Quando não há sentimento de maternidade que idealizamos

Quando não há o sentimento de maternidade que idealizamos, muitas mulheres se veem em um dilema interno, enfrentando questionamentos e conflitos emocionais profundos. A ausência desse sentimento pode gerar culpa, angústia e dúvidas sobre a própria capacidade de ser mãe. Nesse contexto, é importante buscar compreender e aceitar essa realidade, respeitando os próprios limites e buscando apoio emocional para lidar com esses sentimentos de forma saudável. É fundamental lembrar que não existe um padrão único de maternidade e que é possível encontrar formas de ser mãe que sejam autênticas e significativas, mesmo que não correspondam às expectativas idealizadas.

Reflexões da psicologia sobre o papel materno: descubra o que os especialistas dizem.

A maternidade é frequentemente idealizada como um momento de amor incondicional, cuidado e conexão profunda entre mãe e filho. No entanto, nem todas as mulheres experimentam esse sentimento de forma natural e automática. Alguns estudos da psicologia apontam que a falta de afinidade materna pode estar relacionada a questões emocionais, traumas passados ou dificuldades de vinculação.

De acordo com especialistas, a ausência de sentimentos maternos não significa necessariamente que a mulher seja incapaz de cuidar do seu filho. Pelo contrário, é importante que ela busque compreender suas emoções e buscar ajuda profissional, se necessário. A psicologia enfatiza a importância do autoconhecimento e do apoio psicológico para lidar com as complexidades da maternidade.

É fundamental desconstruir a ideia de que todas as mães devem sentir um amor instantâneo e inabalável por seus filhos. Cada mulher é única e vivencia a maternidade de forma singular. Reconhecer e respeitar essa diversidade de experiências é essencial para promover um ambiente saudável e acolhedor para mães e filhos.

O importante é buscar apoio, autoconhecimento e compreensão, valorizando a diversidade de vivências e emoções que fazem parte da maternidade.

Qual o significado da maternidade em sua vida e experiência como mãe?

A maternidade é um dos papéis mais importantes e desafiadores na vida de uma mulher. Para mim, o significado da maternidade vai muito além da simples tarefa de cuidar de um filho. Ser mãe é uma experiência que nos transforma, nos ensina o verdadeiro significado do amor incondicional e nos faz ver o mundo de uma maneira completamente diferente.

Como mãe, pude experimentar uma conexão única e profunda com meu filho, que vai além de qualquer outra relação. A maternidade me trouxe uma sensação de realização e propósito, me fazendo perceber que minha vida ganhou um novo sentido desde que me tornei mãe.

No entanto, nem todas as mulheres experimentam o sentimento de maternidade que idealizamos. Algumas mulheres podem não sentir o instinto materno tão fortemente quanto outras, e isso não as torna menos capazes de serem boas mães. É importante lembrar que a maternidade é uma jornada única para cada mulher, e não há uma maneira certa ou errada de ser mãe.

É essencial que as mulheres se sintam livres para explorar seus próprios sentimentos em relação à maternidade, sem se sentirem pressionadas a se encaixar em um padrão pré-estabelecido. A verdadeira maternidade vai além dos estereótipos e expectativas sociais, e é importante que cada mulher encontre sua própria maneira de vivenciar essa experiência única.

Aprendizados preciosos da maternidade: lições de amor, paciência e dedicação para a vida.

Quando pensamos na maternidade, logo vêm à mente imagens de amor incondicional, paciência infinita e dedicação sem limites. A ideia de ser mãe muitas vezes é romantizada e idealizada, mas a realidade nem sempre corresponde a essas expectativas. Nem todas as mulheres se sentem naturalmente inclinadas a ser mães, e isso é perfeitamente normal.

Relacionado:  espectro obsessivo-compulsivo: o que é e grupos de distúrbios

Algumas mulheres podem não experimentar o sentimento de maternidade que a sociedade nos ensina a esperar. Isso não significa que sejam incapazes de amar ou cuidar de um filho, apenas que sua experiência de maternidade pode ser diferente do ideal que nos é vendido. Essas mulheres podem enfrentar julgamentos e críticas por não se encaixarem no estereótipo da mãe perfeita, mas é importante lembrar que cada pessoa é única e tem sua própria maneira de expressar amor e cuidado.

Apesar de não se sentirem conectadas com a maternidade da forma como esperavam, essas mulheres ainda podem aprender lições valiosas sobre amor, paciência e dedicação. A maternidade pode ser uma oportunidade de crescimento pessoal e de desenvolvimento de habilidades que serão úteis em outras áreas da vida.

Portanto, é essencial reconhecer que não há uma única maneira “certa” de ser mãe e que cada mulher tem o direito de viver sua maternidade de acordo com suas próprias necessidades e desejos. O importante é cultivar um ambiente de respeito e aceitação, tanto para aquelas que se identificam plenamente com o papel de mãe quanto para aquelas que têm uma relação mais complexa com essa experiência.

Refletindo sobre a experiência única de ser mãe: como expressar esse sentimento?

Ser mãe é uma experiência que muitas mulheres idealizam desde cedo. A expectativa de segurar seu bebê nos braços pela primeira vez, de ver seu sorriso e ouvir seu choro, é algo que mexe com o coração de qualquer pessoa. No entanto, nem sempre a realidade corresponde à idealização. Quando não há sentimento de maternidade que idealizamos, é importante refletir sobre essa experiência de forma honesta e sem julgamentos.

Expressar esse sentimento pode ser desafiador para algumas mães. A sociedade muitas vezes impõe um padrão de maternidade perfeita, o que pode gerar culpa e frustração em quem não se sente completamente conectada ao seu papel de mãe. É importante lembrar que cada mulher é única e que ser mãe não significa necessariamente sentir um amor incondicional e instantâneo pelo seu filho.

É normal não se sentir preparada ou não se identificar com o papel de mãe logo de cara. A maternidade é um processo de aprendizado constante, que envolve altos e baixos, dúvidas e descobertas. É importante buscar apoio de profissionais de saúde mental, conversar com outras mães e compartilhar suas dificuldades e sentimentos. Não há problema em admitir que a maternidade não é como você imaginava.

Lembrar que ser mãe é uma jornada única e que cada mulher vive essa experiência de forma diferente é essencial para aceitar e expressar seus sentimentos. Não se cobre tanto e permita-se sentir o que vier de forma natural. A maternidade não é um conto de fadas, mas sim uma experiência real e cheia de desafios. Aceitar suas emoções e buscar ajuda quando necessário é o primeiro passo para lidar com a falta de sentimento de maternidade que idealizamos.

Relacionado:  Os 6 tipos de afasia (causas, sintomas e características)

Quando não há sentimento de maternidade que idealizamos

Quando não há sentimento de maternidade que idealizamos 1

Antes do nascimento de um bebê, muitas mães se sentem felizes, agradecidas e com poder para levar seus filhos ao mundo.

No entanto, para muitas mulheres, o puerpério pode ser uma experiência difícil, cheia de medos, culpa, sentimentos negativos que afetam seus relacionamentos emocionais e sociais, amamentação e até o vínculo com o bebê. Isso é o que chamamos de depressão pós-parto (DPP).

Neste artigo, veremos o que acontece quando a ilusão antecipada e idealizada de ser mãe não chega com o nascimento de um bebê , mas sentimentos relacionados ao desconforto.

Os principais momentos do nascimento

Gravidez, parto e puerpério são momentos de especial vulnerabilidade para as mulheres , onde a pessoa é mais sensível e pode haver fatores pessoais ou contextuais que podem estar afetando o vínculo gerado entre a mãe e o bebê. O início do vínculo com o bebê pode ser alterado em momentos diferentes.

1. Durante a gravidez

O vínculo com o bebê começa no útero , e o feto percebe todas as emoções que sua mãe está sentindo. Se a história de vida da mãe é complexa, o processo hormonal que se desenvolve na gravidez resulta em um período de transparência psíquica (Bydlowski, 2007), em que a mulher sente a necessidade de revisar e reparar sua história, especialmente , o vínculo com sua mãe, para que ele possa começar a criar a conexão emocional com seu bebê.

Se houver conflitos ou falhas de apego não resolvidas na história da mãe , é mais provável que o vínculo emocional possa ser afetado negativamente. Portanto, a gravidez é um bom momento para trabalhar e reparar nosso histórico de apego.

2. Maternidade e paternidade

Essa fase começa a se desenvolver a partir do momento em que se sonha com a chegada do filho ou filha e, até que chegue, muitas coisas podem acontecer.

Uma mãe não surge da solidão e do isolamento; É o resultado de um contexto familiar, vinculativo, social, econômico, tecnológico . A biologia também imprime seu papel e, para realizar a maternidade, é necessário apoio, para gerar as condições para uma gravidez saudável. Nesse processo, não apenas o quanto a mãe e sua família, mas toda a sociedade.

3. Parto

O fato de haver um parto natural ou altamente medicalizado e com intervenção, de complicações médicas ou de a mulher não se sentir segura nessa situação, pode levar à conexão emocional com nosso bebê .

4. O pós-parto

Separações físicas e emocionais entre a mãe e o recém-nascido, ou intervenções médicas no bebê ou na mãe, entre outras questões, também podem fazer com que o estabelecimento de um forte vínculo emocional seja adiado.

5. O puerpério

A falta de apoio e cuidado do casal e do meio ambiente, problemas ou doenças na recuperação da mãe, ou estresse, geram dificuldades na conexão mãe-bebê .

Quando a ilusão de ser mãe não vem

Se a gravidez correu bem e o nascimento foi respeitoso para a mãe e a criança, a mulher se sentirá fortalecida; os hormônios e as mudanças emocionais facilitam, eles proporcionam uma força interna e externa juntamente com uma conexão, não apenas com o bebê, mas também consigo mesma. O instinto biológico dos mamíferos direciona o comportamento materno e predispõe a mãe a realizar determinadas ações relacionadas ao bom desenvolvimento da maternidade.

Relacionado:  Síndrome de Paris: a estranha desordem que alguns turistas japoneses sofrem

No entanto, se você não foi capaz de possuir seu nascimento, seu corpo, o processo, geralmente instala uma sensação de perplexidade e desamparo, o que o leva a perder a autoconfiança. É como se eles tivessem roubado algo de que ele não está ciente em sua maneira de experimentar ser mãe.

Existem diferentes variáveis ​​que podem levar as mães a não sentirem aquela torrente de amor que “deveriam” sentir , e depois disso surge o sentimento de culpa e desconforto com o mesmo.

Depressão pós-parto

É muito comum sentir sentimentos de tristeza, irritabilidade, desejo de chorar após o parto , devido à fadiga e alterações hormonais. Este período é chamado de ” Baby Blues ” e 80% das mulheres sofrem. Com o cuidado das pessoas ao redor da mãe e do bebê, o descanso necessário e muito apoio emocional, esses sintomas desaparecem em poucos dias.

No entanto, se isso não acontecer e o desconforto continuar, afetando a vida cotidiana da mãe e do bebê, podemos estar falando sobre depressão pós-parto . Para esses casos, da Vitaliza, recomendamos um acompanhamento profissional.

TEPT associado à gravidez ou nascimento

Também é importante procurar um profissional se, durante o processo de parto ou pós-parto, a mãe tiver a experiência de que em algum momento sua vida ou a de seu bebê estiveram em sério perigo; Isso pode gerar intenso medo ou desesperança, eventualmente desenvolvendo um Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT) .

Esse fato pode ocorrer entre 2 e 6% das mulheres que dão à luz e 30% geralmente geram alguns sintomas desse distúrbio, persistindo por um longo período, até anos, se não for tratado adequadamente.

Entre os principais fatores desencadeantes dessa alteração está a percepção de negligência ou negligência durante ou após o parto ou alta intervenção obstétrica (uso de instrumentos durante o parto, medicalização, cesarianas urgentes etc.) em que a mulher sente perda de peso. controle ou dor excessiva por um período prolongado de tempo.

Sintomas

Os sintomas que acompanham um parto traumático são geralmente:

  • Reviva constantemente o trabalho de parto ou as situações mais estressantes do processo.
  • Sentindo-se desconectado ou distanciado da realidade e do seu bebê.
  • Irritabilidade e hiperexcitabilidade com seu ambiente e profissionais de saúde.
  • Afetação do vínculo com seu bebê.
  • Rejeição da sexualidade e desejo de se tornar mãe novamente.

O que fazer?

Nos casos de TEPT, recomenda-se incentivar as mulheres a expressarem seus sentimentos em grupos de auto-ajuda ou com profissionais . A terapia EMDR, juntamente com estratégias de regulação e relaxamento, como o Neurofeedback, são tratamentos eficazes para o TEPT após um parto complicado.

Trazer um bebê para o mundo é um dos eventos vitais de maior impacto emocional e físico para uma mulher, por isso é muito importante acompanhar e cuidar dele e do bebê. Essa ajuda deve combinar o fator humano fornecido pelos entes queridos e a assistência profissional de especialistas em psicoterapia.

Autores: Anabel De la Cruz e Cristina Cortés, psicólogas da Vitaliza Health Psychology .

Referências bibliográficas:

  • Cortés, C. (2017) Olhe para mim, sinta-me. Estratégias para reparo de apego em crianças através do EMDR. Decreto de Brouwer
  • Bydlowski (2007) Dívida de vida. Itinerário psicanalítico da maternidade. Nova Biblioteca
  • Olza, I. (2017) Parir. O poder do parto SA Ediciones B.

Deixe um comentário