Romantismo Literário: Origem, Características e Representantes

O romantismo literário é a era da produção literária realizada entre o final do século XVIII e meados do século XIX em várias partes da Europa. Essa manifestação literária estava sujeita a uma estética completamente oposta às abordagens cosmopolitas e extremistas do Iluminismo francês .

Essa expressão literária é o ramo mais importante do vasto movimento holístico ( romantismo ) do qual deriva seu nome. Os autores que se dobraram em suas formas procuraram neutralizar o capitalismo gerado pela Revolução Industrial , que na época foi desenvolvida pelos gauleses e espalhada por toda a Europa.

Romantismo Literário: Origem, Características e Representantes 1

Goethe Joseph Karl Stieler [Domínio público], via Wikimedia Commons

A literatura do romantismo propunha resgatar a essência das coisas.O trabalho do escritor era levar as pessoas à transcendência por meio de cartas. Formalismo e intelectualismo eram vistos como obstáculos no processo criativo.

Ao contrário do que normalmente se pensa, o termo “romantismo” não se refere ao “amor”, como é atualmente percebido. No século XVII, o “romântico” era tudo o que descrevia a melancolia que desperta a natureza, o acidentado e tudo o que estava relacionado a isso.

Naquela época, a palavra “romântico”, por sinônimo, estava associada ao implausível, incrível e fantástico. Em contraste, esse adjetivo, pela antonimia, era um antagonismo do greco-latino e do clássico, como a literatura da Idade Média .

Origem

A origem primária dessa corrente está localizada na Alemanha. O chamado “romantismo alemão” foi um movimento quebrado em sua gênese e gradualmente condensado até alcançar uma maior hegemonia de pensamento e escopo.

Sua concepção foi marcadamente influenciada por duas correntes, uma de natureza religiosa chamada “pietismo”, com muito alcance na Alemanha em meados do século XVIII. A outra tendência literária foi o ” Sturm und Drang ” (“tempestade e momento”), um movimento de caráter estético e claramente antagônico ao classicismo.

Pietism

O pietismo defendia a relação unipessoal e bilateral do homem com Deus, a partir do coração, sem tantas regras e formalidades impostas pela igreja. Por seu lado, Sturm und Drang , defendia a individualidade do ser, a liberdade de expressão da subjetividade, dando especial importância às emoções e à sua qualidade infinita.

Esse movimento alemão, como o grande número de correntes de pensamento que ocorreram no mundo, é reacionário. Nasce pela oposição, como revelação contra a iluminação alemã.

Uma das obras representativas da época foi Os Alpes , um poema de Albrecht von Haller, uma canção natural e sua magnificência.

Com a evolução do tempo, grandes figuras ascenderam, Goethe, o escritor mais transcendental da Alemanha, é um deles. Também Friedrich Schiller, Karoline von Günderrode, Ludwig Tieck, Jakob e Wilhelm, os famosos irmãos Grimm, entre muitos outros.

Países onde foi desenvolvido

O romantismo literário se espalhou da Alemanha por toda a Europa, atingindo um grande impacto nos continentes americano e asiático. A seguir, é apresentada a lista de países e seus promotores.

Romantismo francês

Dos surtos românticos na Europa, este tem uma notoriedade particular por ser a França o berço do que é fortemente oposto pelo romantismo.

Contra esse avanço tecnológico modernista, usurpador da mão-de-obra do homem pela máquina, Madame de Stael, Jean-Jacques Rousseau, Alexandre Dumas, Gérard de Nerval, Alfred de Musset, Alfonso de Lamartine, Charles Nodier, o grande Victor Hugo, entre outros.

Entre as contribuições significativas do romantismo por esses escritores na França, houve um ressurgimento literário em idiomas não oficiais. A linguagem provençal foi um dos casos.

Federico Mistral liderou o grupo “Félibrige”, encarregado de escrever nesse dialeto (provençal), com o objetivo de fazer emergir a chamada poesia do velho trovador, típica da Idade Média francesa. Entre as obras famosas da época, vale a pena nomear La Mireya de Mistral.

Romantismo inglês

Romantismo Literário: Origem, Características e Representantes 2

Lord Byron, escritor inglês. Por Desconhecido, colorido por uploader (www.noelcollection.org) [Domínio público], via Wikimedia Commons

Você poderia dizer que a Inglaterra desenvolveu seu romantismo literário ao lado da Alemanha. No final do século XVIII, alguma melancolia estava ligada a aspectos da vida no campo e ao canto das liberdades individuais. Havia também um profundo desapego dos formalismos litúrgicos e tudo o que se assemelhava a ele.

Havia escritores considerados precursores desse movimento nessas terras, eles eram chamados de “pré-românticos”. Entre eles estão James Macpherson e Thomas Chatterton.

Dentro dos pré-românticos, havia um grupo chamado “os poetas do cemitério”. Estes foram caracterizados por escrever uma poesia sombria e sombria, com menções recorrentes de ossos, crânios, vermes, a fuga da vida e a duração da morte. Estes incluem Thomas Parnell, Thomas Percy, Robert Blair e Mark Akenside.

Entre os representantes mais fortes dessa corrente na Inglaterra, Lord Byron e Mary Shelley se destacam bastante. Suas obras tiveram repercussões na literatura mundial, sendo consideradas material literário de culto no Romantismo.

Este período foi frutífero em termos de produção e inventividade. Os gêneros emergiram como o romance histórico, pelas mãos de Walter Scott e os romances góticos, de Ann Radcliffe.

Romantismo escandinavo

Quando o romantismo chegou à Escandinávia, não encontrou muita resistência. Para a vantagem do movimento nascente, o Iluminismo e o Classicismo não afetaram muito a cultura escandinava, o que permitiu que o movimento romântico penetrasse e se expandisse facilmente entre os escritores da região.

Os nórdicos eram receptivos e produtivos com a corrente literária que os visitava. Os temas sobre o couro cabeludo e as sagas voltaram a crescer. Seus autores incluem Johannes Ewald, Adam Oehlenschlager e Erik Johan Stagnelius.

Romantismo holandês

A Holanda também não escapou ao alcance do romantismo, tendo entre seus maiores expoentes Willem Bilderdijk, um poeta com tendências protestantes calvinistas.

O nacionalismo e suas raízes, a universalidade do pensamento, o valor do próprio, o desaparecimento do popular, foram os temas comuns nos textos elaborados. Destacam-se também Hieronymus van Alphen, Hendrik Tollens e Rhijnvis Feith.

Romantismo polonês

Devido a um passado que deixou um país desintegrado, dividido entre alemães, russos e austríacos, o patriotismo escrito a partir de uma perspectiva romântica chegou à Polônia.

Os escritores poloneses, desejando a reconstituição de sua terra natal, apostaram em suas letras para restaurar a glória perdida. Por causa de seu nacionalismo exacerbado, muitos escritores foram perseguidos e banidos, o que chamaram de “duplo banimento”, mas não pararam em reivindicar o que correspondia à sua terra natal.

Seu principal expositor foi o poeta Adam Mickiewicz, que escreveu seguindo os passos dos ancestrais e suas tradições, sua riqueza cultural e a miséria vivenciada por seu povo após a divisão de suas terras.

Nomes como o dramaturgo Juliusz Slowacki, influenciado por Goethe, e Zygmunt Krasinski, que apoiaram seu discurso no dantesco e na religião.

Romantismo espanhol

O romantismo na Espanha tem influências marcantes da França e da Grã-Bretanha, devido ao clima político turbulento que este país ibérico experimentou no século XIX. A instalação de um regime absolutista na chamada “Década Agourenta” suspendeu todas as garantias, fechou universidades e jornais, e os que falavam corriam risco de morte ou exílio.

A mesma situação de tensão causada por Fernando VII , após a Guerra da Independência, não ajudou muito na propagação do romantismo. A linguagem romântica, propriamente dita, custa muito para assimilar. Os principais protagonistas da literatura espanhola da época tiveram que escrever do exílio.

Entre os escritores dissidentes que fizeram seus textos de terras distantes está José María Blanco White, que com seu jornal Variedades contribuiu muito para o desenvolvimento do romantismo entre os demais escritores liberais no exílio.

Outros escritores de destaque são Juan Nicolás Bohl de Faber, Ramón López e Buenaventura Carlos Aribau. Os dois últimos publicaram no jornal El Europeo, um jornal de Barcelona. Lá eles contradiziam abertamente as posições neoclássicas.

Foi em 1833, após a morte do rei Fernando VII, que o romantismo começa a ocupar mais espaço na Espanha.

Romantismo italiano

A Itália, no desenvolvimento de seu romantismo, teve uma presença notável. Destacam-se os escritores Giovanni Berchet, Giacomo Leopardi e Hugo Foscolo.

O gênero do romance histórico foi desenvolvido. A poesia abundou e a acentuada tendência contra a iluminação e o neoclassicismo permaneceu.

Romantismo russo

Na Rússia, São Petersburgo era o centro máximo de sua produção romântica. Foi lá, em Leningrado, que o chamado “Círculo de Arzamás” foi responsável – entre 1815 e 1818 – por moldar as manifestações literárias do romantismo russo.

Destacam-se entre seus autores: Vasili Zhukovski, Aleksandr Pushkin e Piotr Viázemsky.

Romantismo americano

Os Estados Unidos conceberam um dos escritores românticos mais universais, o sofrimento e o brilhante Edgar Allan Poe. Como sempre, ele era um gênio incompreendido em seu tempo. Pobreza e sofrimento não eram estranhos para ele. No entanto, ele tirou da escuridão e da dor tudo o necessário para criar um nome imortal na literatura.

Poe desenvolveu o gênero da novela detetive e da novela gótica, bem como o ensaio e a poesia, tendo como principal exemplo seguir Lord Byron. Ele também destaca Henry David Thoreau e sua forte posição ambientalista e anarquista, bem à frente de seu tempo.

Romantismo colombiano

Na Colômbia, o romantismo aparece em uma era emblemática, lutando pelas liberdades: sua ação independente em 1810. Os textos dos escritores românticos colombianos apontam para a liberdade na arte, para o subjetivismo criativo, para o ser.

As belezas naturais da região são exaltadas no máximo. A vida do homem e do campo e o amor pela própria cultura eram temas recorrentes. O respeito e a valorização do folclore de Nova Granada eram aspectos comuns da criação literária romântica daquela área da América Latina.

O existencialismo, o enredo da vida e da morte dos homens, não foi deixado para trás; de fato, teve uma presença forte, bem como a afetação das adversidades sociais na própria vida. Poesia e narrativa foram as expressões dominantes dessa corrente na Colômbia.

Autores como Rafael Pombo, José Eusebio Caro e Julio Flórez se destacam.

Romantismo argentino

Correspondeu à chamada “Geração das 37”, e seu líder Esteban Echeverría, a assimilação e propagação do romantismo nas terras argentinas.

Caracterizou-se por um aprimoramento dos dialetos locais, onde o gaúcho assumiu grande importância. Abrangia os problemas sociais existentes e agia muito de perto do romantismo uruguaio.

O Rio da Prata e suas paisagens serviram de berço a um número considerável de poemas. O romantismo se tornou uma ferramenta integradora que valorizava o próprio povo argentino, exortando os cidadãos a amarem sua terra e suas raízes.

Autores como José Hernández, Domingo Faustino Sarmiento, Juan Moreira e José Mármol.

Outros países da América Latina

Entre eles, destaca-se o México, com Ignacio Manuel Altamirano e Guillermo Prieto; Cuba, com Gertrudis Gómez de Avellaneda e José María de Heredia; Venezuela, com Eduardo Blanco e Juan Antonio Pérez Bonalde; Guatemala, com José Batres Montúfar e Chile, com Alberto Blest Gana.

Caracteristicas

Aprimoramento do popular, natural e nativo

Uma característica marcante dessa tendência literária é o anseio pelas origens, pela identidade dos povos, pela preservação da cultura. Há um profundo interesse no homem que retorna ao campo, tirando as rédeas da lavoura e afastando-se da mecânica e de seus derivados.

Romantismo Literário: Origem, Características e Representantes 3

Jean-Jacques Rousseau. Veja a página do autor [Domínio público], via Wikimedia Commons

Nas obras literárias, percebe-se como as tradições atingem um grande grau de importância por serem a pegada que define diferentes culturas.

O homem e suas liberdades

O assunto do criativo também é reivindicado. Defende a liberdade de criação e pensamento dos seres, sem padrões ou estereótipos .

Relação direta do homem com Deus

Outro aspecto fundamental do romantismo é o fim do relacionamento do homem com o ser supremo, sem intermediários, sem tanta religiosidade ou formalismo. Um

moda para um relacionamento bilateral e individual, e considera que a igreja com sua estrutura veio a romper o fio entre Deus e os homens.

Criação mais pelo seu uso do que pelo seu valor

Ele respeita o valor das coisas criadas, mas coloca a praticidade do objeto e o benefício que ele pode gerar para os outros sobre o monetário. A criação é considerada um fato artístico por meras razões econômicas.

O valor do nacionalismo

A pátria é uma questão fundamental no romantismo. O amor pela terra, seus limites e seu povo predomina no trabalho romântico.

O destino espera para todos

Na obra romântica, há uma apreciação mística e divina do destino: tudo está escrito. Muito contrário ao que afirmam os seguidores do Iluminismo, que expõem que o destino do homem é marcado pelas obras que ele realiza.

Principais representantes e seus trabalhos

Abaixo estão vários autores importantes e três de seus trabalhos mais destacados:

Johan Wolfgang von Goethe

(Alemanha)

Trabalhos:

Peg (1774).

– A Floresta Negra (1789).

– Faust, primeira parte , (1807).

Lord Byron

(Inglaterra)

Trabalhos:

– Escuridão (1816).

Caim (1821).

– a ilha (1823).

Jean-Jacques Rousseau

(França)

– Dissertação na música moderna (1743).

– Julie ou la Nouvelle Héloïse (1761).

– Pigmalião (1771).

Giácomo Leopardi

(Itália)

Trabalhos:

– Versi (1826).

Canti (1831).

– Livretos morais (1827).

Alexandr Pushkin

(Rússia)

– O prisioneiro do Cáucaso (1821).

– Conto da princesa morta e dos sete cavaleiros (1833).

– A história do motim de Pugachov (1834).

Edgar Allan Poe

(EUA)

– A narração de Arthur Gordon Pym (1838).

– “Os crimes da rua do necrotério” (1841).

– “O Corvo” (1845).

Esteban Echeverría

(Argentina)

– Elvira ou a namorada de Plata (1832).

Don Juan (1833).

– Hino da dor (1834).

Rafael Pombo

(Colômbia)

– A hora da escuridão (1855).

– Histórias pintadas para crianças (1867).

– Contos morais para crianças formais (1869).

Manuel Acuña

(México)

– Textos de pensador livre (1870).

– O passado (1872).

– Poemas completos (post mortem 1911).

José Martí

(Cuba)

Ismaelillo (1882).

– versos simples (1891).

– Flores do exílio (1878-1895).

Alberto Blest Win

(Chile)

– O primeiro amor (1858).

– A aritmética do amor (1860).

Mariluán (1562).

Juan Antonio Pérez Bonalde

(Venezuela)

– Stanzas (1877).

– ritmos (1879).

– Glória em Excelsis (1883).

Referências

  1. Romantismo Literário (S. f.). Espanha: Mestre em casa. Recuperado de: mestreacasa.gva.es
  2. Romantismo (S. f.) (N / a): O arquivo de roubo de texto. Recuperado de: robertexto.com
  3. Características do romantismo literário. (2017). (N / a): Enciclopédia de características. Recuperado de: caracteristicas.co
  4. Harlan, C. (2018). Romantismo na literatura. (N / a): sobre espanhol. Recuperado de: aboutespanol.com
  5. Literatura romântica. (S. f.). (N / a): Wikipedia. Recuperado de: en.wikipedia.org

Deixe um comentário

Este site usa cookies para lhe proporcionar a melhor experiência de usuário. política de cookies, clique no link para obter mais informações.

ACEPTAR
Aviso de cookies