Quais terapias psicológicas podem ajudar pacientes com dor crônica?

Quais terapias psicológicas podem ajudar pacientes com dor crônica? 1

Imagine ter dor constante por mais de 3 meses . Você acha que isso afetaria seu humor? Você acha que a terapia psicológica poderia ajudá-lo?

A psicóloga de Málaga Ana Claudia Alda , do gabinete de psicólogos Málaga PsicoAbreu , nos informa sobre como a psicologia pode ajudar as pessoas que sofrem de dor crônica.

  • Artigo recomendado: “Dor crônica: o que é e como é tratado pela psicologia”

O que é dor crônica? Consequências psicológicas

A dor crônica é aquela que dura mais de 3 meses e está associada a uma doença crônica (osteoartrite, fibromialgia , etc.). Esse tipo de dor forma uma experiência estressante para a pessoa que sofre, portanto, a pessoa passa por mudanças no nível psicológico:

  • Área emocional . Aparecem emoções como medo ou ansiedade nessa situação. O medo começa a se desenvolver por causa do início da dor e a ansiedade antecipada é sentida. É comum que a tristeza também apareça devido à situação vivida.

  • Área cognitiva . Existem padrões cognitivos que geralmente são o paciente com dor crônica e também aumentam e mantêm a dor. A interpretação catastrófica da dor e suas conseqüências, as expectativas irreais sobre o progresso da dor ou da doença e a crença de que é apropriado evitar atividades para reduzir a possibilidade de dor são algumas das cognições envolvidas na manutenção da dor.

  • área comportamental . Uma das respostas mais frequentes à dor crônica é evitar. A pessoa evita situações ou comportamentos porque pensa que, se os executar, a dor aumentará. Isso supõe uma desativação total da pessoa, redução de atividades agradáveis ​​e enfraquecimento dos músculos.

Quais terapias psicológicas podem ajudar pacientes com dor crônica? 2

Efeitos sociais e trabalhistas

A pessoa também passa por mudanças na área familiar, social e de trabalho . Diante de uma situação como a dor crônica, espera-se que a vida social e familiar da pessoa que sofre dela seja modificada: atividades reduzidas, uma sensação de mal-entendido por outras pessoas, etc.

Relacionado:  Os 6 melhores mestres em terapia psicológica

Da mesma forma, é comum a pessoa ter que parar de trabalhar ou reduzir o horário de trabalho. A pessoa sente que não é mais útil, que não é tão válida quanto antes e, além disso, essas mudanças influenciam o campo econômico. Tudo isso se torna fatores estressantes que aumentam o desconforto emocional e a dor da pessoa.

Qual o papel da psicoterapia?

A abordagem para este problema médico é feita a partir do modelo biopsicossocial . Esse modelo estabelece que não apenas as variáveis ​​médicas ou biológicas devem ser abordadas, mas outras variáveis, como psicológicas e sociais, também têm um grande papel na modulação da dor. Assim, estabelece-se que a melhor maneira de trabalhar nesses casos é com uma intervenção multidisciplinar, incluindo a psicologia.

Como comentou a psicóloga Ana Claudia Alda, a dor crônica causa mudanças no nível psicológico (emocional, cognitivo e comportamental) que podem manter ou aumentar a dor. O papel da psicoterapia é ajudar a pessoa a se adaptar a essa nova situação por meio de estratégias eficazes de enfrentamento, como enfrentamento ativo ou aceitação.

Quais intervenções psicológicas são usadas na dor crônica?

A intervenção psicológica que tem sido usada classicamente na dor crônica para conseguir a adaptação da pessoa tem sido a terapia cognitivo-comportamental .

No entanto, nos últimos anos, houve outra abordagem que começa a ter evidências nessa área: a Terapia de Aceitação e Compromisso .

1. Terapia Cognitivo-Comportamental

Nessa perspectiva, a compreensão de como pensamentos e crenças disfuncionais afetam emoções e comportamentos que aparecem antes que a dor seja trabalhada.

Eles procuram mudar ou modificar crenças e pensamentos desadaptativos e treinar a pessoa em comportamentos adaptativos para lidar com a dor através do uso de técnicas como: reestruturação cognitiva, relaxamento, exposição comportamental, treinamento em habilidades de comunicação e resolução de problemas.

Relacionado:  Medo de injeções (tripanofobia): causas, sintomas e consequências

2. Terapia de Aceitação e Compromisso

Esse tipo de abordagem concentra-se na aceitação da dor para alterar os padrões de evasão comportamental . O terapeuta expõe a pessoa à aceitação como uma forma de enfrentamento ativo, que permite o envolvimento em objetivos vitais fora do reino da dor.

Dessa forma, entraríamos no campo do compromisso. O objetivo é que a pessoa tenha uma vida comprometida e significativa, mesmo que a dor, os pensamentos negativos e as emoções desagradáveis ​​estejam presentes. É comum usar metáforas que facilitam a compreensão do que está acontecendo.

Além disso, técnicas comportamentais e de relaxamento são usadas como na Terapia Cognitivo-Comportamental como uma melhoria nas habilidades de comunicação , treinamento para resolução de problemas e relaxamento progressivo.

Referências bibliográficas:

  • Esteve, R. e Ramírez C. (2003). O desafio da dor crônica. Málaga: cisterna.
  • González, M. (2014). Dor crônica e psicologia: atualização. Rev. Med. Clin. Contagens, 25 (4), 610-617.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies