para o avanço da área, sendo importante reconhecer a diversidade de perspectivas presentes nesse campo da medicina.

Qual o propósito da psiquiatria: compreender, diagnosticar e tratar transtornos mentais e emocionais.

A psiquiatria é uma especialidade médica que se dedica ao estudo, prevenção, diagnóstico e tratamento dos transtornos mentais e emocionais. Seu principal objetivo é compreender as causas e os sintomas dessas condições, a fim de oferecer um tratamento adequado e promover o bem-estar dos pacientes.

Na psiquiatria crítica, o foco está na análise dos aspectos sociais, políticos e culturais que influenciam a saúde mental das pessoas. Essa abordagem questiona as estruturas de poder e as normas sociais que podem contribuir para o surgimento de transtornos psiquiátricos. Além disso, a psiquiatria crítica busca ampliar o debate sobre as práticas tradicionais da psiquiatria, propondo uma visão mais holística e inclusiva da saúde mental.

Dessa forma, a psiquiatria crítica contribui para uma visão mais ampla e reflexiva sobre a saúde mental, buscando a transformação positiva da sociedade e o bem-estar de todos os indivíduos.

Qual o foco de estudo da psiquiatria: a mente humana e suas doenças.

A psiquiatria é o ramo da medicina que se dedica ao estudo da mente humana e de suas doenças. Ela busca compreender e tratar os distúrbios mentais, como a depressão, a ansiedade, a esquizofrenia e muitos outros. A psiquiatria crítica é uma abordagem que vai além do tradicional modelo biomédico, que se concentra apenas nos aspectos biológicos das doenças mentais.

Relacionado:  Voyeurismo: comportamento, parafilia ou distúrbio?

A psiquiatria crítica questiona as influências sociais, culturais e políticas na saúde mental dos indivíduos. Ela afirma que não podemos dissociar a saúde mental do contexto em que as pessoas vivem. Essa abordagem reconhece que fatores como desigualdade social, discriminação, violência e falta de acesso a serviços de saúde impactam diretamente na saúde mental das pessoas.

Além disso, a psiquiatria crítica critica o uso excessivo de medicamentos psicotrópicos e defende a importância de abordagens terapêuticas mais humanizadas e inclusivas. Ela ressalta a necessidade de considerar o indivíduo em sua totalidade, levando em conta suas experiências de vida, suas relações sociais e sua história pessoal.

Essa abordagem tem o objetivo de promover uma reflexão mais profunda sobre a complexidade da mente humana e de contribuir para um tratamento mais humano e eficaz dos distúrbios mentais.

Qual é a área de atuação da psiquiatria?

A psiquiatria é a especialidade médica responsável pelo estudo, diagnóstico, tratamento e prevenção dos distúrbios mentais, emocionais e comportamentais. Ela atua na investigação e no tratamento de transtornos como depressão, ansiedade, esquizofrenia, transtorno bipolar, entre outros.

A psiquiatria é uma área da medicina que se dedica ao cuidado da saúde mental das pessoas, buscando compreender as causas e os sintomas dos problemas psicológicos e oferecendo intervenções terapêuticas adequadas. Os psiquiatras podem trabalhar em diversos contextos, como hospitais, clínicas, instituições de saúde mental e consultórios particulares.

A psiquiatria crítica é uma abordagem que questiona as práticas tradicionais da psiquiatria, buscando uma visão mais ampla e contextualizada dos problemas mentais. Ela afirma que os distúrbios psiquiátricos não podem ser compreendidos apenas a partir de uma perspectiva biológica, mas devem considerar também os aspectos sociais, culturais e políticos que influenciam a saúde mental das pessoas.

A psiquiatria crítica defende uma prática mais humanizada e democrática, que respeite a diversidade e a subjetividade dos indivíduos. Ela questiona o uso excessivo de medicamentos psicotrópicos e a medicalização dos problemas psicológicos, incentivando abordagens terapêuticas que considerem o contexto social e emocional dos pacientes.

Ela destaca a importância de uma abordagem holística e interdisciplinar no cuidado da saúde mental, integrando diferentes saberes e práticas para oferecer uma assistência mais eficaz e humanizada.

Psiquiatria Crítica: o que é e o que afirma?

Psiquiatria Crítica: o que é e o que afirma? 1

A psiquiatria, especialidade médica responsável por detectar e tratar doenças mentais, passou por uma grande crise nos últimos tempos, devido ao surgimento de diferentes questões sobre as características de seus conhecimentos e práticas.

A partir dessas questões , surgiu a Psiquiatria Crítica , uma corrente teórica que questiona e busca reformar as práticas de assistência psiquiátrica. Entre outras coisas, mostra que a psiquiatria tradicional tem alguns limites fundamentais na maneira de entender e lidar com o sofrimento psíquico, o que gera, em particular, dilemas éticos no uso de seus conhecimentos.

  • Você pode estar interessado: ” Tipos de drogas psicoativas: usos e efeitos colaterais “

De onde vem a psiquiatria crítica?

Um dos antecedentes mais recentes é a conferência da Rede de Psiquiatria Crítica, realizada em Bradford, Inglaterra, em 1999, onde foi discutida a necessidade de promover uma transformação radical em nossa abordagem aos problemas de saúde mental ; o que milhares de profissionais em todo o mundo se inscreveram, principalmente por meio de publicações acadêmicas, mas também por mobilização política.

Na mesma linha, a Psiquiatria Crítica tem muitos de seus antecedentes no movimento antipsiquiatria, teórico e político conduzido por profissionais de saúde mental que começaram na segunda metade do século passado e que questionaram fortemente a maneira como a psiquiatria operava, especialmente na Europa e nos Estados Unidos.

Embora a antipsiquiatria e a psiquiatria crítica sejam movimentos que surgem em momentos diferentes, o que eles têm em comum é que rejeitam a patologização da heterogeneidade humana e permanecem comprometidos em transformar os cuidados psiquiátricos.

Por fim, essa corrente foi impulsionada por diferentes movimentos associativos na primeira pessoa, ou seja, grupos gerenciados pelos usuários dos serviços de assistência psiquiátrica. Por exemplo, o grupo britânico Hearing Voices Network (Ouvindo vozes) que rejeita o entendimento psiquiátrico tradicional dessa experiência, buscando também eliminar o estigma e fortalecer grupos de ajuda mútua.

Posteriormente, isso é articulado ao paradigma de direitos formalizado desde 2006 na Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, aprovada pela Organização das Nações Unidas, bem como por outros documentos e relatórios sobre prevenção de tortura em psiquiatria que se desenvolveram em diferentes países.

Princípios Fundamentais

Em termos gerais, a Psiquiatria Crítica procura tornar visível a interseção entre as relações psicológicas, sociais e somáticas , tanto das pessoas quanto da própria prática psiquiátrica, para que seja possível reformá-la.

Mais especificamente, podemos seguir Philip Thomas (2013) para enumerar cinco tópicos de discussão que emergem da Psiquiatria Crítica: o problema dos diagnósticos psiquiátricos, o problema da medicina baseada em evidências na psiquiatria (e sua relação com a indústria). farmacêutica), o papel do contexto em que a psiquiatria se desenvolve e atua, o problema das práticas coercitivas e, finalmente, a base teórica e filosófica do conhecimento psiquiátrico e de suas práticas .

1. O problema dos diagnósticos psiquiátricos

A psiquiatria crítica torna visível que as barreiras entre “normalidade” e “desordem” são facilmente manipuladas e amplamente arbitrárias. De fato, a quantidade de diagnósticos psiquiátricos disponíveis geralmente varia ; elas aparecem e desaparecem e são atualizadas a cada momento (algumas delas a mesma população diagnosticada se manifesta contra ser considerada doente ou perturbada, por exemplo, o que aconteceu com a homossexualidade que até apenas a segunda metade do século passado deixou de ser considerado um distúrbio mental).

Da mesma forma, a base científica do diagnóstico psiquiátrico começou a ser questionada, porque, embora tenham sido encontrados substratos orgânicos, as evidências científicas que postulam que os transtornos mentais têm uma origem biológica e uma cura definitiva no mesmo sentido são insuficientes.

2. Medicina baseada em evidências e indústria farmacêutica

Medicina baseada em evidências é um conceito que se refere à prática médica baseada em ensaios clínicos, estatísticas e manuais que oferecem informações genéricas sobre uma determinada condição.

Isso tem sido questionado pela Psiquiatria Crítica, uma vez que as causas dos transtornos mentais são inespecíficas e a medicina baseada em evidências pode promover e generalizar também práticas inespecíficas, mas também potencialmente prejudiciais em alguns aspectos, porque na psiquiatria as práticas são por excelência da intervenção direta (farmacológica ou mecânica).

Da mesma forma, em muitos casos, os diagnósticos e o tratamento farmacêutico são fortemente influenciados pelos interesses econômicos das indústrias responsáveis ​​pela produção e distribuição dos medicamentos, além de financiar grande parte da formação de profissionais. Isso tem sido muito debatido nas últimas décadas por um importante setor de profissionais de saúde mental em todo o mundo.

3. O contexto da psiquiatria

A gama de diagnósticos psiquiátricos está relacionada ao contexto em que são construídos, ou seja, a porcentagem de pessoas a quem determinados problemas são atribuídos varia de acordo com a população específica à qual eles pertencem.

Relacionado:  Metade da reivindicação psicólogos que sofrem de depressão

A mesma prática psiquiátrica está dentro de um contexto social, o que significa que no diagnóstico e na relação de cuidado são reproduzidas ideologias e formas de relacionamento; e que o sofrimento psíquico é mais do que uma experiência individual, é uma experiência que tem a ver com as condições de possibilidade ou vulnerabilidade do mesmo ambiente.

4. Práticas coercitivas

Entre as críticas mais fortes feitas à psiquiatria desde o século passado, estão práticas forçadas de internação e contenção psiquiátrica, como vínculos, terapia eletroconvulsiva e supermedicalização.

Longe de ser concebida como um conjunto técnico (e, portanto, livre de valores), a Psiquiatria Crítica busca revisar constantemente as práticas promovidas e seus possíveis efeitos nocivos (do paternalismo intrínseco na prática clínica à atitudes ou práticas estigmatizantes). explicitamente agressivo).

Em muitos contextos, alternativas foram promovidas, desde o fechamento de hospitais psiquiátricos ou desmedicalização gradual, até a criação de centros comunitários e o reforço da saúde mental, promovido de maneira mais coletiva e menos coercitiva.

5. Base teórica e filosófica da psiquiatria

A psiquiatria crítica questiona o dualismo mente-corpo subjacente à psiquiatria biomédica tradicional, bem como a ideologia biológica que reduz a saúde e as doenças mentais às ciências moleculares do cérebro.

Este último faz com que sejam considerados uma série de demandas sociais em que a psiquiatria se posicionava como a única ou a melhor solução para entender os problemas das pessoas; o que geralmente se traduz na omissão de deficiências afetivas, sociais ou econômicas promovidas pelas estruturas sociais.

Finalmente, e considerando que a atenção aos problemas de saúde mental é um fenômeno globalizado, apesar de ter sido gerado e orientado com base nas necessidades do contexto europeu e americano, o fluxo da psiquiatria crítica teve repercussões em todo o mundo.

No entanto, essa não é a única crítica à psiquiatria tradicional. Por exemplo, nas ciências sociais, como antropologia, psicologia social ou sociologia na América Latina, foram investigadas recentemente formas comunitárias de assistência à saúde (incluindo saúde mental), bem como formas pré-hispânicas de entender o que estamos chamando atualmente “Desordem” ou “doença mental”; juntamente com a falta de atendimento institucional e serviços de saúde mental mais tradicionais.

Referências bibliográficas:

  • Psiquiatria Crítica (2018). Psiquiatria em transição – Relatório da conferência Critical Psychiatry Network 2017. Recuperado em 17 de abril de 2018. Disponível em http://www.criticalpsychiatry.co.uk
  • Rede de Vozes Auditivas (HVN). (2018). O objetivo da rede. Rede de Vozes Auditivas para pessoas que ouvem vozes, têm visões ou têm outra percepção incomum. Recuperado em 17 de abril de 2018. Disponível em https://www.hearing-voices.org
  • Nmucia (2017). Sobre a medicina (perturbadora) baseada em evidências (por Germán Barrios). Plataforma Não, obrigado. Recuperado em 17 de abril de 2018. Disponível em http://www.nogracias.eu/2017/01/29/acerca-de-la-inquietante-medicina-basada-en-la-evidencia-por-german-barrios/
  • Ortiz, A. (2013). Rumo a uma psiquiatria crítica. Grupo Editorial 5: Espanha
  • Thomas, P. (2013) O que é Psiquiatria Crítica? Louco na América: ciência, psiquiatria e justiça social. Recuperado em 17 de abril de 2018. Disponível em https://www.madinamerica.com/2013/01/what-is-critical-psychiatry/
  • Thomas, P. (2013). O que é psiquiatria crítica? Recuperado em 17 de abril de 2018. Disponível em https://discapabilities.nexos.com.mx/?p=113#_ftnref1
  • Vásquez, A. (2013). Antipsiquiatria Desconstrução do conceito de doença mental e crítica à “razão psiquiátrica”. Nômades Revista Crítica de Ciências Sociais e Jurídicas, 31: http://dx.doi.org/10.5209/rev_NOMA.2011.v31.n3.368
  • Desviat, M. (2006). Antipsiquiatria: crítica à razão psiquiátrica. NORTE da Saúde Mental, 25: 8-14
  • Moncrieff, J. (2005). Psiquiatria e indústria farmacêutica: quem paga o preço? Psychiatric Bulletin, 29: 84-85

Deixe um comentário