Queda de Constantinopla: antecedentes, causas, consequências

A queda de Constantinopla em 1453 foi um evento crucial na história do Império Bizantino e teve impacto significativo no cenário político e cultural da época. Este acontecimento marcou o fim de um dos mais poderosos impérios da história e abriu caminho para a expansão do Império Otomano na região.

Os antecedentes da queda de Constantinopla remontam aos séculos anteriores, com o enfraquecimento gradual do Império Bizantino devido a conflitos internos, ataques de povos bárbaros e disputas territoriais. Além disso, a ascensão do Império Otomano sob o comando do sultão Maomé II foi um fator determinante para a queda da cidade.

As causas da queda de Constantinopla são diversas e incluem a superioridade militar e tecnológica dos otomanos, a fragilidade das defesas da cidade e a falta de apoio de potências europeias para conter o avanço do Império Otomano. Após um cerco de dois meses, Constantinopla foi finalmente conquistada em 29 de maio de 1453.

As consequências da queda de Constantinopla foram profundas e duradouras. A cidade foi saqueada e grande parte da população foi massacrada ou escravizada. O Império Bizantino chegou ao fim e o Império Otomano se tornou o principal poder na região, consolidando seu domínio nos Bálcãs e no Oriente Médio. Além disso, a queda de Constantinopla incentivou o Renascimento e a expansão marítima europeia, que buscavam novas rotas comerciais para o Oriente.

Impactos da queda de Constantinopla: mudanças geopolíticas, culturais e religiosas na história mundial.

A queda de Constantinopla em 1453 teve impactos significativos nas mudanças geopolíticas, culturais e religiosas na história mundial. Antes de entrarmos nos impactos, é importante entender os antecedentes e as causas dessa queda.

Constantinopla, atual Istambul, era a capital do Império Bizantino e uma das cidades mais importantes do mundo medieval. Por séculos, foi um centro de comércio, cultura e poder. No entanto, em 1453, a cidade foi conquistada pelos Otomanos, liderados pelo sultão Mehmed II.

As causas da queda de Constantinopla incluem a fragilidade do Império Bizantino, a superioridade militar otomana e a ineficácia das defesas da cidade. Após um longo cerco, os otomanos conseguiram invadir a cidade em 29 de maio de 1453, marcando o fim do Império Bizantino e o início do Império Otomano.

Os impactos da queda de Constantinopla foram profundos. Geopoliticamente, a conquista otomana mudou o equilíbrio de poder na região, consolidando o domínio otomano sobre os Bálcãs e abrindo caminho para a expansão otomana na Europa e no Oriente Médio. Culturalmente, a queda de Constantinopla significou a perda de um importante centro de aprendizado e preservação da cultura grega e romana.

Religiosamente, a queda de Constantinopla teve um impacto duradouro. A Igreja Ortodoxa Grega foi suprimida e muitos gregos fugiram para o oeste, levando consigo conhecimentos e ideias que influenciaram o Renascimento. Além disso, a conquista otomana levou à transformação da Basílica de Santa Sofia em uma mesquita, simbolizando a mudança religiosa na região.

A cidade continuou a ser um ponto de referência histórica e cultural, lembrando-nos das consequências profundas de eventos históricos.

Impactos da conquista turca em Constantinopla: transformações culturais, religiosas e geopolíticas na cidade.

Os impactos da conquista turca em Constantinopla foram profundos e duradouros, afetando não apenas a cidade, mas também toda a região. As transformações culturais, religiosas e geopolíticas foram significativas e moldaram o futuro da cidade de maneira irreversível.

Uma das principais transformações culturais foi a influência turca na arquitetura e nas artes de Constantinopla. Muitos edifícios e monumentos foram construídos no estilo otomano, incorporando elementos da cultura turca. Além disso, a língua turca começou a ser mais amplamente falada na cidade, substituindo o grego como idioma dominante.

Do ponto de vista religioso, a conquista turca teve um impacto significativo na população cristã de Constantinopla. Muitos cristãos foram convertidos ao islamismo, enquanto outros foram forçados a se submeter às leis e costumes turcos. Isso levou a uma mudança na demografia religiosa da cidade, com a maioria da população se tornando muçulmana ao longo do tempo.

Em termos geopolíticos, a conquista turca de Constantinopla marcou o fim do Império Bizantino e o início do Império Otomano. Isso teve repercussões em toda a região, com o Império Otomano se tornando uma potência dominante no Oriente Médio e no sudeste da Europa. A conquista de Constantinopla também teve um impacto significativo nas relações entre o Ocidente e o Oriente, moldando o curso da história por séculos.

As transformações culturais, religiosas e geopolíticas moldaram o futuro da cidade e da região, deixando um legado que perdura até os dias de hoje.

Principais motivos que levaram ao declínio do Império Bizantino ao longo dos séculos.

O Império Bizantino, também conhecido como Império Romano do Oriente, foi uma das mais importantes potências da Antiguidade Tardia e da Idade Média. Fundado em 330 d.C. por Constantino, o Grande, Constantinopla, a capital do império, tornou-se um centro de cultura, comércio e poder. No entanto, ao longo dos séculos, o império começou a declinar, culminando na queda de Constantinopla em 1453.

Relacionado:  Origem do capitalismo: fatores e estágios históricos

Queda de Constantinopla: antecedentes, causas, consequências.

Um dos principais antecedentes da queda de Constantinopla foi a divisão do império em duas partes, o Império Romano do Ocidente e o Império Romano do Oriente. Enquanto o Ocidente sucumbiu às invasões bárbaras, o Oriente conseguiu resistir por mais tempo, mas enfrentou constantes ameaças externas e internas.

Entre as principais causas do declínio do Império Bizantino estão os constantes conflitos internos, a corrupção política e econômica, a perda de territórios para os turcos e a fragilidade militar. Além disso, a peste negra e as disputas religiosas, como o Cisma do Oriente e do Ocidente, enfraqueceram ainda mais o império.

Com a queda de Constantinopla em 1453, o Império Bizantino chegou ao fim. As consequências foram devastadoras para a região, com a destruição da cidade e a morte de milhares de habitantes. O Império Otomano, que conquistou Constantinopla, se tornou a nova potência da região, marcando o fim de uma era e o início de uma nova.

Qual foi o impacto da queda de Constantinopla para a história mundial?

A queda de Constantinopla em 1453 teve um impacto significativo na história mundial, marcando o fim do Império Bizantino e o início de uma nova era. Antes de abordar as consequências desse evento, é importante entender seus antecedentes e causas.

A cidade de Constantinopla, capital do Império Bizantino, era uma fortaleza impenetrável por séculos. No entanto, em 1453, o Império Otomano, liderado pelo sultão Mehmed II, lançou um cerco à cidade que durou meses. Após intensos combates, as muralhas de Constantinopla foram finalmente quebradas e a cidade foi conquistada pelos otomanos em 29 de maio de 1453.

As consequências da queda de Constantinopla foram profundas. A cidade, que era um importante centro cultural, político e religioso, agora estava sob domínio otomano. Isso levou à disseminação de ideias renascentistas para o oeste, contribuindo para o Renascimento europeu. Além disso, muitos intelectuais e artistas fugiram de Constantinopla, levando consigo conhecimento e obras de arte preciosas para o restante da Europa.

A queda de Constantinopla também teve um impacto significativo na geopolítica global. Com a conquista otomana, o domínio muçulmano se expandiu para o coração da Europa, mudando o equilíbrio de poder na região. Isso influenciou diretamente a era das grandes navegações e a busca por rotas comerciais alternativas para o Oriente.

Suas consequências moldaram o mundo em que vivemos hoje, influenciando a cultura, a política e a economia de forma duradoura.

Queda de Constantinopla: antecedentes, causas, consequências

A queda de Constantinopla foi uma guerra que ocorreu em 20 de maio de 1453, na qual o Império Otomano obteve a vitória, o que para os historiadores significou o fim da Idade Média no continente europeu e o fim dos últimos vestígios que eles eram do Império Romano no Oriente.

Desde meados do século XIV, o Império Otomano se apropriou de numerosos territórios de inclinação cristã; Somente Constantinopla, a grande metrópole, permaneceu intacta, sendo uma das cidades mais importantes da época graças à sua localização privilegiada.

Queda de Constantinopla: antecedentes, causas, consequências 1

A queda de Constantinopla em 1453. Akcel1406 [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], do Wikimedia Commons

Para os muçulmanos, Constantinopla era uma cidade prometida. Segundo suas crenças, Maomé havia profetizado que a cidade cairia. Por mil anos, vários dos imperadores bizantinos resistiram aos ataques de seus adversários no Bósforo, criando muros impenetráveis ​​e um armamento poderoso.

Dizem que Constantinopla foi ótimo. Entre suas grandes atrações, estavam suas poderosas fortificações, que haviam sido criadas para proteger o poder daquela cidade. Em meados do século XV, esses muros protegiam o último distrito cristão que não fora atingido pelo poder otomano.

Em 1453, houve uma nova ameaça: o jovem sultão Mehmed II decidiu conquistar a cidade de Constantinopla a todo custo. Antes de sua chegada, muitos dos sultões que o haviam precedido tinham a mesma aspiração; no entanto, ninguém havia conseguido penetrar na cidade antes.

Dizem que o sultão ordenou a fabricação dos maiores canhões do mundo naquela época por um ferreiro húngaro. Esse armamento estava a serviço da maior potência muçulmana da época, cuja campanha militar visava estabelecer a única fé verdadeira.

Em 12 de abril de 1453, os canhões turcos abriram fogo, penetrando assim nas enormes e vastas paredes que se acreditava invulneráveis. Seis semanas depois, em 20 de maio, o confronto foi encerrado, dando assim o controle da metrópole cobiçada aos muçulmanos, depois de séculos tentando possuí-lo.

Antecedentes

Nascimento do Império Otomano

Constantinopla estava vacilando há vários séculos atrás, quando os domínios bizantinos localizados no sul da Itália estavam desaparecendo devido aos contínuos ataques de Roberto Guiscardo e seus normandos.

Além disso, uma tribo asiática, conhecida como os Cumanos, que invadiu várias províncias européias também estava se formando ao norte.

No entanto, o inimigo mais terrível da cidade estava se formando no leste, onde várias tribos turcas invadiram as regiões islâmicas e se converteram a essa religião. Enquanto isso acontecia, o Império Bizantino estava desmoronando internamente devido à falta de liderança contundente.

Uma nova tribo turca se manifestou na época. Durante 1037 e 1055, ele estabeleceu seu governo na Pérsia e depois capturou Bagdá, o que os levou a se tornar a maior potência do mundo islâmico.

Constantinopla declina

No ano de 1190, o declínio da cidade começou a ser mais perceptível, pois, quando os bizantinos se recusaram a participar da Terceira Cruzada, optaram por permanecer em uma posição neutra.

Isso fez com que os cruzados atacassem a cidade no ano de 1204. No entanto, algumas décadas depois, Miguel VIII Paleólogo conseguiu reconquistar a cidade.

Os otomanos já haviam adquirido vários territórios bizantinos antes da catástrofe final, deixando Constantinopla a perder suas defesas territoriais. Por exemplo, os muçulmanos haviam tomado algumas cidades de origem asiática, como Nicea, Nicomedia e Bursa.

Apesar das diferenças políticas, o regente bizantino Cantacuceno solicitou a ajuda dos turcos para manter a ordem dentro do Império Bizantino.

De fato, Cantacuceno fez três alianças com os muçulmanos, o que não foi benéfico para os bizantinos porque, em pagamento, o regente concedeu-lhe uma fortaleza localizada no lado europeu, que oferecia uma posição estratégica para os otomanos.

Além disso, o príncipe Suleiman decidiu tomar a cidade de Gallipoli, o que permitiu ao Império Otomano ter controle sobre a península e uma posição favorável para a expansão de seus territórios.

Quando Cantacuceno pediu a volta de Gallipoli, o império dos turcos decidiu romper relações com Constantinopla, tornando-se novamente adversários.

Decisões otomanas

Para manter o controle da península, os otomanos tomaram algumas decisões que atrasaram a queda de Constantinopla. O sultão Bayazid decidiu atacar a grande metrópole destruindo seus campos e o isolamento da cidade.

No entanto, Constantinopla ainda podia obter suprimentos do mar, já que os otomanos não fecharam o mar.

Dessa forma, Constantinopla conseguiu resistir por mais seis anos até que o exército turco-mongol comandado por Tamerlane se estabelecesse no Império Otomano no leste, então o sultão Beyazid teve que retornar ao seu território em 1402.

Por duas décadas, os bizantinos conseguiram descansar da insistência dos otomanos, já que esse império enfrentou uma disputa familiar, onde Mehmed I emergiu triunfante e assumiu o poder.

Em 1422, Manuel Paleólogo decidiu que o mais conveniente para a sobrevivência de Constantinopla era aliar-se ao novo príncipe turco.

No entanto, Murad II (que era filho de Mehmed) não concordou com esse pedido, então ele enviou 10.000 guerreiros para cercar as entradas da metrópole. Apesar disso, a cidade conseguiu prevalecer mais uma vez.

Causas

Queda de Constantinopla: antecedentes, causas, consequências 2

Siege of Constantinople 1453 map-fr.svg: Trabalho derivado de Sémhur () · Rowanwindwhistler [CC BY-SA 4.0 (https://creativecommons.org/licenses/by-sa/4.0)], via Wikimedia Commons

Como declarado nos parágrafos anteriores, o declínio de Constantinopla estava ocorrendo progressivamente ao longo das décadas, principalmente por causa da expansão maciça dos turcos, bem como pelas decisões fracassadas tomadas pelos imperadores bizantinos.

Além disso, acrescenta-se que o exército bizantino havia sido bastante reduzido devido à peste negra, uma doença que atingiu a cidade no momento de maior vulnerabilidade.

Da mesma forma, outra causa foi que, como a população era principalmente latina e grega, a religião ensinada era ortodoxa, em vez de seguir os mandamentos da Igreja Romana. Isso resultou na excomunhão do país bizantino.

Finalmente, deve-se mencionar que desde o início da metrópole os bizantinos eram fortemente dependentes dos muros que cercavam Constantinopla.

Embora estes constituíssem a principal defesa da cidade, os otomanos estavam encarregados de conglomerar um dos maiores exércitos da antiguidade tardia, o que lhes garantiu a vitória.

Desenvolvimento

Os bizantinos ansiavam pela ajuda do Ocidente; no entanto, Roma e seus aliados se recusaram a ajudá-los por causa de suas diferenças religiosas (entre as igrejas ortodoxa e romana).

Em um momento de desespero, João VIII tentou resolver as diferenças religiosas entre as duas nações através de um conselho realizado em Ferrara; No entanto, isso trouxe descontentamento na população bizantina, pois alguns rejeitaram a Igreja Romana e outros apoiaram as táticas políticas e militares de João VIII.

Constantine XI

Em 1448, o rei bizantino João VIII morreu, então seu irmão Constantino XI teve que assumir o trono um ano depois. Constantino teve o apoio da multidão, pois ganhou popularidade depois de ter participado da campanha de guerra do Peloponeso contra os turcos.

Constantino, como João VIII, concordou com seu irmão sobre a necessária reconciliação entre as igrejas cristãs do Oriente e do Ocidente, que incomodavam o clero bizantino e o sultão Murad II, que sabia que essa aliança poderia causar estragos em seus projetos de expansão territorial.

Relacionado:  Como a história é dividida? Estágios principais

Em 1451, o sultão Murad II morreu e seu filho Mehmed II o sucedeu. No início de seu reinado, Mehmed prometeu não atacar os territórios bizantinos.

Isso fez com que Constantino confiasse, o que o levou a exigir dos otomanos uma renda para a manutenção de um príncipe turco que ficou refém na metrópole.

Isso incomodou bastante Mehmed II, não apenas pelo dano causado a seu parente, mas também pela insolência de Constantino, que não estava em posição de exigir tal acordo. Por esse motivo, Mehmed, que sempre cobiçara Constantinopla, decidiu atacar a grande cidade com todo o seu potencial.

Começo da guerra

Os bizantinos, que agora tinham o apoio dos territórios ocidentais, receberam três navios genoveses. Estes foram enviados pelo papa e destinavam-se a fornecer suprimentos, armas e alimentos. Da mesma forma, 300 arqueiros de Nápoles foram enviados.

Da mesma forma, os venezianos colaboraram com 800 soldados e 15 embarcações, além de vários barris cheios de fogo grego.

Constantino XI realizou um censo da cidade para saber com quem se podia contar para a batalha. O resultado não foi animador, pois possuía apenas 50.000 habitantes devido aos constantes confrontos e à peste negra.

No esplendor da cidade, Constantinopla contava meio milhão de habitantes. Além disso, naquela época eles tinham apenas 5000 soldados para manter a defesa.

Por outro lado, os otomanos construíram um muro gigante para cercar a cidade. Desta vez, Mehmed II não quis deixar pontas soltas como seus antecessores, então ele bloqueou as entradas marítimas, proibindo assim qualquer tipo de suprimento para a grande metrópole.

Em 1452, um ferreiro e engenheiro de nacionalidade húngara chamado Orbón se ofereceu para fazer a arma mais terrível para o sultão. Este cânion de nove metros foi chamado de Grande Bombarda.

Ataque e confronto

O evento bélico começou em 7 de abril de 1453, quando o Grande Bombardeiro deu o primeiro tiro. Nunca antes o muro de Constantinopla foi enfraquecido até aquele momento. Em apenas algumas semanas, as fortificações, uma vez tão seguras, entraram em colapso.

Durante as noites, os bizantinos tentaram reparar os danos do muro usando madeira, pedras e barris de areia. No entanto, os otomanos não tinham pressa; Mehmed sabia que conseguiria a vitória.

A princípio, os bizantinos acreditavam que poderiam sobreviver ao cerco, pois haviam alcançado duas vitórias bastante esperançosas. No entanto, em 22 de abril, o sultão causou um brilhante golpe estratégico, ao ordenar a construção de uma estrada que lhe permitisse empurrar seus navios por terra, evitando assim os contingentes bizantinos.

Para causar medo e como protesto, os bizantinos decidiram decapitar 200 turcos que eram prisioneiros e depois atirar seus corpos sobre os imponentes muros.

Naquele momento, o trabalho começou a ser escasso, enquanto os soldados estavam exaustos e os suprimentos estavam acabando. Tentando manter o ânimo, Constantino ficou ao lado de seus homens e coordenou as defesas.

Após várias tentativas fracassadas e com tropas exauridas, Mehmed ordenou um ataque total às fortificações bizantinas; no entanto, Constantinopla não cedeu por duas horas.

Mais tarde, graças ao canhão, eles finalmente derrubaram o muro; No entanto, Constantino ordenou que se construísse uma corrente humana para impedir a passagem dos turcos.

Dizem que o imperador bizantino lutou até morrer em frente a seus muros e ao lado de seus homens. Constantino foi decapitado e sua cabeça foi abduzida pelos turcos.

Consequências

Como conseqüência desse ataque de guerra, alguns crentes consideraram que o fim da era cristã estava se aproximando, pois haviam perdido uma importante cidade localizada no leste. Da mesma forma, o comércio entre a Europa e a Ásia cessou abruptamente.

Da mesma forma, a Europa teve que estabelecer novas rotas comerciais, dando lugar às excursões marítimas que contribuíram para a descoberta da América.

Um aspecto positivo da queda desta cidade é que vários gregos sábios e intelectuais fugiram para a Itália, o que favoreceu o movimento artístico do Renascimento.

Com a queda de Constantinopla, o Império Romano foi concluído de uma vez por todas. Além disso, o cristianismo estava dividido entre o oeste e o leste, este eclipsado sob o domínio turco.

Referências

  1. Salinas, S. (2005) Significado da queda de Constantinopla para o Império Otomano . Retirado em 18 de dezembro de Estudos Árabes no Chile: Estudiosarabes.uchile.cl
  2. Pérez, I. (1980) Constantinopla, começo e fim: continuidade, ruptura e declínio . Recuperado em 18 de dezembro de 2018 de Digital CSIC: digital.csic.es
  3. López, F. (sf) Constantinopla, 1453: Uma síntese e algumas reflexões . Recuperado em 18 de dezembro de 2018 do WordPress: apccuam.files.wordpress.com
  4. Asimov, I. (1970) Recuperado em 18 de dezembro de Bdigital: bdigital.binal.ac.pa
  5. Barreiro, R. (sf) O local e a queda de Constantinopla . Retirado em 19 de dezembro de 2018 do CEFA digital: cefadigital.edu.ar

Deixe um comentário