Realismo: características, representantes e seus trabalhos

O Realismo foi um movimento artístico e literário que surgiu no século XIX, sobretudo na Europa, como uma reação ao Romantismo. Caracterizado pela representação fiel da realidade, o Realismo buscava retratar a vida cotidiana, os costumes e as classes sociais de forma objetiva e sem idealizações. Dentre os principais representantes do Realismo, destacam-se escritores como Gustave Flaubert, Émile Zola, Machado de Assis, Eça de Queirós e Fiódor Dostoiévski. Suas obras exploram temas como a hipocrisia da sociedade, as injustiças sociais, a psicologia dos personagens e a crítica ao poder. O Realismo deixou um legado duradouro na literatura e na arte, influenciando movimentos posteriores como o Naturalismo e o Realismo Social.

Principais características do Realismo na literatura e artes visuais.

O Realismo é um movimento artístico e literário que surgiu no século XIX e teve como principal objetivo retratar a realidade de forma objetiva e fiel, sem idealizações ou romantizações. Nas artes visuais, os artistas realistas buscavam representar a vida cotidiana, as classes trabalhadoras e os ambientes urbanos, utilizando técnicas que valorizavam a precisão e o detalhismo.

Na literatura, o Realismo se caracteriza pela narrativa objetiva, pela descrição minuciosa dos ambientes e personagens, e pela abordagem de temas sociais e políticos. Os escritores realistas buscavam retratar a sociedade da época de forma crítica, expondo as desigualdades e injustiças presentes na vida das pessoas.

Alguns dos principais representantes do Realismo na literatura foram Gustave Flaubert, autor de “Madame Bovary”, Émile Zola, conhecido por obras como “Germinal” e “Nana”, e Machado de Assis, autor brasileiro de clássicos como “Dom Casmurro” e “Memórias Póstumas de Brás Cubas”.

Nas artes visuais, destacaram-se pintores como Gustave Courbet, conhecido pelo quadro “O Enterro em Ornans”, e Honoré Daumier, famoso por suas caricaturas políticas. Esses artistas buscavam retratar a realidade de forma crua e direta, sem os artifícios e idealizações típicas do Romantismo.

Seus representantes deixaram um legado importante que influenciou as gerações futuras e continua a inspirar artistas e escritores até os dias de hoje.

Representantes do Realismo: conheça os principais escritores do movimento literário do século XIX.

O Realismo foi um movimento literário do século XIX que buscava retratar a realidade de forma objetiva, sem idealizações. Os escritores realistas tinham como objetivo mostrar a sociedade como ela realmente era, com seus problemas, contradições e complexidades.

Alguns dos principais representantes do Realismo foram Machado de Assis, Émile Zola, Fyodor Dostoevsky e Gustave Flaubert. Machado de Assis, por exemplo, foi um dos maiores escritores brasileiros do século XIX e é conhecido por obras como “Dom Casmurro” e “Memórias Póstumas de Brás Cubas”.

Já Émile Zola, um dos principais representantes do Realismo francês, ficou famoso por sua série de romances “Os Rougon-Macquart”, que retratava a sociedade francesa do século XIX de forma crua e realista.

Fyodor Dostoevsky, escritor russo, é conhecido por obras como “Crime e Castigo” e “Os Irmãos Karamazov”, que exploram as profundezas da alma humana e as contradições da sociedade russa da época.

Por fim, Gustave Flaubert, autor francês, é lembrado por seu romance “Madame Bovary”, que critica a sociedade burguesa e as convenções sociais da época.

Os escritores realistas se destacaram por sua capacidade de retratar a realidade de forma crua e objetiva, sem idealizações. Suas obras continuam a ser lidas e estudadas até os dias de hoje, influenciando gerações de escritores e leitores em todo o mundo.

Qual é a obra mais importante do Realismo na literatura?

O Realismo foi um movimento literário que surgiu no século XIX, marcado pela representação fiel da realidade, sem idealizações. Os escritores realistas buscavam retratar a sociedade e os indivíduos de forma objetiva, abordando temas como a vida urbana, a classe trabalhadora, a moralidade e as contradições sociais.

Um dos principais representantes do Realismo foi o escritor francês Gustave Flaubert, autor de uma das obras mais importantes desse período, “Madame Bovary”. O romance narra a história de Emma Bovary, uma mulher insatisfeita com sua vida provinciana e que busca a realização de seus desejos através de relacionamentos extraconjugais e do consumo desenfreado.

Outro grande nome do Realismo foi o escritor russo Fiodor Dostoiévski, conhecido por obras como “Crime e Castigo” e “Os Irmãos Karamazov”. Dostoiévski explorava a psicologia dos personagens e abordava questões existenciais e morais, refletindo as tensões e contradições da sociedade russa da época.

O Realismo teve grande influência na literatura mundial, destacando-se pela representação objetiva da realidade e pela abordagem crítica das questões sociais. Suas obras continuam a ser estudadas e apreciadas até hoje, sendo consideradas fundamentais para a compreensão da história da literatura.

Principais artistas que deixaram sua marca no movimento artístico do Realismo.

O Realismo foi um movimento artístico que surgiu no século XIX, buscando retratar a realidade de forma objetiva e fiel, sem idealizações. Os artistas realistas tinham como objetivo representar a vida cotidiana, os aspectos sociais e políticos da época, e as condições de vida da classe trabalhadora.

Relacionado:  Abraham Mauricio Salazar: Biografia e Obras

Alguns dos principais representantes do Realismo foram Gustave Courbet, Honore Daumier e Jean-François Millet. Gustave Courbet, por exemplo, é conhecido por suas obras que retratam a vida rural e o trabalho árduo dos camponeses, como o famoso quadro “As Espigadoras”. Honore Daumier, por sua vez, ficou famoso por suas ilustrações satíricas que criticavam a sociedade francesa da época. E Jean-François Millet é lembrado por suas pinturas que mostram a vida simples e humilde dos camponeses.

Esses artistas deixaram sua marca no movimento realista ao retratar a vida com honestidade e sem romantismo. Suas obras refletiam as injustiças sociais, as condições de trabalho precárias e a realidade da época. O Realismo foi uma forma de arte que buscou dar voz aos menos favorecidos e mostrar a verdade por trás das aparências.

Assim, o Realismo foi um movimento artístico importante que influenciou não apenas a pintura, mas também a literatura, o teatro e a música da época. Os artistas realistas deixaram um legado duradouro, mostrando que a arte pode ser um instrumento de denúncia e transformação social.

Realismo: características, representantes e seus trabalhos

O realismo foi uma pós-Romantismo e Naturalismo antes do movimento artístico surgiu na França em meados do século XIX. Esse movimento surgiu aproximadamente em 1850, após a Revolução de 48, na forma de protestos sobre as condições de trabalho e a qualidade de vida que eles enfrentavam na época.

Essa corrente está intimamente relacionada ao romantismo, pois, embora os artistas que fizeram o realismo emergiram tenham tomado a corrente anterior como inspiração, o pano de fundo disso foi totalmente contrário ao romantismo: os artistas se opuseram a embelezar a realidade e continuar a representar aspectos do passado.

Realismo: características, representantes e seus trabalhos 1

Auto-retrato de Gustave Courbet, o máximo representante do realismo. Fonte: Gustave Courbet [Domínio público]

O principal objetivo do realismo era capturar em suas obras aspectos da vida cotidiana daquele momento. Eles destacaram elementos de natureza social – como as longas horas de trabalho duro que até mulheres e crianças nas indústrias tinham que cumprir -, bem como o tipo de vida que a elite burguesa desfrutava.

Os trabalhos realizados nesse movimento têm um cuidado especial com os detalhes dos objetos que são representados: suas texturas, iluminação, sombras e volume e, acima de tudo, o objetivo era representar as pessoas o mais detalhado e real possível. .

Gustave Courbet é considerado o pai do realismo, pois foi ele quem primeiro fez uma declaração sobre o realismo através de um manifesto. Este artista nomeou sua primeira exposição individual, o pavilhão do realismo .

Contexto histórico

O realismo surgiu após a Revolução de 1848. Essa ação causou desconforto na cidade por ter sido considerada fracassada, desde que o Segundo Império Francês foi posteriormente estabelecido.

As causas pelas quais eles lutaram na Revolução Francesa foram enterradas por interesses econômicos e sociais; um grande descontentamento foi gerado na sociedade e, com isso, um despertar dos artistas da época, que mostraram sensibilidade em relação a questões políticas e sociais.

A industrialização foi a causa do trabalho artesanal em grande parte abandonado e, como era necessário muito trabalho nas indústrias, homens e mulheres e crianças foram forçadas a trabalhar por longas horas.

Como a sociedade estava em deterioração devido à deterioração das condições de trabalho e da qualidade de vida, os artistas da época decidiram usar sua arte como um meio de expressar críticas ao novo modo de vida que precisava ser suportar

Além de representar a vida cotidiana com base em críticas, os artistas procuravam representar essa realidade da maneira mais objetiva possível, sem se referir a cânones da beleza, como impostos no romantismo, ou se referindo ao passado; Eles só queriam capturar o dia a dia.

Caracteristicas

– Queria representar as situações da vida cotidiana da maneira mais objetiva possível, sem embelezá-las ou distorcê-las.

– Apesar de ter alguma influência do romantismo, ele se opôs a essa tendência porque procurava deixar de lado os ideais e o egocentrismo associados a ela. Sua intenção era mais direta, menos ornamentada.

– As principais questões a serem abordadas através das obras estavam associadas à vida no campo e à exploração. Isso respondeu à realidade de que a maioria dos cidadãos da época vivia.

– Serviu de base de inspiração para várias correntes subseqüentes, dentre as quais se destaca o naturalismo.

Relacionado:  O que são artes gráficas? Recursos e História

– Muitos dos trabalhos pertencentes a esse movimento foram criticados por abordar situações bastante comuns, sem tentar distorcer, transformar ou melhorar a realidade.

– O objetivo desse movimento era claramente social: transmitir a maneira precária e desfavorável pela qual muitas pessoas viviam na época em que o realismo emergiu. Ele também mostrou o tipo de vida que as classes ricas da época levavam.

– A representação dos corpos humanos buscava ser feita de maneira a parecer o mais real possível. O uso de diferentes técnicas que favorecerão a presença de detalhes extremamente cuidadosos e realistas é característico desse movimento.

– Houve um gerenciamento adequado do volume dos objetos representados pelo uso de técnicas sofisticadas de luz, sombras e cores, tanto em criações pictóricas quanto em esculturas.

Representantes e seus trabalhos

-Pintura

Édouard Manet

Ele era um pintor francês nascido em Paris em 23 de janeiro de 1832. Seu interesse pela arte começou quando ele começou a estudar na oficina de Thomas Couture com a permissão de seus pais, mas seis anos depois de estar sob os ensinamentos desse pintor, Ele decidiu sair da oficina.

Gostava de visitar museus para copiar obras de vários artistas, como Rembrandt, Goya, Courbet e outros, então em 1853 começou a viajar pela Europa, especificamente para Itália, Alemanha, Espanha, Áustria e Holanda, para continuar copiando as pinturas de Grandes artistas e aperfeiçoam seus treinamentos.

Em outubro de 1863, casou-se com Suzanne Leenhoff, uma renomada pianista holandesa da época, e dois anos depois viajou novamente para a Espanha. Nessa viagem, ele conheceu um artista que mais tarde foi uma grande influência para ele: Diego Velázquez.

Manet nunca se dedicou ao ensino ou teve aprendizes, exceto uma jovem que recebeu em 1869 como discípula, Eva Gonzales, que continuou sua formação em pintura e se tornou artista depois de receber os ensinamentos de Manet e Charles Joshua Chaplin.

Em 1880, ele começou a sofrer problemas de saúde devido a uma doença circulatória crônica. Três anos depois, ele teve que amputar a perna esquerda como resultado da doença, e ganhou gangrena. Ele morreu em 30 de abril de 1883 em Paris aos 51 anos de idade.

Trabalhos
Déjeuner sur l’Herbe (1863)

Esta pintura a óleo também é conhecida como Almoço do País . Está atualmente no Museu de Orsay (Paris).

Olympia (1863)

É uma pintura a óleo sobre tela que causou muita controvérsia, pois foi um dos primeiros nus realistas. Manet trabalhou neste trabalho para apresentá-lo em 1863 no Salon des Refusés, mas não pôde exibi-lo até 1865 no Salon de Paris. Ele está atualmente no Museu Orsay.

A Varanda (1869)

Representa a vida da burguesia e é inspirado em uma pintura de Francisco de Goya: Os pilões na varanda . Como a maioria de suas obras, ele permanece em Paris, no Museu Orsay.

Um aux bar Folies Bergère (1882)

Este trabalho, óleo sobre tela, foi a última peça artística feita por Manet antes de sua morte. Ele o pintou em 1882 e, no mesmo ano, foi exibido no Salão Automóvel de Paris. Sua localização desde 1932 fica na Galeria Courtauld (Londres).

Gustave Courbet

Nasceu em Ornans, França, em 10 de junho de 1819. Era um pintor e revolucionário, considerado o maior representante do realismo.

Até os 20 anos, ele permaneceu em sua cidade natal. Naquela idade, ele se mudou para Paris para trabalhar na Academia Suíça e treinar pintura. Além de receber lições de artistas como o francês Charles de Steuben, ele também se dedicou a copiar as pinturas de pintores famosos, cujas obras foram exibidas no Museu do Louvre.

Ele gostava de pintar paisagens, especialmente de seu povo, retratos e nus; No entanto, era contra certos aspectos do romantismo e do neoclassicismo; portanto, em 1848, ele apresentou um manifesto contra essas tendências com Max Bouchon.

Courbet estava interessado em representar aspectos da vida cotidiana, tarefas domésticas, vidas dos trabalhadores e atividades ao ar livre, e foi severamente criticado por representar situações consideradas muito comuns.

Em 1855, seus trabalhos foram exibidos na Exposição Universal de Paris, mas depois de ver que eles não obtiveram a aceitação que ele queria, ele decidiu inaugurar sua própria exposição chamada O pavilhão do realismo , localizado próximo ao Campo de Marte.

Em fevereiro de 1871, a comuna de Paris o nomeou diretor de museus, mas no mesmo ano ele foi demitido e preso desde que foi acusado pela demolição da coluna Vendôme, um grande símbolo de Napoleão Bonaparte.

Relacionado:  Dança Arara: origem e características

Depois de passar seis meses na prisão totalmente privado de liberdade, em 1873 ele decidiu se exilar na Suíça. Ele caiu no vício do álcool e se afastou quase completamente da arte. Em 31 de dezembro de 1877, ele morreu de cirrose hepática em La Tour-de-Peliz, na Suíça.

Trabalhos
Enterro em Ornans (1849)

É uma das pinturas que mais representa fortemente o estilo de Courbet. Foi pintado em óleo sobre tela e atualmente está no Museu Orsay.

Os pedreiros (1849)

Foi exibido pela primeira vez em 1850 no Salão Automóvel de Paris e era uma representação do realismo social. Esta imagem foi perdida durante a Segunda Guerra Mundial.

Peneiras de Trigo (1853)

Feitas com tinta a óleo, nesta pintura de Courbet, suas irmãs eram modelos. Atualmente, está localizado no Museu de Belas Artes de Nantes.

O encontro (1854)

Esta pintura a óleo mostra o próprio Courbet recebido por seu patrono, seu criado e seu cachorro quando viaja para Montpellier, em um palco com um dia ensolarado e cheio de luz. Atualmente este trabalho está no Museu Fabre (Montpellier).

Oficina do pintor (1855)

Esta pintura a óleo sobre tela é muito famosa, pois foi a principal obra com a qual Courbet abriu sua exposição individual, O Pavilhão do Realismo , em 1855. Atualmente, ele permanece no Museu Orsay.

-Escultura

Auguste Rodin

Auguste Rodin foi um escultor francês nascido em Paris em 12 de novembro de 1840. Vindo de uma família humilde, desde cedo demonstrou interesse em arte e começou sua formação no Congresso das Mulheres da Doutrina Cristã de Nancy em 1848.

Dois anos depois, ele deixou a escola e, até 1854, freqüentou uma em Beauvais, mas aos 14 mudou para Petite École, onde pôde formalmente iniciar seu treinamento em desenho, sob o ensinamento de Horace Lecoq de Boisbaudran.

Por vários anos, Rodin pretendeu ingressar na Escola de Belas Artes, mas, embora tentasse repetidamente, nunca conseguiu. No entanto, isso não impediu o jovem de continuar seu treinamento, pois começou a se interessar por escultura e pintura e foi ao Louvre praticar suas técnicas.

Em 1857, ele participou como assistente de Georges-Eugène Haussmann na reconstrução de Paris e começou a fazer esculturas decorativas. Anos depois, essa atividade se tornou seu meio de vida.

Considera-se que seu primeiro grande trabalho foi a pregação de São João Batista , e depois disso chegou um tempo de grande inspiração para Rodin, no qual ele executou O Beijo , Os Portões do Inferno , Os Burgueses de Calais e O Pensador , entre outros.

Em 17 de novembro de 1917, ele morreu em Meudon, logo após a morte de quem no momento era sua esposa, Rose Beuret.

Trabalhos
O Pensador (1880)

É uma das esculturas mais famosas do artista. Foi fabricado em bronze e atualmente está no Museu Rodin (Paris). Existem mais de 20 versões diferentes deste trabalho em museus ao redor do mundo.

O Beijo (1882)

É uma escultura de mármore inspirada na divina comédia de Dante Alighieri. É uma das esculturas mais representativas de Rodin, atualmente no Museu Rodin (Paris).

São João Batista (1888)

A segunda escultura em tamanho natural feita por Rodin, feita em bronze. Neste trabalho, você pode ver San Juan Bautista completamente nu, pregando. Está atualmente no Museu Rodin.

O burguês de Calais (1889)

Esta escultura foi inaugurada em Calais, onde ainda está localizada. É um monumento de reconhecimento a seis homens que, no início da Guerra dos Cem Anos, se renderam voluntariamente aos ingleses para impedir a destruição e os maus-tratos em sua cidade e no resto de seus habitantes.

Referências

  1. Fernier, R. (2001). Gustave Courbet Retirado em 13 de maio de Encyclopedia Britannica: britannica.com
  2. (2016). Realismo pictórico, uma maneira única de abordar a realidade. Recuperado em 13 de maio do Mestrado Universitário em Pesquisa de Projetos e Arte. Universidade Miguel Hernández: masterbellasartes.edu.umh.es
  3. (sf). Courbet se expressa. Retirado em 13 de maio do Museu Orsay: musee-orsay.fr
  4. (sf). Édouard Manet. Retirado em 13 de maio do Instituto de Arte de Chicago: artic.edu
  5. (sf). Gustave Courbet Retirado em 13 de maio do Museu Nacional Thyssen-Bornemisza: museothyssen.org
  6. (sf). O beijo: Auguste Rodin (1840 – 1917). Retirado em 13 de maio do Museu Rodin: musee-rodin.fr
  7. (sf). O pensador: Auguste Rodin (1840 – 1917). Retirado em 13 de maio do Museu Rodin: musee-rodin.fr

Deixe um comentário