Qual foi a batalha de Jambelí?

A Batalha de Jambelí foi um confronto naval ocorrido em 25 de julho de 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, entre as forças navais do Equador e do Peru. A batalha foi resultado de um longo conflito territorial entre os dois países pela posse da região fronteiriça de El Oro, onde se localiza a ilha de Jambelí. O confronto resultou na vitória peruana e marcou o fim da Guerra Equador-Peru, com a assinatura do Tratado de Paz de Rio de Janeiro em 29 de janeiro de 1942.

Resumo da Batalha de Jambelí: Conflito decisivo entre espanhóis e independentistas no Equador.

A Batalha de Jambelí foi um confronto decisivo entre as forças espanholas e os independentistas equatorianos, ocorrido em 1820. A batalha teve lugar na região costeira do Equador, próximo à Ilha de Jambelí, e foi um momento crucial na luta pela independência do país.

As forças independentistas, lideradas por Simón Bolívar, enfrentaram as tropas espanholas com determinação e coragem. Apesar de estarem em menor número, os independentistas conseguiram uma vitória surpreendente, que teve um impacto significativo no curso da guerra pela independência.

A Batalha de Jambelí foi um marco na história equatoriana, pois demonstrou a força e a determinação do povo em busca da liberdade e da autonomia. A vitória dos independentistas em Jambelí foi um passo importante rumo à independência do Equador, que seria finalmente alcançada em 1822.

Resumo breve da Batalha de Jambelí para crianças: luta pela independência equatoriana.

A Batalha de Jambelí foi um importante confronto que aconteceu durante a luta pela independência do Equador. Em 25 de julho de 1820, as forças patriotas equatorianas, lideradas por Antonio José de Sucre, enfrentaram as forças realistas espanholas na ilha de Jambelí, localizada no Golfo de Guayaquil. A batalha foi feroz, mas as tropas patriotas conseguiram obter a vitória, contribuindo assim para a conquista da independência do Equador.

A batalha de Jambelí: uma história de coragem e resistência na luta pela liberdade.

A batalha de Jambelí foi um evento histórico que ocorreu em 25 de julho de 1849, na Ilha de Jambelí, no Equador. Nessa batalha, as forças equatorianas lideradas por José María Urbina enfrentaram as tropas peruanas comandadas por Ramón Castilla, em uma luta pela independência e liberdade da região.

As tropas equatorianas, mesmo em desvantagem numérica, demonstraram coragem e determinação na resistência contra o inimigo. Com estratégias bem planejadas e o apoio da população local, conseguiram resistir aos ataques peruanos e manter a ilha sob controle equatoriano.

Relacionado:  Coexistência pacífica: causas, características e consequências

A batalha de Jambelí foi um marco na história do Equador, representando a luta pela liberdade e independência do país. O evento é lembrado até hoje como um exemplo de bravura e resistência contra a opressão estrangeira.

Portanto, a batalha de Jambelí é uma história que destaca a importância da coragem e da resistência na busca pela liberdade e autonomia de um povo. Um exemplo inspirador de como a determinação e a união podem levar à vitória, mesmo diante das adversidades.

Fotografías de la Batalla de Jambelí: momentos históricos capturados en medio de la lucha.

La Batalla de Jambelí fue un enfrentamiento militar que tuvo lugar en el año 1941, durante la Segunda Guerra Mundial. En este combate, las fuerzas ecuatorianas se enfrentaron a las fuerzas peruanas en la isla de Jambelí, ubicada en el Golfo de Guayaquil.

Las fotografías de la Batalla de Jambelí son momentos históricos capturados en medio de la lucha. Estas imágenes muestran la intensidad del combate, con soldados luchando valientemente en un entorno hostil. Se pueden ver impactantes escenas de soldados heridos, explosiones y estrategias militares en acción.

Estas fotografías son un testimonio visual de la valentía y sacrificio de los soldados que participaron en esta batalla. Capturan la crudeza de la guerra y nos permiten recordar y honrar a aquellos que lucharon en este conflicto.

Qual foi a batalha de Jambelí?

A Batalha de Jambelí foi um combate naval entre Equador e Peru que ocorreu no território marítimo equatoriano em 25 de julho de 1941.

Foi uma briga entre o atirador equatoriano BAE Calderón e o destruidor peruano BAP Almirante Villar.

Qual foi a batalha de Jambelí? 1

O primeiro era um pequeno navio de guerra e o segundo, um navio maior, capaz de atingir maior velocidade e mobilidade mais ágil, de acordo com a terminologia naval. Além disso, ele era superior em armamento e tropas.

Apesar da grande diferença de poder , o Equador foi vitorioso e conseguiu expulsar as forças peruanas do canal Jambelí.

Por isso, todo dia 25 de julho é comemorado o Dia Nacional da Marinha do Equador, em reconhecimento à coragem e ao comprometimento dos membros da Marinha.

Antes de Jambelí, a Guerra de 1850-1860 ocorreu. Em 1981, desenvolveu-se o conflito fronteiriço “False Paquisha”, no qual se desenvolveram confrontos entre as tropas fronteiriças; e, finalmente, em 1995, foi realizada a Guerra de Cenepa, um conflito desenvolvido no lado oriental da Cordilheira do Cóndor.

Início da batalha de Jambelí

Tudo começou quando o navio peruano “Almirante Villar” deixou o distrito de Zorritos em Tumbes, Peru, na direção das águas do Equador, especificamente o Golfo de Guayaquil, para realizar patrulhamento e reconhecimento da zona marítima.

Quando os equatorianos percebem a presença peruana, o canhão “Abdón Calderón”, que já estava navegando pelo canal Jambelí em direção a Guayas, mudou sua popa para Puerto Bolívar enquanto disparava tiros.

A ação imediata dos marinheiros peruanos foi contra-atacar e, após mais de 20 minutos de troca de pólvora, a batalha ou “o incidente”, como os peruanos preferem chamar esse evento, chegou ao fim.

A ação da tripulação equatoriana de Abdón Calderón, comandada pelo comandante Rafael Morán Valverde, foi realizada depois que eles perceberam que a intenção do Peru era bloquear o Golfo de Guayaquil.

Higinio Malavé, oficial da marinha equatoriana e tripulação do pistoleiro, diz que “os peruanos aproveitaram o fato de não termos aviação militar na época.

No entanto, antes do confronto em 25 de julho, eles já tinham aviões sobrevoando Guayaquil. Os peruanos aproveitaram a situação da Segunda Guerra Mundial para iniciar essa disputa. ”

Antecedentes da batalha de Jambelí

Antes da batalha marítima, os navios de guerra equatorianos tinham que permanecer 26 dias no canal Jambelí para evitar invasões. No entanto, a inferioridade, tanto no material de guerra quanto nas tropas, foi bastante perceptível:

-As forças equatorianas foram excedidas na proporção de 10 a 1

-As armas eram obsoletas

-O exército era composto por apenas 8.000 soldados

-Não havia força aérea e o único avião que o país equatorial possuía era o treinamento.

Por esses motivos, as intervenções dos Estados Unidos, Brasil e Argentina conseguiram interromper as operações no Peru, mas foram retomadas inesperadamente em 23 de julho de 1941.

O aviso “Atahualpa” foi encarregado de cumprir a missão de proteger as costas da província de El Oro. Era um pequeno navio usado para escurecer o farol e o serviço de bola e no qual foram instaladas duas armas “Breda” pertencentes a ele para o exército

Antes, o barco “Machala”, sem armamento, foi atacado por barcos patrulha peruanos em 9 de junho de 1941.

Portanto, o comandante de segurança nas fronteiras, tenente-coronel Octavio Ochoa, solicitou que o aviso de Atahualpa fosse enviado ao canal de Jambelí de maneira fixa.

Segundo a Marinha do Equador, foi assim que, em 23 de julho, a tripulação do aviso “Atahualpa”, sob o comando da fragata alferes Víctor Naranjo Fiallo, resistiu ao ataque de várias aeronaves do exército militar peruano e conseguiu abater uma delas .

Relacionado:  Incorporação da Ilha de Páscoa: Causas e Consequências

Daniel Cevallos, membro da tripulação do “Atahualpa” Warning, diz que “naquela época, o tagarela Eleuterio Chalá estava lançando e lançando rajadas até alcançar a demolição”.

Naquela época, o Equador não possuía muito armamento, apenas rifles, mas as poucas baterias antiaéreas existentes tinham um alcance de três mil metros, mas os aviões peruanos subiam o mais alto possível para não serem atingidos por um projétil.

As operações de 23 de julho foram realizadas durante a manhã, quando quatro aviões peruanos aparecem no céu de Puerto Bolívar, no canal Jambelí, e atacam o aviso “Atahualpa”, voando 200 metros de altura e passando pela banda. Port

Os pilotos peruanos descarregaram quatro rajadas de metralhadoras, mas nenhuma atingiu o alvo. Por outro lado, com as duas metralhadoras e o canhão Breda do “Atahualpa”, foi possível demolir o avião peruano que finalmente caiu em Balzalito.

A luta que durou apenas 7 minutos deixou a trágica morte do tenente capitão José Quiñónez González (que teve um aumento póstumo na hierarquia militar peruana).

Quiñónez González representa o primeiro ás da aviação peruana que, em vez de usar o paraquedas, tentou pilotar o avião contra as baterias equatorianas e foi atingido pelo fogo inimigo, caiu e perdeu a vida em flagrante.

Consequências da batalha de Jambelí

A guerra peruano-equatoriana, também conhecida como guerra dos 41, foi apenas um dos vários conflitos armados que ocorreram entre os dois países latino-americanos como resultado de sua disputa territorial secular devido à falta de fronteiras reconhecidas e aceitas por ambos.

Como resultado da guerra de 25 de julho de 1941, em 29 de janeiro de 1942, foi assinado o Protocolo de Paz, Amizade e Limites do Rio de Janeiro, mas, evidentemente, os confrontos não declarados continuaram até a chegada do novo milênio.

Atualmente, os dois países andinos têm procurado avançar no aprimoramento de suas relações bilaterais diplomáticas e militares.

Referências

  1. Anon (2010). Decadência da instituição (1916-1942). Em Anon, Marinha do Equador.
  2. Bravo, MS (julho de 2015, 26). O épico de julho de 1941. Porteñas Memories .
  3. A Republica. (17 de julho de 2017). 76 anos do combate naval de Jambelí. A República .
  4. Núñez, EM (1981). História geral do exército equatoriano: O exército equatoriano na campanha internacional de 1941 e no período pós-guerra. Centro de Estudos Históricos do Exército.

Deixe um comentário