Síndrome de Lesch-Nyhan: sintomas, causas, tratamento

O síndroma de Lesch-Nyhan é uma doença congénita caracterizada por uma acumulação anormal de ácido úrico no corpo (hiperuricemia) (Hospital Sant Joan de Deu, 2009).É considerada uma doença rara na população em geral e ocorre quase exclusivamente em homens (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2008).

No nível clínico, esse distúrbio pode causar alterações em diferentes áreas: manifestações neurológicas, sintomas associados à hiperuricemia e outras alterações amplamente heterogêneas (Hospital Sant Joan de Déu, 2009).

Síndrome de Lesch-Nyhan: sintomas, causas, tratamento 1

Alguns dos sintomas dessa síndrome podem ser depressão ou irritabilidade.

Alguns dos sinais e sintomas mais comuns incluem: artrite gotosa, formação de cálculos renais, atraso no desenvolvimento psicomotor, coreia, presença de espasticidade , náusea, vômito etc. (Hospital Sant Joan de Déu, 2009).

A síndrome de Lesch-Nyhan é uma doença de origem genética herdada, associada a mutações específicas no gene HPRT (Gonzales Senac, 2016).

O diagnóstico é feito com base na sintomatologia atual. É essencial analisar os níveis de ácido úrico no sangue e a atividade de várias proteínas (Hospital Sant Joan de Déu, 2009).

Não existem tratamentos curativos para a síndrome de Lesch-Nyhan. Utiliza-se um bordado sintomático focado no controle da causa etiológica e complicações médicas secundárias (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002).

Características da síndrome de Lesch-Nyhan

A síndrome de Lesch-Nyhan é uma doença que aparece quase exclusivamente em homens (Genetics Home Reference, 2016).

Suas características clínicas geralmente ocorrem nos estágios iniciais da vida e são definidas por uma superprodução de ácido úrico acompanhada de alterações neurológicas e comportamentais (Genetics Home Reference, 2016).

Algumas instituições, como a Organização Nacional para Desordens Raras (2016), definem a síndrome de Lesch-Nyhan como uma anormalidade inata devido à ausência ou atividade deficiente de uma enzima conhecida como hipoxantina fosforiboltransferase-guanina ( HPRT ) (Organização Nacional para as Raras Distúrbios, 2016).

Essa enzima geralmente está localizada em todos os tecidos do corpo. No entanto, é geralmente identificado com uma proporção maior nos núcleos da base do cérebro (Schalager, Colombo e Lacassie, 1986).

Esse tipo de alteração implica tanto na diminuição da reciclagem e reutilização de bases de purinas quanto no aumento de sua síntese (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002).

As purinas constituem um tipo de composto bioquímico à base de nitrogênio que tende a se formar nas células do corpo ou a acessá-lo através dos alimentos (Chemocare, 2016).

Essa substância é degradada por vários mecanismos para se tornar ácido úrico (Chemocare, 2016).

As alterações relacionadas à síndrome de Lesch-Nyhan resultam na incapacidade do organismo de converter hipoxantina em inosina e, portanto, o nível de ácido úrico atinge um nível patológico (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2008).

O ácido úrico é um tipo de composto de resíduos metabólicos orgânicos. É o resultado do metabolismo do nitrogênio no organismo, sendo a substância essencial a uréia. Altas quantidades podem causar ferimentos significativos nas áreas afetadas.

As primeiras descrições desse tipo de alteração correspondem aos pesquisadores Michael Lesch e William Nyhan (1964) (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002).

Seus estudos foram baseados na análise da sintomatologia de dois pacientes irmãos. O quadro clínico de ambos foi caracterizado por hiperuricosúria, hiperuricemia e alterações neurológicas (deficiência intelectual, coreoatetose, comportamento atolesionizante, etc.) (Gozález Senac, 2016).

Portanto, as principais características de seu relatório clínico se referiam a uma disfunção neurológica grave associada à superprodução de ácido úrico (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002).

Posteriormente, Seegmiller descreveu especificamente a associação de características clínicas e a deficiência da enzima hipoxantina-guanina fosforibosiltransferase (HPRT) (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002).

Estatisticas

A síndrome de Lesch-Nyhan é outra patologia genética classificada como doença rara ou rara (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2016).

As análises estatísticas indicam um valor de prevalência próximo a 1 caso por 100.000 homens. É uma síndrome rara na população em geral (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2016).

Na Espanha, esses números representam cerca de 1 caso para cada 235.000 nascidos vivos, enquanto no Reino Unido essa taxa é de 1 caso para cada 2 milhões de recém-nascidos (González Senac, 2016).

A deficiência na atividade da HPRT é geralmente transmitida geneticamente como uma característica associada ao cromossomo X, portanto, os homens são os mais afetados pela síndrome de Lesch-Nyhan (Torres e Puig, 2007).

Signos e sintomas

As características do curso clínico da síndrome de Lesch-Nyhan são geralmente classificadas em três áreas ou grupos: distúrbios renais, neurológicos, comportamentais e gastrointestinais (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002).

Distúrbios renais

Os sinais e sintomas relacionados ao sistema renal estão fundamentalmente associados à presença de hiperuricemia, cristalúria e hematúria.

Hiperuricemia

Na área médica, esse termo é usado para se referir a uma condição caracterizada por um excesso de ácido úrico na corrente sanguínea (Chemocare, 2016).

Sob condições normais, os níveis de ácido úrico geralmente estão localizados em (Chemocare, 2016):

  • Mulheres: 2,4-6,0 mg / dl
  • Homens: 3,4-7,0 mg / dl.

Quando o nível de ácido úrico se eleva acima de um valor de 7 mg / dl, é considerado uma situação patológica e prejudicial para o nosso corpo (Chemocare, 2016).

Embora nos estágios iniciais a hiperuricemia possa permanecer assintomática, implica importantes complicações médicas (Niesvaara, Aranda, Vila, López, 2006):

  • Artrite gotosa : é uma condição médica caracterizada pelo acúmulo de cristais de monohidrato monossódico de urato no líquido sinovial das articulações. Geralmente é caracterizada por episódios de dor aguda nas articulações e inflamação.
  • Tofos : o acúmulo de cristais monohidratados adquire um volume sólido e considerável em vários tecidos, formando nódulos.
  • Nefrolitíase : esta patologia está associada à presença de substâncias cristalizadas no sistema renal. Em geral, essa condição é conhecida como pedras nos rins. Geralmente causa episódios significativos de dor aguda.
  • Doença renal crônica: é um distúrbio físico que se refere à perda progressiva e irreversível das funções renais. Em situações graves, a doença renal crônica requer transplante renal.

Cristalúria

Com este termo, nos referimos à presença de formações sólidas na urina (cristais)

Estes podem ser desenvolvidos pelo acúmulo de várias substâncias: ácido úrico, pincelada, oxalato de cálcio di-hidratado, oxalato de cálcio monohidratado, etc.

Esta condição médica, como qualquer uma das descritas acima, pode causar episódios graves de dor, irritação do trato urinário, náusea, vômito, febre, etc.

Hematúria

A presença de sangue na urina é outra alteração frequente na síndrome na síndrome de Lesch-Nyhan.

Geralmente não é considerado um sinal ou sintoma central, pois é derivado de outros tipos de patologias do sistema renal e geniturinário.

Distúrbios neurológicos

O envolvimento neurológico pode ser amplamente heterogêneo em pessoas com Lesh-Nyhan. Estes podem variar dependendo das áreas nervosas mais afetadas.

Alguns dos mais comuns incluem (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002):

  • Disartria : é possível apreciar uma dificuldade ou incapacidade significativa de articular os sons da linguagem devido a uma afetação das áreas nervosas responsáveis ​​por seu controle.
  • Hiperreflexia osteotendinosa : as respostas reflexas podem aparecer anormalmente aumentadas. Geralmente afeta grupos de tendões, como o reflexo patelar ou o aquilóide.
  • Balismo : presença de episódios de movimentos involuntários, repentinos e irregulares de origem neurológica. Geralmente afeta um único membro ou uma das metades do corpo.
  • Hipotonia muscular : a tensão ou o tônus muscular geralmente diminuem significativamente. Um membro caído pode ser visto nas extremidades, o que dificulta a execução de qualquer tipo de atividade motora.
  • Espasticidade : alguns grupos musculares específicos podem mostrar uma elevação no tônus ​​causando tensão, rigidez e alguns espasmos involuntários.
  • Coréia e distonia muscular : padrão de movimentos involuntários rítmicos, torção ou contorção. Esse distúrbio do movimento geralmente é repetitivo e às vezes pode ser descrito como um tremor persistente.

Alterações comportamentais

Uma das características centrais da síndrome de Lesch-Nyhan é a identificação de várias características comportamentais atípicas (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002; Organização Nacional de Desordens Raras, 2016):

  • Auto-dano e impulsos agressivos : é comum observar em crianças afetadas por essa síndrome algumas ações auto-prejudiciais, como morder dedos e lábios repetidamente. Você também pode se bater contra ou contra eles.
  • Irritabilidade : eles geralmente têm um humor irritável que não é muito resistente a situações estressantes, períodos de tensão ou ambientes desconhecidos.
  • Depressão : em algumas pessoas afetadas, pode-se identificar um humor depressivo caracterizado pela perda de iniciativa e interesse, baixa auto-estima , sentimentos de tristeza, etc.

Distúrbios gastrointestinais

Embora menos frequente, também é possível identificar alguns sintomas associados ao sistema gastrointestinal (De Antonio, Torres-Jiménez, Verdú-Pérez, Prior de Castro e García-Puig, 2002):

  • Vômitos e náuseas
  • Esofagite: processo inflamatório associado ao esôfago. Normalmente, é devido a uma afetação da camada mucosa que cobre essa estrutura. Causa dor abdominal e inchaço, dificuldade em engolir, perda de peso corporal, vômitos, náusea, refluxo, etc.
  • Motilidade intestinal: também podem aparecer várias alterações no deslocamento e no movimento do conteúdo de alimentos pelo sistema digestivo.

Outras alterações

Também devemos nos referir ao fato de que a maioria das pessoas afetadas tem um grau variável de incapacidade intelectual acompanhada de atrasos significativos no desenvolvimento psicomotor.

Causas

A origem da síndrome de Lesch-Nyhan é genética e está associada à presença de mutações específicas no gene HPRT1 (Genetics Home Reference, 2016).

Esse tipo de alteração produzirá a deficiência da enzima hipoxantina-guanina-fosforibosiltransferase que dá origem ao quadro clínico dessa síndrome (Genetics Home Reference, 2016).

A pesquisa mais recente associa essas alterações a uma herança ligada ao cromossomo X, que afeta fundamentalmente o sexo masculino (National Organization for Rare Disorders, 2016).

Como sabemos, a composição cromossômica dos homens é XY, enquanto a das mulheres é XX (Organização Nacional para Desordens Raras, 2016).

No caso dessa síndrome, a alteração afeta um gene específico localizado no cromossomo X. Assim, as mulheres geralmente não apresentam sintomas clínicos associados, pois são capazes de compensar anormalidades com uma atividade funcional do outro par X (National Organization for Transtornos Raros, 2016).

No entanto, os homens contêm um único cromossomo X, portanto, se o gene defeituoso associado a essa patologia estiver localizado, ele desenvolverá suas características clínicas (National Organization for Rare Disorders, 2016).

Diagnóstico

No diagnóstico da síndrome de Lesh-Nyhan, são importantes os achados clínicos e os resultados de vários exames laboratoriais (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2016).

Um dos primeiros sinais de suspeita é a presença de cristais laranja ou avermelhados na urina de crianças afetadas (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2016).

Como geralmente aparecem em estágios iniciais, o mais comum é que sejam percebidos nas fraldas como depósitos arenosos (Cervantes Castro e Villagrán Uribe, 2016).

Isso, juntamente com o restante das características renais, gastrointestinais, neurológicas e renais, resulta em vários exames laboratoriais para confirmar a presença da síndrome de Lesch-Nyhan (Gonzales Senac, 2016):

  • Análise do metabolismo da purina.
  • Análise de atividade enzimática HPRT.

Além disso, é essencial o uso de vários testes complementares, como técnicas de imagem, para descartar outras doenças.

Existe algum tratamento?

Não há cura para a síndrome de Lesch-Nyhan. O tratamento é baseado no tratamento sintomático e na prevenção de complicações médicas secundárias.

As abordagens clássicas enfocam (Torres e Puig, 2007):

  • Controle da superprodução de ácido úrico com administração farmacológica de inibidores.
  • Tratamento de anormalidades motoras e musculares e anormalidades. Administração farmacológica e terapia de reabilitação.
  • Controle de alterações comportamentais através de restrições físicas e terapia psicológica.

Referências

  1. Cervantes Castro, K. & Villagrán Uribe, J. (2008). Paciente com síndrome de Lesch-Nyhan atendido no Departamento de Estomatologia Pediátrica do Hospital Infantil de Tamaulipas Revista Dental Mexicana .
  2. De Antonio, I., Torres-Jiménez, R., Verdú-Pérez, A., Prior de Castro, C., & García-Puig, J. (2002). Tratamento da síndrome de Lesch-Nyhan. Rev Neurol .
  3. González Senac, N. (2016). DOENÇA DE LESCH-NYHAN: Clínica de deficiência de HPRT em uma série de 42 pacientes. Universidade Autônoma de Madri .
  4. Hospital Sant Joan de Déu. (2016). Doença de Lesch-Nyhan. Unidade de Monitoramento da PKU e outros Distúrbios Metabólicos Hospital Sant Joan de Deu .
  5. NIH (2016). Síndrome de Lesch-Nyhan . Obtido em Genetics Home Reference.
  6. NORD (2016). Síndrome de Lesch-Nyhan . Obtido na Organização Nacional para Distúrbios Raros.
  7. Schlager, G., Colombo, M., & Lacassie, Y. (1986). Doença de Lesch-Nyhan. Rev Chil. Pediatr .
  8. Torres, R. & Puig, J. (2007). Deficiência de hipoxantina-guanina fosforofosiltransferase (HPRT): síndrome de Lesch-Nyhan . Obtido no BioMed Central.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies