Quem eram os espanhóis peninsulares?

Os espanhóis peninsulares eram os colonizadores provenientes da Península Ibérica que chegaram à América durante o período colonial. Eles eram em sua maioria de origem espanhola e ocupavam cargos de poder e influência na sociedade colonial, estabelecendo o controle político e econômico sobre as terras conquistadas. Os peninsulares eram vistos como superiores em relação aos criollos (descendentes de espanhóis nascidos na América) e mantinham o monopólio do poder e dos recursos, o que gerava conflitos e ressentimentos entre as diferentes classes sociais na colônia.

Quem eram os peninsulares na história colonial da América Latina e suas características.

Os peninsulares eram os espanhóis nascidos na Península Ibérica que ocupavam cargos de poder na América Latina durante o período colonial. Eles eram considerados a classe dominante na sociedade colonial e desfrutavam de privilégios e benefícios em relação aos outros grupos sociais.

As principais características dos peninsulares incluíam sua origem espanhola, sua lealdade à Coroa espanhola e sua posição de poder na hierarquia colonial. Eles ocupavam os cargos mais altos no governo, na igreja e no exército, controlando assim a política, a economia e a sociedade da colônia.

Os peninsulares eram frequentemente vistos como superiores aos outros grupos sociais, como os criollos (espanhóis nascidos na América Latina) e os índios e mestiços. Eles tinham acesso a melhores oportunidades educacionais, econômicas e sociais, o que perpetuava sua posição de poder e privilégio na colônia.

Apesar de sua influência e domínio sobre a América Latina colonial, os peninsulares também enfrentaram desafios e resistência por parte dos outros grupos sociais, que muitas vezes lutavam por mais autonomia e igualdade na sociedade colonial.

Em resumo, os peninsulares eram os espanhóis nascidos na Península Ibérica que detinham o poder e o controle na América Latina colonial, mantendo uma posição de privilégio e superioridade em relação aos outros grupos sociais.

Como eram denominados os espanhóis nascidos na América durante o período colonial?

Os espanhóis nascidos na América durante o período colonial eram denominados de criollos. Essa palavra era usada para se referir aos descendentes de espanhóis nascidos no continente americano. Os criollos ocupavam uma posição intermediária na hierarquia social da época, abaixo dos espanhóis peninsulares e acima dos ameríndios e negros escravizados.

Os espanhóis peninsulares, por sua vez, eram aqueles nascidos na Espanha e que ocupavam os cargos mais altos na administração colonial. Eles detinham o poder político, econômico e social, e muitas vezes viam os criollos com desconfiança, devido ao seu status de nativos da América.

Apesar das diferenças entre criollos e espanhóis peninsulares, ambos faziam parte da elite colonial e compartilhavam certos privilégios em relação aos demais grupos sociais. Os criollos, por exemplo, tinham acesso a educação e cargos administrativos, enquanto os espanhóis peninsulares ocupavam os postos mais importantes na hierarquia colonial.

Em resumo, os criollos eram os espanhóis nascidos na América durante o período colonial, enquanto os espanhóis peninsulares eram aqueles nascidos na Espanha e que detinham o poder na administração colonial. Essas distinções sociais e políticas tiveram um papel importante na formação da sociedade colonial e nas relações de poder na época.

Relacionado:  Quem venceu a Primeira Guerra Mundial?

Os descendentes dos espanhóis: qual era o nome dado a eles?

Os espanhóis peninsulares eram os colonizadores que vieram da Espanha para as terras colonizadas na América durante o período colonial. Eles eram os representantes diretos do governo espanhol e detinham o poder político e econômico nas colônias.

Os descendentes dos espanhóis, nascidos na América, eram chamados de crioulos. Essa classe social ocupava um lugar intermediário na estrutura colonial, abaixo dos espanhóis peninsulares, mas acima dos mestiços e dos nativos.

Os crioulos eram uma elite local que muitas vezes se ressentiam da dominação dos espanhóis peninsulares e buscavam maior autonomia política e econômica. Eles eram os principais beneficiários do sistema colonial, controlando grandes propriedades rurais, minas e comércio.

Apesar de sua posição privilegiada, os crioulos enfrentavam restrições em relação ao acesso aos cargos políticos mais altos e ao exercício de poder real nas colônias. Isso muitas vezes gerava conflitos e tensões entre os diferentes grupos sociais na América espanhola.

Em resumo, os espanhóis peninsulares eram os colonizadores vindos da Espanha, enquanto os crioulos eram os descendentes nascidos na América. Os crioulos ocupavam uma posição intermediária na hierarquia colonial e desempenhavam um papel importante na sociedade e na economia das colônias.

Conheça mais sobre a cultura e história do povo espanhol em detalhes surpreendentes.

Os espanhóis peninsulares eram os habitantes da Península Ibérica, onde atualmente está localizada a Espanha. Eles possuíam uma rica cultura e história que influenciaram não apenas o seu próprio país, mas também diversas outras regiões ao redor do mundo.

Os espanhóis peninsulares eram conhecidos por sua paixão pela arte, música e culinária. Eles produziam obras de arte magníficas, como as pinturas de Goya e Velázquez, e construíam belos palácios e catedrais que ainda hoje encantam os visitantes. Sua música, como o flamenco, é mundialmente famosa por sua expressividade e emoção. E sua culinária, com pratos como a paella e o gazpacho, é apreciada em todo o mundo.

A história dos espanhóis peninsulares também é fascinante. Eles foram influenciados por diversos povos ao longo dos séculos, como os romanos, os mouros e os visigodos. Essas influências se refletem na arquitetura, na língua e nas tradições do povo espanhol. Além disso, os espanhóis peninsulares foram os responsáveis pela colonização de grande parte da América Latina, deixando um legado cultural duradouro naquela região.

Em resumo, os espanhóis peninsulares eram um povo rico em cultura e história, que deixou um impacto duradouro no mundo. Conhecer mais sobre eles é fundamental para entender a complexidade e a diversidade da sociedade espanhola e sua influência global.

Quem eram os espanhóis peninsulares?

Os espanhóis peninsulares , conhecidos como brancos peninsulares na Venezuela, eram uma classe social, econômica e política estabelecida com colonos que chegavam aos Estados Unidos diretamente da Península Ibérica, no início do século XVI, com o objetivo de povoar e controlar os novos territórios. conquistado

No final do século XV, o processo de conquista da América pelo Reino da Espanha foi consolidado . Em alguns anos, os espanhóis tornaram-se proprietários de imensos territórios com toda a riqueza natural que continham, bem como com o controle da população nativa que habitava esses territórios.

Quem eram os espanhóis peninsulares? 1

Quando os espanhóis peninsulares ou os brancos peninsulares se estabeleceram?

A partir de 1526, esses novos e recentes proprietários do que chamavam de Nova Espanha vieram diretamente da península espanhola para povoar e evangelizar os nativos americanos.

Estes foram os chamados espanhóis peninsulares que estabeleceram parcelas para a distribuição de terras e comunidades indígenas para o uso de conquistadores e colonos.

Esses primeiros colonos, também chamados gachupines ou godos, ocupavam a mais alta hierarquia social e gozavam dos maiores privilégios econômicos e políticos.

Eles assumiram os mais importantes cargos de governo e administração nos novos territórios ligados à coroa espanhola. Eles também tinham o caminho aberto para ocupar a mais alta hierarquia eclesiástica e do exército. Eles eram os representantes do poder espanhol na América.

Note-se que a maioria dos espanhóis que chegaram às terras americanas em meados do século XVI não eram membros da nobreza ou das altas classes sociais espanholas. Pelo contrário, muitos eram marinheiros e aventureiros que empreenderam a longa jornada para o novo continente em busca de ouro e riqueza.

Por sua bravura, em certos casos, eles receberam alguns títulos nobres menores (como o título de “Hidalgos”) em reconhecimento por seus serviços à Coroa nas Índias.

Os primeiros colonos chegaram principalmente de Castela; mais tarde, catalães e maiorquinos chegaram para estabelecer empresas comerciais. Em geral, todo o espanhol chegado diretamente da Espanha tornou-se membro da classe social dos espanhóis peninsulares.

A nova geração: crioulos

Logo após a chegada dos primeiros espanhóis que se estabeleceram em terras americanas, surgiu uma nova classe social: os crioulos , que em português significa “preto criado na casa do Senhor” (observe a discriminação da própria etimologia), e que eles não eram nada além de descendentes de espanhóis nascidos em território americano.

Quem eram os espanhóis peninsulares? 2

Embora fossem legalmente espanhóis, na evolução diária da América colonial, esses filhos de espanhóis puros eram considerados inferiores, a ponto de chamá-los de crioulos em vez de espanhóis.

Obviamente, com o passar do tempo, os espanhóis peninsulares estavam morrendo e os crioulos estavam aumentando em número.

Estima-se que em 1792, no México, por exemplo, havia apenas entre 11 mil e 14 mil peninsulares, ou o que é igual, 0,2% da população total; enquanto havia aproximadamente um milhão de crioulos, representando 16% da população mexicana total.

A discriminação que existia na sociedade da Nova Espanha era tal que, dentro da mesma classe de crioulos, havia certas “subclasses” determinadas basicamente pela cor e ocupação da pele.

Relacionado:  Revolução Industrial no Chile: causas e consequências

Aqueles que eram brancos como o peninsular, e também compartilhavam suas aspirações sociais, podiam manter estreitos laços econômicos, políticos e familiares com o peninsular. Isso gerou uma poderosa oligarquia crioula.

Os outros crioulos começaram a reivindicar seus direitos de “igualdade” em relação aos espanhóis peninsulares e ao restante dos crioulos brancos supervalorizados, reivindicando a possibilidade de ocupar as mesmas posições e acessar os mesmos privilégios.

Mas a coroa espanhola parecia colocar uma mancha indelével e uma auréola de desconfiança por tudo o que era gerado nas novas terras conquistadas. As altas posições políticas e militares sempre foram reservadas para os peninsulares.

Eles também continuaram desfrutando de privilégios em atividades comerciais na Nova Espanha. Os crioulos tiveram que se contentar com taxas médias e atividades comerciais menores.

Essa segregação feita pela Espanha aos seus próprios filhos foi o terreno fértil para os eventos de independência subsequentes.

Incapazes de serem considerados espanhóis, os crioulos começaram a sentir-se americanos, a levar mais amor ao terreno onde nasceram do que ao chão de seus pais e, consequentemente, a lutar por sua independência da Coroa.

Classes e castas em Nova Espanha

Na verdade, havia apenas três classes sociais que coexistiam na América colonial:

Os nativos, nativos e nativos dos territórios conquistados

Basicamente, eles se tornaram a força de trabalho para trabalhar nas terras peninsulares e crioulas exploradas. Eles não tinham acesso à educação ou ocupavam cargos administrativos ou militares. Eles eram a base da pirâmide.

Crioulos, descendentes de espanhóis nascidos na América

Com acesso à educação e a certas posições comerciais, mas sem os mesmos direitos plenos dos espanhóis peninsulares. Eles eram a escada do meio da pirâmide.

Os espanhóis peninsulares, na ponta da pirâmide

Espanhol nascido na Espanha com todos os privilégios e direitos.

Mas, a partir da mistura de espanhóis, crioulos e indígenas, nasceram castas sociais que aumentaram em número com migrações subsequentes (por exemplo, de africanos e asiáticos) após a conquista.

Essas misturas raciais na Nova Espanha ocorreram ao longo de mais de três séculos. Eles foram os estratos sociais mais discriminados e rebaixados ao longo da história colonial, mas foram os que deram à América sua grande riqueza cultural.

Tabela de castas sociais

Quem eram os espanhóis peninsulares? 3

Referências

  1. Gloria Delgado de Cantú. História do México. Volume I: O processo de gestação de uma cidade. 382, 383.
  2. Crioulos e espanhóis no vice-reinado – Los Peninsulares – Classe Social. Espanhol ou Peninsular vs. Crioulos.
  3. Crioulos e peninsulares, século XV em diante / América Latina. Biblioteca do Plano Ceibal. Recuperado de contents.ceibal.edu.uy.
  4. Classes sociais e castas da Nova Espanha. Recuperado de historiademexicobreve.com.
  5. Oscar Mauricio Pabón Serrano (2012). Os tribunais de Cádiz e o espanhol de ambos os hemisférios: o debate sobre a representação igual entre americanos e peninsulares. Revista Issues No. 6. Departamento de Ciências Humanas da Universidade Santo Tomás. Bucaramanga, Colômbia.

Deixe um comentário