Quadro fechado: características, exemplos

Um quadro fechado é um tipo de estrutura de organização que possui características bem definidas e limitadas, com regras e normas estabelecidas que determinam o funcionamento e as relações entre os elementos que o compõem. Este tipo de quadro é comum em empresas, organizações e instituições que possuem uma hierarquia bem definida e uma estrutura organizacional rígida.

Alguns exemplos de quadros fechados incluem hierarquias militares, organizações religiosas, empresas tradicionais com estruturas hierárquicas bem definidas e até mesmo famílias que seguem uma dinâmica hierárquica rígida. Nestes casos, as relações e interações entre os membros são determinadas por normas e regras estabelecidas, e a comunicação e tomada de decisões são centralizadas em determinadas figuras de autoridade.

Identificando a diferença entre quadro e tabela de forma simples e prática.

Para muitas pessoas, a diferença entre quadro e tabela pode parecer confusa, mas na verdade é bem simples. Um quadro é uma estrutura retangular ou quadrada que geralmente é usada para exibir informações de forma organizada e visualmente atraente. Uma tabela, por outro lado, é uma forma mais complexa de apresentar dados, geralmente com linhas e colunas para facilitar a comparação.

Em termos simples, um quadro é mais visual e direto, enquanto uma tabela é mais detalhada e analítica. Por exemplo, um quadro pode ser usado para mostrar os horários de funcionamento de uma loja, enquanto uma tabela pode ser usada para comparar os preços de diferentes produtos.

Ambos são úteis em diferentes contextos, então é importante escolher o formato certo para cada situação.

Diferença entre figura e quadro: entenda as distinções entre esses elementos visuais.

Para muitas pessoas, as palavras “figura” e “quadro” podem parecer sinônimos, mas na verdade existem diferenças significativas entre esses elementos visuais. Enquanto uma figura se refere a qualquer representação visual em um documento, um quadro é uma estrutura visual que contém informações específicas e organizadas de forma clara e objetiva.

Uma figura pode incluir gráficos, imagens, tabelas ou qualquer outro elemento visual que ajude a transmitir uma mensagem ou ideia. Por outro lado, um quadro é uma representação visual que organiza informações de maneira sistemática e hierárquica, facilitando a compreensão e a interpretação dos dados apresentados.

Para ilustrar essa diferença, podemos considerar um exemplo prático. Uma figura em um relatório pode ser uma imagem de um gráfico de barras que mostra a evolução das vendas ao longo do tempo. Já um quadro fechado nesse mesmo relatório pode ser uma tabela que lista as vendas mensais por região, com totais calculados e percentuais de variação.

Quadro fechado: características, exemplos

Um quadro fechado é uma representação visual que apresenta informações de forma organizada e estruturada, geralmente em formato de tabela ou diagrama. Diferentemente de uma figura, um quadro fechado possui dados específicos e detalhados, com o objetivo de fornecer uma visão clara e precisa sobre determinado assunto.

Um exemplo de quadro fechado pode ser uma tabela que lista os custos de produção de uma empresa, separados por categorias como matéria-prima, mão de obra e despesas gerais. Nesse quadro, os valores são apresentados de forma ordenada e categorizada, facilitando a análise e a tomada de decisões.

Relacionado:  Arte gótica: história, características, arquitetura, pintura

Entenda o que é um quadro conforme as normas da ABNT.

Um quadro, de acordo com as normas da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas), é um elemento utilizado para apresentar informações de forma organizada e visualmente atrativa. Ele é composto por linhas e colunas, com o objetivo de facilitar a compreensão e a análise dos dados apresentados.

Um quadro fechado é aquele que possui todas as informações contidas dentro de seus limites, sem a necessidade de se referir a outras partes do documento para compreendê-lo. Esse tipo de quadro é muito utilizado em trabalhos acadêmicos, relatórios e pesquisas, pois permite uma visualização clara e direta das informações apresentadas.

As características de um quadro fechado incluem a presença de título, fonte, cabeçalho e corpo do quadro. O título deve ser conciso e informativo, indicando o conteúdo apresentado. A fonte deve ser citada logo abaixo do quadro, indicando a origem dos dados apresentados. O cabeçalho inclui as categorias ou variáveis analisadas, enquanto o corpo do quadro apresenta os dados de forma organizada e estruturada.

Alguns exemplos de quadros fechados incluem tabelas de dados, gráficos comparativos, listas de itens e cronogramas de atividades. Esses elementos são essenciais para a organização e a apresentação de informações de maneira clara e objetiva.

A utilização correta de quadros pode facilitar a compreensão e a análise dos dados apresentados, tornando a comunicação mais eficaz e eficiente.

Passo a passo para fazer a citação correta de um quadro em trabalhos acadêmicos.

Para fazer a citação correta de um quadro em trabalhos acadêmicos, siga os passos abaixo:

1. Identifique o autor ou a fonte do quadro.
2. Inclua o número do quadro, se houver.
3. Insira a descrição do quadro, incluindo o título e os dados necessários para a identificação.
4. Coloque a fonte do quadro, como o nome do site, do livro ou do periódico em que o quadro foi encontrado.
5. Utilize o estilo de citação adequado ao formato do trabalho acadêmico, como o estilo APA ou ABNT.

Ao citar um quadro em seu artigo sobre Quadro fechado: características, exemplos, certifique-se de seguir essas orientações para garantir a precisão e a credibilidade de sua pesquisa. Lembre-se de que a correta referência de fontes é essencial para a qualidade do seu trabalho acadêmico.

Quadro fechado: características, exemplos

A armação fechada é uma técnica que é aplicada a diversas áreas da arte e tem como objectivo para focar uma pequena parte do corpo ou qualquer objecto. Esse processo também é conhecido como desenho detalhado ou close-up (cuja tradução literal seria “close close”). Seu objetivo é destacar em detalhes os recursos do elemento retratado.

Esse método é usado tanto no cinema quanto na televisão para pontuar os eventos de uma cena ou para fornecer detalhes sobre o enredo sem a necessidade de cobrir toda a história. Geralmente é usado após várias fotos de enquadramento aberto, a fim de dar uma volta aos fatos representados.

Quadro fechado: características, exemplos 1

O quadro fechado procura focar nos detalhes do objeto retratado. Fonte: pixabay.com
Relacionado:  Pintura realística: características, técnicas e autores

Especificamente no campo da fotografia, essa abordagem é usada para fins emocionais: através da imagem, o artista pretende criar uma poderosa relação afetiva entre o espectador e a obra.

Este avião surgiu em meados do século XVIII, justamente quando Nicéphore Niepce realizou seus primeiros testes fotográficos com uma câmera escura. Embora o cientista não tenha obtido grandes conquistas, a partir desse momento os ângulos que mais tarde forjaram a estrutura fechada começaram a se desenvolver.

As fotos em close foram amplamente utilizadas em meados do século XX. Além disso, são as capturas que hoje se destacam diariamente, sendo referidas como selfies ou selfies .

Caracteristicas

Esta técnica é caracterizada por projetar de uma vista frontal. De alguma forma, busca que as cenas ou imagens sejam compactadas para refletir as sensações de equilíbrio e imobilidade. Por esse motivo, o quadro fechado aparece de maneira especial em retratos e filmes de terror.

Essa abordagem é alcançada quando a lente se aproxima da paisagem, pessoa ou objeto que se destina a ser gravado ou fotografado. No entanto, é importante observar que essa proximidade não é máxima, pois deve haver uma distância focal entre a câmera e o dispositivo ou modelo a ser retratado.

A origem do nome está localizada na Inglaterra, onde os termos de estrutura fechada foram usados ​​pela primeira vez (em 1913) para se referir aos estágios teatrais estreitos. A partir desse momento, o nome passou a ser usado como sinônimo de plano fracionário.

Afirma-se frequentemente que o quadro fechado abrange apenas um elemento, mas esse argumento não é verdadeiro porque esses disparos podem compreender vários corpos ou instrumentos e devem ser representados de maneira fragmentada. A seguir, explicaremos quais são os ângulos que esse formato possui:

Primeiro plano

Refere-se a quando um determinado item é detalhado, como rosto, pernas, mãos ou talvez uma peça de mobiliário. É uma captura imediata com a qual você tenta transmitir alguma emoção.

Graças a essa abordagem, é possível minimizar a cena e mover a paisagem. O objetivo é acentuar o sentimento de medo, ódio ou emoção no espectador.

Plano detalhado

Essa caixa é identificada por estar completamente fechada, pois abrange uma característica específica do objeto ou do indivíduo: eles podem ser os olhos, os lábios, o design de uma mesa ou o receptor de telefone. Ele se concentra em gestos mínimos que são expandidos.

Algumas pessoas costumam comparar esse quadro com fotos macro, embora realmente não tenham vínculos. O plano detalhado consiste na exteriorização de um elemento que passaria despercebido no decorrer de uma cena ou em um retrato completo. Em vez disso, as imagens de macro expõem certos componentes da paisagem.

Ângulo inclinado

O ângulo inclinado é caracterizado pela criação de bordas em miniatura que geram o declínio do palco. Através desta abordagem, percebe-se que cada elemento representado é reduzido.

Portanto, às vezes o público aprecia claramente que a atmosfera e os personagens se afastam, mas é o efeito da tomada que causa essa miragem.

Relacionado:  Escultura Egípcia: Origem, Características, Materiais e Obras

Iluminação

A iluminação é um aspecto essencial dentro do quadro fechado porque define a história que o artista deseja contar. De fato, esse fator tem papel fundamental no campo cinematográfico e fotográfico.A seguir, detalharemos algumas das funções que a luz tem quando se trata de elaborar um plano detalhado:

– Graças ao jogo das sombras, os volumes são criados nos recursos focados.

– Através do claro-escuro, são estabelecidos efeitos duplos, nos quais uma figura fictícia pode parecer jovem e velha ao mesmo tempo. Ou seja, eles destacam e alteram as expressões dos personagens.

– Aumenta a emocionalidade do gesto retratado e dá continuidade à cena.

– É usado para separar o homem ou objeto do ambiente, causando uma sensação tridimensional, pois o tiro não é percebido de maneira plana, embora a pessoa não esteja localizada em um espaço específico.

Exemplos

Embora tenha começado a se desenvolver no século XVIII, a técnica de enquadramento fechado não teve grande relevância até meados da década de 1990. A partir desse momento, artistas e produtores começaram a valorizar as cenas e imagens em primeiro plano. Entre os trabalhos com presença de destaque de quadros fechados estão os seguintes:

Lawn and Lake (1935), de Ansel Adams

Esta fotografia mostra um conjunto de figuras triangulares que ocupam a imagem inteira. O retrato não possui uma forma específica, motivo pelo qual pode ser considerado abstrato.

Mesmo assim, a foto é incorporada à categoria de enquadramento fechado, porque reflete apenas uma parte da realidade.

No entanto, o espectador não sabe se está diante de uma cadeia de montanhas ou, como o título indica, está de frente para o lago e a grama. A base da imagem é claro-escuro; é por isso que algumas silhuetas desfocam e outras são exaltadas.

Psychosis (1960), de Alfred Hitchcock

A psicose era uma fita que se destacava pelo uso adequado do primeiro plano. Ao longo do filme, são vistas várias cenas que enfatizam a aparência dos personagens, mas a captura que foi mais importante é a que ocorre no banheiro.

Nessa cena, apenas a expressão de horror da atriz é exposta. Além disso, o espaço e a distância do personagem devido ao jogo de luz e sombra.

Referências

  1. Agar, J. (2003). História global da fotografia . Retirado em 06 de agosto de 2019 de University of Cambrige: cam.ac.uk
  2. Bennet, T. (2009). Evolução do enquadramento fotográfico . Retirado em 06 de agosto de 2019 da University of London: London.ac.uk
  3. Burke, E. (2018). Fotografia e cinema . Retirado em 6 de agosto de 2019 de University of Louisville: louisville.edu
  4. Durán, R. (2019). A hora da imagem . Retirado em 6 de agosto de 2019 da Academia de Arte: madridacademiadearte.com
  5. Geimer, H. (2010). Feche acima . Retirado em 6 de agosto de 2019 do Art Institute of Chicago: artic.edu
  6. Gibson, J. (2001). Sobre iluminação Retirado em 6 de agosto da Universidade de Buenos Aires: uba.ar
  7. Gutiérrez, P. (2016). A moldura fotográfica entendida como um processo . Retirado em 6 de agosto de 2019 do Instituto Nacional de Belas Artes: enba.edu.uy

Deixe um comentário