Qual é o Dogma Central da Biologia Molecular?

O Dogma Central da Biologia Molecular é um princípio fundamental que descreve o fluxo de informação genética dentro de uma célula. Ele estabelece que a informação contida no DNA é transcrita para RNA mensageiro (mRNA) por meio da transcrição, e esse mRNA é então traduzido em proteínas por meio da tradução. Esse processo é essencial para a síntese de proteínas, que são as principais moléculas responsáveis por diversas funções celulares. O Dogma Central da Biologia Molecular é um conceito fundamental para a compreensão dos processos biológicos e da expressão genética.

Primeiro passo do Dogma Central da Biologia Molecular: Síntese do RNA mensageiro.

O Dogma Central da Biologia Molecular é um conceito fundamental que descreve o fluxo de informação genética dentro de uma célula. O primeiro passo desse dogma é a Síntese do RNA mensageiro, onde a informação contida no DNA é transcrita para formar uma molécula de RNA mensageiro.

Nesse processo, a enzima RNA polimerase se une ao DNA na região do gene a ser transcrito. A enzima desenrola a dupla hélice de DNA e sintetiza uma molécula de RNA complementar, seguindo a regra de pareamento de bases (A-U, C-G).

O RNA mensageiro recém-sintetizado é então processado e transportado para o citoplasma, onde servirá como molde para a síntese de proteínas. Esse é o primeiro passo crucial no Dogma Central da Biologia Molecular, pois é através do RNA mensageiro que a informação genética contida no DNA é traduzida em proteínas funcionais.

Qual é a crença fundamental que rege a existência humana?

O Dogma Central da Biologia Molecular é uma teoria fundamental que rege o funcionamento das células e, por conseguinte, a existência de todos os seres vivos. Esta teoria foi proposta por Francis Crick em 1958 e estabelece a forma como a informação genética é expressa e como as proteínas são produzidas dentro das células.

De acordo com o dogma central, a informação genética contida no DNA é transcrita para RNA mensageiro (mRNA) através de um processo chamado transcrição. Em seguida, o mRNA é traduzido em proteínas através do processo de tradução. Este fluxo unidirecional de informação genética, do DNA para o RNA para as proteínas, é essencial para o funcionamento adequado das células e dos organismos como um todo.

Portanto, o dogma central da Biologia Molecular é a crença fundamental que rege a existência humana, uma vez que todas as funções celulares, processos metabólicos e características hereditárias são controlados pela expressão gênica e pela síntese de proteínas. Sem este fluxo de informação genética, a vida como a conhecemos não seria possível.

Polímeros presentes no Dogma Central da Biologia Molecular: RNA, DNA e proteínas.

O Dogma Central da Biologia Molecular é um conceito fundamental que descreve o fluxo de informações genéticas dentro de uma célula. Ele consiste em três etapas principais: replicação do DNA, transcrição do DNA para RNA e tradução do RNA em proteínas.

Relacionado:  18 tópicos interessantes sobre biologia para investigar e expor

Os polímeros presentes nesse processo são o DNA, o RNA e as proteínas. O DNA é a molécula que carrega a informação genética de um organismo e é responsável pela replicação durante a divisão celular. O RNA, por sua vez, atua como uma cópia temporária do DNA e é essencial na transcrição da informação genética. Por fim, as proteínas são os principais agentes responsáveis por executar as funções celulares, sendo traduzidas a partir das informações contidas no RNA mensageiro.

É importante ressaltar que os polímeros do Dogma Central da Biologia Molecular interagem de forma coordenada e precisa, garantindo a expressão correta dos genes e o funcionamento adequado da célula. Qualquer erro nesse processo pode levar a mutações genéticas e consequentemente a distúrbios no organismo.

Em resumo, o Dogma Central da Biologia Molecular representa a base do funcionamento dos organismos vivos, destacando a importância dos polímeros DNA, RNA e proteínas no fluxo de informações genéticas e na expressão dos genes.

Processos envolvidos na produção de proteínas a partir do dogma central da genética.

O Dogma Central da Biologia Molecular é um conceito fundamental que descreve o fluxo de informação genética dentro de uma célula. Ele consiste em três etapas principais: replicação do DNA, transcrição do DNA em RNA e tradução do RNA em proteínas.

A primeira etapa, a replicação do DNA, ocorre no núcleo da célula. Durante esse processo, a enzima DNA polimerase sintetiza uma nova fita de DNA complementar a cada fita original, resultando em duas moléculas idênticas de DNA.

Em seguida, o DNA serve como molde para a síntese de RNA mensageiro (mRNA) através da transcrição. Neste processo, a enzima RNA polimerase lê a sequência de nucleotídeos do DNA e sintetiza uma molécula de RNA complementar. O mRNA então migra para o citoplasma, onde ocorre a tradução.

A tradução do RNA em proteínas acontece nos ribossomos, que são os responsáveis pela síntese de proteínas. Durante a tradução, o mRNA é lido em grupos de três nucleotídeos chamados de códons, que correspondem a aminoácidos específicos. Os tRNAs transportam os aminoácidos correspondentes e os ribossomos catalisam a formação de ligações peptídicas entre eles, resultando na síntese da proteína.

Em resumo, o Dogma Central da Biologia Molecular descreve o fluxo de informação genética, desde a replicação do DNA até a produção de proteínas, através dos processos de replicação, transcrição e tradução.

Qual é o Dogma Central da Biologia Molecular?

O dogma central da biologia molecular diz que o material genético é transcrito em RNA e depois traduzido em proteína.

Ou seja, nesta disciplina, considera-se que o fluxo de informação nos organismos só caminha em uma direção: os genes são transcritos no RNA.

Qual é o Dogma Central da Biologia Molecular? 1

Essa abordagem foi tornada pública em 1971, alguns anos após a descoberta da função de transmissão da molécula de ácido desoxirribonucleico (DNA).

Francis Crick, foi o cientista que apresentou essa ideia descrevendo a transferência de informações genéticas usando as informações que estavam então disponíveis.

Ao mesmo tempo, Howard Temin propôs a possibilidade de que um RNA pudesse servir para a síntese de DNA, como um caso excepcional, mas possível.

Essa proposta não estava entre a comunidade científica, dada a popularidade do dogma e porque era um processo que só seria possível em células infectadas por certos vírus de RNA.

O que estuda biologia molecular?

A biologia molecular é, de acordo com o Projeto Genoma Humano, “o estudo da estrutura, função e composição de moléculas biologicamente importantes”.

Mais especificamente, a biologia molecular estuda as bases moleculares dos processos de replicação, transcrição e tradução de material genético.

Aqueles que são dedicados à biologia molecular, tentam entender como os sistemas celulares interagem em termos de síntese de DNA, RNA e proteína.

Embora um biólogo molecular use técnicas exclusivas de seu campo, ele as combina com outras mais características da genética e da bioquímica.

Uma boa parte de seu método é quantitativa; portanto, houve um grande interesse na interface dessa disciplina e ciência da computação: bioinformática e / ou biologia computacional.

A genética molecular tornou-se um subcampo muito importante na biologia molecular.

Como funciona o dogma central da biologia molecular?

Para aqueles que defenderam essa idéia, o processo foi apresentado da seguinte forma:

Transferência de informação genética

Os trabalhos de Gregor Mendel , em 1865. Eles significaram um antecedente da herança genética que a molécula de DNA permite, descoberta entre 1868 e 1869 por Friedrich Miescher.

Conhecer a estrutura primária do DNA, permitiu conhecer o processo de síntese do mesmo e a maneira pela qual a informação genética é codificada.

Replicação do DNA

Então, a descoberta da estrutura secundária do DNA permitiu modelar a estrutura de dupla hélice que é tão conhecida hoje em dia, mas que era uma revelação na época.

Essa revelação deu origem à exploração da replicação do DNA, um processo vital para a sobrevivência celular, que consiste na divisão por mitose, e que requer uma replicação anterior que permite a conservação do material genético.

Em 1958, Matthew Meselson e Frank Stahl declararam que essa replicação era semi-conservadora, uma vez que uma das cadeias é preservada e que serve como modelo para sintetizar seu complemento.

Esse processo envolve proteínas como a DNA polimerase, que adiciona nucleotídeos à nova cadeia usando o original como modelo.

Transcrição de DNA

A descoberta e a descrição desse processo chegaram a responder à questão de como o DNA e as proteínas estavam relacionados em diferentes locais das células.

A molécula intermediária que tornou possível essa relação acabou sendo o ácido ribonucleico maduro (RNA).

Relacionado:  Agricultura moderna: definição e técnicas

Especificamente, a RNA polimerase é a molécula que molda uma das cadeias de DNA, a partir da qual forma uma nova molécula de RNA. Isso ocorre após a complementaridade das bases.

Ou seja, é um processo no qual a informação de uma seção do DNA é reproduzida em um pedaço de RNA mensageiro (mRNA).

O produto da transcrição é uma cadeia madura de RNA mensageiro (mRNA).

Tradução de RNA

Na fase final, o RNA mensageiro já maduro (mRNA) serve como modelo para a síntese de proteínas.Os ribossomos estão envolvidos aqui, juntamente com as moléculas de RNA de transmissão de tRNA.

Cada ribossomo interpreta um trio de nucleotídeos de mRNA, chamado códon, e é complementado pelo anticódon que cada tRNA possui.

Esse RNAt carrega consigo o aminoácido que se encaixará na cadeia polipeptídica, de forma que se dobra na conformação correta.

Nas células procarióticas, a transcrição e a tradução podem ocorrer juntas, enquanto nas células eucarióticas a transcrição ocorre no núcleo da célula e a tradução ocorre no citoplasma .

A superação do dogma

Nos anos 60, vimos que alguns vírus faziam com que a célula “retrotranscrevesse” o RNA ao DNA.

Foi o caso da proteína Reverse Transcriptase (RT), responsável pelo uso do RNA modelo do HIV para sintetizar uma fita dupla de DNA proviral para integrá-lo ao DNA celular.

Esta proteína é atualmente usada em laboratórios e Howard Temin, David Baltimore e Renato Dulbecco ganharam o Prêmio Nobel de Medicina em 1975.

Por outro lado, existem outros vírus constituídos pelo RNA, capazes de sintetizar uma cadeia de RNA da qual eles já possuem.

Outra causa possível dessa alteração pode ser encontrada em defeitos das seqüências reguladoras dos genes que afetam a expressão da proteína e o processo de transcrição de um ou mais genes.

Essas descobertas foram a base de muitas investigações no campo da biologia molecular, como as relacionadas a doenças cancerígenas, doenças neurodegenerativas ou biologia sintética.

Em suma, o dogma central da biologia molecular foi uma tentativa de explicar como o fluxo de informação genética funciona em um organismo.

Essa tentativa foi superada, após vários anos de pesquisa científica que nos permitiu oferecer uma explicação mais próxima da realidade.

Referências

  1. Academia Digital Biomédica VITAE (s / f). Medicina molecular. Nova perspectiva em medicina. Recuperado de: caibco.ucv.ve
  2. Instituto Coriell de pesquisa médica (s / f). O que é Biologia Molecular. Recuperado de: coriell.org
  3. Durantes, Daniel (2015). O Dogma Central da Biologia Molecular. Recuperado de: investigarentiemposrevuelto.wordpress.com
  4. Mandal, Ananya (2014). O que é Biologia Molecular. Recuperado de: news-medical.net
  5. Natureza (s / f). Biologia Molecular Recuperado de: nature.com
  6. Diário da ciência (s / f). Biologia Molecular Recuperado de: sciencedaily.com
  7. Universidade de Veracruz (s / f). Biologia molecular. Recuperado de: uv.mx.

Deixe um comentário